Pós-cri­se au­men­tou so­li­dez e con­cen­tra­ção dos ban­cos

Valor Econômico - - PRIMEIRA PÁGINA - Ta­li­ta Mo­rei­ra

Dez anos de­pois da que­bra do ban­co ame­ri­ca­no Leh­man Brothers, pivô da cri­se que aba­lou a eco­no­mia mun­di­al, os ban­cos bra­si­lei­ros es­tão ain­da mais só­li­dos. Na oca­sião, já es­ta­vam sub­me­ti­dos a re­gras pru­den­ci­ais mais con­ser­va­do­ras do que as apli­ca­das a seus pa­res internacionais, mas, após a tur­bu­lên­cia, tam­bém fo­ram obri­ga­dos a for­ta­le­cer seu ca­pi­tal.

De­fla­gra­da ini­ci­al­men­te em ins­ti­tui­ções ame­ri­ca­nas, a cri­se mos­trou a fra­gi­li­da­de re­gu­la­tó­ria do sis­te­ma ban­cá­rio tan­to dos Es­ta­dos Uni­dos qu­an­to da Eu­ro­pa. No Bra­sil, os ban­cos não fo­ram atin­gi­dos pe­la mes­ma tur­bu­lên­cia por­que não es­ta­vam — nem es­tão — in­te­gra­dos aos mer­ca­dos internacionais. Ain­da as­sim, re­a­li­za­ram um es­for­ço adi­ci­o­nal de ca­pi­ta­li­za­ção pa­ra se ajus­tar ao Acor­do de Ba­si­leia 3. Es­se es­for­ço, po­rém, te­ve co­mo efei­to co­la­te­ral aju­dar a au­men­tar a con­cen­tra­ção ban­cá­ria no país.

Ao au­men­tar exi­gên­ci­as, a re­gu­la­ção es­trei­tou o es­pa­ço pa­ra com­pe­ti­do­res me­no­res. Em dez anos, a con­cen­tra­ção das ope­ra­ções de cré­di­to au­men­tou subs­tan­ci­al­men­te e es­tá em seu pi­co. No fim do ano pas­sa­do, as qua­tro mai­o­res ins­ti­tui­ções fi­nan­cei­ras do país — Ban­co do Bra­sil, Itaú Uni­ban­co, Bra­des- co e Cai­xa — ti­nham par­ti­ci­pa­ção de 78,51% no vo­lu­me de em­prés­ti­mos e fi­nan­ci­a­men­tos. São qua­se 20 pon­tos per­cen­tu­ais aci­ma da fa­tia que pos­suíam em se­tem­bro de 2008, quan­do o Leh­man Brothers fe­chou as por­tas.

“Há um equi­lí­brio que os ban­cos cen­trais de to­do o mun­do, não só o do Bra­sil, vão ter que achar pa­ra per­mi­tir que ve­nham no­vos con­cor­ren­tes, com no­vas idei­as, sem fra­gi­li­zar o sis­te­ma”, diz Re­na­to Oli­va, su­pe­rin­ten­den­te-exe­cu­ti­vo do San­tan­der e res­pon­sá­vel pe­la in­ter­lo­cu­ção com os ór­gãos re­gu­la­do­res.

O pre­si­den­te do Ban­co Cen­tral, Ilan Gold­fajn, tem ado­ta­do me­di­das pa­ra ten­tar es­ti­mu­lar a con­cor­rên­cia.

O dó­lar atin­giu on­tem seu va­lor no­mi­nal mais al­to des­de a cri­a­ção do re­al, em 1994, e fe­chou co­ta­do a R$ 4,1952. Es­sa al­ta, se­gun­do o economista Luís Edu­ar­do As­sis, ex-di­re­tor do Ban­co Cen­tral, não é ne­nhum exa­ge­ro do mer­ca­do, que tem so­fri­do com a tem­pes­ta­de per­fei­ta de in­cer­te­za po­lí­ti­ca e ven­tos con­trá­ri­os do ex­te­ri­or. As­sis acha que há es­pa­ço pa­ra a co­ta­ção avan­çar ain­da mais, por­que o “mer­ca­do es­tá mos­tran­do o ris­co cres­cen­te de ha­ver uma dis­pu­ta en­tre ra­di­cais” na elei­ção pre­si­den­ci­al.

Na Ar­gen­ti­na, o dó­lar tam­bém dis­pa­rou on­tem e, após su­bir qua­se 3%, fe­chou a 40,22 pe­sos. O mo­vi­men­to de que­da do pe­so ga­nhou for­ça com as de­cla­ra­ções do di­re­tor do Con­se­lho Econô­mi­co Na­ci­o­nal da Ca­sa Bran­ca, Lar­ry Ku­dlow. Em en­tre­vis­ta à Fox News, ele afir­mou que a Ar­gen­ti­na de­ve­ria re­to­mar a do­la­ri­za­ção de sua eco­no­mia e acres­cen­tou que o Te­sou­ro ame­ri­ca­no es­tá “pro­fun­da­men­te en­vol­vi­do” com o que acon­te­ce no país.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.