Had­dad in­clui no­mes de sua con­fi­an­ça em nú­cleo de cam­pa­nha

Valor Econômico - - POLÍTICA -

O can­di­da­to do PT a pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca, Fer­nan­do Had­dad mu­dou a equi­pe de co­or­de­na­do­res ori­gi­nal­men­te cons­ti­tuí­da pe­lo ex­pre­si­den­te Luiz Iná­cio Lu­la da Sil­va. Had­dad re­sol­veu no­me­ar seu ex­se­cre­tá­rio de Go­ver­no da Pre­fei­tu­ra de São Pau­lo Fran­cis­co Ma­ce­na, co­nhe­ci­do co­mo Chi­co Ma­ce­na, pa­ra a fun­ção de co­or­de­na­dor de fi­nan­ças. E in­di­cou Emí­dio de Sou­za, um dos qua­dros da Exe­cu­ti­va Na­ci­o­nal de qu­em mais se apro­xi­mou, pa­ra re­for­çar o ti­me de con­se­lhei­ros.

A en­tra­da de Ma­ce­na e Emí­dio na cú­pu­la da cam­pa­nha com­pro­va o que ha­via an­te­ci­pa­do o Va­lor: que em­po­de­ra­do por Lu­la co­mo can­di­da­to do PT à Pre­si­dên­cia, Had­dad agi­ria rá­pi­do pa­ra for­mar um nú­cleo de sua con­fi­an­ça na ins­tân­cia de­ci­só­ria.

A to­ma­da de ré­de­as de Had­dad mos­tra que a cam­pa­nha ga­nha a iden­ti­da­de do can­di­da­to, mas ain­da de for­ma par­ci­al. Ne­nhu­ma mu­dan­ça ex­tre­ma, na es­tra­té­gia ou no ti­me de con­se­lhei­ros, se­rá ope­ra­da sem ser acer­ta­da pre­vi­a­men­te com Lu­la, que con­ti­nu­a­rá di­tan­do a li­nha de ação elei­to­ral. Had­dad de­ve­rá man­ter a ro­ti­na de vi­si­tas se­ma­nais ao ex-pre­si­den­te em Cu­ri­ti­ba, on­de es­tá pre­so.

Ma­ce­na ,que foi te­sou­rei­ro da cam­pa­nha de Had­dad à Pre­fei­tu­ra de São Pau­lo em 2012, subs­ti­tui o ex-mi­nis­tro Ri­car­do Ber­zoi­ni, que pe­diu pa­ra se afas­tar do car­go a fim de con­cluir a pres­ta­ção de con­tas da cam­pa­nha de Lu­la, que du­rou me­nos de um mês, já que o re­gis­tro da can­di­da­tu­ra foi for­ma­li­za­do no dia 15 de agos­to. Se­gun­do uma fon­te da co­or­de­na­ção, a mu­dan­ça foi acer­ta­da con­sen­su­al­men­te en­tre Ber­zoi­ni, o can­di­da­to e o co­or­de­na­dor-ge­ral da cam­pa­nha, Ser­gio Ga­bri­el­li. Ber­zoi­ni sai da te­sou­ra­ria, mas con­ti­nua na co­or­de­na­ção.

Emí­dio é um pe­tis­ta orgânico, mui­to li­ga­do a Lu­la, mas que ga­nhou a con­fi­an­ça de Had­dad nos úl­ti­mos me­ses, ten­do fi­ca­do ao seu la­do du­ran­te o con­tur­ba­do pro­ces­so de es­co­lha do vi­ce, e de­pois pa­ra que o ex-pre­fei­to se vi­a­bi­li­zas­se pa­ra as­su­mir a ca­be­ça de cha­pa.

