GABARITO CO­MEN­TA­DO

Superguia Enem - Sociologia e Filosofia - - Filosofia -

Co­men­tá­ri­os: Ale­xan­dre Pin­to, pro­fes­sor de his­tó­ria do Cur­so Pro­gres­são Au­tên­ti­co, no Rio de Ja­nei­ro (RJ); Fá­bio Ro­ma­no, edi­tor es­pe­ci­a­lis­ta em Fi­lo­so­fia do Sis­te­ma COC de En­si­no; e J. M. de Bar­ros Di­as, dou­tor em fi­lo­so­fia e pro­fes­sor ad­jun­to da Fa­cul­da­de Ins­pi­rar, de Cu­ri­ti­ba (PR); Mar­co Au­ré­lio Oli­vei­ra Fi­lho, pro­fes­sor de His­tó­ria, So­ci­o­lo­gia, Fi­lo­so­fia e integrante da equi­pe Ex­pli­caMais.

(ENEM 2016 - 1ª APLI­CA­ÇÃO)

1) B

O au­tor fa­la so­bre o con­tro­le de nos­sos de­se­jos e pai­xões, co­mo o es­toi­cis­mo, cri­ti­can­do es­sa ne­ces­si­da­de de sa­tis­fa­zer to­das nos­sas von­ta­des.

2) A

A an­gús­tia hu­ma­na é ter a cons­ci­ên­cia de si, cons­ci­ên­cia de sua li­mi­ta­ção e de sua fi­ni­tu­de. Uma ques­tão exis­ten­ci­a­lis­ta que é a per­cep­ção da sua pró­pria exis­tên­cia, ou se­ja, a cons­ci­ên­cia de si.

3) E

A ilu­são é um des­do­bra­men­to da in­dús­tria cul­tu­ral, pois ela mas­si­fi­ca a pro­du­ção, cri­an­do pro­du­tos iguais e em lar­ga es­ca­la. As pes­so­as pen­sam que es­co­lhem as coi­sas, mas na ver­da­de com­pram as mes­mas que to­dos e as coi­sas pre­vi­a­men­te pro­du­zi­das pa­ra eles.

4) D

Co­mo ra­ci­o­na­lis­ta, Des­car­tes con­si­de­ra o pen­sa­men­to, a ra­zão dos in­di­ví­du­os, o ca­mi­nho pa­ra a ver­da­de. Não so­men­te o apren­di­za­do, mas o pen­sar so­bre ele e so­bre tu­do.

5) C

A ques­tão on­to­ló­gi­ca fa­la so­bre a ori­gem do ser, co­mo nos dois tex­tos. Ape­sar de di­ver­gen­tes, pois o pri­mei­ro fa­la so­bre a vo­la­ti­li­da­de (mu­dan­ças do ser) e o se­gun­do so­bre a imu­ti­li­da­de, am­bos re­fle­tem so­bre a es­sên­cia dos se­res.

6) C

O ce­ti­cis­mo po­de ser de­fi­ni­do co­mo uma in­ca­pa­ci­da­de do ser hu­ma­no de ob­ter ver­da­des uni­ver­sais. Sen­do as­sim, Pir­ro aban­do­na a ver­da­de por uma vi­da ba­se­a­da na dú­vi­da.

7) D

O niilismo de Nietzsche faz uma gran­de crí­ti­ca à cul­tu­ra mo­der­na e à fi­lo­so­fia mo­der­na. Com a es­pe­ran­ça de­sa­pa­re­cen­do no tex­to da ques­tão, res­ta ao ho­mem a cons­ci­ên­cia de sua vi­da fi­ni­ta.

8) B

A al­ter­na­ti­va B es­tá cor­re­ta por­que a tec­no­lo­gia aju­dou a am­pli­ar as pos­si­bi­li­da­des da vi­da hu­ma­na, mas, ao mes­mo tem­po, a ame­a­ça. Por is­so, o prin­cí­pio de res­pon­sa­bi­li­da­de so­bre to­das as es­co­lhas, ga­ran­tin­do a nos­sa so­bre­vi­vên­cia e a de ge­ra­ções fu­tu­ras.

