Trump co­lo­ca em dú­vi­da ne­go­ci­a­ção com a Chi­na

Pre­si­den­te vol­ta a atro­pe­lar es­for­ços de ne­go­ci­a­ção do Te­sou­ro

Valor Econômico - - INTERNACIONAL - De­me­tri Se­vas­to­pu­lo e Ja­mes Po­li­ti (Com Sher­ry Fei Ju e Ar­chie Zhang, de Pe­quim)

O pre­si­den­te dos EUA, Do­nald Trump, re­du­ziu as ex­pec­ta­ti­vas com re­la­ção a uma no­va ro­da­da de ne­go­ci­a­ções co­mer­ci­ais com a Chi­na. Com is­so, pôs em ris­co o es­for­ço do se­cre­tá­rio do Te­sou­ro, Ste­ven Mnu­chin, de re­to­mar um diá­lo­go com Pe­quim.

Pe­lo Twit­ter, Trump — que ame­a­ça le­var adi­an­te no­vas ta­ri­fas so­bre US$ 200 bi­lhões em pro­du­tos chi­ne­ses — dis­se que os EUA “não se sen­tem pres­si­o­na­dos a fe­char um acor­do”. A Chi­na, dis­se ele, es­tá sen­tin­do to­da pres­são pa­ra sus­pen­der a guer­ra co­mer­ci­al.

“Nos­sos mer­ca­dos es­tão bom­ban­do, os de­les es­tão nau­fra­gan­do. Es­ta­re­mos em bre­ve ar­re­ca­dan­do bi­lhões em ta­ri­fas & fa­zen­do pro­du­tos em ca­sa”, tui­tou o pre­si­den­te on­tem pe­la ma­nhã.

Mnu­chin fez um ges­to de aber­tu­ra pa­ra com a Chi­na ao pro­por ne­go­ci­a­ções com Liu He, a au­to­ri­da­de econô­mi­ca má­xi­ma da Chi­na, o que de­sar­ma­ria ten­sões e im­pe­di­ria os EUA de le­var à fren­te as no­vas ta­ri­fas, de acor­do com pes­soa fa­mi­li­a­ri­za­da com as dis­cus­sões en­tre Pe­quim e Washington.

O Mi­nis­té­rio das Re­la­ções Ex­te­ri­o­res e o Mi­nis­té­rio de Co­mér­cio da Chi­na dis­se­ram on­tem que Pe­quim re­ce­beu bem a son­da­gem e que es­tá co­or­de­nan­do os de­ta­lhes com os EUA.

Mas a in­ter­ven­ção de Trump se ar­ris­ca a de­ses­ta­bi­li­zar as no­vas ne­go­ci­a­ções mes­mo an­tes de te­rem co­me­ça­do, ao tor­nar mais di­fí­cil pa­ra Pe­quim as­su­mir um com­pro­mis­so. O tuí­te pre­si­den­ci­al mais uma vez cha­ma a aten­ção pa­ra um dos prin­ci­pais pro­ble­mas en­fren­ta­dos por Pe­quim na ten­ta­ti­va de ne­go­ci­ar com o go­ver­no ame­ri­ca­no: qu­al se­ria a au­to­ri­da­de que es­ta­ria re­al­men­te fa­lan­do em no­me do pre­si­den­te dos EUA.

Mnu­chin e Lar­ry Ku­dlow, o as­ses­sor econô­mi­co da Ca­sa Bran­ca, não são tão apai­xo­na­dos por ta­ri­fas, en­quan­to Robert Lighthi­zer, o re­pre­sen­tan­te co­mer­ci­al dos EUA (USTR), e Pe­ter Na­var­ro, o as­ses­sor de co­mér­cio ex­te­ri­or da Ca­sa Bran­ca, são for­tes de­fen­so­res de exer­cer o mai­or grau de pres­são pos­sí­vel so­bre Pe­quim, ao cal­cu­la­rem uma ren­di­ção da Chi­na. Lighthi­zer e Na­var­ro não opi­na­ram so­bre a pers­pec­ti­va de no­vas ne­go­ci­a­ções com a Chi­na, en­quan­to Ku­dlow as apoi­ou.