Emí­dio vi­a­jou com Had­dad pa­ra Cu­ri­ti­ba e em vá­ri­as agen­das pe­lo país. On­tem eles es­ta­vam em cam­pa­nha de rua em Osas­co, ci­da­de que foi go­ver­na­da pe­lo no­vo conselheiro (ver abai­xo). A en­tra­da de­le no ti­me ofi­ci­al da cam­pa­nha é uma es­co­lha de Had­dad, mas que tem o aval de Lu­la por trás.

Já o ex-ve­re­a­dor Chi­co Ma­ce­na é um dos pe­tis­tas mais pró­xi­mos a Had­dad e tem uma lon­ga tra­je­tó­ria no par­ti­do. An­tes de as­su­mir a Se­cre­ta­ria de Go­ver­no na ges­tão Had­dad, foi sub­se­cre­tá­rio de Co­or­de­na­ção das Sub­pre­fei­tu­ra, on­de fa­zia a in­ter­lo­cu­ção com os ve­re­a­do­res. Na ges­tão de Mar­ta Su­plicy foi pre­si­den­te da Com­pa­nhia de En­ge­nha­ria de Trá­fe­go (CET).

Ma­ce­na, no en­tan­to, é réu, jun­ta­men­te com o can­di­da­to, em ação pe­nal elei­to­ral que tra­mi­ta na 1a Zo­na Elei­to­ral de São Pau­lo. De­nún­cia ofe­re­ci­da em maio pe­la pro­mo­to­ria elei­to­ral de São Pau­lo atri­bui a Had­dad e a Ma­ce­na su­pos­to cai­xa dois de R$ 2,6 mi­lhões pa­gos pe­la UTC En­ge­nha­ria na cam­pa­nha elei­to­ral de 2012. Ma­ce­na, no en­tan­to, não é al­vo da de­nún­cia na es­fe­ra cri­mi­nal, nem da pro­pos­ta de aber­tu­ra de ação ci­vil por im­pro­bi­da­de que fo­ram em­ba­sa­das nas mes­mas pro­vas da ação elei­to­ral.

Na Jus­ti­ça Elei­to­ral, o pro­mo­tor Luiz Hen­ri­que Dal Poz ale­ga que o cru­za­men­to de de­la­ções da La­va-Ja­to com pla­ni­lhas en­con­tra­das em ações de bus­ca da Ope­ra­ção Cus­to Bra­sil per­mi­tiu de­mons­trar a cri­a­ção de “uma es­tru­tu­ra pa­ra­le­la do PT pa­ra fi­nan­ci­a­men­to de cam­pa­nhas em 2012, que te­ve Fer­nan­do Had­dad co­mo um dos be­ne­fi­ciá­ri­os”.

Em no­ta en­vi­a­da por sua as­ses­so­ria, Had­dad res­sal­ta que in­for­ma que o de­la­tor Ri­car­do Pes­soa, da UTC, te­ve ar­qui­va­das mais de oi­to ações pro­vo­ca­das por su­as de­la­ções. Ale­ga que es­sa de­nún­cia “é um ato de vin­gan­ça pe­lo fa­to do en­tão pre­fei­to de São Pau­lo ter can­ce­la­do a prin­ci­pal obra da UTC na ci­da­de, o tú­nel da ave­ni­da Ro­ber­to Ma­ri­nho, que apon­ta­va in­dí­ci­os de su­per­fa­tu­ra­men­to”.

Na mes­ma no­ta, Had­dad la­men­ta que os pro­mo­to­res te­nham apre­sen­ta­do de­nún­ci­as cri­mi­nais e de im­pro­bi­da­de ad­mi­nis­tra­ti­va, sem pro­va, há um mês da elei­ção. “O com­por­ta­men­to de ca­da um dos pro­mo­to­res en­vol­vi­dos, con­for­me a pró­pria im­pren­sa no­ti­ci­ou, se­rá al­vo de uma in­ves­ti­ga­ção do Con­se­lho Na­ci­o­nal do Mi­nis­té­rio Pú­bli­co”, con­clui.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.