Dis­pu­ta põe em ris­co tra­ta­men­to da he­pa­ti­te C pe­lo SUS

Valor Econômico - - BRASIL - Lei­la Sou­za Li­ma e Stel­la Fon­tes

Dis­pu­ta bi­li­o­ná­ria en­vol­ven­do a pa­ten­te do me­di­ca­men­to So­fos­bu­vir no Bra­sil, um dos mais efi­ca­zes pa­ra tra­ta­men­to da he­pa­ti­te C, po­de im­pe­dir a pro­du­ção na­ci­o­nal da ver­são ge­né­ri­ca do re­mé­dio e, ca­so se pro­lon­gue, dei­xar pa­ci­en­tes que de­pen­dem do Sis­te­ma Úni­co de Saú­de (SUS) sem aces­so à te­ra­pêu­ti­ca. A bri­ga en­tre o con­sór­cio na­ci­o­nal BMK — que reú­ne a far­ma­cêu­ti­ca Blan­ver, a Mi­cro­bi­o­ló­gi­ca Quí­mi­ca e Far­ma­cêu­ti­ca e a KB Con­sul­to­ria em par­ce­ria com o Ins­ti­tu­to de Tec­no­lo­gia em Fár­ma­cos (Far­man­gui­nhos) — e a mul­ti­na­ci­o­nal Gi­le­ad Sci­en­ces es­tá na es­fe­ra ad­mi­nis­tra­ti­va e di­vi­de opi­niões in­clu­si­ve no meio mé­di­co. Mas, a de­pen­der dos pró­xi­mos ca­pí­tu­los, po­de che­gar à Jus­ti­ça.

Em en­tre­vis­ta ao Va­lor, o pre­si­den­te da Blan­ver, Sér­gio Fran­gi­o­ni, diz que o con­sór­cio BMK já apre­sen­tou ao Ins­ti­tu­to Na­ci­o­nal de Pro­pri­e­da­de In­dus­tri­al (INPI) ar­gu­men­tos téc­ni­cos pa­ra que a ame­ri­ca­na Gi­le­ad não ob­te­nha a pa­ten­te no Bra­sil. Se for con­ce­di­da, a pro­du­ção da ver­são ge­né­ri­ca do So­fos­bu­vir, mais ba­ra­ta, se­rá proi­bi­da até a da­ta de ex­pi­ra­ção.

“O que acho pou­co pro­vá­vel, por­que for­ne­ce­mos mui­tos ar­gu­men­tos téc­ni­cos, po­de­mos ir à Jus­ti­ça dis­cu­tir es­ses cri­té­ri­os”, afir­ma Fran­gi­o­ni. In­ter­na­ci­o­nal­men­te, os paí­ses têm se po­si­ci­o­na­do de ma­nei­ra dis­tin­ta so­bre o as­sun­to. Na Chi­na, a mul­ti­na­ci­o­nal não te­ve su­ces­so no pe­di­do. Na Eu­ro­pa, a Gi­le­ad ob­te­ve a pa­ten­te, mas o pro­ces­so es­tá sob re­vi­são.

A Blan­ver fir­mou, há cer­ca de qua­tro anos, acor­do de co­o­pe­ra­ção téc­ni­co-ci­en­tí­fi­ca com a Fun­da­ção Os­val­do Cruz (Fi­o­cruz) — da qu­al Far­man­gui­nhos é um bra­ço — pa­ra de­sen­vol­ver um tra­ta­men­to pa­ra a he­pa­ti­te C. No pro­ces­so, des­co­briu que a Mi­cro­bi­o­ló­gi­ca já ti­nha a sín­te­se do prin­cí­pio ati­vo do So­fos­bu­vir no Bra­sil. Após for­mar o con­sór­cio BMK, apre­sen­tou o pro­je­to à Fi­o­cruz. Me­ses de­pois, após al­guns ajus­tes no prin­cí­pio ati­vo, a par­ce­ria che­gou ao me­di­ca­men­to.

Em de­zem­bro, o go­ver­no apro­vou a par­ce­ria pa­ra o de­sen­vol­vi­men­to pro­du­ti­vo (PDP) do So­fos­bu­vir en­tre o con­sór­cio e a Far­man­gui­nhos, com trans­fe­rên­cia de tec­no­lo­gia pa­ra o la­bo­ra­tó­rio pú­bli­co e ga­ran­tia de for­ne­ci­men­to ao SUS, que é au­to­má­ti­ca.

En­tre o iní­cio das pes­qui­sas e o re­gis­tro do PDP, ou­tros la­bo­ra­tó­ri­os re­gis­tra­ram tra­ta­men­tos pa­ra a he­pa­ti­te C e, em ju­lho des­te ano, par­ti­ci­pa­ram de to­ma­da pú­bli­ca de pre­ços pa­ra for­ne­cer os me­di­ca­men­tos a 50 mil pa­ci­en­tes. O con­sór­cio BMK apre­sen­tou a me­lhor pro­pos­ta, com eco­no­mia aos co­fres pú­bli­cos es­ti­ma­da em US$ 200 mi­lhões. E in­for­ma que já tem o me­di­ca­men­to pa­ra for­ne­cer.

