Mo­da in

Todateen - - Achou! -

Hque, in­fe­liz­men­te, á al­gu­mas si­tu­a­ções es­ta­mos su­jei­tas ain­da que exis­ta de­ba­te a pas­sar. Por mais se mui­ta gen­te pa­re­ce so­bre as­sé­dio, dis­so, power. Por con­ta es­que­cer do girl for­mas de as­sé­dio pen­sa­mos em ou des­per­ce­bi­das que po­dem pas­sar Se li­ga! con­si­de­ra­das nor­mais.

Na rua

É co­mum ou­vir­mos aque­les “elo­gi­os” que nos dei­xam in­co­mo­da­das e que, na ver­da­de, são su­per­gros­sei­ros e de mau gos­to: “gos­to­sa”, “ôh, lá em ca­sa”, “de­lí­cia”. Ser enal­te­ci­da e tra­ta­da de for­ma di­fe­ren­te pe­lo nos­so cor­po é ig­no­rar o que so­mos de fa­to (o que con­ta é sem­pre a per­so­na­li­da­de e a es­sên­cia) e um ma­chis­mo to­tal! O que fa­zer? Po­de ser que o as­sé­dio ve­nha de um co­le­ga cha­to, de al­gum ami­go ou de um des­co­nhe­ci­do. De­pen­den­do, dá até pra fa­lar pra pes­soa que é to­tal fal­ta de res­pei­to. Mas não se pren­da a is­so, “não exis­te ma­nei­ra cer­ta ou er­ra­da, co­mo um ma­nu­al de bo­as ma­nei­ras”, ex­pli­ca a psi­có­lo­ga Ta­ti­a­na Lei­te.

Na ba­la­da

No ro­lê não é di­fe­ren­te! Por con­sequên­cia de uma men­ta­li­da­de ma­chis­ta que pa­re­ce não di­mi­nuir, os ga­ro­tos po­dem achar que es­ta­mos lá, sim­ples­men­te, ao seu dis­por. Não é di­fí­cil no­tar­mos um boy que não sai do pé, in­sis­te em bei­ji­nhos mes­mo de­pois de re­ce­ber um não. E va­le lem­brar, não é não! O que fa­zer? O prin­ci­pal é sa­ber que is­so não é nor­mal. Tam­bém é im­por­tan­te com­pre­en­der o ocor­ri­do e evi­tar que is­so a afe­te: “a ga­ro­ta que pas­sa pe­la si­tu­a­ção se sen­te cul­pa­da achan­do que fez al­go pa­ra se en­vol­ver na­qui­lo, e is­so acon­te­ce por vi­ver­mos em uma so­ci­e­da­de de mui­ta de­si­gual­da­de e ma­chis­ta”, co­men­ta Ta­ti­a­na. Além dis­so, os or­ga­ni­za­do­res da fes­ta, por exem­plo, de­vem as­se­gu­rar o seu bem-es­tar e im­pe­dir es­sa for­ma de as­sé­dio.

Sa­la de au­la

O lo­cal tam­bém não é li­vre des­se pro­ble­ma. Brin­ca­dei­ri­nhas de pro­fes­so­res po­dem vi­rar pes­so­ais e di­re­ci­o­na­das a cer­tas me­ni­nas. Nes­se ca­so, po­de ser um pou­co in­ti­mi­da­dor. A gen­te tal­vez até ido­la­tre al­guns de­les e, qu­an­do acon­te­ce al­go as­sim, é di­fí­cil de en­ca­rar. O que fa­zer? Em si­tu­a­ções co­mo es­sas, é bom se sen­tir aco­lhi­da pe­las co­le­gas de sa­la. E, se es­ti­ver con­for­tá­vel, con­ver­se com o pro­fes­sor e di­ga co­mo se sen­te com a ati­tu­de. Ca­so não re­sol­va, a di­re­ção da es­co­la tem obri­ga­ção de aju­dá-la e li­dar com o pro­ble­ma. “É im­por­tan­te que le­ve o ocor­ri­do ao co­nhe­ci­men­to da co­or­de­na­ção. Tam­bém é pre­ci­so ex­pli­car a si­tu­a­ção aos seus pais pa­ra que to­mem pro­vi­dên­ci­as”, com­ple­ta a psi­có­lo­ga.

Mas e aí?

O es­sen­ci­al di­an­te dis­so tu­do é sa­ber que, qu­an­do nos sen­ti­mos des­con­for­tá­veis ou cons­tran­gi­das com al­go, é por­que is­so não é nor­mal. Sen­tir-se com me­do ou des­res­pei­ta­da não es­tá cer­to. Pro­cu­re sem­pre uma saí­da que a fa­ça sen­tir bem!

Acre­di­te, ele po­de es­tar pre­sen­te mes­mo sem no­tar­mos

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.