“O PSDB não tem na­da a ver com Te­mer”

Tu­ca­no ad­mi­tiu que par­ti­do que pre­si­de es­tá fra­gi­li­za­do, mas afir­ma que des­gas­te é de to­do o sis­te­ma

Valor Econômico - - | POLÍTICA SABATINA 'O GLOBO', 'VALOR' E 'ÉPOCA' - Cris­ti­an Klein e Ro­dri­go Car­ro Es­cân­da­los do PSDB Go­ver­no Te­mer é mui­to ruim À es­pe­ra de 2014 Ajus­te fis­cal sem gra­du­a­lis­mo Bol­so­na­ro, pu­ro cor­po­ra­ti­vis­mo In­ver­são do ônus da pro­va Lei do agro­tó­xi­co Sa­lá­rio mí­ni­mo e apo­sen­ta­do­ria Pre­ços dos com­bus­tí­veis A

O pre­si­den­ciá­vel Ge­ral­do Alck­min (PSDB) es­tá num em­bo­la­do se­gun­do lu­gar — em em­pa­te téc­ni­co com Ci­ro Go­mes (PDT), Ma­ri­na Sil­va (Re­de) e Fer­nan­do Had­dad (PT) — mas des­fe­riu su­as crí­ti­cas mais du­ras ao pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca Mi­chel Te­mer, ao par­ti­ci­par on­tem da sa­ba­ti­na “O Glo­bo”, Va­lor e “Épo­ca”. “Pri­mei­ro, não tem vo­to, já é uma di­fi­cul­da­de. Se­gun­do, é um go­ver­no mui­to ruim, to­tal­men­te dis­tan­ci­a­do do po­vo. O go­ver­no mo­der­no tem que di­a­lo­gar, pres­tar con­tas”, dis­se o tu­ca­no, que pro­cu­rou afas­tar sua ima­gem da ad­mi­nis­tra­ção do eme­de­bis­ta.

Alck­min afir­mou que os car­gos ain­da ocu­pa­dos pe­lo PSDB no go­ver­no Te­mer — co­mo o do mi­nis­tro das Re­la­ções Ex­te­ri­o­res Aloy­sio Nu­nes — são em “ca­rá­ter pes­so­al”. “O PSDB não tem na­da a ver com es­se go­ver­no”, dis­se. Os tu­ca­nos, no en­tan­to, che­ga­ram a ocu­par qua­tro pas­tas com sta­tus de mi­nis­té­rio, co­mo Jus­ti­ça, Ci­da­des, Go­ver­no e Di­rei­tos Hu­ma­nos.

O ex-go­ver­na­dor de São Pau­lo ne­gou ter in­di­ca­do seu en­tão se­cre­tá­rio de Se­gu­ran­ça Pú­bli­ca e ho­je mi­nis­tro do Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral (STF), Ale­xan­dre de Mo­ra­es, pa­ra o mi­nis­té­rio da Jus­ti­ça a pe­di­do de Te­mer. “Ima­gi­na, se de­pen­des­se de mim o Ale­xan­dre ja­mais te­ria saí­do do go­ver­no do Es­ta­do. Ago­ra, não pos­so proi­bir. Ele qu­e­ria. Se de­pen­des­se de mim te­ria fi­ca­do”, afir­mou.

O tu­ca­no dis­se que foi “to­tal­men­te con­tra” a en­tra­da do PSDB no go­ver­no e que foi o PT qu­em es­co­lheu Te­mer co­mo vi­ce, que as­cen­deu de­pois do im­pe­a­ch­ment de Dil­ma Rous­seff. Ques­ti­o­na­do so­bre o mo­vi­men­to que deu sus­ten­ta­ção ao im­pe­di­men­to da pe­tis­ta, en­ca­be­ça­do por MDB e PSDB, Alck­min afir­mou que foi “o úl­ti­mo a [apoi­ar] es­sa ques­tão de im­pe­a­ch­ment”.

A par­ce­ria do PSDB com o go­ver­no ex­tre­ma­men­te im­po­pu­lar de Mi­chel Te­mer se tor­nou tão tó­xi­ca às pre­ten­sões de Alck­min ao Pla­nal­to que a es­tra­té­gia pre­do­mi­nan­te do tu­ca­no des­de o ano pas­sa­do é se dis­tan­ci­ar ao má­xi­mo do pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca. Em re­vi­de, na se­ma­na pas­sa­da, Te­mer o ata­cou num ví­deo di­vul­ga­do em re­des so­ci­ais, afir­man­do que o tu­ca­no pro­pa­ga “fal­si­da­des” ao fa­lar do fra­cas­so de seu go­ver­no e que os par­ti­dos que o com­põem são pra­ti­ca­men­te os mes­mos da co­li­ga­ção elei­to­ral do PSDB. Alck­min con­si­de­rou o ví­deo “fo­ra do tom”.

