A que­da do rei

As si­tu­a­ções que mais o afe­ta­ram e a ten­ta­ti­va de re­con­quis­tar o su­ces­so

Tributo Edição Histórica Especial - Michael Jackson - - News - Tex­to: Ka­ri­na Alon­so/co­la­bo­ra­do­ra De­sign: Ja­mi­le Cury Gan­da­ra

Du­ran­te sua car­rei­ra, Mi­cha­el Jack­son pas­sou por mais fa­ses bo­as do que ruins. Po­rém, de­pois do lan­ça­men­to de seu úl­ti­mo dis­co em vi­da, In­vin­ci­ble, a cha­ma do su­ces­so co­me­çou a se apa­gar. Os pro­ble­mas com a jus­ti­ça e os fi­nan­cei­ros vol­ta­ram, co­le­tâ­ne­as fo­ram lan­ça­das pa­ra ten­tar re­cu­pe­rar to­do o seu pres­tí­gio e a ma­gia do ran­cho Ne­ver­land che­gou ao fim.

Traí­do por ami­gos

Mi­cha­el sem­pre se en­vol­veu em cau­sas be­ne­fi­cen­tes, prin­ci­pal­men­te aque­las li­ga­das à in­fân­cia. Cos­tu­ma­va, in­clu­si­ve, hos­pe­dar cri­an­ças do­en­tes em seu ran­cho e aju­dá-las fi­nan­cei­ra­men­te.

Um dos es­co­lhi­dos foi Ga­vin Ar­vi­zo, di­ag­nos­ti­ca­do com cân­cer aos 10 anos. O can­tor pa­gou por re­mé­di­os, tra­ta­men­tos, hos­pe­da­gens, ali­men­ta­ção e di­ver­são, e fez cam­pa­nhas pa­ra ar­re­ca­da­ção de do­a­ções de san­gue. A fa­mí­lia do ga­ro­to co­me­çou a fre­quen­tar e se hos­pe­dar em Ne­ver­land, ten­do li­ber­da­de pa­ra ir on­de qui­ses­sem e ocu­pa­vam as suí­tes de hós­pe­des que já ha­vi­am si­do usa­das por Eli­za­beth Tay­lor e Mar­lon Bran­do. En­fim, eram tra­ta­dos co­mo reis.

Os pro­ble­mas co­me­ça­ram em fe­ve­rei­ro de 2003, qu­an­do o jor­na­lis­ta bri­tâ­ni­co Mar­tin Bashir exi­biu o do­cu­men­tá­rio Vi­ven­do com Mi­cha­el Jack­son. Mi­cha­el ha­via da­do li­ber­da­de pa­ra Bashir fre­quen­tar sua ca­sa du­ran­te oi­to me­ses e fil­mar um pou­co do seu dia a dia. A in­ten­ção era me­lho­rar a ima­gem pú­bli­ca do ar­tis­ta, mas aca­bou pi­o­ran­do a si­tu­a­ção. Nas fil­ma­gens, o can­tor apa­re­ceu de mãos da­das com Ga­vin e dis­se que di­vi­dia a ca­ma com cri­an­ças. Os ofi­ci­ais do be­mes­tar in­fan­til co­me­ça­ram a in­ves­ti­gar o re­la­ci­o­na­men­to en­tre o can­tor e o jo­vem, mas não re­sul­tou em na­da, por­que o ga­ro­to ne­gou qual­quer ti­po de en­vol­vi­men­to ina­de­qua­do.

Co­mo res­pos­ta, o Rei do Pop fez um do­cu­men­tá­rio em que a mãe de Ga­vin, Ja­net Ar­vi­zo, apa­re­ceu di­zen­do que Mi­cha­el era um ho­mem de fa­mí­lia e ti­nha as­se­gu­ra­do de que os fi­lhos de­la es­ti­ves­sem fe­li­zes. A fa­mí­lia Ar­vi­zo o con­si­de­ra­va um pai e ne­ga­vam qual­quer en­vol­vi­men­to se­xu­al en­tre Mi­cha­el e o jo­vem.

Em ju­nho de 2003, um psi­có­lo­go de Los An­ge­les en­trou em con­ta­to com ofi­ci­ais do bem-es­tar in­fan­til ale­gan­do que Ga­vin ha­via con­fes­sa­do ter si­do mo­les­ta­do por Mi­cha­el, obri­ga­do a in­ge­rir be­bi­da al­coó­li­ca e a fa­lar so­bre a re­la­ção pa­ter­nal com o can­tor. Es­te foi o iní­cio de um dos mai­o­res pe­sa­de­los do Rei do Pop.

