Vo­cê co­nhe­ce es­te ca­ra?

Dei­xe pra lá o pas­sa­do, as po­lê­mi­cas e qual­quer pré-jul­ga­men­to... A gen­te lhe apre­sen­ta o no­vo (e re­al) Fe­li­pe Neto!

Todateen - - Pensando No Futuro - Tex­to e en­tre­vis­ta: Ma­ri­a­na Scher­ma De­sign: Pé­ro­la Stein Co­la­bo­ra­do­res: Fo­tos: Ro­dri­go Lo­pes Pro­du­ção: Sa­mantha Szc­zerb Ilus­tra­ção: Shut­ters­tock Ima­ges Ma­ke e ca­be­lo: Duh Nu­nes

Ele já cau­sou mui­to com o seu per­so­na­gem de Não Faz Sen­ti­do. Mas aten­ção aí à pa­la­vra per­so­na­gem! Des­de 2015, Fe­li­pe Neto tem se rein­ven­ta­do e aban­dou o po­lê­mi­co dos ócu­los es­cu­ros. O ca­ra cau­sou a mai­or co­mo­ção no Twit­ter e, em me­nos de 9 mi­nu­tos, a hash­tag #Fe­li­peNe­to­ca­pa­da­to­da­te­en vi­rou tren­ding to­pic. Fo­mos ao Rio de Ja­nei­ro en­con­trá-lo e o re­sul­ta­do vo­cê lê a se­guir.

Re­ein­ven­ção do Fe­li­pe

“Em 2015, eu es­ta­va com as mi­nhas em­pre­sas, a Pa­raMa­ker e a Pa­ra­fer­na­lha, ga­nhan­do di­nhei­ro e fa­zen­do ne­gó­ci­os. Mas per­ce­bi que não há gra­na no mun­do que me dei­xa mais fe­liz do que cri­ar con­teú­do in­te­res­san­te pa­ra as pes­so­as”, ex­pli­ca o ca­ra. E aí vem a re­vi­ra­vol­ta ge­ral: “se não es­tou fe­liz, não te­nho pro­ble­ma em dar um gi­ro de 180 graus e me des­fa­zer do que es­tá me cau­san­do in­fe­li­ci­da­de”. Nes­sa, ele ven­deu as em­pre­sas, aban­do­nou os ócu­los tão ca­rac­te­rís­ti­cos e se vol­tou pa­ra o seu ca­nal, que ho­je tem ví­de­os diá­ri­os, sem­pre às 11h da ma­nhã. “Di­ver­tir as pes­so­as, mais do que cau­sar, é o que me faz fe­liz”.

E deu cer­to, viu!

“Foi um bo­om que eu ja­mais con­se­gui­ria pre­ver. Ho­je é o ca­nal mais as­sis­ti­do do Bra­sil em vi­ews men­sais, eu fiz 130 mi­lhões de vi­sus em abril. Mês a mês es­tá cres­cen­do, é uma fe­li­ci­da­de as­tronô­mi­ca, tam­bém ba­ti os 10 mi­lhões

de ins­cri­tos!”. E nis­so, Fe­li­pe ga­nhou o play de di­a­man­te (da­do pra qu­em tem mais de 10 mi­lhões de ins­cri­tos no ca­nal). “Es­se play re­pre­sen­ta a mi­nha vi­tó­ria, mi­nha vol­ta por ci­ma, o fa­to de ter da­do cer­to tu­do o que pla­ne­jei. Sin­to um or­gu­lho mui­to gran­de, fi­co olhan­do pra ele du­ran­te o dia, man­do bei­ji­nho, dou pis­ca­da”. E mais pra fren­te tem no­vi­da­de: “vai ter qua­dro no­vo no ca­nal, ao vi­vo, coi­sas com­ple­ta­men­te ino­va­do­ras”.

Di­ver­são + res­pon­sa­bi­li­da­de no ca­nal

Ape­sar de o no­vo fo­co do Fe­li­pe ser en­tre­ter a ga­le­ra, ele não dei­xa a re­pon­sa de la­do. Tan­to que o ca­ra

pos­tou um ví­deo fa­lan­do so­bre depressão e a ques­tão do de­sa­fio da Ba­leia Azul que foi bem im­por­tan­te pa­ra o pú­bli­co de­le: “fi­quei mui­to fe­liz ao sa­ber que jo­vens es­ta­vam se abrin­do pa­ra o tra­ta­men­to de­pois de ver o ví­deo. Is­so me en­che de ale­gria, fa­zer com que se sin­tam re­pre­sen­ta­das”. Viu só, mi­ga, ze­ro a ver com o Fe­li­pe da fa­se Não Faz Sen­ti­do.