O pre­si­den­ciá­vel tam­bém ne­gou par­ti­ci­pa­ção em de­nún­ci­as de de­la­to­res da Ope­ra­ção La­va-Ja­to e se dis­se sur­pre­en­di­do pe­los es­cân­da­los des­ta se­ma­na que atin­gi­ram co­le­gas do PSDB, co­mo o ex-go­ver­na­dor do Pa­ra­ná Be­to Ri­cha, que foi pre­so, e o go­ver­na­dor do Ma­to Gros­so do Sul, Rei­nal­do Azam­bu­ja, al­vo de bus­ca e apre­en­são em ope­ra­ção da Po­lí­cia Fe­de­ral. “Que se in­ves­ti­gue, se pu­na os cul­pa­dos e se ab­sol­va os ino­cen­tes, eles de­vem se ex­pli­car”, afir­mou.

So­bre os dois ex-pre­si­den­tes do PSDB Edu­ar­do Aze­re­do e Aé­cio Ne­ves, o pri­mei­ro con­de­na­do e o se­gun­do in­ves­ti­ga­do por cor­rup­ção, Alck­min se jus­ti­fi­cou afir­man­do que “to­dos os par­ti­dos es­tão fra­gi­li­za­dos, in­clu­si­ve o meu”. Ques­ti­o­na­do se par­ti­do aju­da mais do que atra­pa­lha, mi­ni­mi­zou a im­por­tân­cia das agre­mi­a­ções po­lí­ti­cas: “Nin­guém vai vo­tar em par­ti­do po­lí­ti­co, vai vo­tar nas pes­so­as”. No en­tan­to, fez ques­tão de lem­brar que sem­pre foi an­ti­pe­tis­ta, ao con­trá­rio dos “50 tons de PT” na cor­ri­da elei­to­ral, quan­do ci­tou Had­dad, Ci­ro, Ma­ri­na, Gui­lher­me Bou­los (Psol) e até Hen­ri­que Mei­rel­les (MDB), ex-pre­si­den­te do Ban­co Cen­tral no go­ver­no Lu­la.

Alck­min afir­mou que foi o “úni­co con­tra” a pror­ro­ga­ção do man­da­to de Aé­cio na pre­si­dên­cia do PSDB. “Ele te­ve, sal­vo en­ga­no, 38 vo­tos a fa­vor na Exe­cu­ti­va e dois vo­tos con­tra, os dois a meu pe­di­do”, con­tou. Ao ser in­da­ga­do por que não mo­bi­li­zou o par­ti­do pa­ra afas­tar Aé­cio de­pois das de­nún­ci­as da La­va-Ja­to con­tra o senador, Alck­min ale­gou, con­tu­do, que nun­ca te­ve in­fluên­cia na di­re­ção na­ci­o­nal — ain­da que se­ja um dos mai­o­res ca­ci­ques do PSDB: “Nun­ca ti­ve [li­de­ran­ça], nun­ca par­ti­ci­pei de vi­da par­ti­dá­ria. Pas­sei oi­to anos me de­di­can­do à po­lí­ti­ca de São Pau­lo”.

O pre­si­den­ciá­vel clas­si­fi­cou de “ne­gó­cio es­qui­si­to” a ação de im­pro­bi­da­de ad­mi­nis­tra­ti­va ajui­za­da con­tra ele pe­lo Mi­nis­té­rio Pú­bli­co pau­lis­ta, na se­ma­na pas­sa­da. De acor­do com a ação, o ex­go­ver­na­dor te­ria re­ce­bi­do pe­lo me­nos R$ 7,8 mi­lhões da Ode­bre­cht pa­ra fi­nan­ci­ar sua cam­pa­nha à re­e­lei­ção, há qua­tro anos, por meio de cai­xa dois. Alck­min afir­mou que o ca­so “já foi de­ci­di­do lá pe­lo Su­pe­ri­or Tri­bu­nal de Jus­ti­ça e pe­lo Mi­nis­té­rio Pú­bli­co Fe­de­ral”. “Tan­to é que o pro­mo­tor que en­trou há 30 di­as da elei­ção com uma me­di­da, ele já es­tá no CNMP”, dis­se, nu­ma re­fe­rên­cia ao Con­se­lho Na­ci­o­nal do Mi­nis­té­rio Pú­bli­co, que es­tá in­ves­ti­gan­do pro­mo­to­res que acu­sa­ram po­lí­ti­cos, en­tre eles Had­dad, em meio à cam­pa­nha elei­to­ral.

