Lei­lão de tér­mi­cas re­du­zi­ria cus­to do ris­co hi­dro­ló­gi­co

Es­ti­ma­ti­vas da EDP Bra­sil in­di­cam que cer­ta­me no Nor­des­te re­du­zi­ria efei­to do GSF em R$ 2,6 bi­lhões

Valor Econômico - - | EMPRESAS INFRAESTRUTURA - Ro­dri­go Po­li­to e Ca­mi­la Maia

O con­tro­ver­so lei­lão de con­tra­ta­ção de ter­me­lé­tri­cas a gás na­tu­ral pa­ra subs­ti­tuir um con­jun­to de usi­nas a óleo com­bus­tí­vel, que se­rão des­con­tra­ta­das en­tre 2022 e 2024, po­de ali­vi­ar a pres­são do im­pac­to do ris­co hi­dro­ló­gi­co so­bre o cai­xa das dis­tri­bui­do­ras. Se­gun­do es­ti­ma­ti­vas da EDP Bra­sil, a subs­ti­tui­ção das tér­mi­cas a óleo por usi­nas de cus­to mais bai­xo po­de re­sul­tar em uma re­du­ção anu­al de R$ 2,6 bi­lhões do im­pac­to do ris­co hi­dro­ló­gi­co, me­di­do pe­lo GSF (si­gla em in­glês pa­ra o fa­tor de ajus­te da ga­ran­tia fí­si­ca de hi­dre­lé­tri­cas) pa­ra as em­pre­sas de dis­tri­bui­ção.

“A exis­tên­cia des­sas tér­mi­cas [a gás na­tu­ral], per­mi­tin­do a des­con­tra­ta­ção de tér­mi­cas mais ca­ras, per­mi­ti­ria tam­bém re­du­zir o im­pac­to que ho­je o des­pa­cho tér­mi­co one­ro­so tem na ta­ri­fa fi­nal. Em 2017, o dé­fi­cit da con­ta das ban­dei­ras foi de cer­ca de R$ 4,5 bi­lhões. E nos­sa es­ti­ma­ti­va é que, se exis­tis­sem cer­ca de 3 gi­gawatts de tér­mi­cas de bai­xo cus­to, es­se dé­fi­cit po­de­ria ser re­du­zi­do em cer­ca de R$ 2,6 bi­lhões”, dis­se on­tem o pre­si­den­te da EDP Bra­sil, Mi­guel Se­tas, du­ran­te en­con­tro de al­tos exe­cu­ti­vos do se­tor elé­tri­co (Enal­tes­se), re­a­li­za­do pe­la Fun­da­ção Co­ge e a As­so­ci­a­ção Bra­si­lei­ra de Com­pa­nhi­as de Ener­gia Elé­tri­ca (ABCE), no Rio.

De acor­do com da­dos da Câ­ma­ra de Co­mer­ci­a­li­za­ção de Ener­gia Elé­tri­ca (CCEE), o cus­to do GSF pa­ra as dis­tri­bui­do­ras em ju­lho foi de R$ 2,5 bi­lhões. Ou­tros R$ 755 mi­lhões fo­ram re­pas­sa­dos aos con­su­mi­do­res re­fe­ren­te ao aci­o­na­men­to das ter­me­lé­tri­cas. Pe­la ló­gi­ca de­fen­di­da por Se­tas, com a tro­ca das usi­nas mais ca­ras pe­las mais ba­ra­tas, os re­cur­sos das ban­dei­ras ta­ri­fá­ri­as, que de­ve­ri­am co­brir es­ses re­pas­ses mas são in­su­fi­ci­en­tes, po­de­rão mi­ni­mi­zar o re­pas­se do GSF aos con­su­mi­do­res do mer­ca­do ca­ti­vo.

Pre­sen­te ao even­to, a di­re­to­ra pre­si­den­te ad­jun­ta da Ne­o­e­ner­gia, So­lan­ge Ri­bei­ro, si­na­li­zou po­si­ti­va­men­te com re­la­ção à pos­si­bi­li­da­de de subs­ti­tui­ção das tér­mi­cas.

Já o pre­si­den­te do con­se­lho de ad­mi­nis­tra­ção da Enel no Bra­sil, Má­rio San­tos, in­di­cou ne­ces­si­da­de de cau­te­la com re­la­ção a um dis­cur­so exis­ten­te no se­tor elé­tri­co de in­de­pen­dên­cia ener­gé­ti­ca re­gi­o­nal, em de­tri­men­to da in­te­gra­ção do sis­te­ma na­ci­o­nal. “Me pre­o­cu­po com o dis­cur­so so­bre in­de­pen­dên­ci­as re­gi­o­nais”.

Na úl­ti­ma se­ma­na, o go­ver­no si­na­li­zou que o pri­mei­ro lei­lão de con­tra­ta­ção de tér­mi­cas a gás es­ta­va sen­do pla­ne­ja­do pa­ra con­tra­tar usi­nas so­men­te no Nor­des­te.

