GABARITO CO­MEN­TA­DO

Superguia Enem - Sociologia e Filosofia - - Sumário -

Co­men­tá­ri­os: Carlos Eduardo Braga, pro­fes­sor de So­ci­o­lo­gia e co­or­de­na­dor de tec­no­lo­gia edu­ca­ci­o­nal do Co­lé­gio In­ter­na­ci­o­nal Íta­lo Bra­si­lei­ro; Luís Ro­gé­rio Du­ar­te, pro­fes­sor de Fi­lo­so­fia e co­or­de­na­dor pe­da­gó­gi­co do En­si­no Mé­dio do Co­lé­gio In­ter­na­ci­o­nal Íta­lo Bra­si­lei­ro; Mar­co Au­ré­lio Oli­vei­ra Fi­lho, pro­fes­sor de His­tó­ria, So­ci­o­lo­gia, Fi­lo­so­fia e integrante da equi­pe Ex­pli­caMais.

(ENEM 2016 – 1ª Apli­ca­ção) 1) D

Uma das prin­ci­pais mar­cas já sen­sí­veis acer­ca de ca­rac­te­rís­ti­cas do sé­cu­lo XXI se mos­tra jus­ta­men­te so­bre as des­cons­tru­ções. Des­cons­tru­ções se ex­pres­sam pe­la que­bra de pa­ra­dig­mas so­ci­o­cul­tu­rais que his­to­ri­ca­men­te cons­ti­tu­em nos­so com­por­ta­men­to so­ci­al e fi­lo­só­fi­co. Há uma ten­são ca­da vez mais for­te acer­ca dos de­ba­tes so­bre gê­ne­ro, ra­ça, se­xu­a­li­da­de, clas­se so­ci­al, en­tre ou­tros. E é nes­sa ten­são que se ba­seia a ques­tão. Com­pa­ra-se um anún­cio pu­bli­ci­tá­rio de 1968 com a re­per­cus­são em re­des so­ci­ais de uma no­tí­cia vei­cu­la­da em 2016, na qual a prin­ci­pal di­fe­ren­ça é a des­cons­tru­ção con­tem­po­râ­nea dos es­te­reó­ti­pos de gê­ne­ro – que não acei­ta, e com­ba­te, a ideia de que as mu­lhe­res ser­vem ape­nas pa­ra as ta­re­fas do uni­ver­so do­més­ti­co – co­mo ex­plí­ci­to no anún­cio pu­bli­ci­tá­rio de 1968.

2) C

Com as trans­for­ma­ções econô­mi­cas e de mer­ca­do acon­te­ci­das a par­tir do sé­cu­lo XIX nos paí­ses de ca­pi­ta­lis­mo cen­tral, com a Re­vo­lu­ção In­dus­tri­al, hou­ve­ram uma sé­rie de mu­dan­ças es­tru­tu­rais acer­ca do tra­ba­lho, da pro­du­ção, mer­ca­do e su­as in­ter-re­la­ções. A par­tir da in­dus­tri­a­li­za­ção dos mo­de­los pro­du­cen­tes, o tra­ba­lho, ca­rac­te­ri­za­do en­quan­to `for­ça de tra­ba­lho', tor­na-se tam­bém uma mer­ca­do­ria e, por­tan­to, res­pon­den­do à mui­tas ca­rac­te­rís­ti­cas vin­das de su­as re­la­ções de mer­ca­do.

3) E

A cons­tru­ção de uma iden­ti­da­de so­ci­al co­le­ti­va cor­res­pon­den­te a qual­quer gru­po de nos­sa so­ci­e­da­de, pas­san­do não ape­nas por de­ter­mi­na­do ma­te­ri­al, ou mol­de; mas trans­pas­sa a ma­té­ria per­pe­tu­an­do-se em vi­as da pro­du­ção hu­ma­na em pa­ra­le­la a sig­ni­fi­cân­cia co­le­ti­va que a tal ma­té­ria é da­da. Sen­do as­sim, ao ob­ser­var­mos ques­tões de pa­trimô­nio cul­tu­ral, de­ve-se trans­cen­der a ló­gi­ca de mer­ca­do, tra­zen­do à luz os pa­râ­me­tros his­tó­ri­cos, cul­tu­rais e po­pu­la­res que per­mei­am de­ter­mi­na­da obra, ins­tru­men­to, cons­tru­ção, etc. São pro­ces­sos his­tó­ri­cos, so­ci­o­cul­tu­rais, que en­vol­vem de­ter­mi­na­do ma­te­ri­al, sig­ni­fi­can­do-o so­ci­al­men­te. Ou se­ja, atri­buin­do cul­tu­ra a de­ter­mi­na­do ob­je­to, obra, dan­ça, ti­po mu­si­cal, co­mi­da ou cons­tru­ção.