Se­guem os prin­ci­pais te­mas tra­ta­dos pe­lo pre­si­den­ciá­vel na sa­ba­ti­na:

O can­di­da­to do PSDB afir­mou que foi o úni­co con­trá­rio à re­e­lei­ção de Aé­cio Ne­ves (MG) pa­ra o car­go de pre­si­den­te do par­ti­do, de­pois do es­cân­da­lo que atin­giu o senador no ano pas­sa­do, quan­do veio a pú­bli­co uma gra­va­ção em que pe­dia R$ 2 mi­lhões ao em­pre­sá­rio Jo­es­ley Ba­tis­ta. “Os dois vo­tos con­tra na Exe­cu­ti­va [do PSDB] fo­ram a meu pe­di­do”, afir­mou Alck­min. Du­ran­te a sa­ba­ti­na, o can­di­da­to foi ques­ti­o­na­do so­bre a pri­são do tu­ca­no Be­to Ri­cha, ex-go­ver­na­dor do Pa­ra­ná, e so­bre a ope­ra­ção da Po­lí­cia Fe­de­ral que re­sul­tou em bus­ca e apre­en­são na ca­sa e no ga­bi­ne­te do go­ver­na­dor do Ma­to Gros­so do Sul, Rei­nal­do Azam­bu­ja. “Não va­mos pas­sar a mão na ca­be­ça de nin­guém”, re­a­fir­mou Alck­min, pa­ra de­pois men­ci­o­nar a ques­tão da pre­sun­ção da ino­cên­cia. “Que se in­ves­ti­gue, se pu­na os cul­pa­dos e se ab­sol­va os ino­cen­tes, eles de­vem se ex­pli­car”, dis­se.

Alck­min qua­li­fi­cou co­mo “mui­to ruim” o go­ver­no do pre­si­den­te Mi­chel Te­mer, que — na opi­nião do tu­ca­no — pe­ca por es­tar “to­tal­men­te dis­tan­ci­a­do do po­vo”. “Go­ver­no mo­der­no tem de di­a­lo­gar”, dis­se o can­di­da­to, de­pois de re­a­fir­mar que o gran­de pro­ble­ma da ad­mi­nis­tra­ção atu­al é não ter vo­to. Ele res­sal­tou que foi con­trá­rio à par­ti­ci­pa­ção do PSDB no atu­al go­ver­no. Pa­ra Alck­min, os ad­ver­sá­ri­os Ci­ro Go­mes (PDT), Ma­ri­na Sil­va (Re­de) e Gui­lher­me Bou­los (Psol) são “ado­ra­do­res de Lu­la”.

Ne­nhum dos can­di­da­tos que dis­pu­tam a pre­si­dên­cia da Re­pú­bli­ca es­tá ga­ran­ti­do no se­gun­do tur­no, ar­gu­men­tou o pre­si­den­ciá­vel tu­ca­no. “As úl­ti­mas elei­ções já fo­ram as­sim, de­ci­são nos úl­ti­mos 15 di­as, nos úl­ti­mos se­te di­as”, dis­se ele, acres­cen­tan­do que a dis­pu­ta “es­tá to­tal­men­te aber­ta”. À me­di­da em que se apro­xi­ma a vo­ta­ção do pri­mei­ro tur­no, Alck­min acre­di­ta que o vo­to útil ten­de a cres­cer. “Es­sa é uma elei­ção de che­ga­da”, ar­gu­men­tou. “A de­ci­são do po­vo, do vo­to, vai ser mais lá na fren­te”, dis­se. Pa­ra sus­ten­tar seu pon­to de vis­ta, Alck­min lem­brou que na elei­ção pre­si­den­ci­al pas­sa­da, por vol­ta des­sa mes­ma épo­ca, o en­tão can­di­da­to tu­ca­no Aé­cio Ne­ves ti­nha me­nos da me­ta­de das in­ten­ções de vo­to de Ma­ri­na Sil­va. Pos­te­ri­or­men­te, Ne­ves su­pe­rou Ma­ri­na e dis­pu­tou o se­gun­do tur­no com Dil­ma Rous­seff (PT).

