É pre­ci­so ir além de re­sol­ver ques­tão fis­cal, diz Pio Bor­ges

Pa­ra ele, ener­gia e in­fra­es­tru­tu­ra po­dem ace­le­rar re­to­ma­da

Valor Econômico - - BRASIL - Es­te­vão Tai­ar

O de­se­qui­lí­brio das con­tas pú­bli­cas é gra­vís­si­mo e pre­ci­sa ser so­lu­ci­o­na­do, mas há ou­tras fren­tes em que o pró­xi­mo pre­si­den­te po­de atu­ar pa­ra re­for­çar a ex­pan­são da eco­no­mia. É o que diz José Pio Bor­ges, ex-pre­si­den­te do Ban­co Na­ci­o­nal de De­sen­vol­vi­men­to Econô­mi­co e So­ci­al (BNDES).

“Há al­guns pro­ble­mas se­to­ri­ais, qua­se mi­cro­e­conô­mi­cos, que, se re­sol­vi­dos, ace­le­ra­ri­am mui­to a re­to­ma­da do cres­ci­men­to”, afir­ma.

Os dois prin­ci­pais se­to­res são o ener­gé­ti­co e o de in­fra­es­tru­tu­ra. Além dis­so, se­gun­do ele, a aber­tu­ra da eco­no­mia pa­ra o se­tor ex­ter­no “nun­ca foi tão im­por­tan­te pa­ra a re­to­ma­da qu­an­to é ho­je”.

Pio Bor­ges pre­si­de atu­al­men­te o Cen­tro Bra­si­lei­ro de Re­la­ções Internacionais (Ce­bri), think tank que fun­ci­o­na no Rio com o ob­je­ti­vo de de­ba­ter “o ce­ná­rio in­ter­na­ci­o­nal e o pa­pel do Bra­sil”, se­gun­do o si­te da ins­ti­tui­ção. A equi­pe do Ce­bri apre­sen­ta ho­je, na se­de do BNDES, três pa­pers jus­ta­men­te so­bre aber­tu­ra co­mer­ci­al, in­fra­es­tru­tu­ra e se­tor ener­gé­ti­co. Es­ses es­tu­dos tam­bém vêm sen­do com­par­ti­lha­dos com as equi­pes dos can­di­da­tos à Pre­si­dên­cia da Re­pú­bli­ca.

Na vi­são do ins­ti­tu­to, os be­ne­fí­ci­os da aber­tu­ra co­mer­ci­al pa­ra a eco­no­mia bra­si­lei­ra vi­ri­am de du­as for­mas. A pri­mei­ra se­ria um au­men­to da pro­du­ti­vi­da­de cau­sa­do, por exem­plo, pe­lo ba­ra­te­a­men­to das im­por­ta­ções de bens de ca­pi­tal e in­ter­me­diá­ri­os. “A pro­du­ti­vi­da­de no Bra­sil es­tá pa­ra­da há 20 anos”, diz Pio Bor­ges.

Além dis­so, ele acre­di­ta que o país tam­bém po­de se be­ne­fi­ci­ar do es­tre­me­ci­men­to das re­la­ções en­tre Es­ta­dos Uni­dos e Chi­na, ain­da que o cres­ci­men­to das tur­bu­lên­ci­as co­mer­ci­ais pos­sa tra­zer pro­ble­mas pa­ra o Bra­sil. Des­de que ha­ja mai­or aber­tu­ra co­mer­ci­al, pro­du­to­res bra­si­lei­ros têm a chan­ce de “ocu­par o es­pa­ço” dos ame­ri­ca­nos no país asiá­ti­co.

Nos cál­cu­los de Pio Bor­ges, o Bra­sil po­de pra­ti­ca­men­te do­brar a pro­du­ção agrí­co­la des­ti­na­da à Chi­na e a ou­tros paí­ses da re­gião. “De­pois do bo­om ob­ti­do pe­la so­ja, há po­ten­ci­al pa­ra o bo­om do se­tor de pro­teí­na ani­mal”, afir­ma. Ou­tra me­ta se­ria ex­por­tar 1,5 mi­lhão de bar­ris de pe­tró­leo por dia pa­ra o país asiá­ti­co. “Es­sa quan­tia era o que o Bra­sil to­do con­su­mia há al­guns anos”, diz. “Ago­ra ima­gi­ne is­so com o bar­ril de pe­tró­leo a US$ 60, US$ 70?”