4) C

No tex­to ex­pos­to, há de se ob­ser­var as di­fe­ren­ças pos­tas em com­pa­ra­ção en­tre os con­cei­tos de de­mo­cra­cia de­li­be­ra­ti­va e de­mo­cra­cia ati­vis­ta. No que se re­fe­re à de­mo­cra­cia de­li­be­ra­ti­va o au­tor co­lo­ca de for­ma cla­ra que se tra­ta de uma for­ma de to­ma­da de de­ci­sões que se es­tru­tu­ra nas ins­ti­tui­ções, e que ape­sar de con­se­gui­rem cons­ti­tuir um con­sen­so e se gui­ar em ple­na le­ga­li­da­de “ge­ral­men­te ten­dem a be­ne­fi­ci­ar os agen­tes mais po­de­ro­sos”. No que tan­ge à de­mo­cra­cia ati­vis­ta, o tre­cho ex­põe que, nes­ta te­se, vê-se a ne­ces­si­da­de de des­con­fi­ar das exor­ta­ções à de­li­be­ra­ção. Ou se­ja, há ne­ces­si­da­de, ten­do em vis­ta a atu­a­ção re­al da po­lí­ti­ca – na prá­ti­ca fa­vo­re­cen­do em enor­me ten­dên­cia os mais po­de­ro­sos –, que se or­ga­ni­ze uma vi­são de opo­si­ção crí­ti­ca. O que nos le­va à ca­rac­te­ri­za­ção con­cei­tu­al da mo­bi­li­za­ção das mi­no­ri­as – co­mo des­cri­to na al­ter­na­ti­va cor­re­ta.

5) B

A `es­co­lha' de do­mi­nar a na­tu­re­za atra­vés do avan­ço tec­no­ló­gi­co não se tra­tou de uma ideia in­di­vi­du­al, mas de um pro­ces­so coletivo e gra­da­ti­vo dos gru­pa­men­tos hu­ma­nos em seu de­sen­vol­vi­men­to. Com os pro­ces­sos de in­dus­tri­a­li­za­ção, im­pe­ri­a­lis­mo e globalização os avan­ços tec­no­ló­gi­cos fo­ram se atre­lan­do à ex­plo­ra­ção exa­cer­ba­da dos bens na­tu­rais, as­sim co­mo dos bens de pro­du­ção. O que re­al­çou as ques­tões de­li­ca­das que no tre­cho o au­tor ca­rac­te­ri­za ca­te­go­ri­ca­men­te co­mo ame­a­ças. Sen­do as­sim, as im­pli­ca­ções éti­cas apre­sen­ta­das no tex­to ca­mi­nham jus­ta­men­te pa­ra ob­je­ti­var a ga­ran­tia da so­bre­vi­vên­cia hu­ma­na e das ge­ra­ções fu­tu­ras; atra­vés do re­co­nhe­ci­men­to dos ris­cos de uma ex­plo­ra­ção sem li­mi­tes so­bre a na­tu­re­za e bus­can­do, em âm­bi­to éti­co, ar­ti­cu­lar ar­gu­men­tos crí­ti­cos a es­se pro­ces­so his­tó­ri­co.

