Af, que ran­ço

Tá pen­san­do is­so sem­pre? Mi­ga, pa­ra de cul­ti­var es­se sen­ti­men­to e vem ler

Todateen - - CONTENTS -

Tem al­gu­mas pes­so­as que fa­zem a gen­te se sen­tir co­mo se fos­se o emo­ji dos na­da, olhos re­vi­ra­dos ... Do to­da vez que ou­vi­mos al­guém uma fa­lan­do ou pos­tan­do, é in­va­de sen­sa­ção de “af” que nos já e o que fa­zer? Anit­ta o ran­ço dis­se que “de­pois que cu­ra”, se ins­ta­la, não tem tão mas não pre­ci­sa ser as­sim drás­ti­co... Olha só!

Pa­re­ce que o jo­go vi­rou...

Um fa­to so­bre a vi­da: o ran­ço não pre­ci­sa ser eter­no. As pes­so­as es­tão sem­pre evo­luin­do e, de re­pen­te, vo­cê po­de gos­tar de quem an­tes acha­va cha­ti­nho (pra di­zer o mí­ni­mo, hehe). Mu­dar de opi­nião é al­go su­per­nor­mal, por­que a gen­te se trans­for­ma. Po­de re­pa­rar: seus gos­tos mu­da­ram des­de a in­fân­cia. Ou vo­cê se­gue fã da Ga­li­nha Pin­ta­di­nha? Em al­guns mo­men­tos, até nos­sa tur­ma e nos­sa BFF mu­dam por­que a gen­te tam­bém se dis­tan­ci­ou do que cos­tu­ma­va ser.

• Tex­to e en­tre­vis­ta: Ma­ri­a­na Scher­ma • Con­sul­to­ria: Sir­le­ne Fer­rei­ra, psi­có­lo­ga • De­sign: Pé­ro­la Stein

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.