Hi­pó­te­se ex­tre­ma po­de cri­ar im­pas­se

Valor Econômico - - POLÍTICA - Cé­sar Fe­lí­cio

O Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral (STF) e o Tri­bu­nal Su­pe­ri­or Elei­to­ral (TSE) jo­ga­rão um pa­pel de­ci­si­vo na hi­pó­te­se da mor­te de um can­di­da­to ou pre­si­den­te elei­to. Es­pe­ci­a­lis­tas de ten­dên­ci­as di­fe­ren­tes no di­rei­to con­cor­dam que exis­tem bu­ra­cos ne­gros na le­gis­la­ção, si­tu­a­ções ex­tre­mas em que não há ne­nhu­ma pre­vi­são le­gal so­bre o que po­de­rá ocor­rer.

Há du­as gran­des zo­nas cin­zen­tas: uma é o que acon­te­ce se um elei­to em ou­tu­bro fa­le­ce an­tes da di­plo­ma­ção, que cos­tu­ma ocor­rer em de­zem­bro. A ou­tra é qu­al a so­lu­ção pos­sí­vel ca­so um can­di­da­to mor­ra an­tes da elei­ção, mas com a cam­pa­nha pre­si­den­ci­al já en­cer­ra­da, ou se­ja, na vés­pe­ra do plei­to.

“En­quan­to não tem o di­plo­ma, a elei­ção não ter­mi­nou”, co­men­ta o ad­vo­ga­do Fer­nan­do Neis­ser, que fez par­te da ban­ca de ad­vo­ga­dos que de­fen­deu, sem su­ces­so, o re­gis­tro da can­di­da­tu­ra do ex­pre­si­den­te Luiz Iná­cio Lu­la da Sil­va. “Ga­nha a elei­ção qu­em con­se­guir a mai­o­ria ab­so­lu­ta de vo­tos vá­li­dos em dois tur­nos. É pos­sí­vel ar­gu­men­tar ju­ri­di­ca­men­te que es­ta con­di­ção não se apli­ca ao vi­ce na cha­pa”, afir­mou.

Ao con­trá­rio do que acon­te­ce em ou­tros ra­mos do di­rei­to, na es­fe­ra elei­to­ral a ju­ris­pru­dên­cia tem apli­ca­ção re­la­ti­va. No âm­bi­to mu­ni­ci­pal, há pre­ce­den­tes até mes­mo de can­di­da­tos a vi­ce que as­sas­si­na­ram o ti­tu­lar da cha­pa de­pois da elei­ção e ain­da as­sim fo­ram di­plo­ma­dos, mas o TSE não cos­tu­ma le­var em con­ta pa­ra em­ba­sar su­as de­ci­sões o en­ten­di­men­to iso­la­do de tri­bu­nais re­gi­o­nais elei­to­rais.

Em ca­so de não se re­co­nhe­cer co­mo ven­ce­dor da elei­ção nes­te ca­so o can­di­da­to a vi­ce, não há pre­vi­são do que po­de acon­te­cer. Tra­ta-se de uma si­tu­a­ção em que a Cor­te te­ria que tra­ba­lhar com fa­tos con­su­ma­dos.

Pa­ra Ri­car­do Pen­te­a­do, que ad­vo­gou pa­ra o PSDB, o vi­ce em uma cha­pa cu­jo ti­tu­lar mor­reu po­de le­var o ca­so ao STF. “O te­ma trans­cen­de o pro­ces­so elei­to­ral. A di­plo­ma­ção é a ho­mo­lo­ga­ção de um ato que já se en­cer­rou, que foi o da von­ta­de po­pu­lar nas ur­nas. Ela só ates­ta o que acon­te­ceu, não re­pre­sen­ta a con­clu­são do pro­ces­so elei­to­ral, e des­te mo­do, o vi­ce de­ve ser de­cla­ra­do pre­si­den­te”, opi­nou.

Na ou­tra si­tu­a­ção cin­zen­ta, a da mor­te de um can­di­da­to na vés­pe­ra da elei­ção, Pen­te­a­do é mais re­ti­cen­te. “Uma co­li­ga­ção tem o di­rei­to de subs­ti­tuir um can­di­da­to em ca­so de fa­le­ci­men­to, mas o vo­to não po­de ser um che­que em bran­co. É pre­ci­so que a subs­ti­tui­ção obe­de­ça aos pa­râ­me­tros de trans­pa­rên­cia e pu­bli­ci­da­de”, co­men­tou. No li­mi­te, na opi­nião de Pen­te­a­do, “o fa­le­ci­men­to de um can­di­da­to na vés­pe­ra da elei­ção a co­lo­ca sob enor­me ris­co e se­rá gran­de a pos­si­bi­li­da­de de se de­cla­rar a nu­li­da­de dos vo­tos da cha­pa in­com­ple­ta”.

A re­gra é ab­so­lu­ta­men­te cla­ra em re­la­ção ao que acon­te­ce na hi­pó­te­se de mor­te de um can­di­da­to en­tre o pri­mei­ro e o se­gun­do tur­no da elei­ção, com a cam­pa­nha trans­cor­ren­do: nes­te ca­so, de acor­do com o ar­ti­go 77, pa­rá­gra­fo 4o da Cons­ti­tui­ção, o ter­cei­ro mais vo­ta­do no pri­mei­ro tur­no par­ti­ci­pa do plei­to.

Em ca­so de fa­le­ci­men­to an­tes do pri­mei­ro tur­no, a re­gra tam­bém é in­con­tro­ver­sa: um par­ti­do ou co­li­ga­ção po­de subs­ti­tuir o can­di­da­to em até dez di­as de­pois do óbi­to. É a úni­ca ex­ce­ção ad­mi­ti­da à re­gra que proí­be mu­dan­ças na cha­pa fal­tan­do me­nos de vin­te di­as do plei­to. Mas nes­te ca­so, há ou­tro vá­cuo: exis­te a pos­si­bi­li­da­de de subs­ti­tui­ção em ca­so de in­va­li­dez? O Ar­ti­go 68 da re­so­lu­ção do TSE que nor­ma­ti­zou as re­gras da elei­ção des­te ano abre a bre­cha ape­nas pa­ra o ca­so de mor­te. Em te­se, um can­di­da­to em co­ma não po­de ser subs­ti­tuí­do.

Não há pre­ce­den­tes de si­tu­a­ções co­mo es­sas em elei­ções pre­si­den­ci­ais bra­si­lei­ras. O ca­so que mais se apro­xi­ma é o de 1985, em que, de­pois de elei­to in­di­re­ta­men­te, Tan­cre­do Ne­ves não to­mou pos­se, ao ser ope­ra­do na vés­pe­ra. O vi­ce José Sar­ney foi em­pos­sa­do, não sem an­tes uma ten­sa dis­cus­são en­tre as au­to­ri­da­des da épo­ca so­bre a le­ga­li­da­de do ato.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.