6) A

O con­cei­to cons­ti­tu­ci­o­nal de fun­ção so­ci­al da ci­da­de exis­te jus­ta­men­te pa­ra que ca­da mu­ni­cí­pio ob­ser­ve a or­ga­ni­za­ção de seus ter­ri­tó­ri­os, de ma­nei­ra a ga­ran­tir a seus ci­da­dãos o aces­so e a uti­li­za­ção dos bens pú­bli­cos dis­pos­tos pe­la ci­da­de. E co­mo re­la­ta o tre­cho des­ta­ca­do “e não so­men­te aque­les que es­tão no mer­ca­do for­mal da pro­du­ção ca­pi­ta­lis­ta da ci­da­de”. Ou se­ja, é de­ver o mu­ni­cí­pio pro­pi­ci­ar a seus ci­da­dãos (dos mais in­se­ri­dos na ló­gi­ca pro­du­ti­va ca­pi­ta­lis­ta, aos me­nos in­se­ri­dos) o aces­so aos ser­vi­ços pú­bli­cos es­pa­lha­dos em de­ter­mi­na­da ci­da­de. O que nos de­fi­ne, nes­te ca­so, na pri­mei­ra al­ter­na­ti­va “qua­li­fi­ca­ção de ser­vi­ços pú­bli­cos em bair­ros pe­ri­fé­ri­cos”; jus­ta­men­te pelo fa­to de que, o for­ta­le­ci­men­to e qua­li­fi­ca­ção dos ser­vi­ços pú­bli­cos pre­sen­tes nos bair­ros pe­ri­fé­ri­cos – on­de re­si­de a mai­or par­te da po­pu­la­ção de bai­xa ren­da – se­rão o que po­de­rá ga­ran­tir de for­ma mi­ni­ma­men­te efe­ti­va o cum­pri­men­to do con­cei­to cons­ti­tu­ci­o­nal da fun­ção so­ci­al da ci­da­de. Le­van­do àque­les me­nos fa­vo­re­ci­dos, o aces­so aos ser­vi­ços bá­si­cos pre­sen­tes no mu­ni­cí­pio.

7) D

Émi­le Durkheim, um dos prin­ci­pais so­ció­lo­gos, se­não o prin­ci­pal, traz nes­te tre­cho a im­por­tân­cia do de­sen­vol­vi­men­to do mé­to­do ci­en­tí­fi­co pa­ra den­tro das ci­ên­ci­as hu­ma­nas, e pro­pri­a­men­te di­to, pa­ra den­tro da so­ci­o­lo­gia. Va­len­do-se de con­cei­tos do po­si­ti­vis­mo, Durkheim foi fun­da­men­tal pa­ra a ci­ên­cia da so­ci­o­lo­gia, jus­ta­men­te por bus­car aná­li­ses ob­je­ti­vas, e não sub­je­ti­vas acer­ca da so­ci­da­de con­tem­po­râ­nea. Apoi­a­do, por­tan­to, nos mé­to­dos em­pre­ga­dos nas ci­ên­ci­as na­tu­rais e exa­tas co­mo ins­tru­men­tos de le­gi­ti­ma­ção, pro­va e apro­fun­da­men­to da so­ci­o­lo­gia. As­sim, Durkheim bus­ca o em­pi­ris­mo das ci­ên­ci­as na­tu­rais e exa­tas en­quan­to for­ma de se co­lo­car isen­to de opi­niões ou car­gas po­lí­ti­cas em su­as aná­li­ses acer­ca da so­ci­e­da­de.

8) A

No tre­cho des­ta­ca­do do li­vro clás­si­co da con­tem­po­ra­nei­da­de Tu­do que é só­li­do se des­man­cha no ar, de M. Ber­man, fi­ca re­al­ça­do a in­ten­ção do au­tor em des­ta­car que, por um la­do, a mo­der­ni­da­de une a to­dos, em um as­pec­to glo­ba­li­za­do e, em par­te, em um as­pec­to econô­mi­co e po­lí­ti­co – con­si­de­ran­do o pa­drão oci­den­tal / eu­ro­peu / es­ta­du­ni­den­se após sua ex­pan­são ter­ri­to­ri­al. Po­rém, ao mes­mo pas­so, ao fi­nal do tre­cho, o au­tor dei­xa bem cla­ro que, pa­ra­le­la­men­te a es­sa sen­sa­ção de união da hu­ma­ni­da­de, tra­ta-se de uma “uni­da­de pa­ra­do­xal, uma uni­da­de de de­su­ni­da­de”. O que se dá jus­ta­men­te pe­la per­pe­tu­a­ção dos mol­des de de­si­gual­da­de so­ci­al e de­ses­tru­tu­ra­ção fi­nan­cei­ra atra­vés des­sa mes­ma cul­tu­ra glo­bal que “nos une”. Lo­go, tra­ta-se de uma in­ter­pre­ta­ção acer­ca da mo­der­ni­da­de ca­rac­te­ri­za­da en­quan­to uma di­nâ­mi­ca so­ci­al, es­sen­ci­al­men­te, con­tra­di­tó­ria.

