Pis­tas se­cre­tas do aque­ci­men­to glo­bal

Pe­tro­lei­ras sa­bi­am da li­ga­ção en­tre seu pro­du­to e o aque­ci­men­to glo­bal. Por Ben­ja­min Fran­ta

Valor Econômico - - OPINIÃO - (Tradução de Ra­chel Wars­zaws­ki)

Cer­to dia de 1961, um economista ame­ri­ca­no cha­ma­do Daniel Ells­berg en­con­trou por aca­so um do­cu­men­to que con­ti­nha im­pli­ca­ções apo­ca­líp­ti­cas. Ells­berg, que as­ses­so­ra­va o go­ver­no dos Es­ta­dos Uni­dos em seus pla­nos se­cre­tos de guer­ra nu­cle­ar, ti­nha des­co­ber­to um do­cu­men­to que tra­zia uma es­ti­ma­ti­va ofi­ci­al do sal­do de ví­ti­mas fa­tais de um “pri­mei­ro ata­que” pre­ven­ti­vo à Chi­na e à União So­vié­ti­ca: apro­xi­ma­da­men­te 300 mi­lhões nes­ses paí­ses, e o do­bro dis­so mun­di­al­men­te.

Ells­berg fi­cou per­tur­ba­do com a exis­tên­cia de um pla­no des­se gê­ne­ro; anos de­pois, ele ten­tou va­zar os de­ta­lhes do ani­qui­la­men­to nu­cle­ar pa­ra a opi­nião pú­bli­ca. Em­bo­ra sua ten­ta­ti­va te­nha fra­cas­sa­do, Ells­berg fi­ca­ria fa­mo­so pos­te­ri­or­men­te por ter va­za­do o que veio a ser co­nhe­ci­do co­mo os Pa­péis do Pen­tá­go­no — a his­tó­ria se­cre­ta do go­ver­no dos EUA so­bre sua in­ter­ven­ção mi­li­tar no Vi­et­nã.

O amo­ral pla­ne­ja­men­to mi­li­tar dos EUA du­ran­te a Guer­ra Fria re­ver­be­ra o ex­ces­so de au­to­con­fi­an­ça os­ten­ta­do por ou­tro elen­co de per­so­na­gens que jo­ga com o des­ti­no da hu­ma­ni­da­de. Fo­ram re­ve­la­dos re­cen­te­men­te do­cu­men­tos se­cre­tos que de­ta­lham o que o se­tor ener­gé­ti­co sa­bia so­bre a li­ga­ção en­tre seus pro­du­tos e o aque­ci­men­to glo­bal. Mas, ao con­trá­rio dos pla­nos nu­cle­a­res do go­ver­no ame­ri­ca­no, o que o se­tor de­ta­lhou foi pos­to em prá­ti­ca.

Em 1980, em­pre­sas pe­tro­lí­fe­ras co­mo a Ex­xon e a Shell re­a­li­za­ram ava­li­a­ções in­ter­nas so­bre o dió­xi­do de car­bo­no li­be­ra­do pe­los com­bus­tí­veis fós­seis e pre­vi­ram as con­sequên­ci­as pla­ne­tá­ri­as des­sas emis­sões. Em 1982, por exem­plo, a Ex­xon pre­viu que, até por vol­ta do ano de 2090, os ní­veis de CO2 te­ri­am du­pli­ca­do em re­la­ção à dé­ca­da de 1800, e que is­so, de acor­do com o mais ele­va­do ní­vel ci­en­tí­fi­co da épo­ca, ele­va­ria as tem­pe­ra­tu­ras mé­di­as do pla­ne­ta em cer­ca de 3°C.

Em mo­men­to pos­te­ri­or da­que­la dé­ca­da, em 1988, um re­la­tó­rio in­ter­no da Shell pro­je­ta­va efei­tos se­me­lhan­tes, mas de­tec­ta­va tam­bém que o CO2 po­de­ria du­pli­car ain­da mais ce­do, até 2030. In­ter­na­men­te, es­sas em­pre­sas não con­tes­ta­vam as li­ga­ções en­tre seus pro­du­tos, o aque­ci­men­to glo­bal e a ca­la­mi­da­de eco­ló­gi­ca. Pe­lo con­trá­rio, sua pes­qui­sa con­fir­ma­va es­sas co­ne­xões.

