Tu­di­nho so­bre o De­pois das 11

QUÊ? Re­la­xa, abor­dar o as­sun­to em ca­sa não é o fim do mun­do, não

Todateen - - Achou! - • Tex­to: Ca­ro­li­na Vi­ei­ra • De­sign: Lui­za Mar­con­des/co­la­bo­ra­do­ra • Con­sul­to­ri­as: Mar­ce­lo Bur­lá, gi­ne­co­lo­gis­ta e obs­te­tra pre­si­den­te da So­ci­e­da­de de Gi­ne­co­lo­gia e Obs­te­trí­cia do Rio de Ja­nei­ro (SGORJ), e Ti­a­go Lu­po­li, psi­có­lo­go

Vo­cê

sen­te ar­re­pi­os in­ter­nos só de pen­sar em fa­lar so­bre es­se as­sun­to com a sua mãe? Ca­a­al­ma! A tt e um ti­me de es­pe­ci­a­lis­tas aju­dam vo­cê a to­mar co­ra­gem pa­ra se abrir com a fa­mí­lia.

Se­xo é in­for­ma­ção

Um bom jei­to de to­car no te­ma é per­gun­tan­do so­bre a pre­ven­ção de gra­vi­dez e DSTs. Afi­nal, mais do que fa­lar so­bre sua vi­da, vo­cê es­tá in­te­res­sa­da em se in­for­mar, cer­to? A par­tir daí, dá pra son­dar o ter­ri­tó­rio e sen­tir co­mo sua mãe re­a­ge. Tam­bém va­le pe­dir por uma vi­si­ta ao gi­ne­co, in­de­pen­den­te­men­te se co­me­çou sua vi­da se­xu­al ou não. “O ide­al é ir pró­xi­mo à pri­mei­ra mens­tru­a­ção. Não há pro­ble­ma al­gum a ado­les­cen­te ain­da ser vir­gem”, res­sal­ta o gi­ne­co­lo­gis­ta Mar­ce­lo Bur­lá.

Mãe rí­gi­da x sus­sa

Se na sua ca­sa to­do mun­do é men­te aber­ta, bom pra vo­cê! Que tal ba­ter um pa­po com a sua ma­mis so­bre a pri­mei­ra vez de­la, se ela re­ve­lou o mo­men­to pa­ra sua avó, se foi pla­ne­ja­do... Ou­vir ex­pe­ri­ên­ci­as aju­da a cri­ar ca­mi­nhos pa­ra a pa­la­vra “se­xo” ser al­go nor­mal no vo­ca­bu­lá­rio. Já se seu ca­so é o opos­to, a di­ca do psi­có­lo­go Ti­a­go Lu­po­li é não de­sis­tir: “man­te­nha­se sem­pre aber­ta ao as­sun­to e, ao mes­mo tem­po, pro­cu­re se in­for­mar em ou­tros lu­ga­res, até mes­mo com al­guém de con­fi­an­ça den­tro da fa­mí­lia, co­mo uma tia, pri­ma ou ir­mã”, diz ele.

Qu­al o li­mi­te?

Em­bo­ra se­ja im­por­tan­te con­ver­sar so­bre se­xo em ca­sa, tam­bém é ok man­ter sua in­di­vi­du­a­li­da­de. Não pre­ci­sa en­trar nos mí­ni­mos de­ta­lhes (alô, pri­va­ci­da­de!) e po­de pe­dir, sim, pa­ra sua mãe guar­dar se­gre­do do seu pai, até se sen­tir mais con­for­tá­vel pa­ra com­par­ti­lhar as in­for­ma­ções. Ah, no gi­ne­co­lo­gis­ta a mes­ma re­gra va­le: sua ma­mis não pre­ci­sa sa­ber o que vo­cê con­tou no con­sul­tó­rio e nem o pro­fis­si­o­nal irá re­la­tar na­da.

Gi­ne­co sem neu­ra

Só pra vo­cê ter mais co­ra­gem de pe­dir uma con­sul­ta, sai­ba que a pri­mei­ra vez nes­te mé­di­co é bem sim­ples e fun­ci­o­na co­mo um ti­ra-dú­vi­das. Apro­vei­te pa­ra per­gun­tar tu­do! Se for vir­gem, não há ne­ces­si­da­de de fa­zer exa­mes e, se já te­ve re­la­ções se­xu­ais, pas­sa­rá a fa­zer o me­gaim­por­tan­te pa­pa­ni­co­lau to­do ano. O dou­tor tam­bém irá re­cei­tar o me­lhor mé­to­do an­ti­con­cep­ci­o­nal pra vo­cê fi­car con­fi­an­te e li­vre de neu­ras.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.