Cin­co me­ses de­pois, 70 po­li­ci­ais en­tra­ram em Ne­ver­land, em bus­ca de pro­vas a fa­vor da acu­sa­ção de Ga­vin. O can­tor, que não es­ta­va no lo­cal, foi pre­so dois di­as de­pois no ae­ro­por­to de San­ta Bár­ba­ra, qu­an­do vol­ta­va de Las Ve­gas. Após ser fo­to­gra­fa­do pa­ra a ficha cri­mi­nal e ser ad­ver­ti­do so­bre as quei­xas con­tra ele, Mi­cha­el pa­gou fi­an­ça de três mi­lhões de dó­la­res e dei­xou a pri­são. Em en­tre­vis­ta ao pro­gra­ma de Ed Bra­dley, 60 Mi­nu­tes, ele con­tou que foi agre­di­do fí­si­ca e men­tal­men­te na pri­são.

Em abril de 2004, o juiz da Cor­te Su­pe­ri­or de San­ta Ma­ria, Rod­ney Mel­vil­le, anun­ci­ou as acu­sa­ções con­tra Mi­cha­el. En­tre elas es­tão as­so­ci­a­ção ilícita com se­ques­tro de me­nor, pri­va­ção ile­gal da li­ber­da­de e ex­tor­são, con­du­ta imoral na re­la­ção com me­nor de 14 anos, ten­ta­ti­va de co­me­ter ato obs­ce­no con­tra me­nor e uso de agen­te in­to­xi­can­te (ál­co­ol) pa­ra mo­les­tar um me­nor de ida­de.

No en­tan­to, de­pois de mais de um ano de jul­ga­men­to, em 13 de ju­nho de 2005, Mi­cha­el foi de­cla­ra­do ino­cen­te das dez acu­sa­ções.

Re­co­me­çan­do em Bah­rein

A con­vi­te da fa­mí­lia re­al, Mi­cha­el Jack­son pas­sou um tem­po no Bah­rein após o fim do jul­ga­men­to. Ele de­ci­diu

sair dos Es­ta­dos Uni­dos por­que ha­via pas­sa­do por si­tu­a­ções ruins e sen­tiu que sua ca­sa foi vi­o­la­da pe­la in­va­são da po­lí­cia. O ad­vo­ga­do do can­tor afir­mou que ele es­co­lheu o país por­que lá ti­nha ami­gos le­ais que o aju­da­ri­am du­ran­te a fa­se di­fí­cil.

A ven­da de Ne­ver­land

Em 1988, Mi­cha­el Jack­son ha­via com­pra­do um ran­cho em San­ta Bár­ba­ra, Ca­li­fór­nia. Com uma man­são enor­me, zo­o­ló­gi­co e par­que de di­ver­sões, o pa­raí­so do can­tor foi ba­ti­za­do de Ne­ver­land, em re­fe­rên­cia ao li­vro Pe­ter Pan, de J. M. Bar­rie.

Após tan­tos pro­ble­mas fi­nan­cei­ros, Mi­cha­el aca­bou acu­mu­lan­do uma dí­vi­da mi­li­o­ná­ria em hi­po­te­ca e não te­ve ou­tra op­ção a não ser ven­der seu re­fú­gio. A em­pre­sa Sy­ca­mo­re, que per­ten­ce ao gru­po Co­lony Ca­pi­tal, com­prou o ran­cho por apro­xi­ma­da­men­te cem mi­lhões de dó­la­res. O de­ta­lhe cu­ri­o­so é que o can­tor era um dos só­ci­os da em­pre­sa, en­tão ele con­ti­nu­ou sen­do um dos do­nos. Atu­al­men­te, os 87% do ne­gó­cio que ca­bi­am a ele es­tão sob a tu­te­la de sua mãe, Kathe­ri­ne Jack­son.

Era das co­le­tâ­ne­as

Os clás­si­cos de Mi­cha­el Jack­son ja­mais se­rão es­que­ci­dos. Boa par­te dis­so se de­ve às co­le­tâ­ne­as que sem­pre são lan­ça­das e ain­da ren­dem bo­as ven­das.

O dis­co Gre­a­test Hits: His­tory - Vol 1, foi lan­ça­do em 2001 e con­ta com mú­si­cas co­mo Bil­lie Je­an, Black Or Whi­te, Bad, Th­ril­ler, Be­at It, Rock With You e ou­tros gran­des su­ces­sos.

