Pre­si­den­ciá­vel vê gran­des chan­ces de vi­tó­ria no 2 tur­no

Valor Econômico - - | POLÍTICA SABATINA 'O GLOBO', 'VALOR' E 'ÉPOCA' - André Ra­ma­lho

O can­di­da­to à Pre­si­dên­cia pe­lo PSDB, Ge­ral­do Alck­min, dis­se que vê co­mo gran­des as su­as chan­ces de ven­cer as elei­ções no se­gun­do tur­no.

Ele co­men­tou as pes­qui­sas elei­to­rais re­cém di­vul­ga­das e des­ta­cou que a in­ten­ção de vo­tos ne­le já che­gou a dois dí­gi­tos e com bai­xa ta­xa de re­jei­ção.

Alck­min rei­te­rou que a elei­ção se­rá de­ci­di­da nas úl­ti­mas se­ma­nas de cam­pa­nha.

“Não te­nho dú­vi­da dis­so. No se­gun­do tur­no, com re­jei­ção me­nor, te­mos gran­des chan­ces”, dis­se a jor­na­lis­tas após vi­si­tar o Ins­ti­tu­to Na­ci­o­nal de Cân­cer (In­ca), no Rio.

Ques­ti­o­na­do so­bre o im­pac­to do aten­ta­do ao can­di­da­to do PSL, Jair Bol­so­na­ro, so­bre as elei­ções, Alck­min dis­se que se so­li­da­ri­za com o opo­nen­te, mas que o “de­ba­te pre­ci­sa con­ti­nu­ar”.

O tu­ca­no co­men­tou a po­lí­ti­ca de pre­ços da Pe­tro­bras. De­fen­deu a cri­a­ção de me­ca­nis­mos tri­bu­tá­ri­os pa­ra cri­ar um “col­chão” que ame­ni­ze os im­pac­tos da os­ci­la­ção dos pre­ços dos com­bus­tí­veis e que os re­a­jus­tes de­ve­ri­am ser men­sais ou a ca­da 60 di­as, mas que o go­ver­no não po­de vol­tar a con­tro­lar pre­ços.

Alck­min tam­bém de­fen­deu a ne­ces­si­da­de de atra­ção de in­ves­ti­men­tos pri­va­dos pa­ra o re­fi­no.

O can­di­da­to dis­se que a pro­mes­sa de ze­rar o dé­fi­cit pú­bli­co em dois anos não é uma fan­ta­sia. “Não po­de pas­sar dis­so [ze­rar o dé­fi­cit]”, dis­se o tu­ca­no, ci­tan­do que, en­quan­to go­ver­na­dor de São Pau­lo, en­tre­gou su­pe­rá­vits mes­mo em meio às cri­se econô­mi­ca.

Alck­min dis­se ain­da que, co­mo mé­di­co, tem co­mo de­ver me­lho­rar a ges­tão da saú­de pú­bli­ca no país. E dis­se que um dos seus com­pro­mis­sos na área se­rá re­a­brir lei­tos fe­cha­dos e re­to­mar obras pa­ra­li­sa­das, co­mo a ex­pan­são do In­ca.

Se­gun­do ele, is­so se­rá pos­sí­vel com a re­cu­pe­ra­ção da eco­no­mia: “Re­cu­pe­ran­do o cres­ci­men­to da eco­no­mia, ar­re­ca­da­mos mais.”

O tu­ca­no dis­se ain­da que o que fal­ta pa­ra o país vol­tar a re­cu­pe­rar sua eco­no­mia é con­fi­an­ça. E des­ta­cou que sua ges­tão fo­ca­rá no cor­te de “des­pe­sas su­pér­flu­as”, pri­va­ti­za­ções e re­ver sub­sí­di­os. “Se­rá que to­dos se jus­ti­fi­cam em cus­to be­ne­fí­cio?”, ques­ti­o­nou.

Em se­gui­da, o tu­ca­no cum­priu agen­da no Sa­a­ra, cen­tro de co­mér­cio po­pu­lar no Rio de Ja­nei­ro, on­de de­fen­deu a cri­a­ção de pro­gra­mas de mi­cro­cré­di­to.

“Não tem país no mun­do com pe­que­nos em­pre­en­de­do­res com a re­si­li­ên­cia do bra­si­lei­ro. Qu­e­ro um gran­de pro­gra­ma de mi­cro­cré­di­to. Não tem que sub­si­di­ar gran­des cam­peões na­ci­o­nais”, dis­se.

O ato de cam­pa­nha no Sa­a­ra, por on­de an­dou por qua­se uma ho­ra, fo­cou em pau­tas po­pu­la­res, co­mo com­ba­te a cri­mi­na­li­da­de e pro­gra­mas de ali­men­ta­ção po­pu­lar e al­fa­be­ti­za­ção.

Pa­ra fun­da­men­tar a de­cla­ra­ção, ao tu­ca­no era atri­buí­da a res­pon­sa­bi­li­da­de por re­du­zir as ta­xas de ho­mi­cí­dio em São Pau­lo pa­ra os pa­ta­ma­res mais bai­xos do país e pe­la po­pu­la­ri­za­ção do pro­gra­ma Bom Prato, de ali­men­ta­ção po­pu­lar, em São Pau­lo.

O tu­ca­no pa­rou pa­ra to­mar ca­fé num res­tau­ran­te po­pu­lar do Sa­a­ra e pa­rou pa­ra um bre­ve dis­cur­so em que se dis­se “apai­xo­na­do pe­lo Rio”. “Va­mos re­cu­pe­rar o Rio. Ta­mo jun­to Sa­a­ra”, dis­se, acom­pa­nha­do da can­di­da­ta ao Se­na­do, As­pá­sia Ca­mar­go, e in­te­gran­tes do PSDB no Rio, co­mo o de­pu­ta­do es­ta­du­al Car­los Osó­rio.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.