9) B

Fri­e­dri­ch Nietzsche foi um fi­ló­so­fo an­te­ri­or a Mi­chel Fou­cault (1926-1984). É a fi­lo­so­fia de Nietzsche que es­tá pre­sen­te em al­guns as­pec­tos na obra de Fou­cault e per­mi­tiu que es­te fi­ló­so­fo cons­truís­se a sua pró­pria fi­lo­so­fia. As de­mais al­ter­na­ti­vas es­tão cor­re­tas e cor­res­pon­dem ao pen­sa­men­to do fi­ló­so­fo.

(ENEM 2016 - 2 ª APLI­CA­ÇÃO)

10) D

O fi­ló­so­fo Pla­tão fa­la no tex­to so­bre se­res an­dró­gi­nos, ou se­ja, sem de­fi­ni­ção de gê­ne­ro. Des­ta­can­do que, ao se­rem di­vi­di­dos, fi­cam de­pen­den­tes da ou­tra me­ta­de, o amor se­ria a união des­sas me­ta­des e os tor­na­ria com­ple­tos.

11) B

O tex­to de No­bert Bobbio so­bre a de­mo­cra­cia dis­cor­re acer­ca de um pro­ces­so no qual as pes­so­as, ape­sar de to­das as di­fe­ren­ças, se­jam con­si­de­ra­das iguais por­que per­ten­cem a uma mes­ma ca­te­go­ria de in­di­ví­du­os, os se­res hu­ma­nos.

12) A

A ques­tão abor­da a ques­tão da éti­ca, con­si­de­ran­do-a um ele­men­to hu­ma­no, um re­fle­xo da ra­ci­o­na­li­da­de. Aristóteles con­si­de­ra que o bem de­ve ser o prin­cí­pio éti­co, e es­se é de­fi­ni­do pe­la nos­sa ra­ci­o­na­li­da­de.

13) A

A ques­tão se ba­seia em in­ter­pre­ta­ção de tex­to. Ne­le, são com­pa­ra­dos va­lo­res im­pos­tos pelo con­tex­to his­tó­ri­co e os de­se­jos pes­so­ais.

14) A

Tho­mas Hob­bes, em sua obra Le­vi­a­tã, con­si­de­ra que o ser hu­ma­no, em seu es­ta­do na­tu­ral, vi­ve em regras, por es­se mo­ti­vo, em gu­er­ra to­tal. O fa­to fi­ca evi­den­ci­a­do na sua fra­se “o ho­mem é o lo­bo do ho­mem”, re­for­çan­do a ne­ces­si­da­de de um go­ver­nan­te po­de­ro­so pa­ra con­tro­lar to­dos e tra­zer paz.

15) E

O tex­to de­mons­tra a im­pos­si­bi­li­da­de de o ho­mem fu­gir do des­ti­no pre­de­ter­mi­na­do pe­los deu­ses, o que é um dos ob­je­ti­vos da tra­gé­dia gre­ga. A his­tó­ria de Édipo de­mons­tra jus­ta­men­to is­so, uma vez que ele cum­priu uma pro­fe­cia, a de que ia ma­tar o pai e se ca­sar com a mãe.

16) C

O tex­to fa­la da ques­tão da ra­zão in­du­ti­va, cri­a­ção de leis ge­rais pa­ra even­tos fu­tu­ros, com ba­se na ex­pe­ri­ên­cia. Hu­me cri­ti­ca es­sa ação por su­as im­pre­vi­si­bi­li­da­des. Di­fe­ren­te da de­du­ção em­pí­ri­ca.

17) E

O tex­to abor­da as ques­tões li­ga­das ao de­sen­vol­vi­men­to sus­ten­tá­vel, no qual de­ve­mos per­mi­tir um pro­ces­so evo­lu­ti­vo que não des­trua a na­tu­re­za além de sua ca­pa­ci­da­de de se re­ge­ne­rar.

(UNESP – 2017)

18) D

He­gel va­lo­ri­za a ne­ces­si­da­de do uso da ra­zão e da li­ber­da­de pa­ra o pro­ces­so de de­sen­vol­vi­men­to da hu­ma­ni­da­de, con­si­de­ran­do que a fi­lo­so­fia oci­den­tal nas­ce com es­ses ele­men­tos.

19) B

O tex­to fa­la so­bre um pro­ces­so in­di­vi­du­al de de­sen­vol­vi­men­to, aqui­lo que so­mos. Por is­so, a va­lo­ri­za­ção do es­pí­ri­to, do pes­so­al e não de ele­men­tos ex­ter­nos.

