Efei­tos da cri­se de 2008 vão con­ti­nu­ar por aí

Valor Econômico - - POLÍTICA - Humberto Sac­co­man­di

Acri­se de 2008, que ama­nhã com­ple­ta sim­bo­li­ca­men­te dez anos, ain­da não ter­mi­nou. Su­as cau­sas fi­ca­ram pa­ra trás, mas seus efei­tos — econô­mi­cos, po­lí­ti­cos e so­ci­ais — se­gui­rão pe­san­do so­bre o mun­do por mui­tos anos, tal­vez dé­ca­das.

Ape­sar de es­tar as­so­ci­a­da ao 15 de se­tem­bro de 2008, quan­do o cen­te­ná­rio ban­co de in­ves­ti­men­tos ame­ri­ca­no Leh­man Brothers que­brou, a cri­se co­me­çou de fa­to no fim de 2007. Foi quan­do os EUA en­tra­ram em re­ces­são, se­gun­do o Na­ti­o­nal Bu­re­au of Eco­no­mic Re­se­ar­ch (NBER), a en­ti­da­de que da­ta ofi­ci­al­men­te os ci­clos econô­mi­cos nos EUA e que não ado­ta o cri­té­rio usu­al de re­ces­são, de dois tri­mes­tres se­gui­dos de con­tra­ção da eco­no­mia.

Es­sa re­ces­são ge­rou uma on­da de ina­dim­plên­cia no fi­nan­ci­a­men­to imo­bi­liá­rio cha­ma­do de sub­pri­me, um eu­fe­mis­mo pa­ra em­prés­ti­mos de al­to ris­co con­ce­di­dos pe­los ban­cos a pes­so­as que ti­nham es­cas­sas con­di­ções de qui­tá-los.

Co­mo boa par­te des­se cré­di­to po­dre ha­via si­do re­pas­sa­do ao va­re­jo ban­cá­rio, em­pa­co­ta­do em apli­ca­ções obs­cu­ras, o cho­que lo­go se alas­trou por to­do o sis­te­ma fi­nan­cei­ro, pri­mei­ro nos EUA e em se­gui­da em qua­se to­do o mun­do de­sen­vol­vi­do.

Os paí­ses emer­gen­tes fo­ram ini­ci­al­men­te pro­te­gi­dos da cri­se por dois mo­ti­vos: 1. Por te­rem se­to­res fi­nan­cei­ros me­nos so­fis­ti­ca­dos e mais fe­cha­dos. A dí­vi­da dos con­su­mi­do­res nes­ses paí­ses não era tão gran­de, e os seus ban­cos não es­ta­vam ex­pos­tos aos ins­tru­men­tos fi­nan­cei­ros que pro­pa­ga­ram a cri­se nos paí­ses ri­cos; 2. Por­que a Chi­na, as­sus­ta­da com a for­te fre­a­da da sua eco­no­mia, pi­sou no ace­le­ra­dor do gas­to pú­bli­co em 2009 e ex­pan­diu agres­si­va­men­te a sua de­man­da in­ter­na, o que com­pen­sou par­te da que­da na de­man­da nos paí­ses ri­cos.

Es­sa blin­da­gem chi­ne­sa du­rou até 2013, quan­do Pe­quim co­me­çou a re­du­zir o es­tí­mu­lo fis­cal. Is­so aju­dou a der­ru­bar a co­ta­ção das com­mo­di­ti­es e fez a cri­se fi­nal­men­te ba­ter nos emer­gen­tes. Paí­ses com os mai­o­res de­se­qui­lí­bri­os econô­mi­cos, co­mo o Bra­sil, fo­ram du­ra­men­te atin­gi­dos.

Em 2017, pe­la pri­mei­ra em dez anos, to­das as 20 mai­o­res eco­no­mi­as do mun­do cres­ce­ram. Es­sa ex­pan­são, po­rém, es­tá se de­sa­ce­le­ran­do nes­te ano. Ao me­nos um des­ses 20 gran­des, a Ar­gen­ti­na, te­rá re­ces­são em 2018. E há mui­ta in­cer­te­za qu­an­to ao fu­tu­ro pró­xi­mo.

As cau­sas di­re­tas da cri­se fi­nan­cei­ra de 2008 já fo­ram em gran­de par­te su­pe­ra­das. Os ame­ri­ca­nos es­tão me­nos en­di­vi­da­dos: a dí­vi­da das fa­mí­li­as ame­ri­ca­nas re­cu­ou de qua­se 100% do PIB, no iní­cio de 2008, pa­ra 78% atu­al­men­te. E os ban­cos es­tão mais só­li­dos, me­nos ala­van­ca­dos, ain­da que mui­tas das me­di­das pro­pos­tas pa­ra me­lho­rar a re­gu­la­ção do se­tor não te­nham si­do ado­ta­das ou es­te­jam sen­do des­fei­tas pe­lo go­ver­no de Do­nald Trump.

Mas os efei­tos da cri­se con­ti­nu­am vi­sí­veis e al­guns de­les se re­tro­a­li­men­tam, tra­zen­do o ris­co de ge­ra­rem no­vas tur­bu­lên­ci­as.

A re­cu­pe­ra­ção des­ta vez tem si­do len­ta em re­la­ção a ou­tras re­ces­sões. E, ape­sar da re­to­ma­da do em­pre­go em mui­tos paí­ses ri­cos (EUA, Ale­ma­nha e Rei­no Uni­do es­tão com de­sem­pre­go em ní­veis mí­ni­mos his­tó­ri­cos), os sa­lá­ri­os qua­se não su­bi­ram nes­se pe­río­do. Ou até caí­ram. Se­gun­do es­tu­do do Ins­ti­tu­te for Fis­cal Stu­di­es, do Rei­no Uni­do, di­vul­ga­do nes­ta se­ma­na pe­la BBC, o sa­lá­rio anu­al mé­dio do tra­ba­lha­dor bri­tâ­ni­co es­tá ho­je 800 li­bras me­nor do que uma dé­ca­da atrás, em ter­mos re­ais.

