Tu­do so­bre tat­to­os

Tem coi­sa que po­de acon­te­cer, mas nin­guém con­ta pra vo­cê...Nin­guém, não! A gen­te con­ta

Todateen - - ACHOU! -

Po­de in­fec­ci­o­nar?

As chan­ces são bem pe­que­nas se a ta­tu­a­gem for fei­ta em um lo­cal ade­qua­do, com mé­to­dos de hi­gi­e­ne e es­te­ri­li­za­ção cor­re­tos. “Al­gu­mas pes­so­as no­tam pe­que­nas sa­li­ên­ci­as aver­me­lha­das que se de­sen­vol­vem em tor­no do lo­cal ta­tu­a­do, mas não é in­fec­ção e, sim, uma re­a­ção alér­gi­ca aos pig­men­tos”, ex­pli­ca a der­ma­to­lo­gis­ta La­ris­sa Vi­a­na.

Só a par­tir dos 18 anos po­de fa­zer?

Is­so mes­mo. A não ser que seus pais ou res­pon­sá­veis te­nham au­to­ri­za­do an­tes.

O de­se­nho po­de mu­dar ao lon­go do tem­po?

Po­de, mi­ga. Quem ex­pli­ca é o ta­tu­a­dor Gi­an­car­lo: “a pro­fun­di­da­de do pig­men­to e a pres­são exer­ci­da na ho­ra da apli­ca­ção des­te in­flu­en­cia não só na ta­tu­a­gem, co­mo tra­ços mais gros­sos e pro­fun­dos, is­so por­que, com o pas­sar do tem­po, os tra­ços mais pro­fun­dos ten­dem a se di­la­tar e fi­car em al­to re­le­vo”.

Co­mo es­co­lher um ta­tu­a­dor top?

O pri­mei­ro pas­so é se iden­ti­fi­car com ele e com os de­se­nhos que faz. Tem mais di­ca do Gi­an­car­lo: “É pre­ci­so que ele te­nha bo­as re­fe­rên­ci­as no mer­ca­do. Não se ilu­da com comentários e ava­li­a­ções da in­ter­net. É im­pres­cin­dí­vel co­nhe­cer os tra­ba­lhos já re­a­li­za­dos por es­se pro­fis­si­o­nal”. Fe­chou?

• Tex­to: Ma­ri­a­na Scher­ma • De­sign: Pé­ro­la Stein • Con­sul­to­ri­as: La­ris­sa Vi­a­na, mé­di­ca der­ma­to­lo­gis­ta es­pe­ci­a­lis­ta pe­la So­ci­e­da­de Bra­si­lei­ra de Der­ma­to­lo­gia (SBD), e Gi­an­car­lo Pin­cel­li, fun­da­dor da Hell Tat­too e ta­tu­a­dor

• Fo­tos: Hell Tat­too e Shutterstock Ima­ges

Com o tem­po, a tat­too fi­ca mais opa­ca, sim, e is­so tem ex­pli­ca­ção!

É que nos­so cor­po es­tá em cons­tan­te ab­sor­ção do pig­men­to, sa­bia? “Is­so faz com que a ta­tu­a­gem vá fi­can­do mais ofus­ca­da e opa­ca. Além dis­so, a ex­po­si­ção so­lar di­la­ta os tra­ços da ta­tu­a­gem e oxi­da o pig­men­to”, ex­pli­ca o ta­tu­a­dor. Pra quem já tem ou vai fa­zer, anote as di­cas: pro­te­tor so­lar todo dia (fa­ça chu­va ou sol) e creme hi­dra­tan­te tam­bém. Is­so aju­da na du­ra­bi­li­da­de.

Se vo­cê tem ten­dên­cia à que­lói­de, aten­ção!

A que­lói­de na­da mais é que uma ci­ca­triz mui­to apa­ren­te. Se vo­cê tem pre­dis­po­si­ção pra de­sen­vol­vê­la, “de­ve evi­tar áre­as co­mo om­bros e cos­tas”, diz La­ris­sa. Só que a que­lói­de é im­pre­vi­sí­vel e po­de sur­gir mes­mo se fi­zer tu­do cer­ti­nho. En­tão, con­ver­se com o ta­tu­a­dor e seu mé­di­co der­ma­to­lo­gis­ta an­tes.

No aguar­do da pri­mei­ra tat­too

Es­sas ar­tes aqui fo­ram obras do ta­tu­a­dor que nos deu con­sul­to­ria

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.