Fa­tos so­bre o pri­mei­ro na­mo­ro

As coi­sas que nin­guém te con­ta!

Todateen - - ACHOU! -

Ciú­me? Ah­vai ter!

A não ser que vocês se­jam o casal mais paz e amor da vi­da... O ciú­me é um in­tru­so que chega do na­da, sa­be? Quan­do vo­cê vê al­guém co­men­tan­do ~ou­sa­da­men­te~ a fo­to de­le... Ou até aque­la ami­ga que pa­re­ce ter mui­to mais in­ti­mi­da­de que vo­cê.

O que fa­zer? A ques­tão da con­fi­an­ça é o que mais pe­sa. O ide­al é que vo­cê con­fie em si mes­ma e ne­le tam­bém. Mas nem sem­pre é as­sim. “Nes­se ca­so, con­ver­se com sin­ce­ri­da­de. Além dis­so, dá pra com­bi­nar acor­dos, por exem­plo: não abra­çar tan­to ou­tras me­ni­nas. Ca­be a vo­cê tam­bém ava­li­ar se o ciú­me não vem de al­go só da sua ca­be­ça”, diz a psi­có­lo­ga Ju­lia Bit­ten­court.

A so­gra e o so­gro

A gen­te sa­be que dá von­ta­de de ro­er as unhas das mãos e dos pés an­tes de co­nhe­cer os so­gros. Mas is­so acon­te­ce com 100% da ga­le­ra e é su­per­na­tu­ral. Não exis­te uma fór­mu­la pra agra­dá-los, mas al­gu­mas coi­sas dá pra fa­zer, sim:

Ser vo­cê mes­ma, com bo­as do­ses de sim­pa­tia e edu­ca­ção. Ti­po, elo­gi­ar a ca­sa, a co­mi­da, agra­de­cer, ofe­re­cer-se pra tirar a me­sa após o al­mo­ço, es­sas coi­sas, sa­be?

Não con­tar os mi­cos e ba­fões da sua vi­da. De­fi­ni­ti­va­men­te, não tem porquê ser su­per­sin­ce­ra com a so­gri­nha.

An­tes de co­nhe­cê-los, per­gun­te ao seu boy do que os pais de­le gos­tam. Is­so fa­ci­li­ta pra pu­xar as­sun­to.

É ok di­zer não

Na­mo­rar en­vol­ve co­nhe­cer mais o ou­tro, fi­si­ca­men­te, in­clu­si­ve. Por is­so, se vo­cê não se sen­tir tão à von­ta­de com al­gu­mas ca­rí­ci­as po­de (e de­ve) di­zer não. “É pre­ci­so se co­nhe­cer e sa­ber dos seus li­mi­tes pa­ra ser ca­paz de se im­por, com se­gu­ran­ça e sem cons­tran­gi­men­to”, ex­pli­ca a psi­có­lo­ga.

Ah, e ele tem que entender e res­pei­tá-la, tá? As­sim co­mo vo­cê tem que res­pei­tá-lo.

“Meu na­mo­ra­do is­so, meu namô aqui­lo...”

par­te fi­car A gen­te sa­be que faz

É mui­to mo­no­te­má­ti­ca no co­me­ço. fa­lar dis­so amor e vo­cê vai que­rer co­lo­que-se no o tem­po todo, mas iria aguen­tar lu­gar dos ou­tros: vo­cê fa­la do seu boy? uma ami­ga que só é vo­cê do­sar e En­tão, né... O ide­al tam­bém. dei­xar as pes­so­as fa­la­rem até Va­le ci­tar ou­tros as­sun­tos, gi­ra só em por­que sua vi­da não tor­no do na­mo­ra­do!

En­tre ce­der e se anu­lar

Qual­quer re­la­ci­o­na­men­to, pra dar cer­to, en­vol­ve ce­der um pou­co e ter jo­go de cin­tu­ra. Com su­as ami­gas mes­mo... Às ve­zes, elas qu­e­rem um fil­me, vo­cê, ou­tro e as acom­pa­nha. Com seu boy se­rá a mes­mís­si­ma coi­sa. Ele vai que­rer ir a show de uma ban­da que vo­cê não cur­te e vi­ce-ver­sa. E tu­do bem ce­der nes­ses ca­sos. Quan­do se ama a com­pa­nhia um do ou­tro, es­sas coi­sas nem che­gam a ser um es­for­ço tão di­fí­cil. Mas e quan­do só vo­cê ce­de? Mi­ga, aí não dá. Re­la­ci­o­na­men­to pre­ci­sa ser uma tro­ca. “Pen­se em quais ca­sos vo­cê es­tá se anu­lan­do e abrin­do mão de coi­sas im­por­tan­tes. Es­te­ja aten­ta a si mes­ma e às si­tu­a­ções”, diz a psi­có­lo­ga Ju­lia. Quan­do es­ti­ver além do que acha le­gal, fa­le com o boy. Res­pei­tar-se é fun­da­men­tal.

Tre­tas e bri­gas

Vo­cê e o namô têm cri­a­ções di­fe­ren­tes, ou­tros gos­tos, pen­sa­men­tos di­ver­sos, en­tão, é nor­mal que ba­tam de fren­te em al­guns as­sun­tos e se de­sen­ten­dam. Faz par­te. E va­le ser fir­me quan­do o as­sun­to for im­por­tan­te pra vo­cê. Mas...

Sem ofen­sas: “Se a bri­ga for uma con­ver­sa com ne­go­ci­a­ção de pon­tos de vis­tas di­fe­ren­tes, ok. Mas se en­vol­ver gri­tos e agres­sões não é to­le­rá­vel”, diz a psi­có­lo­ga. Não tem por­que um na­mo­ro ser um cam­po de gu­er­ra. Na­mo­ro é pra fa­zer bem.

Vo­cê com vo­cê mes­ma

Na vi­da, além de di­vi­dir seu tem­po com o boy, a fa­mí­lia, os ami­gos e os es­tu­dos, lem­bre-se de guar­dar um tem­pi­nho pra si mes­ma. Fa­zer as coi­sas de que gos­ta, ti­po ler em paz, ma­ra­to­nar al­go que só vo­cê cur­te, dan­çar so­zi­nha no quar­to, tes­tar uma ma­ke no­va... Fi­car so­zi­nha é gos­to­so e im­por­tan­te pra si mes­ma, viu? É as­sim que vo­cê des­co­bre mais so­bre sua per­so­na­li­da­de!

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.