A Gi­le­ad con­tes­ta a ci­fra sob o ar­gu­men­to de que o go­ver­no bra­si­lei­ro nun­ca che­gou a gas­tar R$ 1 bi­lhão com o tra­ta­men­to de he­pa­ti­te e diz que o Mi­nis­té­rio da Saú­de já tem em mãos pro­pos­ta mais econô­mi­ca que a apre­sen­ta­da pe­lo con­sór­cio na­ci­o­nal. O pre­si­den­te da far­ma­cêu­ti­ca no Bra­sil, Ch­ris­ti­an Sch­nei­der, vai além e afir­ma que as dis­cus­sões em cur­so en­tre go­ver­no e la­bo­ra­tó­ri­os, ini­ci­al­men­te, não ti­nham por fi­na­li­da­de a com­pra de me­di­ca­men­tos. “Sem­pre foi de pro­to­co­lo. Fi­ze­mos vá­ri­os ques­ti­o­na­men­tos ao Mi­nis­té­rio da Saú­de, mas a si­tu­a­ção não é trans­pa­ren­te”, diz.

A ame­ri­ca­na in­for­ma que tem ou­tro tra­ta­men­to a ofe­re­cer, in­cor­po­ra­do ao SUS em mar­ço des­te ano, mais efi­ci­en­te e ba­ra­to que o pro­pos­to pe­lo con­sór­cio na­ci­o­nal. “Fi­cou abai­xo de US$ 1,5 mil pa­ra 12 se­ma­nas de tra­ta­men­to”, ar­gu­men­ta o exe­cu­ti­vo, re­fe­rin­do-se ao va­lor que te­ria si­do pro­pos­to pe­lo BMK. “Há pres­são mui­to for­te pe­lo ge­né­ri­co da Fi­o­cruz.”

A dis­pu­ta le­vou ou­tras en­ti­da­des a to­mar par­ti­do. A ONG Mé­di­cos Sem Fron­tei­ras (MSF) or­ga­ni­zou o abai­xo-as­si­na­do na in­ter­net “Pe­ça ago­ra a re­jei­ção da pa­ten­te do me­di­ca­men­to pa­ra a he­pa­ti­te C” — no iní­cio da noi­te de on­tem, a mo­ção já ha­via ul­tra­pas­sa­do 1.700 as­si­na­tu­ras.

O Con­se­lho Na­ci­o­nal de Saú­de (CNS), por sua vez, di­vul­gou no­ta na quar­ta-fei­ra ma­ni­fes­tan­do-se con­tra­ri­a­men­te à “ten­ta­ti­va de im­pe­dir que o go­ver­no bra­si­lei­ro pro­du­za o ge­né­ri­co” do So­fos­bu­vir. “A dis­pu­ta de mer­ca­do so­bre o me­di­ca­men­to po­de afe­tar gra­ve­men­te a agen­da de com­ba­te à do­en­ça no Bra­sil. A ver­são ge­né­ri­ca tem si­do mais ba­ra­ta pa­ra o SUS, o que re­sul­tou na ten­ta­ti­va de a em­pre­sa ame­ri­ca­na bar­rar a fa­bri­ca­ção bra­si­lei­ra”, diz a no­ta, dis­po­ní­vel no si­te do ór­gão. “A saú­de pú­bli­ca não po­de es­tar sub­me­ti­da aos in­te­res­ses mer­ca­do­ló­gi­cos, sen­do re­fém dos as­pec­tos econô­mi­cos”, acres­cen­ta.

Au­to­ra de re­pre­sen­ta­ção en­ca­mi­nha­da ao Mi­nis­té­rio Pú­bli­co pa­ra ques­ti­o­nar as pres­sões da Gi­le­ad no INPI pa­ra ob­ter a pa­ten­te do So­fos­bu­vir no Bra­sil, a ONG MSF in­for­ma que en­trou em cam­po pa­ra de­fen­der o aces­so ao tra­ta­men­to. A or­ga­ni­za­ção cui­da de mais de 12 mil pes­so­as com he­pa­ti­te C em 13 paí­ses.

“A pro­pri­e­da­de in­te­lec­tu­al sem­pre im­pac­tou pre­ços na saú­de, e as pa­ten­tes cri­am ilhas de pro­te­ção. Se es­se mo­no­pó­lio é cri­a­do com pa­ten­te con­ce­di­da de for­ma ime­re­ci­da, a so­ci­e­da­de é pre­ju­di­ca­da, pois a fal­ta de com­pe­ti­ti­vi­da­de faz os pre­ços se ele­va­rem”, ob­ser­va Re­na­ta Reis, ad­vo­ga­da e es­pe­ci­a­lis­ta da ONG MSF-Bra­sil em aces­so hu­ma­ni­tá­rio pa­ra a Amé­ri­ca La­ti­na.

