Os can­di­da­tos e su­as pro­pos­tas

Valor Econômico - - OPINIÃO - Ar­man­do Cas­te­lar Pinheiro

No co­me­ço do ano, che­guei a pen­sar que a eco­no­mia te­ria um pa­pel se­cun­dá­rio no de­ba­te elei­to­ral, que se­ria do­mi­na­do por te­mas co­mo se­gu­ran­ça pú­bli­ca, com­ba­te à cor­rup­ção e ques­tões de saú­de e edu­ca­ção. Mas não, a dra­má­ti­ca mu­dan­ça no am­bi­en­te ex­ter­no pa­ra os emer­gen­tes e a di­fi­cul­da­de da ati­vi­da­de e do em­pre­go se re­cu­pe­ra­rem aca­ba­ram por dar às pro­pos­tas econô­mi­cas dos pre­si­den­ciá­veis um lu­gar de des­ta­que.

É pos­sí­vel agru­par es­sas pro­pos­tas em dois gran­des te­mas. Um li­da com co­mo cor­ri­gir o gra­ve de­se­qui­lí­brio fis­cal que cor­rói a con­fi­an­ça dos agen­tes econô­mi­cas, com­pri­me o in­ves­ti­men­to e o con­su­mo e po­de lan­çar o país em no­va cri­se. Ou­tro, com me­di­das vol­ta­das pa­ra ques­tões es­tru­tu­rais, que se bem tra­ta­das po­dem des­tra­var o cres­ci­men­to da ca­pa­ci­da­de de pro­du­ção.

Em re­la­ção ao fis­cal, três te­mas se des­ta­cam: a re­for­ma da pre­vi­dên­cia; a re­for­ma tri­bu­tá­ria e, em es­pe­ci­al, pa­ra on­de le­var a car­ga tri­bu­tá­ria; e o que fa­zer com o te­to de gas­tos im­pos­to pe­la Emen­da Cons­ti­tu­ci­o­nal 95 (EC 95).

Qu­an­to à pre­vi­dên­cia, há mui­ta dis­cor­dân­cia, mas tam­bém um qua­se-con­sen­so so­bre igua­lar as re­gras pa­ra ser­vi­do­res pú­bli­cos às do INSS, ideia já con­tem­pla­da na pro­pos­ta en­vi­a­da pe­lo go­ver­no Te­mer ao Con­gres­so. Al­guns can­di­da­tos tam­bém de­fen­dem a ins­ti­tui­ção de um sis­te­ma de ca­pi­ta­li­za­ção, em que as apo­sen­ta­do­ri­as e pen­sões se­ri­am fun­ção ape­nas das con­tri­bui­ções in­di­vi­du­ais e do re­tor­no fi­nan­cei­ro que elas ob­ti­ves­sem ao lon­go da vi­da, co­mo ocor­re com os fun­dos de pen­são aber­tos.

É uma pro­pos­ta me­ri­tó­ria, mas de di­fí­cil im­ple­men­ta­ção. A ra­zão é sim­ples: se os atu­ais tra­ba­lha­do­res ca­pi­ta­li­za­rem su­as con­tri­bui­ções em con­tas in­di­vi­du­ais, o di­nhei­ro pa­ra pa­gar as pen­sões e apo­sen­ta­do­ri­as atu­ais te­ria de vir de ou­tro lu­gar. Mas de on­de? O país não tem re­cur­sos pú­bli­cos so­bran­do pa­ra fi­nan­ci­ar a cus­to­sa tran­si­ção pa­ra o no­vo re­gi­me, nem es­pa­ço pa­ra au­men­tar sua dí­vi­da na mag­ni­tu­de ne­ces­sá­ria pa­ra is­so. Por is­so, acho que o mais pro­vá­vel é que, em me­nor ou mai­or grau, qu­em quer que se­ja elei­to abra­ce a re­for­ma da pre­vi­dên­cia que es­tá no Con­gres­so, pos­si­vel­men­te ain­da no úl­ti­mo bi­mes­tre de 2018.

Os can­di­da­tos se di­vi­dem en­tre os que pro­põem au­men­tar im­pos­tos e os que fo­cam em cor­te de gas­tos. Pen­so que qu­em quer que ga­nhe vai ten­tar ele­var a car­ga tri­bu­tá­ria, sen­do que al­guns bus­ca­rão gran­des au­men­tos: só não acho que se­rá tão fá­cil. Tam­bém não acre­di­to que uma am­pla re­for­ma tri­bu­tá­ria, com a im­plan­ta­ção de um IVA na­ci­o­nal, vá es­tar na agen­da de 2019, ain­da que con­si­de­re es­se um bom ca­mi­nho.

