Re­cu­pe­ra­cao, e ago­ra?

O que fa­zer quan­do a no­ta ver­me­lha mar­ca pre­sen­ça no bo­le­tim?

Todateen - - Dilema - • Tex­to: Ga­bri­e­la Car­va­lho/ co­la­bo­ra­do­ra • De­sign: Fer­nan­da Ya­ma­za­to • Con­sul­to­ria: Ara­ce­li Al­bi­no, psi­có­lo­ga e Jo­sé Má­rio de Oli­vei­ra, pro­fes­sor • Fo­to: Shut­ters­tock Ima­ges

Aro­ti­na de es­tu­dos, po­de até pa­re­cer sim­ples, po­rém não tem na­da de fá­cil. Apren­der coi­sas no­vas é bem le­gal, mas, se vo­cê tem di­fi­cul­da­de em al­gu­ma dis­ci­pli­na, is­so se tor­na di­fí­cil, po­den­do re­sul­tar em no­tas ver­me­lhas e até em re­cu­pe­ra­ção, se vo­cê vai dei­xan­do... En­tão, se es­se é o seu ca­so, pres­te aten­ção nas di­cas!

Acon­te­ce

Acei­tar é o pri­mei­ro pas­so, afi­nal, é nor­mal que te­nha­mos di­fi­cul­da­de em al­gum as­sun­to. “É ne­ces­sá­rio en­ten­der que to­dos te­mos li­mi­ta­ções, in­clu­si­ve em re­la­ção ao apren­di­za­do”, co­men­ta a psi­có­lo­ga Ara­ce­li Al­bi­no. Po­de acon­te­cer com qual­quer um, se­ja por ter re­la­xa­do no meio do se­mes­tre, por al­gum des­cui­do com os es­tu­dos ou por não en­ten­der a ma­té­ria com fa­ci­li­da­de. Por is­so, o im­por­tan­te é com­pre­en­der seu mo­men­to, ver co­mo po­de me­lho­rar e bo­la pra fren­te!

Li­dar com a pres­são

Sa­ber que es­tá de re­cu­pe­ra­ção não é uma no­tí­cia tão sim­ples de ab­sor­ver, pois ela vem car­re­ga­da de exi­gên­ci­as e co­bran­ças. Fo­ra a pres­são de si mes­ma pa­ra re­cu­pe­rar a no­ta, mui­tas ve­zes, tam­bém ro­la a co­bran­ça dos pais e, nes­se ca­so, é le­gal con­ver­sar em ca­sa so­bre co­mo se sen­te com is­so. Qu­em sa­be as­sim a fa­mí­lia com­pre­en­de sua di­fi­cul­da­de e con­se­gue apoiá-la mais? Afi­nal, fi­car an­si­o­sa ou ner­vo­sa não aju­da em na­da: “o que fun­ci­o­na é es­ta­be­le­cer no­vas me­tas e con­fi­ar em si mes­ma”, ex­pli­ca a psi­có­lo­ga.

Tem jei­to?

Es­tar com no­ta ver­me­lha não sig­ni­fi­ca que vo­cê é uma pés­si­ma alu­na ou que irá re­pe­tir o ano. “Sem­pre tem a opor­tu­ni­da­de de re­cu­pe­rar a no­ta, o alu­no só se­rá re­pro­va­do ca­so es­te­ja no fi­nal do ano, que é o fi­nal do ci­clo de apren­di­za­gem” con­ta o pro­fes­sor Jo­sé Má­rio de Oli­vei­ra. Por is­so, é im­por­tan­te re­fle­tir se po­de me­lho­rar sua ro­ti­na de es­tu­dos, ti­rar as dú­vi­das das ma­té­ri­as com os pro­fes­so­res e, cla­ro, não ter ver­go­nha de ad­mi­tir su­as li­mi­ta­ções. Tam­bém é vá­li­do lem­brar que a es­co­la es­tá aí pa­ra lhe dar to­tal apoio: “o co­lé­gio tem obri­ga­ção de aju­dar os alu­nos no que for pre­ci­so pa­ra que eles me­lho­rem seu ren­di­men­to e apren­di­za­do”, ex­pli­ca o pro­fes­sor. En­tão, não pen­se du­as ve­zes an­tes de bus­car ori­en­ta­do­res, plan­to­nis­tas e se in­for­mar mais so­bre o mé­to­do de re­cu­pe­ra­ção da sua es­co­la.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.