Se­gun­do Re­na­ta, o tra­ta­men­to foi re­vo­lu­ci­o­na­do com o uso do So­fos­bu­vir, per­mi­tin­do a cu­ra de 95% dos pa­ci­en­tes. Mas o pre­ço pra­ti­ca­do pe­la Gi­le­ad no Bra­sil, diz ela, “tor­na in­viá­vel o aten­di­men­to da enor­me quan­ti­da­de de pes­so­as que pre­ci­sam de cui­da­dos”.

“Não con­se­gui­ría­mos tra­tar um nú­me­ro gran­de sem a con­cor­rên­cia dos ge­né­ri­cos. Sem is­so, os pre­ços vão às al­tu­ras”, fri­sa a es­pe­ci­a­lis­ta. Re­na­ta diz que, por cau­sa dos va­lo­res e do po­ten­ci­al de cu­ra en­vol­vi­dos, es­se tal­vez se­ja o ca­so mais em­ble­má­ti­co re­la­ci­o­na­do a me­di­ca­men­tos e pro­pri­e­da­de in­te­lec­tu­al des­de o de­sen­vol­vi­men­to do co­que­tel con­tra o HIV.

Em no­ta en­vi­a­da ao Va­lor, o INPI in­for­ma que o pe­di­do de pa­ten­te re­la­ci­o­na­do ao So­fos­bu­vir es­tá em fa­se fi­nal de exa­me. “O INPI es­cla­re­ce ain­da que o exa­me dos pe­di­dos de pa­ten­tes é fei­to de acor­do com a le­gis­la­ção e as di­re­tri­zes vi­gen­tes.”

Se­gun­do o ins­ti­tu­to, os cri­té­ri­os pa­ra aná­li­se es­ta­be­le­ci­dos na Lei da Pro­pri­e­da­de In­dus­tri­al são: no­vi­da­de (a tec­no­lo­gia ob­je­to do pe­di­do de­ve ser no­va no mun­do to­do); ati­vi­da­de in­ven­ti­va (não po­de ser ób­via pa­ra um téc­ni­co no as­sun­to); e apli­ca­ção in­dus­tri­al (de­ve ser pas­sí­vel de fa­bri­ca­ção).

O Mi­nis­té­rio da Saú­de, tam­bém em no­ta, in­for­mou que o “ob­je­ti­vo é avan­çar na ofer­ta do tra­ta­men­to pa­ra a eli­mi­na­ção do ví­rus [da he­pa­ti­te C], con­for­me pla­ne­ja­men­to até 2030. Pa­ra is­so, o pro­ces­so de com­pra dos me­di­ca­men­tos pa­ra aten­der no­vos pa­ci­en­tes no pro­gra­ma es­tá em an­da­men­to. Atu­al­men­te, en­con­tra-se na fa­se de ne­go­ci­a­ção de pre­ço com a in­dús­tria”. O ór­gão, que lan­çou, em 2017, o Pla­no Na­ci­o­nal pa­ra Eli­mi­na­ção da He­pa­ti­te C até 2030, ob­ser­va que, o ob­je­ti­vo “é ga­ran­tir com­pe­ti­ti­vi­da­de no pro­ces­so, com re­du­ção do cus­to e, con­se­quen­te­men­te, am­pli­a­ção da quan­ti­da­de de tra­ta­men­tos ofer­ta­dos. Se­rão, pe­lo me­nos, mais 50 mil tra­ta­men­tos até o fi­nal de 2019.”

A no­ta in­for­ma que “to­dos os pa­ci­en­tes que ti­ve­ram o seu tra­ta­men­to ini­ci­a­do pa­ra a eli­mi­na­ção do ví­rus es­tão com o seu aten­di­men­to ga­ran­ti­do”.

E men­ci­o­na tam­bém que o mi­nis­té­rio tem in­cor­po­ra­do no­vos tra­ta­men­tos pa­ra a he­pa­ti­te. “Nes­te ano, por exem­plo, a por­ta­ria que atu­a­li­za o Pro­to­co­lo Clí­ni­co e as Di­re­tri­zes Te­ra­pêu­ti­cas (PCDT) da He­pa­ti­te C Crô­ni­ca in­cor­po­rou os me­di­ca­men­tos: el­bas­vir+gra­zo­pre­vir e le­dis­pa­vir+so­fos­bu­vir.”

SILVIA COSTANTI/VA­LOR

Sér­gio Fran­gi­o­ni: con­sór­cio quer que Gi­le­ad não ob­te­nha pa­ten­te no país

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.