Tu­ca­no tem co­mo de­sa­fio tor­nar-se co­nhe­ci­do e re­du­zir sua re­jei­ção

Valor Econômico - - ESPECIAL - (FT)

A 23 di­as do pri­mei­ro tur­no, o ge­ne­ral The­ophi­lo (PSDB) tem o du­plo de­sa­fio de se tor­nar co­nhe­ci­do e ao mes­mo tem­po re­du­zir sua re­jei­ção pa­ra ven­cer a dis­pu­ta pe­lo go­ver­no do Ce­a­rá. Com 4% das in­ten­ções de vo­to, de acor­do com pes­qui­sa do Ibo­pe fei­ta en­tre 13 e 15 de agos­to, o tu­ca­no pas­sa des­per­ce­bi­do pe­lo elei­to­ra­do ce­a­ren­se, con­for­me re­co­nhe­cem ali­a­dos e opo­si­to­res, o que não o im­pe­de de ser, ao la­do do ad­ver­sá­rio Ail­ton Lo­pes (Psol), o can­di­da­to mais re­jei­ta­do na elei­ção es­ta­du­al. O ins­ti­tu­to me­diu que 30% dos 1.204 elei­to­res en­tre­vis­ta­dos di­zi­am que não vo­ta­ri­am em am­bos de jei­to ne­nhum. A son­da­gem, en­tre­tan­to, foi fei­ta an­tes do iní­cio do ho­rá­rio elei­to­ral. Ti­nha mar­gem de er­ro de 3 pon­tos per­cen­tu­ais e pro­to­co­lo BR 08812/2018.

“Is­so não sig­ni­fi­ca mui­ta coi­sa, já que nos­so ad­ver­sá­rio [Ca­mi­lo San­ta­na] tem o do­bro do tem­po de TV de to­dos os ou­tros can­di­da­tos so­ma­dos. Fi­ca mui­to di­fí­cil rom­per com um sis­te­ma de for­ças mui­to am­plo. O ge­ne­ral é um no­me no­vo, mas des­co­nhe­ci­do. Co­mo mi­li­tar, vi­veu mui­to tem­po fo­ra do Ce­a­rá. O de­sa­fio é se fa­zer co­nhe­ci­do, so­bre­tu­do em uma elei­ção cur­ta co­mo es­ta”, afir­ma o ex-go­ver­na­dor Lú­cio Al­cân­ta­ra (PSDB), um dos co­or­de­na­do­res po­lí­ti­cos da cam­pa­nha. Nes­ta re­ta fi­nal, o can­di­da­to tu­ca­no pri­o­ri­za­rá vi­si­tas aos mu­ni­cí­pi­os com mais de 40 mil ha­bi­tan­tes. Nes­te fim de se­ma­na, pas­sa­rá pe­la re­gião do Ca­ri­ri.

De­fen­so­res de sua can­di­da­tu­ra, co­mo o de­pu­ta­do ca­pi­tão Wag­ner (Pros), ava­li­am que a opo­si­ção de­mo­rou pa­ra se ar­ti­cu­lar. “O go­ver­no fi­cou em si­tu­a­ção cô­mo­da”, diz o par­la­men­tar, que ten­ta uma ca­dei­ra na Câ­ma­ra, ao lem­brar que com me­nos re­cur­sos, a cam­pa­nha en­con­tra di­fi­cul­da­des pa­ra se fir­mar nas ru­as do Es­ta­do. Ele apon­ta pa­ra o es­va­zi­a­men­to de cru­za­men­tos que no pas­sa­do con­cen­tra­vam ban­dei­ra­ços e ade­si­va­ços, in­clu­si­ve, com atos si­mul­tâ­ne­os. “Tra­ta-se de uma cam­pa­nha mor­na”, de­cla­ra.

O senador Tas­so Je­reis­sa­ti (PSDB), prin­ci­pal en­tu­si­as­ta da can­di­da­tu­ra do ge­ne­ral, en­xer­ga a elei­ção no Ce­a­rá co­mo um re­tro­ces­so , ca­rac­te­ri­za­da pe­lo que cha­mou de am­plo “acor­dão” en­tre oli­gar­qui­as e gru­pos que se re­ve­zam no po­der ,com ar­ti­cu­la­ções pa­ra en­fra­que­cer par­ti­dos que es­tão no ra­dar da opo­si­ção. “Que­rem fa­zer des­ta cam­pa­nha qua­se uma no­me­a­ção. O MDB é ali­a­do do PT, que es­tá com o DEM, que apoia o PC­doB. Da ex­tre­ma es­quer­da pa­ra ex­tre­ma di­rei­ta, es­tão to­dos jun­tos”, diz Tas­so, que ex­pli­ca que não con­cor­reu por­que sua can­di­da­tu­ra se­ria um con­tras­sen­so com o dis­cur­so de re­no­va­ção que pre­ga.

Na po­lí­ti­ca há me­nos de seis me­ses, o pró­prio The­ophi­lo pa­re­ce re­sig­na­do e afir­ma que, ca­so se­ja der­ro­ta­do, vai desistir de bus­car qual­quer man­da­to no fu­tu­ro e in­ves­ti­rá na car­rei­ra de professor de re­la­ções internacionais. O tu­ca­no tam­bém de­mons­tra má­goa, sem ci­tar no­mes, com a in­fi­de­li­da­de de cor­re­li­gi­o­ná­ri­os e com o vo­to de “ca­bres­to” em cer­tas lo­ca­li­da­des do Es­ta­do. “A mi­nha car­rei­ra [po­lí­ti­ca] co­me­çou ago­ra. A gen­te tem vis­to mui­ta coi­sa. Meu cré­di­to é que o po­vo quei­ra mu­dar. Se o po­vo não quer, não vou in­sis­tir em um po­vo que pre­fe­re is­so aí”, afir­mou.

LCMOREIRA/FU­TU­RA PRESS/FOLHAPRESS

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.