O te­to de gas­tos vi­rou qua­se uma “Ge­ni” elei­to­ral: a mai­o­ria se pro­põe a re­vo­gá-lo, al­te­rá-lo ou si­len­cia so­bre o que vai fa­zer. Por ou­tro la­do, há qu­em pro­me­ta ze­rar o dé­fi­cit pri­má­rio em um ou dois anos, sem au­men­tar a car­ga tri­bu­tá­ria, o que exi­gi­ria uma que­da ain­da mais for­te do gas­to. As pro­mes­sas não pa­re­cem ba­ter umas com as ou­tras.

Eu pen­so que a EC 95 foi uma im­por­tan­te ân­co­ra de ex­pec­ta­ti- vas, que aju­dou a li­dar com a gran­de cri­se her­da­da pe­lo atu­al go­ver­no. Al­te­rá-la sem co­lo­car ou­tra ân­co­ra no lu­gar se­rá um enor­me ris­co, ain­da que não du­vi­de que cor­po­ra­ções e gru­pos de in­te­res­se que se be­ne­fi­ci­am do au­men­to de gas­to de­em gran­de apoio pa­ra se re­vo­gar a EC 95.

Os can­di­da­tos se di­fe­ren­ci­am mais qu­an­to às po­lí­ti­cas es­tru­tu­rais, in­do dos que de­fen­dem des­fa­zer as re­for­mas do go­ver­no Te­mer — re­for­ma tra­ba­lhis­ta, TLP, pri­va­ti­za­ções, con­ces­sões pa­ra ex­plo­ra­ção de pe­tró­leo, por exem­plo — a qu­em quer apro­fun­dar tu­do is­so, in­clu­si­ve com pro­gra­mas ra­di­cais de pri­va­ti­za­ções, aber­tu­ra co­mer­ci­al e re­du­ção da in­ter­ven­ção do Es­ta­do na eco­no­mia em ge­ral. Tam­bém há di­fe­ren­ças re­le­van­tes no que tan­ge à po­lí­ti­ca mo­ne­tá­ria, com al­guns can­di­da­tos que­ren­do re­for­çar a au­to­no­mia do Ban­co Cen­tral no com­ba­te à in­fla­ção, en­quan­to ou­tros ca­mi­nham no sen­ti­do opos­to.

Eu pen­so que es­sas pro­pos­tas vão in­fluir no que acon­te­ce­rá nos pró­xi­mos qua­tro anos, pois há pou­co es­pa­ço pa­ra “es­te­li­o­na­tos elei­to­rais”: fa­zê-lo ti­ra­rá apoio e le­gi­ti­mi­da­de do elei­to. As­sim, em ou­tu­bro o elei­tor de fa­to es­ta­rá fa­zen­do uma es­co­lha im­por­tan­te so­bre pa­ra on­de vai a eco­no­mia. Não obs­tan­te, tam­bém acre­di­to que ou­tros três fa­to­res in­flu­en­ci­a­rão a po­lí­ti­ca econô­mi­ca do pró­xi­mo pre­si­den­te.

Pri­mei­ro, sua ca­pa­ci­da­de de ob­ter apoio po­lí­ti­co pa­ra su­as pro­pos­tas, den­tro e fo­ra do go­ver­no. Tan­to no fis­cal qu­an­to nas re­for­mas es­tru­tu­rais, há vá­ri­os gru­pos in­flu­en­tes com agen­das pró­pri­as, que po­dem ou não coin­ci­dir com a do no­vo go­ver­no. Se­gun­do, o de­se­jo do pre­si­den­te de bus­car a re­e­lei­ção em 2022. Is­so fa­rá com que evi­te po­lí­ti­cas que jo­guem o país em no­va cri­se, dan­do um mí­ni­mo de ra­ci­o­na­li­da­de à po­lí­ti­ca econô­mi­ca. Por fim, há o am­bi­en­te ex­ter­no, que po­de dar mais ou me­nos es­pa­ço pa­ra po­lí­ti­cas ir­res­pon­sá­veis. Ho­je es­se es­pa­ço pa­re­ce re­du­zi­do, mas is­so po­de mu­dar.

O can­di­da­to elei­to te­rá de apro­vei­tar os seis pri­mei­ros me­ses de go­ver­no pa­ra avan­çar com o que con­si­de­ra mais pri­o­ri­tá­rio. Ide­al­men­te não de­ve­ria fo­car em des­fa­zer po­lí­ti­cas que es­tão fun­ci­o­nan­do. Se nes­sa eta­pa não ga­nhar a con­fi­an­ça dos agen­tes econô­mi­cos, a si­tu­a­ção po­de se com­pli­car.

O te­to de gas­tos vi­rou uma “Ge­ni” elei­to­ral: a mai­o­ria se pro­põe a re­vo­gá-lo, al­te­rá-lo ou si­len­cia so­bre o te­ma

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.