Ven­das em que­da mos­tram per­da de ím­pe­to da eco­no­mia

Valor Econômico - - OPINIÃO -

Co­mo pa­re­ce ter acon­te­ci­do com o res­to da eco­no­mia, o va­re­jo en­trou em com­pas­so de es­pe­ra elei­to­ral. O co­mér­cio va­re­jis­ta per­deu fô­le­go tan­to no acu­mu­la­do do ano qu­an­to no dos úl­ti­mos do­ze me­ses, e cres­ceu me­nos. Tan­to o co­mér­cio am­pli­a­do, que agre­ga veí­cu­los e ma­te­ri­al de cons­tru­ção, qu­an­to o res­tri­to apre­sen­ta­ram mé­dia mó­vel tri­mes­tral ne­ga­ti­va — e cres­cen­te­men­te ne­ga­ti­va — no vo­lu­me de ven­das. Es­se é mais um si­nal de que a ex­pec­ta­ti­va pa­ra ex­pan­são do PIB con­ti­nu­a­rá sen­do re­bai­xa­da — o mais re­cen­te bo­le­tim Fo­cus apon­ta pa­ra uma ta­xa de 1,4%, cla­ra­men­te com viés de bai­xa.

Em­bo­ra ain­da se­ja pos­sí­vel que os in­di­ca­do­res te­nham so­fri­do al­gu­ma in­fluên­cia re­si­du­al da gre­ve dos ca­mi­nho­nei­ros e mes­mo con­si­de­ran­do que o co­mér­cio em 2017 foi es­ti­mu­la­do pe­la li­be­ra­ção do FGTS, as ven­das não vão bem. O pon­to de in­fle­xão tan­to pa­ra o va­re­jo res­tri­to co­mo pa­ra o am­pli­a­do ocor­reu em abril, mês an­te­ri­or à gre­ve. De lá pa­ra cá a mé­dia mó­vel tri­mes­tral do va­re­jo res­tri­to foi sem­pre ne­ga­ti­va. Com ajus­te sa­zo­nal e em re­la­ção ao mês an­te­ri­or, a mé­dia mó­vel além de ne­ga­ti­va é des­cen­den­te. No ca­so do co­mér­cio res­tri­to, sai de -0,2% em ju­nho pa­ra -0,8% em ju­lho. No am­pli­a­do, vai de -0,4% pa­ra -1,1%.

A dis­cri­mi­na­ção dos se­to­res em re­cuo e os pou­cos que avan­çam tam­bém não faz pre­ver ne­nhum de­sem­pe­nho ani­ma­dor à fren­te. No co­mér­cio co­mo um to­do há avan­ço em veí­cu­los e mo­tos, en­quan­to os de­mais cres­cem me­nos que na com­pa­ra­ção com ju­nho e al­guns, co­mo com­bus­tí­veis e equi­pa­men­tos pa­ra es­cri­tó­rio, in­for­má­ti­ca e co­mu­ni­ca­ção apro­fun­dam a per­for­man­ce ne­ga­ti­va.

Pu­xa­ram pa­ra bai­xo o ín­di­ce das ven­das te­ci­dos, ves­tuá­rio e cal­ça­dos, com va­ri­a­ção ne­ga­ti­va no mês de 8,4% (va­ri­a­ção po­si­ti­va de 1,2% em do­ze me­ses). São bens de­pen­den­tes dos sa­lá­ri­os e o re­sul­ta­do re­for­ça a in­di­ca­ção de que eles dei­xa­ram de ter ga­nhos re­ais ou pas­sa­ram a ter al­gu­ma per­da. O de­sem­pre­go al­to de­ses­ti­mu­la ab­so­lu­ta­men­te gas­tos su­pér­flu­os. Ou­tro ra­mo com que­da for­te em ju­lho, de -6,9% (al­ta de 5,2% em 12 me­ses) é o de mó­veis e ele­tro­do­més­ti­cos, mais de­pen­den­tes do cré­di­to, que me­lho­rou pa­ra as pes­so­as fí­si­cas ao lon­go do ano.