Paí­ses co­mo Itá­lia e Gré­cia ain­da não re­cu­pe­ram os ní­veis de pro­du­ção de an­tes de 2008. Ou se­ja, es­tão mais po­bres. Na Itá­lia, ape­nas nes­te ano o ní­vel de em­pre­go vol­tou ao pa­ta­mar pré-cri­se. No Bra­sil, o PIB em dó­lar es­tá abai­xo do de 2010.

A in­sa­tis­fa­ção so­ci­al ge­ra­da pe­la cri­se foi pos­si­vel­men­te o fa­tor mais im­por­tan­te por trás da as­cen­são dos sen­ti­men­tos na­ci­o­na­lis­ta, pro­te­ci­o­nis­ta e an­ti-imi­gra­ção pe­lo mun­do, que for­ta­le­ceu par­ti­dos e po­lí­ti­cos po­pu­lis­tas.

Os EUA ele­ge­ram Trump, o Rei­no Uni­do apro­vou o Bre­xit (a saí­da do país da União Eu­ro­peia), po­pu­lis­tas as­cen­de­ram ao go­ver­no na Hun­gria (2010), na Polô­nia (2015) e na Itá­lia (2018), e par­ti­dos ex­tre­mis­tas cres­ce­ram em to­da a Eu­ro­pa, di­fi­cul­tan­do a for­ma­ção de go­ver­nos es­tá­veis. O ca­so mais re­cen­te ocor­reu na Sué­cia, na elei­ção de do­min­go, na qu­al o par­ti­do De­mo­cra­tas Su­e­cos, de ex­tre­ma-di­rei­ta, fi­cou com 17,5% dos vo­tos.

Is­so sem fa­lar na Pri­ma­ve­ra Ára­be, mo­vi­men­to que a par­tir de 2011 con­vul­si­o­nou o nor­te da Áfri­ca e o Ori­en­te Mé­dio e le­vou às guer­ras ci­vis ain­da em an­da­men­to na Lí­bia e na Síria.

De lon­ge, o re­sul­ta­do po­lí­ti­co mais im­pac­tan­te da cri­se de 2008 foi a elei­ção de Trump. Além de es­tar re­ven­do a re­la­ção dos EUA com o mun­do e ini­ci­an­do uma guer­ra co­mer­ci­al de al­can­ce e con­sequên­ci­as ain­da di­fí­ceis de pre­ver, o pre­si­den­te em­bar­cou nu­ma far­ra fis­cal que po­de­rá ter efei­tos glo­bais de lon­go pra­zo. Trump cor­tou im­pos­tos, mas não os gas­tos do go­ver­no. Nos 11 me­ses até agos­to, o dé­fi­cit pú­bli­co ame­ri­ca­no atin­giu US$ 895 bi­lhões, um au­men­to de 33% em re­la­ção ao mes­mo pe­río­do an­te­ri­or. Sem uma ade­qua­ção de des­pe­sas ou re­cei­tas, o dé­fi­cit e a dí­vi­da dos EUA po­dem dis­pa­rar, o que le­va­ria a uma al­ta ge­ne­ra­li­za­da dos ju­ros em to­do o mun­do.

Um au­men­to len­to e gra­du­al da ta­xa de ju­ros dos EUA já es­tá ocor­ren­do, re­ver­ten­do a po­lí­ti­ca anô­ma­la de ju­ro qua­se ze­ro (ou se­ja, de ju­ro re­al ne­ga­ti­vo) que vi­go­rou du­ran­te qua­se to­do o pós-cri­se. Es­sa al­ta de ju­ros do Fed, ain­da que mo­de­ra­da e pre­vi­sí­vel, es­tá me­xen­do com os mer­ca­dos mun­di­ais e ame­a­ça cau­sar no­vo cho­que nos emer­gen­tes.

Na Chi­na, o go­ver­no tam­bém te­rá de li­dar com o ex­ces­so de en­di­vi­da­men­to acu­mu­la­do na úl­ti­ma dé­ca­da. Com is­so, a ten­dên­cia é a eco­no­mia chi­ne­sa cres­cer me­nos nos pró­xi­mos anos, sob o ris­co con­tí­nuo de uma cor­re­ção mais acen­tu­a­da no seu mer­ca­do fi­nan­cei­ro.

Na Amé­ri­ca La­ti­na, a in­sa­tis­fa­ção pós-cri­se der­ru­bou a mai­or par­te dos go­ver­nos de es­quer­da da re­gião, mas tam­bém le­vou a es­quer­da pe­la pri­mei­ra vez ao po­der no Mé­xi­co, com a vi­tó­ria de An­drés Ma­nu­el Lo­pez Obra­dor nas elei­ções des­te ano (ele as­su­me em de­zem­bro).

No Bra­sil, a cri­se de 2008 e a re­a­ção de­sas­tra­da do go­ver­no Dil­ma Rous­seff (que dei­xou dis­pa­rar o dé­fi­cit pú­bli­co e a in­fla­ção) cri­a­ram o am­bi­en­te que per­mi­tiu o im­pe­a­ch­ment e que ain­da con­ta­mi­na o ce­ná­rio po­lí­ti­co no país. O ajus­te fis­cal re­la­ti­vo a es­se pe­río­do ain­da es­tá por ser fei­to e vai con­di­ci­o­nar o pró­xi­mo go­ver­no.

Dez anos de­pois, cri­se ain­da con­ta­mi­na a po­lí­ti­ca e a eco­no­mia

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.