9) A

Se por um la­do a in­ter­net e su­as fer­ra­men­tas de pes­qui­sa con­se­guem pro­ver uma abun­dân­cia gri­tan­te de in­for­ma­ções e fon­tes, por ou­tro la­do ela tor­na a ex­pe­ri­ên­cia di­fu­sa, su­per­fi­ci­al. Pois, se há in­for­ma­ção de­mais, mas es­sa in­for­ma­ção não con­se­gue ser as­so­ci­a­da, ou até ad­qui­ri­da de ma­nei­ra efe­ti­va, não se cons­trói – da mes­ma ma­nei­ra que ou­tro­ra – o co­nhe­ci­men­to ana­lí­ti­co. Eis o pa­ra­do­xo. O au­tor, no tre­cho des­ta­ca­do, re­la­ta uma di­fu­são de seu grau de con­cen­tra­ção, po­rém agra­de­ce à in­ter­net pe­la re­du­ção do tra­ba­lho quan­to ao tem­po de pes­qui­sa. Ou se­ja, há uma su­pe­ra­ção en­quan­to ca­pa­ci­da­de e aces­so à fon­tes de in­for­ma­ção. Po­rém, ao mes­mo pas­so, há uma su­per­fi­ci­a­li­da­de da re­la­ção en­tre pes­qui­sa e aquisição de co­nhe­ci­men­to de­vi­do ao grau abun­dan­te de in­for­ma­ção.

(ENEM 2016 – 2ª Apli­ca­ção) 10) B

John Loc­ke é re­co­nhe­ci­do co­mo um fe­de­ra­lis­ta e, sen­do as­sim, um dos prin­ci­pais teó­ri­cos do con­cei­to de con­tra­to so­ci­al. As­sim, em seu tre­cho des­ta­ca­do, Loc­ke res­sal­ta a im­por­tân­cia da “fé e as regras da jus­ti­ça”. O au­tor faz is­so jus­ta­men­te após exem­pli­fi­car a ne­ces­si­da­de de se ter um prin­cí­pio jul­ga­do, que se es­ten­de­rá de sua co­mu­ni­da­de fei­to­ra, até o es­con­de­ri­jo dos maiores vi­lões. Ou se­ja, a per­pe­tu­a­ção de regras da jus­ti­ça pos­si­bi­li­ta à so­ci­e­da­de que se aco­lha os ter­mos da lei até aos “que se afas­ta­ram a tal pon­to da pró­pria hu­ma­ni­da­de”. Man­ten­do-se, por­tan­to, uma ver­ten­te em­pi­ris­ta das ci­ên­ci­as so­ci­ais, em bus­ca de con­cei­tos só­li­dos que in­de­pen­dam de in­ter­pre­ta­ções fi­lo­só­fi­cas. A par­te de que es­sa cons­tru­ção, se­gun­do John Loc­ke, con­tri­bui com a ma­nu­ten­ção da or­dem e do equi­lí­brio so­ci­al, uma vez que to­dos es­ta­rão su­jei­tos ao jul­ga­men­to pé­treo da jus­ti­ça or­ga­ni­za­da e nor­ma­ti­va da so­ci­e­da­de.

11) E

Na so­ci­e­da­de ca­pi­ta­lis­ta, prin­ci­pal­men­te a que sur­ge após a 1ª Re­vo­lu­ção In­dus­tri­al, o pro­du­to não é um bem do tra­ba­lha­dor, mas do do­no dos mei­os de pro­du­ção (pa­trão), pois es­te com­pra o tem­po do tra­ba­lha­dor (mão de obra), as­sim, es­te tam­bém se tor­na pro­du­to. Des­ta for­ma, quan­to mais o pa­trão au­men­ta as ho­ras de tra­ba­lho, man­ten­do o mes­mo sa­lá­rio con­cor­da­do, a pro­du­ção ten­de a au­men­tar, au­men­tan­do o lu­cro fi­nal do em­pre­ga­dor (sua ri­que­za), e ao pro­le­tá­rio res­ta a si­tu­a­ção de ex­plo­ra­ção em de­cor­rên­cia da ne­ces­si­da­de de ter de tra­ba­lhar pa­ra, tam­bém, con­su­mir.