“Na mai­o­ria dos ca­sos con­ver­sar é me­lhor do que não con­ver­sar, por is­so en­ca­ro is­so com po­si­ti­vo”, dis­se Ku­dlow à Fox Bu­si­ness Network na quar­ta-fei­ra.

A opor­tu­ni­da­de de no­vas ne­go­ci­a­ções ocor­re após me­ses de im­pas­se, du­ran­te os quais am­bos os la­dos per­ma­ne­ce­ram afer­ra­dos a su­as po­si­ções. Trump já impôs ta­ri­fas so­bre US$ 50 bi­lhões em pro­du­tos im­por­ta­dos da Chi­na, pro­vo­can­do uma re­ta­li­a­ção de Pe­quim. O pre­si­den­te dos EUA ad­ver­tiu que es­tá pre­pa­ra­do pa­ra ado­tar ta­ri­fas so­bre mais US$ 200 bi­lhões em pro­du­tos chi­ne­ses e que po­de­rá ele­var o vo­lu­me de ar­ti­gos afe­ta­dos pe­las so­bre­ta­xas em mais US$ 267 bi­lhões.

A Chi­na con­cla­mou Mnu­chin no ano pas­sa­do a se en­vol­ver mais nas ne­go­ci­a­ções co­mer­ci­ais, em par­te por­que re­lu­ta­va em tra­tar com Lighhi­zer. As au­to­ri­da­des chi­ne­sas che­ga­ram até a ins­tar per­so­na­li­da­des em­pre­sa­ri­ais ame­ri­ca­nas a pres­si­o­nar o se­cre­tá­rio do Te­sou­ro a au­men­tar seu grau de en­vol­vi­men­to.

Em­bo­ra Mnu­chin te­nha as­su­mi­do um pa­pel mui­to mais re­le­van­te des­de en­tão, ele foi, por ve­zes, atro­pe­la­do por Trump, o que le­van­ta in­ter­ro­ga­ções so­bre se a Chi­na po­de con­fi­ar em qual­quer ou­tra pes­soa que não o pró­prio pre­si­den­te. A União Eu­ro­peia (UE) se viu en­fren­tan­do o mes­mo di­le­ma, tem­po­ra­ri­a­men­te so­lu­ci­o­na­do por Je­an-Claude Junc­ker, o pre­si­den­te da Co­mis­são Eu­ro­peia, que se reu­niu com Trump em Washington. Trump tam­bém po­dou o se­cre­tá­rio de Co­mér­cio, Wil­bur Ross, no ano pas­sa­do, que ti­nha ar­ti­cu­la­do um acor­do com a Chi­na so­bre o ex­ces­so de ca­pa­ci­da­de da in­dús­tria si­de­rúr­gi­ca do país, ao re­pre­en­dê-lo em reu­nião na Ca­sa Bran­ca.

“É di­fí­cil vis­lum­brar qu­al se­ria a vi­são do go­ver­no de um des­fe­cho, a não ser a ca­pi­tu­la­ção to­tal da Chi­na a to­das as exi­gên­ci­as dos EUA”, dis­se Eswar Pra­sad, professor de po­lí­ti­ca de co­mér­cio ex­te­ri­or da Uni­ver­si­da­de Cor­nell. “Trump cla­ra­men­te se vê co­mo o que de­tém to­das as car­tas na guer­ra co­mer­ci­al com a Chi­na, e pa­re­ce pou­co dis­pos­to a ce­der um mi­lí­me­tro, o que tor­na di­fí­cil vis­lum­brar um ca­mi­nho na di­re­ção de um acor­do ne­go­ci­a­do.”

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.