“A mu­dan­ça é a lei da vi­da”. O tu­ca­no ci­tou o pre­si­den­te ame­ri­ca­no John F. Ken­nedy pa­ra di­zer que fa­rá um go­ver­no re­for­mis­ta (“En­quan­to es­tá pa­ra­do, es­tá an­dan­do pa­ra trás”), com mu­dan­ças no cam­pos tri­bu­tá­rio, po­lí­ti­co e pre­vi­den­ciá­rio, além do en­xu­ga­men­to do Es­ta­do. Na aná­li­se de Alck­min, as re­for­mas de­vem ser fei­tas lo­go no co­me­ço do man­da­to pa­ra apro­vei­tar o ca­pi­tal po­lí­ti­co de um pre­si­den­te re­cém-elei­to. O can­di­da­to afir­mou que vai ze­rar o dé­fi­cit fis­cal em dois anos, e cri­ti­cou a re­for­ma da Ar­gen­ti­na, que es­tá em cri­se. “Fa­zer ajus­te gra­du­al, co­mo na Ar­gen­ti­na, olha o que acon­te­ceu”, dis­se. O en­xu­ga­men­to da má­qui­na pú­bli­ca vai pas­sar por um cor­te de gas­tos e por uma agen­da de pri­va­ti­za­ções e con­ces­sões.

Econô­mi­co nas crí­ti­cas a Jair Bol­so­na­ro, Alck­min fez, no en­tan­to, al­guns ata­ques di­re­tos ao can­di­da­to do PSL. Clas­si­fi­cou o ad­ver­sá­rio co­mo fru­to do “pu­ro cor­po­ra­ti­vis­mo”. Bol­so­na­ro li­de­ra as pes­qui­sas de in­ten­ção de vo­to de­pois da de­ci­são do Tri­bu­nal Su­pe­ri­or Elei­to­ral (TSE) que im­pe­diu o re­gis­tro da can­di­da­tu­ra do ex-pre­si­den­te Luiz Iná­cio Lu­la da Sil­va (PT). “[São] se­te man­da­tos de­fen­den­do car­rei­ra, cor­po­ra­ção”, re­su­miu o tu­ca­no. Alck­min se dis­se con­trá­rio ao po­pu­lis­mo, in­de­pen­den­te­men­te do viés ide­o­ló­gi­co do can­di­da­to ou go­ver­no. “So­mos con­tra os po­pu­lis­mos, se­jam de di­rei­ta ou de es­quer­da. Is­so vai dar pro­ble­ma lá na fren­te”, es­cla­re­ceu.

Ao res­pon­der uma per­gun­ta so­bre o com­ba­te à cor­rup­ção, o tu­ca­no de­fen­deu a in­ver­são do “ônus da pro­va” pa­ra po­lí­ti­cos e fun­ci­o­ná­ri­os pú­bli­cos que apre­sen­tem au­men­to pa­tri­mo­ni­al sem que se­ja pos­sí­vel de­ter­mi­nar a ori­gem dos re­cur­sos. “[Vo­cê] In­ver­te o ônus da pro­va pa­ra qu­em es­tá na vi­da pú­bli­ca”, propôs. O can­di­da­to do PSDB se mos­trou fa­vo­rá­vel, in­clu­si­ve, ao con­fis­co de bens nos ca­sos de en­ri­que­ci­men­to em que não é pos­sí­vel com­pro­var a ori­gem lí­ci­ta dos re­cur­sos.

Alck­min ar­gu­men­tou a fa­vor do Pro­je­to de Lei 6299/02, que sim­pli­fi­ca o re­gis­tro de agro­tó­xi­cos, a des­pei­to das crí­ti­cas que o PL vem re­ce­ben­do de am­bi­en­ta­lis­tas e de pro­fis­si­o­nais da área de saú­de. Já a ban­ca­da ru­ra­lis­ta sus­ten­ta que a le­gis­la­ção atu­al es­tá de­fa­sa­da e é ex­ces­si­va­men­te bu­ro­crá­ti­ca, o que di­fi­cul­ta o re­gis­tro de pro­du­tos no­vos jun­to aos ór­gãos re­gu­la­do­res. Pa­ra o tu­ca­no, o país não po­de es­pe­rar pe­la apro­va­ção de en­ti­da­des do go­ver­no, que, se­gun­do ele, de­mo­ram até oi­to anos pa­ra con­ce­der o re­gis­tro de uma mo­lé­cu­la en­quan­to ou­tros paí­ses já a uti­li­zam. “O mun­do in­tei­ro apro­vou e o Bra­sil es­tá es­pe­ran­do o ‘car­tó­rio’ apro­var. O prin­cí­pio é que as coi­sas pre­ci­sam ter pra­zo. Vou trom­bar com as cor­po­ra­ções. Es­ta­mos num mun­do que é de mu­dan­ça, e a ve­lo­ci­da­de é gran­de”, jus­ti­fi­cou.