Sem ar­re­pen­di­men­tos

Cla­ro que vo­cê se lem­bra da fa­se em que o Fe­li­pe en­chia a ti­me­li­ne de po­lê­mi­cas... Ze­ro re­mor­so des­sa fa­se: “vo­cê per­ce­be que os er­ros o le­va­ram pa­ra ca­mi­nhos de apren­di­za­do, de ama­du­re­ci­men­to... Os er­ros que co­me­ti ao lon­go dos se­te anos me fi­ze­ram cres­cer mui­to. Ho­je, eu con­si­go sen­tir le­ve­za e tran­qui­li­da­de”

Nem tu­do é o que pa­re­ce

A edi­to­ra aqui que es­cre­ve leu no Twit­ter do Fe­li­pe ele di­zen­do que o Ins­ta­gram de­ve­ria co­men­tar quan­tas plás­ti­cas al­gu­mas me­ni­nas já fi­ze­ram e pe­di pra que co­men­tas­se es­se post. Vo­cê vai amar a res­pos­ta: “al­gu­mas me­ni­nas fa­zem vá­ri­as ci­rur­gi­as plás­ti­cas e fi­cam to­das pa­re­ci­das. Is­so me pre­o­cu­pa por­que ve­jo me­ni­nas por aí com a au­to­es­ti­ma no chão. E as que são mo­de­los de beleza pas­sa­ram por li­pos, ri­no­plas­tia, me­xe­ram na ore­lha, o quei­xo não é de­la, o ca­be­lo não é de­la... Não te­nho na­da con­tra, as pes­so­as po­dem mudar o que qui­se­rem ne­las. Mas se­ria mui­to di­ver­ti­do a gen­te vi­ver num mun­do on­de o Ins­ta­gram vi­es­se com avi­so: es­sa pes­soa tem se­te ci­rur­gi­as plás­ti­cas. Até pa­ra es­sas me­ni­nas pa­ra­rem de bus­car um mes­mo pa­drão de beleza”.

Os fãs che­ga­ram e re­pre­sen­ta­ram

“An­tes eu re­pe­lia os fã-clu­bes. Ti­nha aque­la coi­sa de o ado­les­cen­te sen­tir amor e ódio, ho­je es­se ódio se dis­si­pou e as pes­so­as pas­sa­ram a fo­car no ca­ri­nho... Fi­co im­pres­si­o­na­do co­mo eles mu­da­ram mi­nha vi­da de seis me­ses pra cá. Nun­ca ti­nha sen­ti­do tan­to amor. Te­nho dez mi­lhões de mo­ti­vos. Os fãs re­pre­sen­tam tu­do mes­mo. É por is­so que fiz es­sa ta­tu­a­gem enor­me no bra­ço, eles me sal­vam todo dia”, re­ve­la o ca­ra. Fofo, hein!

Fa­lan­do em fo­fi­nho...

Já re­pa­ra­ram co­mo o Fe­li­pe an­da todo in lo­ve nas re­des so­ci­ais pe­la sua namô Bru­na Go­mes? Quis sa­ber co­mo ele é quan­do se apai­xo­na e to­mei es­se ti­ro to­tal amor: “mui­to fo­fi­nho! Eu sou de­di­ca­do, sou amo­ro­so. Acho que um re­la­ci­o­na­men­to pre­ci­sa dis­so. Po­dem achar que eu sou meio ogro. Tô su­pe­ra­pai­xo­na­do e ela tam­bém, a gen­te es­tá fa­zen­do pla­nos de cons­truir uma vi­da jun­tos e es­pe­ro que dê cer­to”, con­tou. Mo­men­to own, fa­la aí!

Pin­gue-pon­gue com o Fe­li­pe

Um so­nho pra re­a­li­zar: co­nhe­cer um país da Ásia. Me­lhor mo­men­to na car­rei­ra: quan­do ba­ti os dez mi­lhões de ins­cri­tos. Foi o dia que pro­vei pra mim mes­mo que era ca­paz. Pi­or mo­men­to na car­rei­ra: quan­do in­ven­ta­ram uma po­lê­mi­ca com Wes­ley Sa­fa­dão. Cri­a­ram uma tre­ta que não exis­tia. Foi quan­do me sen­ti mais pra bai­xo e que ti­ve que ter for­ças pra con­ti­nu­ar tra­ba­lhan­do no dia se­guin­te.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.