Mas é do­en­ça mes­mo?

Todateen - - Pensando No Futuro -

É, sim. E a psi­co­te­ra­peu­ta Ghi­na Ma­cha­do ex­pli­ca: “mui­tas ve­zes, as pes­so­as acham que não, mas é uma sín­dro­me psi­quiá­tri­ca que tem di­ag­nós­ti­co cla­ro, que pre­ci­sa de tra­ta­men­to e acom­pa­nha­men­to ade­qua­do”. A depressão pos­sui du­as for­mas: a do­en­ça de­pres­si­va clás­si­ca e a do­en­ça de­pres­si­va bi­po­lar. “Na pri­mei­ra, a depressão se ini­cia mais tar­de, ge­ral­men­te aos 30 anos, e, na se­gun­da, po­de ser mais pre­co­ce, sur­gin­do na in­fân­cia ou ado­les­cên­cia”, ex­pli­ca o psi­qui­a­tra Di­e­go Ta­va­res.

Dei­xou de ser tris­te­za

A tris­te­za é um dos sin­to­mas da depressão, mas é im­por­tan­te não con­fun­di-la com a do­en­ça. “De­pois do tér­mi­no de um re­la­ci­o­na­men­to, por exem­plo, é na­tu­ral a pes­soa fi­car tris­te por um tem­po, o que não sig­ni­fi­ca que ela es­te­ja de­pri­mi­da. Pas­sa a ser depressão quan­do o in­di­ví­duo apre­sen­ta ou­tros sin­to­mas as­so­ci­a­dos, co­mo des­mo­ti­va­ção, sen­ti­men­to de cul­pa, ir­ri­ta­bi­li­da­de e al­te­ra­ção do so­no e ape­ti­te”, ex­pli­ca a psi­co­te­ra­peu­ta. Ou se­ja, é depressão quan­do a tris­te­za co­me­ça a in­flu­en­ci­ar e atra­pa­lhar as su­as ati­vi­da­des diá­ri­as.

Se­rá que é?

Às ve­zes, po­de ser di­fí­cil per­ce­ber se vi­rou do­en­ça, por is­so, se li­ga nos

sin­to­mas: * Fal­ta de ener­gia * Hu­mor de­pri­mi­do * De­sâ­ni­mo * Per­da de in­te­res­se nas ati­vi­da­des * Al­te­ra­ções no so­no e no ape­ti­te * Can­sa­ço * Pen­sa­men­tos pes­si­mis­tas e fal­ta de au­to­es­ti­ma Nos ca­sos mais gra­ves, po­dem ro­lar até pen­sa­men­tos de mor­te e sui­cí­dio. Por is­so, se al­go es­ti­ver acon­te­cen­do com vo­cê ou al­guém co­nhe­ci­do, o pró­xi­mo pas­so é pro­cu­rar aju­da.

De­pois da aju­da

Os prin­ci­pais tra­ta­men­tos pa­ra a depressão são a psi­co­te­ra­pia + acom­pa­nha­men­to psi­quiá­tri­co. “Na mai­o­ria das ve­zes, o pa­ci­en­te pre­ci­sa to­mar me­di­ca­ção pa­ra equi­li­brar a par­te neu­roquí­mi­ca e re­du­zir os sin­to­mas”, ex­pli­ca Ghi­na. A psi­co­te­ra­pia tem o pa­pel de aju­dar o pa­ci­en­te a li­dar com as di­fi­cul­da­des, “aju­da a tra­tar a de­ses­pe­ran­ça, a fal­ta de mo­ti­va­ção, a au­to­es­ti­ma di­mi­nuí­da e a tris­te­za”, apon­ta a es­pe­ci­a­lis­ta. Ah, o tra­ta­men­to tam­bém po­de (e de­ve!) ser ali­a­do a uma vi­da sau­dá­vel: boa ali­men­ta­ção + ati­vi­da­de fí­si­ca + con­ta­to so­ci­al fa­zem a di­fe­ren­ça.

Tem cu­ra?

Sim! E pa­ra is­so, “é pre­ci­so re­a­li­zar o di­ag­nós­ti­co cor­re­to e o quan­to an­tes pro­cu­rar aju­dar, me­lhor! Por­tan­to, se vo­cê se sen­tir tris­te a mai­or par­te do tem­po, por um pe­río­do pro­lon­ga­do, não ti­ver mo­ti­va­ção pa­ra le­var adi­an­te pro­je­tos pes­so­ais e se is­so es­ti­ver atra­pa­lhan­do su­as re­la­ções, pro­cu­re aju­da. Vo­cê po­de es­tar so­fren­do de depressão”, lem­bra Ghi­na. Nun­ca se es­que­ça: a depressão é to­tal­men­te tra­tá­vel!

Me­di­ca­men­tos

Se­rá que todo mun­do pre­ci­sa to­mar re­mé­di­os pa­ra se li­vrar da depressão? Ghi­na ex­pli­ca que não: “tu­do de­pen­de do ní­vel da depressão. E quan­do exis­tem mais sin­to­mas psi­co­ló­gi­cos que bi­o­ló­gi­cos, po­de não ser ne­ces­sá­rio to­mar me­di­ca­ção, ape­nas a psi­co­te­ra­pia po­de ser efi­caz nes­ses ca­sos”.

Co­mo aju­dar

Vo­cê tem al­guém pró­xi­mo pas­san­do por es­se pro­ble­ma e não sa­be co­mo aju­dar? Se­gun­do Di­e­go Tai­a­res, psi­qui­a­tra, a me­lhor for­ma de au­xi­li­ar al­guém é aju­dan­do a re­co­nhe­cer os fa­to­res de es­tres­se. Ou­tro pon­to im­por­tan­te é re­co­nhe­cer a depressão co­mo do­en­ça, “não jul­gar ou con­si­de­rar que a pes­soa es­tá de­pres­si­va por­que quer”, ex­pli­ca Ghi­na. Fra­ses co­mo “vo­cê tem que re­a­gir” aca­bam não aju­dan­do mui­to e co­la­bo­ram ape­nas pa­ra pi­o­rar o qua­dro de­pres­si­vo. “Is­so po­de au­men­tar a cul­pa e a sen­sa­ção de ser uma pes­soa fra­ca”, con­ta a psi­co­te­ra­peu­ta.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.