Fi­esp faz su­ges­tões pa­ra in­ser­ção glo­bal

Valor Econômico - - BRASIL - As­sis Mo­rei­ra

A Fi­esp ela­bo­rou um do­cu­men­to com o po­si­ci­o­na­men­to do se­tor in­dus­tri­al so­bre a in­te­gra­ção in­ter­na­ci­o­nal do Bra­sil, pu­bli­ca­do em meio à cam­pa­nha pre­si­den­ci­al pa­ra “qu­a­li­fi­car” o de­ba­te so­bre o te­ma e “evi­tar ra­di­ca­lis­mos e im­pre­ci­sões”.

No se­tor in­dus­tri­al, a per­cep­ção é de que ma­cro­e­co­no­mis­tas de can­di­da­tos a pre­si­den­te ve­em so­bre­tu­do de ban­cos, e o te­ma da in­te­gra­ção ex­ter­na não tem a cen­tra­li­da­de que me­re­ce­ria, ge­ran­do até ago­ra um de­ba­te “ra­so”.

A pro­pos­ta da Fi­esp in­clui dar às es­tra­té­gi­as de in­ser­ção in­ter­na­ci­o­nal e co­mér­cio ex­te­ri­or do Bra­sil ca­rac­te­rís­ti­cas de po­lí­ti­ca de Es­ta­do e fa­zê-las in­te­grar o nú­cleo du­ro das de­ci­sões so­bre o de­sen­vol­vi­men­to eco­no­mi­co e so­ci­al, ace­le­rar ini­ci­a­ti­vas de fa­ci­li­ta­ção do co­mér­cio ex­te­ri­or e mo­bi­li­zar go­ver­no e ini­ci­a­ti­va pri­va­da pa­ra o país se in­te­grar na quar­ta re­vo­lu­ção in­dus­tri­al.

Há tam­bém pro­pos­tas mais pon­tu­ais, co­mo cri­a­ção de fun­do so­be­ra­no pa­ra as­se­gu­rar câm­bio com­pe­ti­ti­vo e exa­mi­nar a pos­sí­vel ade­são ao acor­do co­mer­ci­al Par­ce­ria Trans­pa­cí­fi­ca (TPP).

Ao abor­dar os de­sa­fi­os da in­te­gra­ção ex­ter­na do Bra­sil, Tho­maz Za­not­to, di­re­tor do De­par­ta­men­to de Re­la­ções Internacionais e Co­mér­cio Ex­te­ri­or da Fi­esp, des­ta­ca a mu­dan­ça em cur­so na or­dem in­ter­na­ci­o­nal. E ob­ser­va que de­ci­sões re­cen­tes do go­ver­no de Do­nald Trump in­di­cam que a prin­ci­pal fi­na­li­da­de do que cha­ma de pro­ces­so dis­rup­ti­vo é for­çar uma mu­dan­ça de com­por­ta­men­to e um re­e­qui­lí­brio das re­la­ções co­mer­ci­ais en­tre os EUA e a Chi­na, com efei­to tam­bém so­bre o Bra­sil.

Ao mes­mo tem­po, ocor­rem ou­tras mu­dan­ças nas ca­dei­as pro­du­ti­vas glo­bais, co­mo o re­tor­no da pro­du­ção in­dus­tri­al aos paí­ses de­sen­vol­vi­dos, so­bre­tu­do os EUA, apoi­a­do em no­vas tec­no­lo­gi­as, ga­nhos de pro­du­ti­vi­da­de, re­du­ção de cus­tos de ca­pi­tal e ener­gia, en­tre ou­tros.

“O Bra­sil já sen­te os efei­tos co­la­te­rais des­sas mu­dan­ças, que tam­bém tra­zem in­cer­te­zas no cam­po da in­te­gra­ção in­ter­na­ci­o­nal”, diz Za­not­to. “A re­a­pro­xi­ma­ção re­cen­te dos EUA com Ja­pão e União Eu­ro­peia em tor­no de um acor­do de li­vre-co­mér­cio, por exem­plo, atra­sa e traz in­cer­te­zas adi­ci­o­nais aos diá­lo­gos co­mer­ci­ais de ja­po­ne­ses e eu­ro­peus com o Mer­co­sul.”