A ava­li­a­ção da Shell pre­via uma ele­va­ção do ní­vel do mar de 60 cm a 70 cm, e ob­ser­va­va que o aque­ci­men­to po­de­ria tam­bém es­ti­mu­lar a de­sin­te­gra­ção da Ca­lo­ta Po­lar da An­tár­ti­da Oci­den­tal, o que re­sul­ta­ria em um au­men­to mun­di­al de “cin­co a seis me­tros” do ní­vel do mar. Is­so se­ria su­fi­ci­en­te pa­ra inun­dar paí­ses in­tei­ros de bai­xa al­ti­tu­de.

Os ana­lis­tas da Shell ad­ver­ti­ram tam­bém so­bre o “de­sa­pa­re­ci­men­to de ecos­sis­te­mas es­pe­cí­fi­cos ou so­bre des­trui­ção de ha­bi­tats”, pre­vi­ram um au­men­to de “en­chen­tes des­tru­ti­vas, de ex­ce­den­tes de água não ab­sor­vi­dos, e inun­da­ções de ter­ras agri­cul­tá­veis de bai­xa al­ti­tu­de”, e dis­se­ram que “se­ri­am ne­ces­sá­ri­as no­vas fon­tes de água do­ce” pa­ra com­pen­sar as mu­dan­ças das pre­ci­pi­ta­ções. As al­te­ra­ções das tem­pe­ra­tu­ras do ar “mu­da­ri­am dras­ti­ca­men­te a ma­nei­ra pe­la qu­al as pes­so­as vi­vem e tra­ba­lham”. Ao to­do, con­cluiu a Shell, “as mu­dan­ças po­de­rão ser as mai­o­res da his­tó­ria do­cu­men­ta­da”.

De sua par­te, a Ex­xon ad­ver­tiu pa­ra “acon­te­ci­men­tos po­ten­ci­al­men­te ca­tas­tró­fi­cos que têm de ser con­si­de­ra­dos”. A exem­plo dos es­pe­ci­a­lis­tas da Shell, os ci­en­tis­tas da Ex­xon pre­vi­ram uma ele­va­ção de­vas­ta­do­ra do ní­vel do mar e ad­ver­ti­ram que o Meio-Oes­te ame­ri­ca­no e ou­tras par­tes do mun­do po­de­ri­am as­su­mir con­for­ma­ção se­me­lhan­te à de­sér­ti­ca. Bus­can­do um la­do po­si­ti­vo a tí­tu­lo de con­so­lo, a em­pre­sa ma­ni­fes­tou sua con­fi­an­ça de que “es­se pro­ble­ma não se­ja tão sig­ni­fi­ca­ti­vo pa­ra a hu­ma­ni­da­de qu­an­to um ho­lo­caus­to nu­cle­ar ou qu­an­to a fo­me mun­di­al”.

Os do­cu­men­tos cons­ti­tu­em uma lei­tu­ra as­sus­ta­do­ra. E os efei­tos são ain­da mais ar­re­pi­an­tes di­an­te da re­cu­sa das gi­gan­tes pe­tro­lí­fe­ras de ad­ver­tir a opi­nião pú­bli­ca so­bre os da­nos pre­vis­tos por seus pró­pri­os pes­qui­sa­do­res. O re­la­tó­rio da Shell, que re­ce­beu o se­lo de “con­fi­den­ci­al”, foi ori­gi­nal­men­te di­vul­ga­do por uma or­ga­ni­za­ção no­ti­ci­o­sa ho­lan­de­sa no co­me­ço des­te ano. O es­tu­do da Ex­xon tam­bém não era vol­ta­do pa­ra dis­tri­bui­ção ex­ter­na; foi va­za­do em 2015.