O pi­so de apo­sen­ta­do­ri­as e pen­sões pa­gas pe­lo INSS con­ti­nu­a­ria vin­cu­la­do ao sa­lá­rio mí­ni­mo ca­so o can­di­da­to tu­ca­no se­ja elei­to pre­si­den­te. Além de man­ter a vin­cu­la­ção, Alck­min pro­me­teu que o sa­lá­rio mí­ni­mo se­rá re­a­jus­ta­do aci­ma da in­fla­ção no seu go­ver­no. No mo­de­lo de­fen­di­do pe­lo can­di­da­to do PSDB, a par­tir de uma fu­tu­ra re­for­ma da Pre­vi­dên­cia, os no­vos en­tran­tes no ser­vi­ço pú­bli­co te­ri­am su­as apo­sen­ta­do­ri­as li­mi­ta­das pe­lo te­to do INSS. “Fun­ci­o­ná­rio pú­bli­co te­rá o te­to do INSS. A par­tir daí se­rá pre­vi­dên­cia com­ple­men­tar”, afir­mou Alck­min, acres­cen­tan­do que é fa­vo­rá­vel a um sis­te­ma de “con­tri­bui­ção de­fi­ni­da” (com ca­pi­ta­li­za­ção in­di­vi­du­al) e não de “be­ne­fí­cio de­fi­ni­do”. Alck­min acres­cen­tou que, ca­so se­ja elei­to, o di­nhei­ro do Fun­do de Ga­ran­tia por Tem­po de Ser­vi­ço (FGTS) se­rá cor­ri­gi­do pe­la Ta­xa de Lon­go Pra­zo (TLP). “Me­ta­de, ele po­de apli­car on­de qui­ser. Po­de apli­car no CDI [Cer­ti­fi­ca­do de De­pó­si­to In­ter­ban­cá­rio], na bol­sa”, ex­pli­cou.

Alck­min propôs re­a­jus­tes no pre­ço do di­e­sel fei­tos num pra­zo de 30 a 60 di­as. E, tam­bém, a cri­a­ção de um im­pos­to re­gu­la­tó­rio pa­ra es­ta­bi­li­zar o pre­ço do com­bus­tí­vel de acor­do com as os­ci­la­ções do mer­ca­do in­ter­na­ci­o­nal. A alí­quo­ta do im­pos­to re­gu­la­tó­rio — um “col­chão tri­bu­tá­rio”, se­gun­do Alck­min — cai­ria quan­do o pre­ço do com­bus­tí­vel au­men­tas­se no mer­ca­do in­ter­na­ci­o­nal, e su­bi­ria quan­do a co­ta­ção se re­du­zis­se. “O que não po­de é re­a­jus­te diá­rio [co­mo no go­ver­no Te­mer, an­tes da gre­ve dos ca­mi­nho­nei­ros], nem po­de con­ge­lar co­mo o PT fez”, fri­sou o ex-go­ver­na­dor de São Pau­lo.

O can­di­da­to do PSDB se dis­se ho­je fa­vo­rá­vel ao sis­te­ma de co­tas ra­ci­ais pe­lo me­nos até que ha­ja uma me­lho­ria na edu­ca­ção bá­si­ca no país. “Não po­de­mos tra­tar de ma­nei­ra igual, de­si­guais. No fu­tu­ro, cer­ta­men­te ele não vai pre­ci­sar”, dis­se. “O pes­so­al ri­co faz es­co­la par­ti­cu­lar chi­que e aí ocu­pa as va­gas na uni­ver­si­da­de gra­tui­ta. En­tão, a co­ta es­tá cor­re­ta. Até que a gen­te con­si­ga avan­çar mais na qua­li­da­de da edu­ca­ção bá­si­ca, a co­ta é ne­ces­sá­ria”. Na opi­nião de­le, a plu­ra­li­da­de é es­sen­ci­al pa­ra o país. “O Bra­sil tem um dí­vi­da com as mu­lhe­res”, exem­pli­fi­cou.

MÁR­CIA FOLETTO/AGÊN­CIA O GLO­BO

Alck­min, pro­cu­ran­do de­mar­car dis­tân­cia do go­ver­no fe­de­ral: Te­mer faz “um go­ver­no mui­to ruim, to­tal­men­te dis­tan­ci­a­do do po­vo. O go­ver­no mo­der­no tem que di­a­lo­gar, pres­tar con­tas”

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.