Pa­ra ne­nhum des­ses dois se­to­res, que re­pre­sen­tam pe­lo me­nos um ter­ço do ín­di­ce do va­re­jo res­tri­to, há pers­pec­ti­vas po­si­ti­vas. Não há in­dí­ci­os de que os sa­lá­ri­os e o em­pre­go pos­sam re­a­gir com al­gum vi­gor até pe­lo me­nos o fim das elei­ções e, de­pen­den­do de qu­em for elei­to pre­si­den­te, mes­mo de­pois. Os da­dos da in­dús­tria fo­ram ruins e, jun­to com os do va­re­jo, em­bo­ra se­jam su­pe­ri­o­res aos do mes­mo pe­río­do do ano pas­sa­do, não tão for­tes e fir­mes pa­ra afas­tar o ris­co de vol­ta à re­ces­são em 2019, se as ur­nas não pro­du­zi­rem uma in­je­ção de con­fi­an­ça e oti­mis­mo nos in­ves­ti­do­res e con­su­mi­do­res.

Por ou­tro la­do, o ra­mo que mais cres­ce, o de veí­cu­los e mo­tos, com 14,1% de ex­pan­são nos do­ze me­ses en­cer­ra­dos em ju­lho, di­fi­cil­men­te vai me­lho­rar mui­to seu de­sem­pe­nho. As ex­por­ta­ções de car­ros vem cain­do e po­dem cair mais, uma vez que, com a re­ces­são e a agu­da de­pre­ci­a­ção cam­bi­al do pe­so, o mer­ca­do ar­gen­ti­no, prin­ci­pal des­ti­no do pro­du­to bra­si­lei­ro, ca­po­tou.

Há fa­to­res po­si­ti­vos em ce­na, co­mo a in­fla­ção per­sis­ten­te­men­te abai­xo da me­ta, acom­pa­nha­da de de­fla­ção dos ali­men­tos, e a li­be­ra­ção do PIS-Pa­sep. Há ou­tros, po­rém, que vêm com o ci­clo elei­to­ral, que são fran­ca­men­te con­tra­ci­o­nis­tas da de­man­da. O re­al já se des­va­lo­ri­zou em 25% no ano e se se man­ti­ver nes­se ní­vel por mui­to mais tem­po aca­ba­rá ten­do al­gu­ma in­fluên­cia al­tis­ta nos pre­ços, o que não ocor­reu até ago­ra exa­ta­men­te por­que a de­man­da es­tá na lo­na. A in­cer­te­za so­bre o re­sul­ta­do da dis­pu­ta pre­si­den­ci­al tam­bém es­tá jo­gan­do os ju­ros pa­ra ci­ma — o ju­ro re­al dos con­tra­tos fu­tu­ros, que de fa­to ba­li­za a con­tra­ta­ção de em­prés­ti­mos, do­brou des­de 27 de abril, pa­ra 4,14%. Is­so sig­ni­fi­ca que em bre­ve os ju­ros pa­ra o cré­di­to ao con­su­mi­dor vol­ta­rão a su­bir, se o ga­nha­dor das elei­ções não de­mons­trar dis­po­si­ção e for­ça pa­ra con­ter a de­sas­tro­sa si­tu­a­ção fis­cal do país.

Al­gu­ma re­a­ção é pos­sí­vel no úl­ti­mo tri­mes­tre. Os in­ves­ti­men­tos não vi­rão até lá e o con­su­mo das fa­mí­li­as con­ti­nu­a­rá con­ti­do. Os efei­tos de­fa­sa­dos da po­lí­ti­ca mo­ne­tá­ria es­ti­mu­la­ti­va pa­re­cem ter se es­go­ta­do e o úni­co apoio pos­sí­vel pa­ra sus­ten­tar a re­to­ma­da é o da con­fi­an­ça, que de­pen­de das elei­ções. Ex­ce­to a si­tu­a­ção fis­cal, os fun­da­men­tos da eco­no­mia es­tão em re­la­ti­va or­dem e bas­ta um si­nal cla­ro so­bre o fu­tu­ro pa­ra que ela vol­te a ga­nhar ím­pe­to. Na­da ga­ran­te que ele se­rá da­do.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.