Con­ces­si­o­ná­ri­as que­rem man­ter lei­lão de ro­do­vi­as

Valor Econômico - - BRASIL - Daniel Ritt­ner

As con­ces­si­o­ná­ri­as de ro­do­vi­as que­rem que o pró­xi­mo go­ver­no man­te­nha as li­ci­ta­ções pla­ne­ja­das pe­lo atu­al Pro­gra­ma de Par­ce­ri­as de In­ves­ti­men­tos (PPI) e es­ta­be­le­ça uma es­pé­cie de “bal­cão úni­co” pa­ra re­sol­ver pro­ble­mas com a ini­ci­a­ti­va pri­va­da.

Um do­cu­men­to com 15 pro­pos­tas in­di­can­do “no­vos ca­mi­nhos” pa­ra o se­tor foi di­vul­ga­do on­tem pe­la As­so­ci­a­ção Bra­si­lei­ra de Con­ces­si­o­ná­ri­as de Ro­do­vi­as (ABCR) e en­tre­gue às cam­pa­nhas dos pre­si­den­ciá­veis. En­tre ou­tros pon­tos, a en­ti­da­de pe­de con­ti­nui­da­de no pla­ne­ja­men­to do PPI, que vem tra­ba­lhan­do na mo­de­la­gem de no­ve lei­lões de es­tra­das fe­de­rais. Só uma li­ci­ta­ção, no en­tan­to, tem pers­pec­ti­va de sair ain­da no go­ver­no de Mi­chel Te­mer: a Ro­do­via de In­te­gra­ção do Sul, um cor­re­dor de 473 quilô­me­tros que se­rá ofe­re­ci­do em 1 de no­vem­bro.

Pe­lo me­nos dois re­pre­sen­tan­tes dos can­di­da­tos mais bem po­si­ci­o­na­dos na cor­ri­da ao Pa­lá­cio do Pla­nal­to ma­ni­fes­ta­ram con­cor­dân­cia não só em le­var adi­an­te os pro­je­tos es­tru­tu­ra­dos pe­lo PPI, mas pre­ser­var e for­ta­le­cer um nú­cleo de in­fra­es­tru­tu­ra di­re­ta­men­te vin­cu­la­do à Pre­si­dên­cia da Re­pú­bli­ca — ho­je a se­cre­ta­ria do pro­gra­ma fun­ci­o­na co­mo um bra­ço da Se­cre­ta­ria-Ge­ral.

“São pro­je­tos bas­tan­te ma­du­ros”, dis­se o economista Daniel Kel­ler, que faz par­te da cam­pa­nha de Ci­ro Go­mes (PDT). Ele ci­ta não ape­nas lei­lões de ro­do­vi­as, mas tam­bém o da Fer­ro­via Nor­te-Sul co­mo exem­plos de con­ti­nui­da­de.

“Cer­ta­men­te va­mos usar o que já foi fei­to. São mi­lha­res de ho­ras de bom tra­ba­lho e de boa aná­li­se”, afir­mou Cláu­dio Fris­ch­tak, da con­sul­to­ria In­ter B., que as­ses­so­ra Ma­ri­na Sil­va (Re­de). “Não faz sen­ti­do fi­car rein­ven­tan­do a ro­da, e o PPI é uma ino­va­ção ins­ti­tu­ci­o­nal mui­to im­por­tan­te”, acres­cen­tou.

Pedro Bi­an­chi, que co­la­bo­ra com o pro­gra­ma do PSDB, não fez men­ção ao cro­no­gra­ma de lei­lões na car­tei­ra do PPI. Se­guin­do um co­men­tá­rio do re­pre­sen­tan­te de Ci­ro, que de­fen­deu um re­for­ço no pa­pel do Ban­co Na­ci­o­nal de De­sen­vol­vi­men­to Econô­mi­co e So­ci­al (BNDES) co­mo fi­nan­ci­a­dor de pro­je­tos lo­gís­ti­cos, ele de­fen­deu mai­or par­ti­ci­pa­ção de me­ca­nis­mos de mer­ca­do. “O fi­nan­ci­a­men­to pú­bli­co se­rá mí­ni­mo. Ten­do es­ta­bi­li­da­de ma­cro­e­conô­mi­ca, ta­xas de ju­ros bai­xas e re­gras cla­ras, há di­nhei­ro de so­bra no se­tor pri­va­do e li­qui­dez ex­ter­na”, afir­mou.

Co­mo exem­plo dis­so, Bi­an­chi ci­tou a emis­são de R$ 1 bi­lhão em de­bên­tu­res pe­la En­tre­vi­as, con­ces­si­o­ná­ria de um lo­te de ro­do­vi­as li­ci­ta­do pe­lo go­ver­no pau­lis­ta de Ge­ral­do Alck­min em 2017.

Gus­ta­vo Falcão, re­pre­sen­tan­te da cam­pa­nha de Fer­nan­do Had­dad (PT), leu as ações pro­me­ti­das no pro­gra­ma do par­ti­do, que in­clu­em a cri­a­ção de um fun­do pa­ra in­ves­ti­men­tos em in­fra­es­tru­tu­ra com par­te das re­ser­vas internacionais. Ele acen­tu­ou que não há “pre­con­cei­tos” ou “ta­bus” com qual­quer pro­pos­ta de li­ci­ta­ção.

O pre­si­den­te da ABCR, Cé­sar Bor­ges, dis­se que é im­por­tan­te ha­ver “cen­tra­li­da­de de­ci­só­ria” e evi­tar a dis­per­são de dis­cus­sões en­tre mui­tos ór­gãos do go­ver­no — mi­nis­té­ri­os, agên­ci­as, au­tar­qui­as e até mes­mo o PPI. Ele tam­bém de­fen­deu, en­tre ou­tras me­di­das, uma re­com­po­si­ção mais rá­pi­da do equi­lí­brio econô­mi­co­fi­nan­cei­ro dos con­tra­tos. É o ca­so das ro­do­vi­as lei­lo­a­das pe­la ex­pre­si­den­te Dil­ma Rous­seff, que en­fren­tam que­da de trá­fe­go e re­cei­tas mui­to abai­xo do pre­vis­to.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.