(UNESP – 2016)

20) D

O tex­to ques­ti­o­na a exis­tên­cia de um ser su­pe­ri­or e be­ne­vo­len­te. Is­so fi­ca evi­den­te quan­do mos­tra os pro­ble­mas exis­ten­tes no mun­do co­mo uma pro­va da não exis­tên­cia ou da não be­ne­vo­lên­cia di­vi­na.

(UNICAMP – 2017)

21) A

O tex­to cri­ti­ca a fal­ta da fi­lo­so­fia, pois ela per­mi­te a ma­ni­pu­la­ção fei­ta por po­lí­ti­cos. Ou se­ja, sem a fi­lo­so­fia, a crí­ti­ca é re­du­zi­da e, des­sa for­ma, os po­lí­ti­cos se­guem em su­as ações sem se­rem ques­ti­o­na­dos.

(Pro­pos­ta de Re­da­ção – FUVEST 2017)

A pro­pos­ta apre­sen­tou um tex­to kan­ti­a­no co­mo apoio. Por is­so, é im­por­tan­te en­ten­der a ques­tão fi­lo­só­fi­ca pa­ra de­sen­vol­ver as idei­as. Sob es­se pon­to de vis­ta, o tex­to ques­ti­o­na a ação hu­ma­na de se aco­mo­dar e não bus­car es­cla­re­ci­men­to, não usan­do a ra­zão e não a de­mons­tran­do, o que o au­tor cha­ma de me­no­ri­da­de. Des­sa for­ma, sub­me­te-se à von­ta­de de ou­tros se­res, sen­do ma­ni­pu­la­dos por aque­les que con­se­guem ter es­sa mai­o­ri­da­de.

Pa­ra Kant, o ser hu­ma­no não saiu da me­no­ri­da­de, mas es­tá em uma fa­se na qual bus­ca es­sa mai­o­ri­da­de. No en­tan­to, mui­tos se aco­mo­dam e per­ma­ne­cem na me­no­ri­da­de por von­ta­de pró­pria, sem o pe­so da li­ber­da­de.

(ENEM – 2014)

22) C

Pa­ra Aristóteles, é pre­ci­so bus­car equi­lí­brio, evi­tar os ex­tre­mos, cau­sa­do­res dos ex­ces­sos e dos ví­ci­os. As­sim, a me­lhor for­ma de go­ver­no é um mis­to en­tre oli­gar­quia e de­mo­cra­cia; e, en­tre o pra­zer e o es­tu­do, de­ve-se en­con­trar um meio ter­mo. Se o ho­mem é um ani­mal ra­ci­o­nal, o meio ter­mo é sa­tis­fa­zer am­bas as ca­rac­te­rís­ti­cas (pra­zer e co­nhe­ci­men­to); a fe­li­ci­da­de so­men­te é pos­sí­vel as­sim, evi­tan­do os ex­tre­mos.

(UEG – 2013)

23) D

A al­ter­na­ti­va A es­tá incorreta. Pla­tão pro­põe co­mo sis­te­ma po­lí­ti­co ide­al aque­le que exis­ti­ria nu­ma co­mu­ni­da­de go­ver­na­da pe­los fi­ló­so­fos. De acor­do com Pla­tão, em A Re­pú­bli­ca, os Es­ta­dos exis­ten­tes eram de­ge­ne­ra­ções do Es­ta­do per­fei­to.

A al­ter­na­ti­va B es­tá incorreta. A Uni­ver­si­da­de é uma cri­a­ção da Eu­ro­pa do sé­cu­lo 13, não da an­ti­ga Gré­cia. A Aca­de­mia, de Pla­tão, e o Li­ceu, de Aristóteles, eram co­mu­ni­da­des de es­tu­dos li­vres que não se­gui­am a sequên­cia dos pla­nos de es­tu­dos con­tem­pla­dos no en­si­no me­di­e­val.

A al­ter­na­ti­va C es­tá incorreta. A fi­lo­so­fia con­sis­te na se­pa­ra­ção en­tre o pen­sa­men­to “por afe­tos”, pró­prio do mi­to, e da­que­le ra­ci­o­nal: a fi­lo­so­fia pes­qui­sa sem­pre a res­pei­to do fun­da­men­to úl­ti­mo do co­nhe­ci­men­to ou da ação. Os sen­ti­men­tos e as cren­ças sub­je­ti­vas são pró­pri­as do co­nhe­ci­men­to sen­sí­vel.