A equi­pe do Ce­bri afir­ma que os mais po­bres se­ri­am os prin­ci­pais be­ne­fi­ci­a­dos pe­la aber­tu­ra da eco­no­mia, mas ad­mi­te que em um pri­mei­ro mo­men­to a me­di­da cau­sa­ria o fe­cha­men­to de “em­pre­sas me­nos efi­ci­en­tes” e “des­lo­ca­men­tos no mer­ca­do de tra­ba­lho”. Por is­so, se­ria ne­ces­sá­rio “re­for­çar as re­des de pro­te­ção so­ci­al e os me­ca­nis­mos de apoio à ca­pa­ci­ta­ção pro­fis­si­o­nal”.

Ou­tra fren­te que po­de­ria ace­le­rar a re­to­ma­da é a in­fra­es­tru­tu­ra. “Em um mun­do que de­ve­rá in­ves­tir cer­ca de US$ 57 tri­lhões em in­fra­es­tru­tu­ra até 2030, há uma quan­tia sig­ni­fi­ca­ti­va de ca­pi­tal in­ter­na­ci­o­nal” bus­can­do “pro­je­tos atra­ti­vos” em paí­ses emer­gen­tes, es­cre­ve a equi­pe do Ce­bri.

Com a cri­se fis­cal e as em­prei­tei­ras aba­la­das pe­la La­va-Ja­to, “aca­bou o clu­be fe­cha­do” que to­ca­va as obras de in­fra­es­tru­tu­ra, se­gun­do Pio Bor­ges. O think tank su­ge­re, en­tre ou­tras me­di­das, “ala­van­car a par­ti­ci­pa­ção do se­tor pri­va­do no fi­nan­ci­a­men­to” des­sas obras, in­cluin­do aí fun­dos de in­ves­ti­men­to e ca­pi­tal es­tran­gei­ro. Pa­ra is­so, se­ri­am ne­ces­sá­ri­os um “ar­ca­bou­ço le­gal re­gu­la­tó­rio mais ágil, trans­pa­ren­te e me­nos ju­di­ci­a­li­za­do” e “um am­bi­en­te sau­dá­vel de ne­gó­ci­os”.

O se­tor ener­gé­ti­co é ou­tro po­lo “de ge­ra­ção de in­ves­ti­men­to, em­pre­go e ar­re­ca­da­ção fis­cal”. Mais uma vez, a atra­ção de in­ves­ti­do­res pri­va­dos” é es­sen­ci­al. O Ce­bri afir­ma que avan­ços no seg­men­to de óleo e gás nos úl­ti­mos dois anos, co­mo os lei­lões plu­ri­a­nu­ais e a re­vi­são da po­lí­ti­ca de conteúdo na­ci­o­nal, per­mi­ti­ram que os in­ves­ti­men­tos pre­vis­tos pa­ra a pró­xi­ma dé­ca­da che­gas­sem a US$ 600 bi­lhões, nas es­ti­ma­ti­vas da Agên­cia Na­ci­o­nal do Pe­tró­leo (ANP).

Com o pri­mei­ro tur­no da elei­ção pre­si­den­ci­al se apro­xi­man­do, Pio Bor­ges cri­ti­ca, sem ci­tar no­mes, can­di­da­tos que de­fen­dem mai­or in­ter­ven­ção nos pre­ços dos com­bus­tí­veis e da Pe­tro­bras.

Pre­si­den­te do BNDES em 1998 e 1999, ele con­si­de­ra que o ban­co de fo­men­to vem aban­do­nan­do “o vício de olhar pa­ra o pró­prio um­bi­go”. Ele ci­ta co­mo exem­plo o ‘Vi­são 2035: Bra­sil, um país de­sen­vol­vi­do’, do­cu­men­to di­vul­ga­do pe­la ins­ti­tui­ção em mar­ço com me­di­das pa­ra ala­van­car a pro­du­ti­vi­da­de da eco­no­mia e o mer­ca­do de ca­pi­tais. Além dis­so, foi re­a­li­za­da na se­ma­na pas­sa­da uma reu­nião en­tre mem­bros do BNDES e do Ce­bri pa­ra uma tro­ca de idei­as e pro­pos­tas. “Hou­ve uma iden­ti­da­de de pen­sa­men­to mui­to gran­de”, afir­ma.

LEO PINHEIRO/VA­LOR

José Pio Bor­ges, do Ce­bri: aber­tu­ra da eco­no­mia nun­ca foi tão im­por­tan­te

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.