Dois anos de­pois, a Sony Mu­sic fez uma co­le­tâ­nea com as can­ções que al­can­ça­ram o nú­me­ro um nas pa­ra­das em to­do o mun­do, cha­ma­da Num­ber Ones. A ideia era mos­trar pa­ra o pú­bli­co as mú­si­cas que per­ma­ne­ce­ram no to­po em seus res­pec­ti­vos con­ti­nen­tes e apre­sen­tar a can­ção inédita One Mo­re Chan­ce. Qu­an­do a gra­va­do­ra sou­be das acu­sa­ções con­tra Mi­cha­el, can­ce­lou a pro­mo­ção do ál­bum. Mes­mo as­sim, as ven­das su­pe­ra­ram os qua­tro mi­lhões de exem­pla­res em ape­nas um mês.

Em 2004, a gra­va­do­ra Epic lan­çou a co­le­ção The Ul­ti­ma­te Col­lec­ti­on, com su­ces­sos de to­da a car­rei­ra de Mi­cha­el. O box­set, fei­to em cou­ro sin­té­ti­co bran­co com de­ta­lhes dou­ra­dos, vi­nha com qua­tro CDs e um DVD, com um show da tur­nê Dan­ge­rous.

No ano se­guin­te, a Sony Mu­sic fez um CD du­plo, cha­ma­do The Es­sen­ti­al Mi­cha­el Jack­son, com can­ções que abran­gem des­de os Jack­son 5 até o ál­bum In­vin­ci­ble. Com 38 fai­xas, tem mú­si­cas co­mo I Want You Back, Smo­oth Cri­mi­nal, P.Y.T, The Way You Ma­ke Me Fe­el, en­tre ou­tras.

Já em 2006, a Sony lan­çou ou­tra no­vi­da­de. Du­ran­te cin­co me­ses, a gra­va­do­ra dis­po­ni­bi­li­zou um no­vo Du­alDisc no mer­ca­do a ca­da se­ma­na com a ca­pa ori­gi­nal de um sin­gle da épo­ca, mais du­as fai­xas de áu­dio e um ví­deo. To­ta­li­zan­do vin­te CDs e ses­sen­ta fai­xas, o Vi­si­o­nary: The Vi­deo Sin­gles é con­si­de­ra­do o quar­to item mais ra­ro na car­rei­ra de Mi­cha­el, va­len­do mais de 1250 re­ais.

Pa­ra co­me­mo­rar o ani­ver­sá­rio do ál­bum mais ven­di­do do can­tor, a Sony e a Epic lan­ça­ram, em 2008, a co­le­tâ­nea Th­ril­ler: 25th An­ni­ver­sary Edi­ti­on. O CD apresenta as fai­xas con­ven­ci­o­nais, re­mi­xes com a par­ti­ci­pa­ção de ar­tis­tas co­mo Will.I.Am, Akon, Fer­gie e Kanye West, além de um ver­so so­lo de Vi­cent Pri­ce e a mú­si­ca inédita For All Ti­me. Já o DVD vem com cli­pes do ál­bum e a per­for­man­ce de Bil­lie Je­an no show em co­me­mo­ra­ção do 25º ani­ver­sá­rio da gra­va­do­ra Mo­town, em 1983. A com­pi­la­ção te­ve o me­lhor lan­ça­men­to des­de 2001, com 500 mil exem­pla­res ven­di­dos em do­ze se­ma­nas. A edi­ção es­pe­ci­al da co­le­ção ti­nha, no en­car­te, uma men­sa­gem es­pe­ci­al de Mi­cha­el pa­ra os fãs, jun­to com um li­vre­to de 48 pá­gi­nas co­lo­ri­das, com le­tras das can­ções e fotos ra­ras.

Pa­ra ce­le­brar o ani­ver­sá­rio de cin­quen­ta anos de Mi­cha­el, as gra­va­do­ras Sony e Epic lan­ça­ram a pri­mei­ra co­le­tâ­nea in­te­ra­ti­va do ar­tis­ta. Pa­ra es­sa co­le­ção es­pe­ci­al, fãs de to­do o mun­do es­co­lhe­ram as mú­si­cas que que­ri­am na com­pi­la­ção, re­sul­tan­do em dis­cos ex­clu­si­vos em ca­da país. No Bra­sil, o ál­bum foi lan­ça­do com o no­me Mi­cha­el Jack­son: King of Pop – Bra­zi­li­an Col­lec­ti­on pe­la Som Li­vre e a vo­ta­ção pa­ra a es­co­lha das fai­xas acon­te­ceu por meio do ca­nal de te­le­vi­são Mul­tishow.

Sem ma­te­ri­al iné­di­to, a Sony apos­tou em di­ver­sas co­le­tâ­ne­as

Ne­ver­land

O CD “cri­a­do” pe­los fãs bra­si­lei­ros

Co­le­tâ­nea Th­ril­ler: 25th An­ni­ver­sary Edi­ti­on

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.