A Fi­esp par­te da ex­pec­ta­ti­va de que o pró­xi­mo go­ver­no fa­rá re­for­mas pa­ra re­du­zir o cus­to Bra­sil. Mas si­na­li­za que não dá pa­ra es­pe­rar por elas pa­ra avan­çar nu­ma in­te­gra­ção ex­ter­na que ge­re no­vas opor­tu­ni­da­des de ne­gó­ci­os às em­pre­sas na­ci­o­nais, ga­nhos de es­ca­la e sal­tos tec­no­ló­gi­cos.

“Mais do que aguar­dar pe­las re­for­mas in­ter­nas, é pre­ci­so man­ter o ní­vel de am­bi­ção da agen­da in­ter­na­ci­o­nal e tor­ná-la um ele­men­to cen­tral na cor­re­ção de dis­tor­ções, que in­cre­men­ta­rá a com­pe­ti­ti­vi­da­de na­ci­o­nal”, diz Za­not­to.

Pa­ra a Fi­esp, a aber­tu­ra e a in­te­gra­ção do Bra­sil com o res­to do mun­do de­vem ser um pro­ces­so gra­du­al e ne­go­ci­a­do. Ou se­ja, na­da de li­be­ra­li­za­ção uni­la­te­ral.

A en­ti­da­de de­fen­de a bus­ca de mer­ca­dos em ne­go­ci­a­ções de acor­dos co­mer­ci­ais, mas cons­ta­ta que elas são len­tas e de­mo­ra­das. E con­si­de­ra que o ga­nho mais rá­pi­do e con­cre­to vi­rá pe­la fa­ci­li­ta­ção de co­mér­cio e des­bu­ro­cra­ti­za­ção de pro­ces­sos in­ter­nos que me­lho­ram o am­bi­en­te de ne­gó­ci­os.

Exem­pli­fi­ca que uma me­di­da ado­ta­da pe­lo go­ver­no atu­al, o Por­tal Úni­co de Co­mér­cio Ex­te­ri­or, vai ge­rar eco­no­mia pa­ra os im­por­ta­do­res e ex­por­ta­do­res na­ci­o­nais da or­dem de US$ 23 bi­lhões, cer­ca de 5% do flu­xo do co­mér­cio.

Pa­ra o se­tor in­dus­tri­al, no­vas me­di­das pa­ra fa­ci­li­tar ex­por­ta­ções e im­por­ta­ções po­dem ser ace­le­ra­das pe­lo pró­xi­mo go­ver­no por­que 90% de­pen­dem do Exe­cu­ti­vo, sem pas­sar pe­lo Con­gres­so e nem de ne­go­ci­a­ção ex­ter­na.

O se­tor in­dus­tri­al en­ten­de que is­so po­de ser fei­to sem abrir mão dos ins­tru­men­tos de de­fe­sa co­mer­ci­al que o Bra­sil dis­põe le­gal­men­te, co­mo so­bre­ta­xas an­ti­dum­ping e an­tis­sub­sí­di­os.

Con­for­me Za­not­to, eco­no­mis­tas dos can­di­da­tos a pre­si­den­te mi­ram er­ra­do quan­do fo­cam só em re­du­ção ta­ri­fá­ria. “O pe­so da bu­ro­cra­cia é mui­to mai­or do que ta­ri­fa de im­por­ta­ção.”

Ou­tro “pon­to de aten­ção” pa­ra os can­di­da­tos a pre­si­den­te é a ta­xa de câm­bio. A Fi­esp su­ge­re que se es­tu­dem for­mas de con­tra­ba­lan­çar sur­tos de desvalorização cam­bi­al e a ten­dên­cia à apre­ci­a­ção, pa­ra tor­nar a ta­xa de câm­bio me­nos vo­lá­til e mais pre­vi­sí­vel.

Pa­ra is­so, re­co­men­da a cri­a­ção de um fun­do so­be­ra­no que, por exem­plo, ab­sor­ves­se par­te dos su­pe­rá­vits da con­ta pe­tró­leo “pa­ra mi­ti­gar os efei­tos de­le­té­ri­os em tem­pos de cri­se”.

