Vi­ce quer uma no­va Cons­ti­tui­ção fei­ta por no­tá­veis

Valor Econômico - - POLÍTICA - Ra­fa­el Mo­ro Martins

Can­di­da­to a vi­ce-pre­si­den­te na cha­pa de Jair Bol­so­na­ro, o ge­ne­ral Ha­mil­ton Mou­rão dis­se on­tem, em Cu­ri­ti­ba, ser fa­vo­rá­vel à ela­bo­ra­ção de uma no­va Cons­ti­tui­ção pa­ra o Bra­sil, “mais en­xu­ta” que a atu­al, e es­cri­ta pe­lo que ele de­fi­niu por uma “co­mis­são de no­tá­veis”, e não por uma as­sem­bleia cons­ti­tuin­te co­mo a de 1987, que ele clas­si­fi­cou co­mo “er­ro”.

“Uma [no­va] cons­ti­tuin­te não é o ca­so, foi um er­ro que nós co­me­te­mos no pas­sa­do, com um Con­gres­so que se tor­nou cons­ti­tuin­te. É me­lhor [ter] uma co­mis­são de no­tá­veis [pa­ra es­cre­ver a car­ta] e sub­me­ter o pro­ces­so a ple­bis­ci­to, pa­ra apro­va­ção da po­pu­la­ção”, dis­se, após fa­zer uma pa­les­tra a um au­di­tó­rio lo­ta­do no Ins­ti­tu­to de En­ge­nha­ria do Pa­ra­ná.

“Qu­em são os no­tá­veis? Aque­les gran­des ju­ris­tas, aque­les cons­ti­tu­ci­o­na­lis­tas, que têm co­nhe­ci­men­to do as­sun­to”, dis­se, ao ser ques­ti­o­na­do se o pro­ces­so que pro­põe se­ria de­mo­crá­ti­co.

“Uma Cons­ti­tui­ção não pre­ci­sa ser fei­ta por elei­tos pe­lo po­vo. Ti­ve­mos is­so em pe­río­do de­mo­crá­ti­co, em 1946. Não foi só o Con­gres­so que a re­di­giu. Es­sa é a mi­nha vi­são, não é a opi­nião do Bol­so­na­ro”, res­sal­vou.

Mou­rão er­rou so­bre 1946. A cons­ti­tuin­te da­que­le ano foi fei­ta pe­los de­pu­ta­dos e se­na­do­res elei­tos no ano an­te­ri­or. Os tra­ba­lhos da as­sem­bleia pro­lon­ga­ram-se por se­te me­ses e 16 di­as, en­cer­ran­do-se a 18 de se­tem­bro, da­ta em que foi pro­mul­ga­da a Car­ta. Se­gun­do o Di­ci­o­ná­rio His­tó­ri­co-Bi­bli­o­grá­fi­co da Fun­da­ção Ge­tú­lio Var­gas, “di­ver­sa­men­te do que ocor­re­ra em 1891 e 1934, a Cons­ti­tuin­te de 1946 não re­ce­beu an­te­pro­je­to que ser­vis­se de ba­se pa­ra as su­as de­li­be­ra­ções. Por is­so, te­ve ela de ini­ci­ar a sua ta­re­fa pe­la ela­bo­ra­ção de pro­je­to a ser sub­me­ti­do à con­si­de­ra­ção do ple­ná­rio.”

Nun­ca hou­ve pro­pri­a­men­te uma cons­ti­tui­ção ela­bo­ra­da por no­tá­veis e sub­me­ti­da a ple­bis­ci­to. A de 1824 foi ou­tor­ga­da pe­lo im­pe­ra­dor Dom Pedro I. As de 1891, 1934, 1946 e 1988 fo­ram pro­mul­ga­das por as­sem­blei­as cons­ti­tuin­tes. As de 1937 e 1967 fo­ram ela­bo­ra­das pe­lo Mi­nis­té­rio da Jus­ti­ça, du­ran­te os go­ver­nos di­ta­to­ri­ais de Ge­tú­lio Var­gas e Humberto Cas­te­lo Bran­co

“O que ele pro­põe é te­me­rá­rio”, dis­se a pro­fes­so­ra Vera Ka­ram, es­pe­ci­a­lis­ta em di­rei­to cons­ti­tu­ci­o­nal e di­re­to­ra da Fa­cul­da­de de Di­rei­to da Uni­ver­si­da­de Fe­de­ral do Pa­ra­ná (UFPR). “É tí­pi­co de di­ta­do­res, que acham que is­so confere le­gi­ti­mi­da­de. Uma bo­ba­gem. O po­der cons­ti­tuin­te, ou é de­mo­crá­ti­co des­de o co­me­ço, ou não é de­mo­crá­ti­co. Não dá pra ter meia de­mo­cra­cia.”

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.