12) B

O tex­to fa­la so­bre uma mar­ca­ção, um pre­con­cei­to em re­la­ção aos mo­ra­do­res da fa­ve­la. Es­se pre­con­cei­to ab­sor­vi­do por ofi­ci­an­tes do di­rei­to aca­ba li­mi­tan­do os di­rei­tos dos mo­ra­do­res das fa­ve­las.

13) B

A ques­tão abor­da o tó­pi­co re­fe­ren­te ao pa­trimô­nio cul­tu­ral, que são ele­men­tos re­ve­la­do­res da cul­tu­ra de um po­vo, de sua co­le­ti­vi­da­de. Por is­so, a va­lo­ri­za­ção de sua pre­ser­va­ção, na qual te­mos pre­ser­va­ção da iden­ti­da­de de um po­vo. São exem­plos des­ses pa­trimô­ni­os a arquitetura, cu­li­ná­ria, pin­tu­ras ru­pes­tres e mui­tos ou­tros ele­men­tos ma­te­ri­ais e ima­te­ri­ais.

14) B

O tex­to fa­la so­bre ação do Mo­vi­men­to Ne­gro Uni­fi­ca­do (MNU), que de­fen­de a der­ru­ba­da do mi­to da de­mo­cra­cia ra­ci­al. Es­se mi­to cri­ou a fal­sa ideia de que, no Bra­sil, não ha­ve­ria ra­cis­mo e sim um pro­ces­so de in­te­gra­ção ra­ci­al, uma gran­de mis­tu­ra. Foi o so­ció­lo­go Flo­res­tan Fer­nan­des que rom­peu com es­se mi­to re­for­ça­dor do ra­cis­mo.

15) B

A ques­tão es­tá li­ga­da ao te­ma dos mo­vi­men­tos so­ci­ais, nes­te ca­so, a lu­ta dos mo­vi­men­tos em de­fe­sa da igual­da­de ra­ci­al, so­bre­tu­do dos afro-bra­si­lei­ros. Ao es­tu­dar a cul­tu­ra afro-bra­si­lei­ra, pas­sa­mos a va­lo­ri­zar uma das ma­tri­zes cul­tu­rais do Bra­sil, su­pe­ran­do o et­no­cen­tris­mo eu­ro­peu.

16) B

A ques­tão fa­la so­bre um pa­trimô­nio cul­tu­ral bra­si­lei­ro, a cu­li­ná­ria. Mas evi­den­cia a tro­ca cul­tu­ral, ape­sar de um et­no­cen­tris­mo eu­ro­peu, cul­tu­ra que se im­põe, mes­mo so­fren­do es­sa im­po­si­ção a cul­tu­ra in­dí­ge­na do­mi­na­da dei­xa al­gu­mas tra­di­ções, ocor­ren­do uma tro­ca cul­tu­ral. Des­sa tro­ca emer­ge uma no­va cul­tu­ra, a bra­si­lei­ra.

(FUVEST 2017) 17) E

Nes­te frag­men­to do Ma­ni­fes­to Re­gi­o­na­lis­ta, Frey­re mos­tra que o Pri­mei­ro Con­gres­so de Re­gi­o­na­lis­mo de­fen­de a va­lo­ri­za­ção de tra­di­ções e ri­que­zas re­gi­o­nais por­que a cu­li­ná­ria re­gi­o­nal es­tá sen­do subs­ti­tuí­da por ele­men­tos “es­tran­gei­ros”, glo­ba­li­za­dos, vis­tos na pas­sa­gem: “(...) do­ces dos con­fei­tei­ros fran­ce­ses e ita­li­a­nos (...)”, com is­so, o Con­gres­so bus­ca um enal­te­ci­men­to aos pro­du­tos na­ci­o­nais.

18) D

A Lei da Anis­tia, pro­mul­ga­da em agos­to de 1979, pa­ra Darcy Ri­bei­ro tem sig­ni­fi­ca­do de “es­que­ci­men­to”, pois o tex­to da lei dá li­ber­da­de aos pre­sos po­lí­ti­cos, den­tro ou fo­ra do Bra­sil (exi­la­dos), mas tam­bém dá li­ber­da­de, exi­min­do de cul­pa, os mi­li­ta­res e tor­tu­ra­do­res, que co­me­te­ram atro­ci­da­des, pas­san­do por ci­ma dos di­rei­tos hu­ma­nos.

