Ce­mig pos­ter­ga ven­da de ações da Ta­e­sa

Em­pre­sa re­vi­sa pla­no de de­sin­ves­ti­men­tos e vai pri­o­ri­zar saí­da da Light e so­lu­ção com os ban­cos

Valor Econômico - - | EMPRESAS INFRAESTRUTURA - Ca­mi­la Maia e Ro­dri­go Po­li­to

A Ce­mig re­vi­sou no­va­men­te seu pla­no de ven­das de ati­vos, a pas­sou a pri­o­ri­zar a ven­da do con­tro­le da Light, que de­ve acon­te­cer até no­vem­bro. A ven­da das ações da Ta­e­sa que ex­ce­dem o con­tro­le, até en­tão pre­vis­ta pa­ra a pró­xi­ma se­ma­na, foi pos­ter­ga­da pa­ra o fim do ano.

“A Light é o ati­vo mais im­por­tan­te e re­le­van­te que te­mos pa­ra a ven­da. Te­mos fei­to to­das as aná­li­ses e dis­cus­sões com pos­sí­veis as­ses­so­res pa­ra re­a­li­zar­mos es­sa ven­da”, dis­se Adé­zio Li­ma, di­re­tor fi­nan­cei­ro e de re­la­ções com in­ves­ti­do­res da com­pa­nhia, em te­le­con­fe­rên­cia pa­ra anun­ci­ar as mu­dan­ças ao mer­ca­do.

Con­si­de­ran­do o pre­ço das ações da Light do pre­gão de 6 de ju­lho, a par­ti­ci­pa­ção da Ce­mig na com­pa­nhia, de 43%, re­pre­sen­ta um va­lor de mer­ca­do de R$ 2 bi­lhões, de acor­do com o pla­no de de­sin­ves­ti­men­tos atu­a­li­za­do.

Até o iní­cio de ju­nho, a es­ta­tal mi­nei­ra pre­ten­dia ven­der ape­nas o seg­men­to de ge­ra­ção da Light, mas o ce­ná­rio mu­dou e pas­sa­ram a ne­go­ci­ar a ven­da de to­da sua par­ti­ci­pa­ção na com­pa­nhia. Is­so se­rá fun­da­men­tal pa­ra equa­ci­o­nar o pro­ble­ma da op­ção de ven­da que os ban­cos só­ci­os da Ce­mig no con­tro­le da Light (San­tan­der, Vo­to­ran­tim e Ban­co do Bra­sil) tem con­tra a com­pa­nhia e que ex­pi­ra em no­vem­bro. O blo­co de con­tro­le tem 53% da com­pa­nhia.

O pla­no ini­ci­al pa­ra fa­zer fren- te à op­ção en­vol­via uti­li­zar os re­cur­sos da ven­da das ações da Ta­e­sa — que fo­ram da­das em ga­ran­tia aos ban­cos — pa­ra qui­tar is­so. O di­nhei­ro se­ria de­po­si­ta­do em uma con­ta ga­ran­tia até o ven­ci­men­to da op­ção, em no­vem­bro.

Ago­ra, a ideia é uti­li­zar os re­cur­sos ob­ti­dos com a ven­da da Light pa­ra is­so. Se­gun­do Li­ma, se hou­ver o cha­ma­do “even­to de li­qui­dez” na com­pa­nhia ca­ri­o­ca, se­rão pa­gos di­vi­den­dos aos veí­cu­los que de­têm as par­ti­ci­pa­ções in­di­re­tas da Ce­mig e dos ban­cos na com­pa­nhia. A es­ta­tal quer uti­li­zar es­ses di­vi­den­dos pa­ra amor­ti­zar a op­ção de ven­da. “A me­lhor so­lu­ção, em ter­mos de efi­ci­ên­cia tri­bu­tá­ria, é a amor­ti­za­ção da put (op­ção) por meio dos di­vi­den­dos”, diz Li­ma.

Se, na se­gun­da quin­ze­na de ou­tu­bro, a Ce­mig che­gar à con­clu­são de que o even­to de li­qui­dez não vai acon­te­cer na Light pa­ra a amor­ti­za­ção da op­ção, a com­pa­nhia vai ven­der as ações da Ta­e­sa pa­ra pa­gar os ban­cos.

Ca­so a ven­da da Light se­ja bem su­ce­di­da, as ações da Ta­e­sa ain­da se­rão ofe­re­ci­das ao mer­ca­do, mas os re­cur­sos se­rão uti­li­za­dos na amor­ti­za­ção de ou­tras dí­vi­das.

Sem con­si­de­rar a op­ção da Light, a Ce­mig tem qua­se R$ 5 bi­lhões em dí­vi­das ven­cen­do nes­te ano. Se­gun­do Li­ma, a com­pa­nhia es­pe­ra che­gar a um acor­do pa­ra re­per­fi­la­men­to da dí­vi­da com os cre­do­res nos pró­xi­mos 20 di­as.

Com a re­ne­go­ci­a­ção das dí­vi­das e a en­tra­da de re­cur­sos das ven­das de ati­vos, a com­pa­nhia po­de­rá amor­ti­zar o que ven­ce no cur­to pra­zo. As­sim, no lon­go pra­zo, se­rá pos­sí­vel vol­tar a pa­gar as dí­vi­das com o cai­xa ge­ra­do pe­las su­as ope­ra­ções, dis­se Li­ma.

En­quan­to a Light é a pri­o­ri­da­de da Ce­mig no pla­no de de­sin­ves­ti­men­tos, Li­ma des­ta­cou que a par­ti­ci­pa­ção na hi­dre­lé­tri­ca de San­to An­to­nio, no rio Ma­dei­ra (RO), de­ve ser a pri­mei­ra ope­ra­ção con­cluí­da e com en­tra­da de cai­xa pa­ra a com­pa­nhia.

Na te­le­con­fe­rên­cia, os di­re­to­res da Ce­mig ex­pli­ca­ram que a ne­go­ci­a­ção em cur­so pa­ra a ven­da da fa­tia de 18% na hi­dre­lé­tri­ca pa­ra a chi­ne­sa SPIC Over­se­as não en­vol­ve o con­tra­to de com­pra de par­te de ener­gia for­ne­ci­da pe­la usi­na pe­la pró­pria es­ta­tal mi­nei­ra.

Em 2009, a Ce­mig com­prou 30% da ener­gia que se­ria pro­du­zi­da pe­la hi­dre­lé­tri­ca no fu­tu­ro. O con­tra­to, com du­ra­ção de 15 anos e va­lor de R$ 7,5 bi­lhões na épo­ca, pre­via o iní­cio do for­ne­ci­men­to de ener­gia a par­tir de 2012.

Con­si­de­ran­do a ga­ran­tia fí­si­ca to­tal da hi­dre­lé­tri­ca, de 2.424 me­gawatts (MW) mé­di­os, o mon­tan­te equi­va­le a 727,2 MW mé­di­os. Na te­le­con­fe­rên­cia, o su­pe­rin­ten­den­te de re­la­ções com in­ves­ti­do­res da Ce­mig, An­to­nio Car­los Ve­lez, ex­pli­cou que o blo­co de ener­gia ad­qui­ri­do é in­te­res­san­te pa­ra man­ter o las­tro dos con­tra­tos de ener­gia que a com­pa­nhia mi­nei­ra pos­sui com gran­des con­su­mi­do­res, prin­ci­pal­men­te con­si­de­ran­do o ris­co po­ten­ci­al de per­da das hi­dre­lé­tri­cas que de­vem ser re­li­ci­ta­das pe­lo go­ver­no.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.