Au­sên­cia na pró­xi­ma fa­se te­ria mai­or im­pac­to

Valor Econômico - - POLÍTICA - Ma­lu Del­ga­do

A au­sên­cia do de­pu­ta­do Jair Bol­so­na­ro (PSL) da dis­pu­ta elei­to­ral, por mo­ti­vos de saú­de, po­de­rá ter im­pli­ca­ções mai­o­res no se­gun­do tur­no, uma vez que o par­la­men­tar é o can­di­da­to que pos­sui o vo­to mais con­so­li­da­do e me­nos vo­lá­til, se­gun­do apon­tam as pes­qui­sas de in­ten­ção de vo­tos di­vul­ga­das até o mo­men­to. No se­gun­do tur­no, pontua Jai­ro Pi­men­tel, pes­qui­sa­dor do Cen­tro de Po­lí­ti­ca e Eco­no­mia do Se­tor Pú­bli­co da Fun­da­ção Ge­tu­lio Var­gas (Ce­pesp-FGV), a re­jei­ção é um fa­tor cru­ci­al no em­ba­te en­tre os can­di­da­tos. “Nes­te sen­ti­do, Bol­so­na­ro che­ga­ria em des­van­ta­gem. Uma even­tu­al au­sên­cia com­pro­me­te­ria mui­to, mas ele po­de ela­bo­rar uma nar­ra­ti­va de cam­pa­nha na TV sem es­tar pre­sen­te”, diz Pi­men­tel.

Pa­ra o pes­qui­sa­dor da FGV, sem ne­nhum fa­tor no­vo que con­tri­bua pa­ra a de­pre­ci­a­ção da ima­gem de Bol­so­na­ro — o que não po­de ser des­car­ta­do, da­do o al­to grau de im­pre­vi­si­bi­li­da­de des­te plei­to —, di­fi­cil­men­te o can­di­da­to do PSL per­de­rá vo­tos no pri­mei­ro tur­no por con­ta de seu es­ta­do de saú­de.

Ca­so ha­ja uma de­ci­são da fa­mí­lia de Bol­so­na­ro e do pró­prio can­di­da­to de subs­ti­tui­ção na cha­pa, pe­la fra­gi­li­da­de de seu es­ta­do de saú­de, Pi­men­tel acre­di­ta que o elei­to­ra­do fi­el de Bol­so­na­ro mi­gra­ria o vo­to sem con­fli­to. “Seu elei­to­ra­do é tão fe­cha­do que vo­ta­ria no can­di­da­to apoi­a­do por ele.” O afas­ta­men­to de Bol­so­na­ro da cam­pa­nha, uma re­a­li­da­de após a se­gun­da ci­rur­gia e gra­vi­da­de do qua­dro, “é mais uma va­riá­vel que em­ba­ra­lha as car­tas da dis­pu­ta pre­si­den­ci­al mais uma vez”, ob­ser­va Jair Pi­men­tel.

Pa­ra o ci­en­tis­ta po­lí­ti­co An­to­nio La­va­re­da, es­ta elei­ção “es­ca­pa à nor­ma­li­da­de e vai agre­gan­do ex­cep­ci­o­na­li­da­des”. Ele tam­bém acre­di­ta que uma even­tu­al au­sên­cia de Bol­so­na­ro num se­gun­do tur­no po­de­rá ter mai­o­res re­fle­xos, mas não ne­ces­sa­ri­a­men­te ne­ga­ti­vos. “Ao fi­car fo­ra da cam­pa­nha, ele afas­ta ce­ná­ri­os dos quais po­de­ria tro­pe­çar. Mas se­ria um ce­ná­rio tão ex­tra­or­di­ná­rio que se tor­na im­pos­sí­vel fa­zer qual­quer in­fe­rên­cia. Po­de até ser po­si­ti­vo elei­to­ral­men­te pa­ra ele”, opi­na La­va­re­da. Ele pon­de­ra que o Bra­sil tem uma “me­mó­ria co­le­ti­va do epi­só­dio ul­tra­do­lo­ro­so que foi a ago­nia de Tan­cre­do Ne­ves”, e fi­ca no ar a gran­de dú­vi­da, se a fra­gi­li­da­de de saú­de fa­vo­re­ce­rá ou pre­ju­di­ca­rá Bol­so­na­ro, pois o elei­tor po­de­rá pe­sar o ris­co de vo­tar em um can­di­da­to hos­pi­ta­li­za­do.

Uma con­jec­tu­ra pos­sí­vel, se­gun­do La­va­re­da, é so­bre uma tro­ca de can­di­da­tu­ra na cha­pa. Pa­ra ele, é na­tu­ral e mui­to mais pro­vá­vel, até pe­la he­ran­ça do no­me e es­tra­té­gia de mar­ke­ting, que Bol­so­na­ro se­ja subs­ti­tuí­do por um de seus fi­lhos, e não pe­lo vi­ce, o ge­ne­ral Ha­mil­ton Mou­rão (PRTB).

“A au­sên­cia, no pri­mei­ro tur­no, po­de até ter al­gum im­pac­to po­si­ti­vo no ca­so de­le, de­vi­do a sua re­jei­ção al­ta”, pon­de­ra a pro­fes­so­ra de ci­ên­cia po­lí­ti­ca da Uni­camp e Ce­brap, An­dréa Mar­con­des de Frei­tas. Pa­ra a do­cen­te, es­ta elei­ção tem lan­ces inu­si­ta­dos e é im­pos­sí­vel fa­zer qual­quer con­jec­tu­ra. “O can­di­da­to lí­der nas pes­qui­sas es­ta­va pre­so e só ago­ra foi subs­ti­tuí­do. Ago­ra, o aten­ta­do a Bol­so­na­ro.” A pre­sen­ça fí­si­ca do can­di­da­to pe­lo país, afir­ma a pro­fes­so­ra, é par­te im­por­tan­te da cam­pa­nha. “Nes­te mo­men­to, creio que is­so não é cru­ci­al, por­que ele já es­tá no se­gun­do tur­no. Num se­gun­do tur­no tal­vez sim, es­ta au­sên­cia se­ja mui­to da­no­sa.”

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.