MP abre inqué­ri­to so­bre ação das fac­ções con­tra can­di­da­tos

Valor Econômico - - ESPECIAL - (FT)

Aos 44 anos, Do­na Ma­ria (no­me fic­tí­cio) te­ve dois mi­nu­tos pa­ra reu­nir os se­te fi­lhos e aban­do­nar sua ca­sa, na pe­ri­fe­ria de Fortaleza (bair­ro não in­for­ma­do por ques­tões de se­gu­ran­ça), após o ul­ti­ma­to de oi­to tra­fi­can­tes de dro­gas que ba­te­ram à sua por­ta ar­ma­dos. “Foi tu­do às pres­sas. Com a mi­nha fa­mí­lia, fui ex­pul­sa da ca­sa on­de mo­ro há 20 anos. Não deu tem­po de le­var na­da. Fo­mos ju­ra­dos de mor­te se vol­tás­se­mos”, la­men­ta ela ao re­cor­dar o epi­só­dio, ocor­ri­do há cer­ca de dois me­ses.

Do­na Ma­ria faz par­te das 139 fa­mí­li­as que, des­de ou­tu­bro de 2017, re­cor­rem à De­fen­so­ria Pú­bli­ca do Ce­a­rá pa­ra re­la­tar que fo­ram ex­pul­sas de su­as ca­sas e das co­mu­ni­da­des on­de vi­vem por fac­ções cri­mi­no­sas que tra­vam uma guer­ra en­tre si nas re­giões pe­ri­fé­ri­cas da ca­pi­tal ce­a­ren­se. Es­sas pes­so­as são clas­si­fi­ca­das pe­lo ór­gão co­mo “re­fu­gi­a­dos ur­ba­nos”. A ex­pec­ta­ti­va é ha­jam mais es­pa­lha­dos pe­las ru­as, já que mui­tos ain­da não sa­bem o que fa­zer di­an­te de uma si­tu­a­ção inu­si­ta­da.

A dis­pu­ta por es­pa­ço en­tre os tra­fi­can­tes do PCC, Co­man­do Ver­me­lho e Gu­ar­diões do Es­ta­do, um gru­po lo­cal, ele­vou pa­ra nú­me­ros re­cor­des o ín­di­ce de ho­mi­cí­di­os no Es­ta­do em 2017 (5,1 mil) e tem pau­ta­do a cam­pa­nha elei­to­ral quan­do o as­sun­to é se­gu­ran­ça pú­bli­ca. Nes­te ano, ocor­re­ram pe­lo me­nos se­te cha­ci­nas no Ce­a­rá.

O per­fil dos “re­fu­gi­a­dos ur­ba­nos” va­ria, mas to­dos os re­la­tos, de acor­do com a De­fen­so­ria Pú­bli­ca, es­tão re­la­ci­o­na­dos com pre­sen­ça das fac­ções nos ter­ri­tó­ri­os. O ór­gão ex­pli­ca que as pes­so­as em ge­ral são ex­pul­sas por se­rem lí­de­res co­mu­ni­tá­ri­os, te­rem pa­ren­tes pre­sos, re­cu­sa­rem que os fi­lhos se­jam “ba­ti­za­dos” pe­los cri­mi­no­sos ou pe­lo fa­to de a ca­sa es­tar lo­ca­li­za­da em uma área li­mí­tro­fe en­tre bair­ros.

Do­na Ma­ria afir­ma que não se en­qua­dra em ne­nhum dos ca­sos. “Sa­bia o que es­ta­va acon­te­cen­do, mas não es­pe­ra­va que acon­te­ces­se co­mi­go”, con­ta ela, que es­tá de­sem­pre­ga­da e che­gou a fi­car dois di­as com os fi­lhos nas ru­as. “Um se­nhor viu nos­sa si­tu­a­ção e ofe­re­ceu sua ca­sa. Só que não te­nho di­nhei­ro pa­ra pa­gar o alu­guel e não pos­so tra­ba­lhar, por­que te­nho que cui­dar da mi­nha fi­lha mais no­va que tem au­tis­mo”, diz. Do­na Ma­ria tem até o fim do mês pa­ra dei­xar a ca­sa.

