Va­len­ti­na fa­la a real

Todateen - - ACHOU! -

Abril pra mim é o mês dos pe­ca­dos: já co­me­ça com o Dia da Men­ti­ra e se­gue com a gu­la de Pás­coa até o fi­nal.... Eu ado­ro pe­ga­di­nhas e não só em 1o de abril. Mas, men­ti­ra, es­sa eu evi­to ao má­xi­mo. Tem aque­las men­ti­ri­nhas, que eu cha­mo de so­ci­ais, por­que não dá pra to­da vez que al­guém fa­lar: “oi, tu­do bem?” e não es­ti­ver, vo­cê sair con­tan­do seus pro­ble­mas. É complicado tam­bém ba­ter um sin­ce­rão sem fil­tro, cor­ren­do o ris­co de ma­go­ar mui­ta gen­te. A ou­tra ca­te­go­ria das men­ti­ras são as pro­te­to­ras. “Não, es­se ves­ti­do não tá bom”, “não, vo­cê não é en­gra­ça­do” Às ve­zes, vo­cê não fa­la a real, co­mo de­ve­ria, por­que não quer ma­go­ar a pes­soa. Mas a gen­te tam­bém men­te por me­do de se fer­rar. Daí já é uma ca­te­go­ria de men­ti­ra mais pe­sa­da, quan­do vo­cê não só omi­te a ver­da­de, co­mo cria uma his­tó­ria men­ti­ro­sa mes­mo! Ti­po pra jus­ti­fi­car o seu atra­so na es­co­la, uma no­ta ruim, o mo­ti­vo de vo­cê ter con­vi­da­do todo mundo me­nos aque­la ami­ga.... Quem nun­ca? Eu evi­to, mas con­fes­so que, às ve­zes, tam­bém sou bem cri­a­ti­va! Haha! Pra fe­char, vem a men­ti­ra mal­do­sa mes­mo, aque­la cri­a­da não co­mo de­fe­sa, mas co­mo ata­que, pra atra­pa­lhar os pla­nos de al­guém, di­fa­mar ou di­mi­nuir ou­tras pes­so­as ou só pra ten­tar pro­var que vo­cê é su­pe­ri­or, quan­do vo­cê não é de fa­to. Is­so eu con­si­de­ro hor­rí­vel. Vocês con­cor­dam que não dá, né?

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.