19) B

Os au­to­res de­mons­tram que, em nos­sa so­ci­e­da­de, há o fe­ti­che pelo consumo, e ape­nas por es­te o ser hu­ma­no en­con­tra fe­li­ci­da­de e su­ces­so. Mas exis­te um pa­ra­do­xo, quan­to mais se al­me­ja con­su­mir sig­nos, mais se­rá a ne­ces­si­da­de de ho­ras de tra­ba­lho, me­nos ho­ras de la­zer, mais ali­e­na­do es­te con­su­mi­dor se­rá, sus­ce­tí­vel a mí­dia, que lhe bom­bar­deia idei­as de que o pra­zer re­al se­rá pelo consumo. Com is­to, o in­di­ví­duo per­ma­ne­ce­rá em um ci­clo vi­ci­an­te e ali­e­nan­te, de tra­ba­lho, consumo, an­gus­tia, mí­dia, consumo, pra­zer mo­men­tâ­neo e mais tra­ba­lho.

(UNESP 2017) 20) B

Em nos­sa atu­a­li­da­de exis­te no sim­ples ato de pen­sar, re­fle­tir, um in­co­mo­do, pois nes­ta si­tu­a­ção, nós, se-

res hu­ma­nos, te­mos de emi­tir juí­zo de va­lor ao ob­je­to de es­tu­do, e is­to ge­ra des­pra­zer. Pos­to is­to, ve­mos nos tex­tos que mui­tas pes­so­as pre­fe­rem não re­fle­tir, mas re­pli­car idei­as pré-es­ta­be­le­ci­das, sem cons­ci­ên­cia pró­pria, im­buí­dos de fal­sa cons­ci­ên­cia co­le­ti­va, pa­ra que o mes­mo, in­di­vi­duo, se sin­ta in­se­ri­do em um gru­po, que pos­sa ter a fal­sa sen­sa­ção de aco­lhi­men­to e pro­te­ção, e, as­sim, dis­se­mi­nan­do a ir­ra­ci­o­na­li­da­de de seu gru­po, de­mons­tran­do sua ide­o­lo­gia po­lí­ti­ca, que na­da mais é que um ema­ra­nha­do de vá­ri­os pen­sa­men­tos, po­lí­ti­cos e so­ci­ais, va­zi­os, que exa­cer­bam na­ci­o­na­lis­mos e to­ta­li­ta­ris­mos exis­ten­tes no gru­po e na so­ci­e­da­de.

21) E

Po­de­mos ob­ser­var o tex­to por meio de vá­ri­os fil­tros, co­mo:

An­tro­po­ló­gi­ca: a “cul­tu­ra do es­tu­pro” de­mons­tra que o ho­mem (ma­cho) tu­do po­de, ele que co­man­da e organiza o que acon­te­ce no âm­bi­to público ou pri­va­do, as­sim, o que faz é o cer­to.

Psi­co­lo­gia: o ser hu­ma­no em gru­po per­de a no­ção do cer­to ou er­ra­do, de­ve se­guir o ban­do, pa­ra não ser ex­cluí­do; ou­tro exem­plo po­de ser o de pes­so­as em uma tor­ci­da or­ga­ni­za­da, se não bri­ga­rem com o gru­po se­rão ex­cluí­dos, ten­do que en­fren­tar “os ini­mi­gos” so­zi­nhos.

Pers­pec­ti­va mo­ral: são pes­so­as com “má ín­do­le” que co­me­tem cri­mes he­di­on­dos, que cho­cam a so­ci­e­da­de.

Pers­pec­ti­va so­ci­al: pes­so­as me­nos es­cla­re­ci­das, de con­di­ção so­ci­al e econô­mi­ca pre­cá­ri­as, é que são mais sus­ce­tí­veis a co­me­ter cri­mes des­ta na­tu­re­za, pois não con­se­guem per­ce­ber o que es­tão pra­ti­can­do.