“Não sei o que fa­zer. Es­tou pre­o­cu­pa­da. O se­nhor dis­se que vai co­lo­car sua fi­lha pa­ra mo­rar lá”, re­la­ta. A De­fen­so­ria tem ten­ta­do ga­ran­tir às fa­mí­li­as dos “re­fu­gi­a­dos ur­ba­nos” que te­nham aces­so à edu­ca­ção, saú­de e abri­go tem­po­rá­rio. “Des­de o iní­cio, es­ta­mos aci­o­nan­do o po­der pú­bli­co, em su­as mais di­ver­sas ins­tân­ci­as, pro­vo­can­do reu­niões, en­vi­an­do ofí­ci­os e mar­can­do au­di­ên­ci­as em bus­ca de cons­truir ações emer­gen­ci­ais e po­lí­ti­cas pú­bli­cas efi­ca­zes pa­ra pres­tar as­sis­tên­cia a es­sas fa­mí­li­as e ga­ran­tir su­as in­te­gri­da­des”, afir­ma o ór­gão em no­ta.

A ques­tão da vi­o­lên­cia tam­bém tem pre­o­cu­pa­do as au­to­ri­da­des elei­to­rais. O Mi­nis­té­rio Pú­bli­co abriu no mês pas­sa­do uma in­ves­ti­ga­ção pa­ra apu­rar a in­for­ma­ção de que o cri­me or­ga­ni­za­do es­ta­ria fi­nan­ci­an­do can­di­da­tos e ori­en­ta­do o vo­to dos elei­to­res. O ca­so co­me­çou com uma cir­cu­lar en­tre­gue de for­ma anô­ni­ma à Pro­cu­ra­do­ria, que se­ria as­si­na­da pe­lo Co­man­do Ver­me­lho, com re­co­men­da­ções pa­ra não vo­tar em de­ter­mi­na­dos can­di­da­tos.

Di­an­te dis­so, foi ela­bo­ra­do um ofí­cio pe­lo pro­cu­ra­dor re­gi­o­nal elei­to­ral Anas­tá­cio Tahim, de­pois res­pal­da­do pe­lo go­ver­no es­ta­du­al, pa­ra pe­dir a pre­sen­ça das tro­pas fe­de­rais du­ran­te a elei­ção. O pe­di­do já foi apro­va­do e cer­ca de cin­co mil ho­mens de­vem che­gar pa­ra acom­pa­nhar o plei­to no Ce­a­rá e no Pi­auí. A in­ves­ti­ga­ção cor­re em si­gi­lo. Não fo­ram re­ve­la­dos no­mes de pos­sí­veis can­di­da­tos be­ne­fi­ci­a­dos pe­lo cri­me, nem da­que­les que são con­si­de­ra­dos “ine­le­gí­veis” pe­los cri­mi­no­sos.

O de­pu­ta­do es­ta­du­al ca­pi­tão Wag­ner (Pros), que dis­pu­ta uma ca­dei­ra a Câ­ma­ra, diz que os prin­ci­pais al­vos são os can­di­da­tos que de­fen­dem a re­pres­são ao cri­me or­ga­ni­za­do em to­das as es­fe­ras. Co­mo exem­plo, ci­ta o de­pu­ta­do Jair Bol­so­na­ro (PSL), a qu­em apoia na elei­ção pre­si­den­ci­al. O par­la­men­tar tam­bém con­ta que ele e al­guns co­le­gas têm en­fren­ta­do di­fi­cul­da­des pa­ra fa­zer cam­pa­nha em áre­as do­mi­na­das pe­las fac­ções.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.