Na mo­der­ni­za­ção da po­lí­ti­ca ex­ter­na, a Fi­esp co­lo­ca co­mo pri­mor­di­al as re­la­ções co­mer­ci­ais com a Amé­ri­ca La­ti­na, des­ti­no da mai­or par­te dos ma­nu­fa­tu­ra­dos ex­por­ta­dos. De­fen­de agen­da de con­ver­gên­cia re­gu­la­tó­ria, pa­ra am­pli­ar os ne­gó­ci­os com a re­gião.

Com os EUA, um dos prin­ci­pais des­ti­nos do ma­nu­fa­tu­ra­do bra­si­lei­ro, a Fi­esp vê es­pa­ço pa­ra apro­xi­ma­ção gra­du­al, me­nos am­bi­ci­o­sa que a dis­cus­são de um acor­do de li­vre-co­mér­cio. E apon­ta po­ten­ci­al de par­ce­ri­as es­tra­té­gi­cas em se­to­res co­mo agro­ne­gó­cio, ae­ro­es­pa­ci­al, de­fe­sa, ener­gia e pe­tró­leo e gás.

Com a Chi­na, o se­tor in­dus­tri­al diz que ca­be ao Bra­sil atu­ar de for­ma prag­má­ti­ca e vi­gi­lan­te, so­bre­tu­do em de­fe­sa co­mer­ci­al, em re­fe­rên­cia a so­bre­ta­xas le­gais pa­ra fre­ar im­por­ta­ções com pre­ços con­si­de­ra­dos des­le­ais.

A Fi­esp de­fen­de que, se não ocor­rer avan­ços con­cre­tos no cur­to pra­zo pa­ra a con­clu­são do acor­do Mer­co­sul-União Eu­ro­peia, os es­for­ços e re­cur­sos do Co­ne Sul de­vem ser di­re­ci­o­na­dos pa­ra ne­go­ci­a­ções com áre­as de gran­de cres­ci­men­to econô­mi­co, co­mo Áfri­ca e Su­des­te Asiá­ti­co.

O se­tor in­dus­tri­al se po­si­ci­o­na por ne­go­ci­a­ções de acor­dos de úl­ti­ma ge­ra­ção e que vão pau­tar o co­mér­cio glo­bal. Em tex­to do em­bai­xa­dor Ru­bens Bar­bo­sa, apon­ta a ne­ces­si­da­de de o Bra­sil e o Mer­co­sul ini­ci­a­rem uma dis­cus­são so­bre a con­ve­ni­ên­cia de ne­go­ci­a­ção de en­tra­da na TPP, acor­do que en­vol­ve o Ja­pão e mais dez paí­ses do Pa­cí­fi­co — Do­nald Trump re­ti­rou os EUA. A Fi­esp vê na TPP uma for­ma de abre­vi­ar ne­go­ci­a­ções com vá­ri­os paí­ses asiá­ti­cos, em cres­ci­men­to e com ren­da em al­ta.

A pro­fes­so­ra Vera Thors­ten­sen, da Fun­da­ção Ge­tu­lio Var­gas, em ou­tro tex­to aler­ta que es­tá es­go­ta­da a es­tra­té­gia do Bra­sil de apli­ca­ção de re­gu­la­men­tos e nor­mas téc­ni­cas pa­ra pro­te­ger o mer­ca­do na­ci­o­nal. Su­ge­re a con­ver­gên­cia pa­ra as re­gras internacionais de ava­li­a­ção de con­for­mi­da­de de pro­du­tos e pa­ra o sur­gi­men­to de te­mas vin­cu­la­dos à sus­ten­ta­bi­li­da­de.

Má­rio Mar­co­ni­ni, di­re­tor de po­lí­ti­ca co­mer­ci­al do De­par­ta­men­to de Re­la­ções Internacionais e Co­mér­cio Ex­te­ri­or da Fi­esp, exa­mi­na de­sa­fi­os e im­pli­ca­ções da Quar­ta Re­vo­lu­ção In­dus­tri­al. Cons­ta­ta que, dos emer­gen­tes, o Bra­sil é tal­vez o que es­te­ja mais mal po­si­ci­o­na­do, no­tan­do que a “in­dús­tria 4.0” não pe­gou ain­da no país, co­mo tam­pou­co o país efe­ti­va­men­te ade­riu a ca­dei­as glo­bais de va­lor de for­ma a per­mi­tir me­lhor apro­vei­ta­men­to das opor­tu­ni­da­des da no­va eco­no­mia mun­di­al.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.