A prin­ci­pal po­lê­mi­ca em tor­no do lei­lão é de on­de vi­rão os re­cur­sos pa­ra a com­pra des­sa ener­gia. “Nós pro­va­mos com es­tu­dos da mais al­ta qua­li­da­de que é ne­ces­sá­ria a ge­ra­ção tér­mi­ca no Nor­des­te, pa­ra es­ta­bi­li­zar a re­de e ga­ran­tir a se­gu­ran­ça ener­gé­ti­ca di­an­te da va­ri­a­ção das fon­tes re­no­vá­veis. O pro­ble­ma é vi­a­bi­li­zar a co­mer­ci­a­li­za­ção da ener­gia e de­fi­nir qu­em pa­ga­rá a con­ta”, dis­se Xis­to Vi­ei­ra Fi­lho, pre­si­den­te da As­so­ci­a­ção Bra­si­lei­ra Ge­ra­do­ras Ter­me­lé­tri­cas (Abra­get).

Ain­da na li­nha de re­du­ção do im­pac­to do ris­co hi­dro­ló­gi­co pa­ra as dis­tri­bui­do­ras, Se­tas con­tou que apre­sen­tou re­cen­te­men­te à CCEE e à Agên­cia Na­ci­o­nal de Ener­gia Elé­tri­ca (Ane­el) pro­pos­ta de re­a­li­za­ção de um lei­lão de ris­co hi­dro­ló­gi­co, em que co­mer­ci­a­li­za­do­res pos­sam ad­qui­rir o “ris­co hi­dro­ló­gi­co” das dis­tri­bui­do­ras. Na prá­ti­ca, as co­mer­ci­a­li­za­do­ras re­ce­be­ri­am um va­lor fi­xo das dis­tri­bui­do­ras pa­ra ge­ren­ci­ar es­se ris­co e po­de­ri­am in­cluir es­sa ex­po­si­ção den­tro de seus res­pec­ti­vos port­fó­lio de con­tra­tos de ener­gia.

Se­tas re­co­nhe­ceu que se­ria ne­ces­sá­ria uma mu­dan­ça in­fra­le­gal pa­ra a re­a­li­za­ção des­se ti­po de lei­lão. Mas acres­cen­tou que CCEE e Ane­el ti­ve­ram boa re­cep­ção com re­la­ção à pro­pos­ta.

“São du­as so­lu­ções. Uma que é in­cen­ti­var as tér­mi­cas de bai­xo cus­to [a gás] e ou­tra que é de cri­ar um mer­ca­do de ris­co hi­dro­ló­gi­co pa­ra qu­em pos­sa ge­ren­cia-lo, li­mi­tan­do es­se ris­co da dis­tri­bui­ção. Acha­mos que são me­di­das pos­sí­veis no qua­dro atu­al re­gu­la­tó­rio e te­ria be­ne­fí­ci­os im­por­tan­tes pa­ra o sis­te­ma elé­tri­co”, dis­se Se­tas o pre­si­den­te da EDP Bra­sil.

Se­gun­do ele, o im­pac­to do ris­co hi­dro­ló­gi­co pa­ra to­do o se­tor elé­tri­co to­ta­li­za apro­xi­ma­da­men­te R$ 100 bi­lhões nos úl­ti­mos cin­co anos, con­si­de­ran­do os efei­tos es­ti­ma­dos pa­ra 2018.

Se­gun­do Se­tas, a so­lu­ção pro­pos­ta pa­ra o ris­co hi­dro­ló­gi­co, in­cluí­da em pro­je­to de lei em dis­cus­são no Con­gres­so e que pre­vê o pa­ga­men­to das des­pe­sas do GSF pe­las em­pre­sas em tro­ca de ex­ten­são de con­tra­to de con­ces­são de su­as usi­nas, é ade­qua­da. “O pro­je­to de lei vai aju­dar a re­du­zir a ju­di­ci­a­li­za­ção no se­tor”, com­ple­tou ele.

O dé­fi­cit de cai­xa das dis­tri­bui­do­ras de ener­gia com as des­pe­sas re­la­ti­vas ao ris­co hi­dro­ló­gi­co foi tra­ta­do em reu­nião re­a­li­za­da na quar­ta-fei­ra en­tre o pre­si­den­te da As­so­ci­a­ção Bra­si­lei­ra de Dis­tri­bui­do­res de Ener­gia Elé­tri­ca (Abra­dee), Nel­son Lei­te, e o mi­nis­tro de Mi­nas e Ener­gia, Mo­rei­ra Fran­co, em Brasília. “O des­com­pas­so fi­nan­cei­ro das dis­tri­bui­do­ras com o ris­co hi­dro­ló­gi­co es­tá mui­to ele­va­do, de R$ 2,9 bi­lhões”, dis­se Lei­te ao Va­lor, se re­fe­rin­do ao cus­to do GSF que não foi co­ber­to pe­las ban­dei­ras ta­ri­fá­ri­as.

SILVIA ZAMBONI/VA­LOR

Se­tas, da EDP Bra­sil, con­si­de­ra ade­qua­da a ex­ten­são do con­tra­to de con­ces­são das usi­nas em tro­ca da dí­vi­da do GSF

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.