2. O QUE É A FI­LO­SO­FIA

Superguia Enem - Sociologia e Filosofia - - Filosofia -

A fi­lo­so­fia, ou amor da sa­be­do­ria, sur­giu no sé­cu­lo VI a.C., na pro­vín­cia gre­ga da Ana­tó­lia, ter­ri­tó­rio da atu­al Tur­quia. O pri­mei­ro fi­ló­so­fo foi Ta­les de Mi­le­to. As pa­la­vras fi­lo­so­fia e fi­ló­so­fo fo­ram con­sa­gra­das por Pi­tá­go­ras (571 a.C. / 570 a.C. – 497 a.C.).

Na Gré­cia an­ti­ga, an­tes de Só­cra­tes, o gran­de te­ma que ocu­pou os fi­ló­so­fos, foi o da ori­gem ( arquê), pre­sen­te na na­tu­re­za. As pes­qui­sas des­ses fi­ló­so­fos in­ci­di­ram so­bre a bus­ca do ele­men­to que mar­ca­va a uni­da­de en­tre to­dos os se­res: além de ga­ran­tir a uni­da­de dos se­res, aque­le prin­cí­pio, do­ta­do de ati­vi­da­de, se­ri­am fun­da­men­tais pa­ra co­nhe­cer o Uni­ver­so.

A fi­lo­so­fia é uma con­cep­ção ge­ral mais ou me­nos ra­ci­o­nal do Uni­ver­so e da vi­da, po­den­do sig­ni­fi­car, de igual mo­do, sa­be­do­ria, mo­de­ra­ção nos de­se­jos, for­ta­le­za do es­pí­ri­to. Ques­tões es­sen­ci­ais co­mo “O que é o mun­do?”, “O que é o ho­mem?”, “O que e co­mo co­nhe­ce­mos?”, “Por que exis­te o ser e não o na­da?”, “O que fa­zer e quais são os cri­té­ri­os do agir?” são, tal­vez, os pro­ble­mas de raiz ine­ren­tes àqui­lo que é o fun­da­men­tal da fi­lo­so­fia.

A fi­lo­so­fia é um ti­po de co­nhe­ci­men­to que di­fe­re da ci­ên­cia pro­pri­a­men­te di­ta, por­que, quan­to à sua na­tu­re­za, ela ape­la pa­ra fa­cul­da­des su­pe­ri­o­res do es­pí­ri­to hu­ma­no, que per­mi­tem apre­en­der as cau­sas pri­mei­ras e a re­a­li­da­de ab­so­lu­ta e, tal co­mo a ar­te, a fi­lo­so­fia é pes­so­al e é fei­ta ape­nas com opi­niões pro­vá­veis. Quan­to ao grau, a fi­lo­so­fia atin­ge uma ge­ne­ra­li­da­de mais al­ta. Se­gun­do Her­bert Spen­cer (1820 – 1903), “a fi­lo­so­fia é o sa­ber to­tal­men­te uni­fi­ca­do”. Quan­to ao seu ob­je­to, a fi­lo­so­fia tam­bém é di­fe­ren­te da ci­ên­cia: o ob­je­to fi­lo­só­fi­co são os va­lo­res hu­ma­nos. No que diz res­pei­to ao seu fun­da­men­to, a fi­lo­so­fia pes­qui­sa sem­pre a res­pei­to do fun­da­men­to úl­ti­mo do co­nhe­ci­men­to ou da ação. As prin­ci­pais dis­ci­pli­nas fi­lo­só­fi­cas são:

Gno­si­o­lo­gia, ou te­o­ria do co­nhe­ci­men­to. Es­tu­da as ori­gens e os li­mi­tes do co­nhe­ci­men­to;

On­to­lo­gia, ou es­tu­do do ser;

Ló­gi­ca, ou es­tu­do da ver­da­de;

Her­me­nêu­ti­ca, ou in­ter­pre­ta­ção dos tex­tos fi­lo­só­fi­cos;

Epis­te­mo­lo­gia, ou fi­lo­so­fia da ci­ên­cia;

Éti­ca, ou fi­lo­so­fia mo­ral;

Es­té­ti­ca, ou es­tu­do do be­lo;

Fi­lo­so­fia so­ci­al e po­lí­ti­ca, ou es­tu­do das idei­as ori­en­ta­do­ras da vi­da, sob o pon­to de vis­ta pes­so­al, co­mu­ni­tá­rio e em su­as re­la­ções com o Es­ta­do;

Fi­lo­so­fia da re­li­gião, ou es­tu­do ra­ci­o­nal das con­di­ções em que o sa­gra­do e o pro­fa­no se ma­ni­fes­tam nas co­mu­ni­da­des hu­ma­nas;

Fi­lo­so­fia da edu­ca­ção, ou es­tu­do dos fun­da­men­tos da edu­ca­ção en­ten­di­da co­mo ato cons­tru­tor da pes­soa hu­ma­na ( bil­dung);

His­tó­ria da fi­lo­so­fia, ou es­tu­do das ma­ni­fes­ta­ções fi­lo­só­fi­cas ao lon­go do es­pa­ço e do tem­po. A his­tó­ria da fi­lo­so­fia se di­vi­de nas se­guin­tes sub­dis­ci­pli­nas: fi­lo­so­fia an­ti­ga, fi­lo­so­fia me­di­e­val, fi­lo­so­fia mo­der­na e fi­lo­so­fia con­tem­po­râ­nea.

A fi­lo­so­fia cons­ti­tui-se a par­tir de pers­pec­ti­vas, sis­te­mas e pro­ble­mas.

As pers­pec­ti­vas equi­va­lem aos pon­tos de vis­ta úl­ti­mos, às con­cep­ções do mun­do e da vi­da de que ca­da um de nós é por­ta­dor. Seus ins­tau­ra­do­res fo­ram Pla­tão e Kant, na me­di­da em que eles as ela­bo­ra­ram em sua in­tei­re­za. As pers­pec­ti­vas são, por­tan­to, a fun­da­men­ta­ção da hi­pó­te­se, no pri­mei­ro ca­so, de uma per­ma­nên­cia si­tu­a­da atrás do que apa­re­ce e, no se­gun­do ca­so, do pon­to de vis­ta opos­to, ou se­ja, a ina­ces­si­bi­li­da­de re­la­ti­va­men­te às coi­sas co­mo elas são em si mes­mas. Cir­cuns­cri­tas a es­ses mar­cos, as pers­pec­ti­vas ir­re­fu­tá­veis são, por­tan­to, o sus­ten­tá­cu­lo da uni­ver­sa­li­da­de da fi­lo­so­fia.

Os sis­te­mas ca­rac­te­ri­zam-se pe­la tran­si­to­ri­e­da­de. As cir­cuns­tân­ci­as his­tó­ri­cas e as ci­vi­li­za­ções cons­ti­tu­em a mar­ca de nos­sa fi­ni­tu­de. Mui­tas ve­zes, aque­les que acre­di­tam con­tri­buir pa­ra man­ter os sis­te­mas vi­vos, em ci­clos cul­tu­rais di­fe­ren­tes da­que­les em que eles sur­gi­ram, dis­pen­sam-se do es­for­ço de dis­tin­guir o que é tí­pi­co do sis­te­ma da­qui­lo que, por di­rei­to pró­prio, per­ten­ce à pers­pec­ti­va. A for­ça des­ta in­duz à su­po­si­ção de que a fi­lo­so­fia foi ca­paz, em qual­quer épo­ca, de cons­ti­tuir um sis­te­ma pe­re­ne, pos­si­bi­li­da­de que, de fa­to, é ine­xis­ten­te.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.