“Que­ro mi­nha BFF de volta”

Vo­cê bri­gou com a ami­ga e quer re­con­quis­tar a ami­za­de? Cola aqui!

Todateen - - ACHOU! - • Tex­to: Ga­bri­e­la Carvalho/co­la­bo­ra­do­ra • De­sign: Pé­ro­la Stein • Con­sul­to­ria: Cris­ti­a­ne Ma­luf Mar­tin, psi­có­lo­ga • Fo­to: Shutterstock Ima­ges

Foi só um afas­ta­men­to?

Não ro­lou na­da es­pe­cí­fi­co, mas, com o pas­sar do tem­po, vocês fo­ram se dis­tan­ci­an­do? É nor­mal que is­so fa­ça com que os gos­tos de vocês mu­dem e, con­se­quen­te­men­te, as afi­ni­da­des e a in­ti­mi­da­de de an­tes tam­bém di­mi­nu­am. Mas tem so­lu­ção, viu!

• Di­ca: con­ver­se com a mi­ga e di­ga co­mo se sen­te em re­la­ção a is­so e que quer se re­a­pro­xi­mar. “Com diá­lo­go, sin­ce­ri­da­de e res­pei­to as coi­sas ten­dem a se ajei­tar. É im­por­tan­te que as du­as con­si­gam fa­lar so­bre o que sen­tem com com­pre­en­são”, ex­pli­ca a psi­có­lo­ga Cris­ti­a­ne Ma­luf Mar­tin.

Ro­lou men­ti­ra

Po­de ser que uma das du­as te­nha pi­sa­do na bo­la e que­bra­do a con­fi­an­ça da ou­tra. E, nes­se ca­so, vo­cê pre­ci­sa re­fle­tir bas­tan­te so­bre co­mo se sen­te e se ques­ti­o­nar se man­tém al­gum or­gu­lho, má­goa ou cul­pa den­tro de vo­cê.

• Di­ca: “é pre­ci­so que ha­ja von­ta­de de re­sol­ver as coi­sas tan­to da pes­soa que men­tiu, qu­an­to da que foi en­ga­na­da. Ca­so con­trá­rio, se ape­nas um dos la­dos se es­for­çar, a ami­za­de não irá so­bre­vi­ver, cau­san­do uma frus­tra­ção mui­to gran­de em quem se em­pe­nhou mais”, afir­ma a psi­có­lo­ga.

Ei­ta, ciú­me!

Afas­tar-se por con­ta de ciú­me é bem co­mum. Às ve­zes, a gen­te nem per­ce­be que foi con­sequên­cia des­se sen­ti­men­to, mas achar que foi dei­xa­da de la­do ou se sen­tir su­fo­ca­da por ou­tra pes­soa po­de, sim, aba­lar a ami­za­de.

• Di­ca: re­ve­ja su­as ati­tu­des e di­vi­da a for­ma co­mo se sen­te com a best. No fi­nal das con­tas, não é jus­to perder uma ami­za­de im­por­tan­te ape­nas por ciú­me, né? Se­gun­do Cris­ti­a­ne, “às ve­zes, a fal­ta que uma faz na vi­da do ou­tra é mui­to mai­or do que qual­quer de­sen­ten­di­men­to. Ou se­ja, tam­bém faz par­te dei­xar al­gu­mas má­go­as de la­do”.

Fa­lou de­mais

Sen­tir que a ou­tra pes­soa não res­pei­ta sua in­ti­mi­da­de re­al­men­te aba­la a con­fi­an­ça na ami­za­de... Por is­so, é jus­to co­lo­car a si­tu­a­ção na ba­lan­ça e ten­tar se ques­ti­o­nar se re­al­men­te va­le a pe­na perder a ami­za­de ou se vo­cê quer re­es­ta­be­le­cer a con­fi­an­ça.

• Di­ca: is­so não vai mu­dar de uma ho­ra pa­ra a ou­tra. En­tão, não se cul­pe se a re­la­ção não vol­tar ao nor­mal. Con­ver­se com a best, di­ga co­mo se sen­te e dê tem­po pa­ra a si­tu­a­ção. Adap­tar a re­la­ção po­de ser uma sai­da.

In­ves­tiu no crush

Ver a BFF fi­can­do com seu crush dói e, mes­mo que te­nha si­do o con­trá­rio, o acon­te­ci­do de­ve ter acu­mu­la­do um mon­tão de sen­ti­men­to pa­ra li­dar. Mas, se vo­cê es­tá dis­pos­ta a en­ca­rar is­so e dei­xar a má­goa no pas­sa­do, é só ter uma con­ver­sa si­ni­ce­ro­na com a best.

• Di­ca: “a con­fi­an­ça po­de ser re­to­ma­da aos pou­cos des­de que am­bas as par­tes não fi­que re­lem­bran­do e re­vi­ven­do a si­tu­a­ção”, com­ple­ta a psi­có­lo­ga.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.