A al­ter­na­ti­va D es­tá cor­re­ta. A fi­lo­so­fia é uma pes­qui­sa ra­ci­o­nal, a par­tir de uma ati­tu­de ca­rac­te­ri­za­da pe­la dú­vi­da per­ma­nen­te e sis­te­má­ti­ca. Re­po­si­ci­o­na-se cri­ti­ca­men­te em ca­da fi­ló­so­fo, ques­ti­o­nan­do as ori­gens do mun­do e da vi­da, as­sim co­mo so­bre os fun­da­men­tos do agir fi­lo­só­fi­co.

(ENEM – 2012)

24) E

O pri­mei­ro ex­cer­to, do fi­ló­so­fo ra­ci­o­na­lis­ta Re­né Des­car­tes (1596-1650), nos mos­tra uma das prin­ci­pais ca­rac­te­rís­ti­cas da cor­ren­te fi­lo­só­fi­ca ra­ci­o­na­lis­ta, ao des­con­si­de­rar os sen­ti­dos co­mo mei­os pos­sí­veis pa­ra a ob­ten­ção do co­nhe­ci­men­to. O se­gun­do ex­cer­to, do fi­ló­so­fo em­pi­ris­ta Da­vid Hu­me, de­mons­tra o opos­to do que enun­cia o ra­ci­o­na­lis­mo, pois, pa­ra Hu­me e ou­tros em­pi­ris­tas, a ideia es­tá vin­cu­la­da a um sen­ti­do an­te­ri­or, is­to é, não exis­te ideia ina­ta, mas sim ideia ad­qui­ri­da por meio da ex­pe­ri­ên­cia. Tais po­si­ções exem­pli­fi­cam os con­fli­tos exis­ten­tes en­tre es­sas du­as cor­ren­tes da Ida­de Mo­der­na, em­bo­ra am­bas es­ti­ves­sem in­te­res­sa­das na ori­gem do co­nhe­ci­men­to hu­ma­no.

(UNESP – 2014)

25) A

O tex­to de Hé­lio Schwartsman cri­ti­ca o fa­to de o Juiz Eu­gê­nio Ro­sa de Araú­jo não ter con­si­de­ra­do o Can­dom­blé uma re­li­gião, mas exor­ta co­mo acer­ta­da a de­ci­são do juiz de de­fen­der a li­ber­da­de de ex­pres­são. A te­o­ria po­lí­ti­ca que de­fen­de a li­ber­da­de de ex­pres­são co­mo um bem mai­or é o li­be­ra­lis­mo.

(UFU-MG – 2015)

26) C

Pa­ra o fi­ló­so­fo ilu­mi­nis­ta Je­an-Jac­ques Rous­se­au, o ho­mem em es­ta­do de na­tu­re­za é do­ta­do de bon­da­de (te­o­ria do bom sel­va­gem), si­tu­a­ção que se per­de a par­tir do surgimento da pro­pri­e­da­de pri­va­da, na con­vi­vên­cia em so­ci­e­da­de. Daí a ideia de que o ho­mem é na­tu­ral­men­te bom, mas a so­ci­e­da­de o cor­rom­pe. Lo­go, a vi­da em so­ci­e­da­de pri­va o ho­mem de su­as li­ber­da­des na­tu­rais, o que, na vi­são de Rous­se­au, ge­ra a ne­ces­si­da­de de um con­tra­to so­ci­al por meio do qual o in­di­ví­duo re­cu­pe­re sua li­ber­da­de, não em sua for­ma na­tu­ral, mas en­quan­to li­ber­da­de ci­vil. Es­sa si­tu­a­ção é pos­sí­vel por meio de um pac­to le­gí­ti­mo en­tre os in­te­gran­tes de uma so­ci­e­da­de, pa­ra que se­jam, ao mes­mo tem­po, governantes e go­ver­na­dos (de­mo­cra­cia di­re­ta). Rous­se­au acre­di­ta no ni­ve­la­men­to po­lí­ti­co co­mo fa­tor ca­paz de ate­nu­ar as desigualdades so­ci­o­e­conô­mi­cas.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.