22) B

A do­na de ca­sa, tam­bém mãe, mui­tas ve­zes, via-se na con­di­ção de ope­rá­ria, mas não de pro­ve­do­ra do lar, ou de sua pró­pria vi­da, já que o pro­ve­dor é o ma­ri­do, e es­te tu­do po­de, den­tro do lar, em seu am­bi­en­te pri­va­do. Es­tas si­tu­a­ções de ma­chis­mo, que ain­da per­sis­te em mui­tas so­ci­e­da­des, in­cluin­do a nos­sa, têm mu­dan­ças sig­ni­fi­ca­ti­vas pa­ra o em­po­de­ra­men­to fe­mi­ni­no com os pri­mei­ros mo­vi­men­tos por su­frá­gio, no XIX e XX, nos pe­río­dos da pri­mei­ra e se­gun­da guer­ras mun­di­ais, nos quais os ho­mens vão ao cam­po de ba­ta­lha e as mu­lhe­res ga­nham, re­al­men­te, o es­pa­ço nas fá­bri­cas, co­man­dan­do su­as vi­das e fa­mí­li­as, che­gan­do a dé­ca­da de 1960 com a lu­ta por igual­da­de so­ci­al e le­gal às mu­lhe­res, no oci­den­te, mas em cer­tas re­giões do oriente, mu­lhe­res ain­da são tra­ta­das co­mo in­fe­ri­o­res de­mos­tran­do a dis­cri­mi­na­ção e ex­clu­são, so­ci­al e de di­rei­tos.

23) D

Pa­ra o au­tor, vá­ri­as ide­o­lo­gi­as in­ter­fe­rem na cri­a­ção de uma so­ci­e­da­de ple­na­men­te in­te­gra­da, po­de­mos ver ques­tões de or­dem re­li­gi­o­sas, nas quais gru­pos ex­tre­mis­tas exal­tam que seu Deus é me­lhor que o dos ou­tros, sen­do que é o mes­mo Deus pa­ra to­dos os gru­pos em con­fli­to! Há, tam­bém, uma ques­tão xe­no­fó­bi­ca, em que gru­pos ét­ni­cos que mi­gram de re­giões em gu­er­ra pa­ra, prin­ci­pal­men­te a Eu­ro­pa, so­frem com as mais va­ri­a­das dis­cri­mi­na­ções (xe­no­fo­bia), pois não es­tão “in­te­gra­das” a cul­tu­ra lo­cal, on­de não exis­te o pen­sa­men­to de mis­ci­ge­na­ção, cul­ti­van­do-se, no­va­men­te, a ma­nu­ten­ção das ilhas, com cul­tu­ras dis­tin­tas, mui­to bem se­pa­ra­das.

24) D

Os do­nos do po­der uti­li­zam da vi­o­lên­cia pa­ra con­tro­le so­ci­al, o Es­ta­do tam­bém a uti­li­za por meio do seu “mo­no­pó­lio da vi­o­lên­cia”.

A uti­li­za­ção des­ta or­de­na as re­la­ções de po­der, po­de­mos ob­ser­var em Hob­bes e seu con­tra­to so­ci­al, em Maquiavel e nas for­mas di­ver­sas que o so­be­ra­no po­de uti­li­zar pa­ra con­tro­lar seus sú­di­tos, etc.

(UNICAMP 2016) 25) A

Pa­ra Maquiavel, em seu tem­po, co­mo no pe­río­do con­tem­po­râ­neo, exis­tem, ain­da, si­tu­a­ções aná­lo­gas, em que a mo­ral, apli­ca­da com ve­e­mên­cia, é em­pe­ci­lho ao de­sem­pe­nho do jo­go po­lí­ti­co, ao po­lí­ti­co, ou go­ver­nan­te. Es­te de­ve apa­ren­tar ter uma mo­ral e qua­li­da­des ili­ba­das, de­ve de­mos­trar o que a so­ci­e­da­de quer en­xer­gar, com is­to, fa­zer com que as regras so­ci­ais, que de­ve­ri­am ser in­fle­xí­veis, se­jam fle­xi­o­na­das, tu­do pa­ra um “bem mai­or”. As­sim, a so­ci­e­da­de po­de per­do­ar es­tes atos, pois es­ta pre­fe­re vi­ver em um jo­go de ilu­sões efê­me­ras, que pro­duz sen­sa­ções de sa­tis­fa­ção e pra­zer, pois o go­ver­nan­te pro­por­ci­o­na o que sua so­ci­e­da­de pen­sa ser bom pa­ra si.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.