Ami­za­de en­tre ir­mãs

Todateen - - SABE DE UMA COISA? - Por Evelyn Re­gly

Eu e mi­nha ir­mã éra­mos iguais cão e ga­to, vi­vía­mos bri­gan­do e dei­xan­do mi­nha mãe lou­ca! Mas, quan­do a mi­nha ir­mã saiu de ca­sa pra vi­ver a vi­da de­la, eu vi o qu­an­to éra­mos ami­gas e o qu­an­to a gen­te fazia fal­ta uma pra ou­tra.

A Lívia sem­pre te­ve um jei­to com­ple­ta­men­te opos­to do meu.

En­quan­to eu so­fria quan­do meus pais vi­a­ja­vam, ela da­va gra­ças a Deus por fi­car­mos sem eles. En­quan­to eu que­bra­va a ca­be­ça na es­co­la e não pas­sei em ne­nhu­ma fa­cul­da­de es­ta­du­al, ela, su­pe­rin­te­li­gen­te, pas­sou na fe­de­ral. Eu amo ce­bo­la, ela odeia. Meu ca­be­lo é li­si­nho e fi­no des­de pequena, o de­la sem­pre foi cheio de ca­chos. Se eu fos­se fa­lar aqui as nos­sas di­fe­ren­ças, não ia ca­ber nes­sa pá­gi­na...

Apren­di que as nos­sas di­fe­ren­ças nos fi­ze­ram cres­cer e nos pre­pa­ra­ram mui­to pra vi­da.

Vo­cê e sua ir­mã (ou ir­mão) não pre­ci­sam ser idên­ti­cas, gos­ta­rem das mes­mas coi­sas — aliás ser di­fe­ren­te é que faz tu­do fi­car mais di­ver­ti­do, hehehe. Vocês só ten­dem a apren­der uma com a ou­tra. Quan­do vocês en­con­tra­rem o equilíbrio do “rin­gue” de vocês, não irão mais “lutar” e, sim, se unir. Vocês se­rão mais que ir­mãs, se­rão ami­gas e ali­a­das. Foi as­sim co­mi­go e com a mi­nha ir­mã.

Uma coi­sa que ad­mi­ro mui­to na mi­nha sister (e apren­di com ela) é o fa­to de ela se amar, se per­mi­tir e se acei­tar sen­do plus si­ze. Ela até faz uma di­e­ta aqui ou­tra ali por saú­de, mas ela se cur­te, se per­mi­te quan­do quer co­mer ba­ta­ta fri­ta, por exem­plo.

Ela não ce­deu à pres­são do cor­po per­fei­to e nem às com­pa­ra­ções co­mi­go pe­lo fa­to de ser­mos ir­mãs.

Ela li­da de boa. E a Lívia já dis­se: ”No iní­cio, era mui­to di­fí­cil. De­pois, pas­sei a não me im­por­tar com as com­pa­ra­ções. O que sem­pre im­por­tou foi o nos­so amor co­mo ir­mãs e o que vi­nha de fo­ra não po­dia nos atin­gir”. Sa­be que is­so tu­do nos uniu ain­da mais?! E ain­da me en­si­nou a li­dar com comentários mal­do­sos, com os quais va­mos ter que li­dar sem­pre. Faz par­te da vi­da.

“Apren­di tan­ta coi­sa já com a Evelyn. A mais re­cen­te foi dar mais va­lor à vi­da e à fa­mi­lia, de­pois de tu­do que vo­cê pas­sou com a ci­rur­gia.

Uma fra­se que gos­to mui­to e nos re­pre­sen­ta é ‘os mos­qui­tos de lâm­pa­da, não ata­cam lâm­pa­das apa­ga­das’.

Não apa­gue a luz! Vou le­var is­so sem­pre pa­ra mi­nha vi­da!” Lívia Re­gly

Eu cos­tu­mo di­zer que so­mos di­fe­ren­te­men­te IGUAIS, hehe!

Eu cos­tu­mo di­zer que so­mos di­fe­ren­te­men­te IGUAIS, hehe! Di­fe­ren­tes e, ao mes­mo tem­po, iguais

O que eu di­go, lei­to­ra, é: se­ja ami­ga da sua ir­mã. Sai­ba que as di­fe­ren­ças en­tre vocês são pa­ra en­si­nar. De­sen­ten­di­men­tos exis­tem, vocês não pre­ci­sam con­cor­dar sem­pre, mas amem e se res­pei­tem. Ir­mã é ami­ga pra vi­da to­da.

É you­tu­ber e tem dois li­vros: Babados da Mi­nha Vi­da e É Do Ba­ba­do, am­bos da As­tral Cultural. Evelyn Re­gly

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.