Es­sas em­pre­sas, além dis­so, ja­mais as­su­mi­ram res­pon­sa­bi­li­da­de por seus pro­du­tos. No es­tu­do da Shell, a com­pa­nhia ar­gu­men­ta que o “prin­ci­pal ônus” de abor­dar a mu­dan­ça cli­má­ti­ca não ca­be ao se­tor ener­gé­ti­co, e sim aos go­ver­nos e con­su­mi­do­res. Es­se ar­gu­men­to po­de­ria ter fei­to sen­ti­do se os exe­cu­ti­vos do pe­tró­leo, en­tre os quais os da Ex­xon e da Shell, não ti­ves­sem men­ti­do, pos­te­ri­or­men­te, so­bre a mu­dan­ça cli­má­ti­ca e im­pe­di­do di­li­gen­te­men­te os go­ver­nos de san­ci­o­nar po­lí­ti­cas de ener­gia lim­pa.

Em­bo­ra os de­ta­lhes do aque­ci­men­to glo­bal fos­sem es­tra­nhos à mai­o­ria das pes­so­as na dé­ca­da de 1980, en­tre os pou­cos que ti­nham uma ideia me­lhor que a mai­o­ria, es­ta­vam as em­pre­sas que mais con­tri­buí­ram pa­ra o pro­ble­ma. Ape­sar das in­cer­te­zas ci­en­tí­fi­cas, a mo­ral da his­tó­ria era: as em­pre­sas pe­tro­lí­fe­ras re­co­nhe­ci­am que seus pro­du­tos ele­va­vam o ní­vel de CO2 na at­mos­fe­ra, en­ten­di­am que is­so le­va­ria ao aque­ci­men­to e cal­cu­la­vam as pro­vá­veis con­sequên­ci­as. Por ou­tro la­do, op­ta­ram por acei­tar es­ses ris­cos em nos­so no­me e à nos­sa cus­ta, e sem o nos­so co­nhe­ci­men­to.

Os ca­tas­tró­fi­cos pla­nos de guer­ra nu­cle­ar que Ells­berg viu na dé­ca­da de 1960 eram uma es­pa­da de Dâ­mo­cles que, fe­liz­men­te, ja­mais caiu. Mas as pre­vi­sões se­cre­tas de mu­dan­ça cli­má­ti­ca do se­tor pe­tro­lí­fe­ro es­tão se tor­nan­do re­a­li­da­de, e não por aca­so. As pro­du­to­ras de com­bus­tí­veis fós­seis nos con­du­zi­ram ao fu­tu­ro som­brio que te­mi­am ao pro­mo­ver seus pro­du­tos, men­tir so­bre seus efei­tos e de­fen­der agres­si­va­men­te sua par­ti­ci­pa­ção no mer­ca­do ener­gé­ti­co.

Na me­di­da em que o mun­do se aque­ce, os com­po­nen­tes bá­si­cos do nos­so pla­ne­ta — su­as ca­lo­tas po­la­res, flo­res­tas e cor­ren­tes at­mos­fé­ri­cas e oceâ­ni­cas — es­tão sen­do al­te­ra­dos ir­re­me­di­a­vel­men­te. Qu­em tem o di­rei­to de pre­ver da­nos des­se gê­ne­ro e op­tar, em se­gui­da, por re­a­li­zar a pro­fe­cia? Em­bo­ra os pla­ne­ja­do­res de guer­ras e as em­pre­sas de com­bus­tí­veis fós­seis te­nham ti­do a au­dá­cia de de­ci­dir que ní­vel de de­vas­ta­ção se­ria ade­qua­do pa­ra a hu­ma­ni­da­de, ape­nas as Gran­des Pe­tro­lí­fe­ras ti­ve­ram a te­me­ri­da­de de ir em fren­te. Is­so, na­tu­ral­men­te, é brin­car de­mais com a sor­te.

As pre­vi­sões se­cre­tas de mu­dan­ça cli­má­ti­ca do se­tor pe­tro­lí­fe­ro es­tão se tor­nan­do re­a­li­da­de. Elas nos con­du­zi­ram ao fu­tu­ro som­brio que te­mi­am ao pro­mo­ver seus pro­du­tos, men­tir so­bre seus efei­tos e de­fen­der com agres­si­vi­da­de sua par­ti­ci­pa­ção no mer­ca­do

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.