Ges­to­ra GWI acu­sa con­se­lho da Ga­fi­sa de “in­te­res­ses particulares”

Valor Econômico - - | EMPRESAS INDÚSTRIA - Cons­tru­ção Ma­ria Luí­za Fil­guei­ras

Em um no­vo ca­pí­tu­lo da re­cen­te dis­pu­ta en­tre a ges­to­ra GWI e a ad­mi­nis­tra­ção da in­cor­po­ra­do­ra Ga­fi­sa, o aci­o­nis­ta acu­sa con­se­lhei­ros de en­vi­dar es­for­ços em de­fe­sa de seus pró­pri­os car­gos e não da com­pa­nhia. A ges­to­ra en­vi­ou na quar­ta-fei­ra uma no­ti­fi­ca­ção ao con­se­lho de ad­mi­nis­tra­ção, con­se­lho fis­cal e di­re­to­ria da em­pre­sa, apon­tan­do o que con­si­de­ra um con­fli­to de in­te­res­ses e po­ten­ci­al ile­ga­li­da­de da ad­mi­nis­tra­ção.

Se­gun­do a no­ti­fi­ca­ção, a ad­mi­nis­tra­ção da Ga­fi­sa faz “cam­pa­nha” con­tra a so­li­ci­ta­ção da GWI de des­ti­tui­ção do con­se­lho, com o “úni­co in­tui­to de per­ma­nên­cia dos atu­ais mem­bros do con­se­lho de ad­mi­nis­tra­ção, em re­pre­sen­ta­ção de seus in­te­res­ses particulares, em de­tri­men­to dos in­te­res­ses so­ci­ais e de to­dos os aci­o­nis­tas da Ga­fi­sa.”

O mes­mo do­cu­men­to foi pro­to­co­la­do on­tem na Co­mis­são de Va­lo­res Mo­bi­liá­ri­os (CVM), apu­rou o Va­lor. A GWI ci­ta a pu­bli­ca­ção de um in­for­me pu­bli­ci­tá­rio com ma­ni­fes­ta­ção do con­se­lho con­tra a so­li­ci­ta­ção da ges­to­ra, pos­sí­veis gas­tos com ad­vo­ga­dos e a con­tra­ta­ção da con­sul­to­ria in­ter­na­ci­o­nal Mor­row So­da­li. A ges­to­ra so­li­ci­tou pres­ta­ção de con­tas e res­sar­ci­men­to dos gas­tos em cin­co di­as. Se­gun­do o Va­lor apu­rou, a GWI es­tá dis­pos­ta a in­gres­sar com uma ação ju­di­ci­al con­tra as pes­so­as fí­si­cas que com­põem os dois con­se­lhos e di­re­to­ria, ca­so is­so não se­ja fei­to até ter­ça-fei­ra.

Na no­ti­fi­ca­ção, a ges­to­ra ar­gu­men­ta que, pe­la Lei 6404/76, os ad­mi­nis­tra­do­res não po­dem “ma­ni­pu­lar” vo­tos de aci­o­nis­tas.

A GWI so­li­ci­tou tro­ca de to­do o con­se­lho da com­pa­nhia, o que se­rá tra­ta­do em uma as­sem­bleia ge­ral ex­tra­or­di­ná­ria (AGE) de aci­o­nis­tas, agen­da­da pa­ra o dia 25 de se­tem­bro. A ges­to­ra vai in­di­car uma cha­pa de se­te con­se­lhei­ros. A ad­mi­nis­tra­ção da Ga­fi­sa re­co­men­dou aos aci­o­nis­tas vo­ta­rem con­tra a des­ti­tui­ção do atu­al con­se­lho.

A GWI é ho­je a mai­or aci­o­nis­ta da Ga­fi­sa, com cer­ca de 30% do ca­pi­tal. Con­for­me du­as fon­tes, a GWI pre­ten­de des­ti­tuir a di­re­to­ria da com­pa­nhia lo­go após a tro­ca de con­se­lho, se ela ocor­rer. A ges­to­ra tem ar­gu­men­ta­do, se­gun­do uma fon­te, que a ad­mi­nis­tra­ção da em­pre­sa con­ti­nu­ou ga­nhan­do bô­nus em anos con­se­cu­ti­vos de pre­juí­zo da in­cor­po­ra­do­ra.

Na no­ti­fi­ca­ção, a GWI pe­de ain­da que con­se­lho e di­re­to­ria não par­ti­ci­pem da AGE.

O Va­lor apu­rou que a ges­to­ra con­tra­tou o es­cri­tó­rio Al­mei­da Ad­vo­ga­dos pa­ra as­ses­so­rá-la nes­se pro­ces­so. Pro­cu­ra­do, o es­cri­tó­rio con­fir­ma a in­for­ma­ção. “Es­ta­mos re­pre­sen­tan­do a GWI pa­ra uma mu­dan­ça drás­ti­ca na go­ver­nan­ça e ad­mi­nis­tra­ção da Ga­fi­sa”, diz o ad­vo­ga­do André Al­mei­da, só­cio do es­cri­tó­rio.

Pro­cu­ra­da, a Ga­fi­sa in­for­mou em no­ta: “A ad­mi­nis­tra­ção da com­pa­nhia en­ten­de que não há con­fli­to de in­te­res­ses e que as con­du­tas to­ma­das nes­te pro­ces­so es­tão de acor­do com a Lei das S.A. e as nor­mas re­gu­la­men­ta­res da CVM”.

A GWI atin­giu par­ti­ci­pa­ção re­le­van­te na Ga­fi­sa no ano pas­sa­do. A ges­to­ra foi qu­em su­ge­riu a al­te­ra­ção da re­gra que de­fi­nia que o aci­o­nis­ta que atin­gis­se 30% do ca­pi­tal da em­pre­sa fos­se obri­ga­do a fa­zer uma ofer­ta pú­bli­ca de aqui­si­ção das de­mais ações. Na mu­dan­ça, apro­va­da em ja­nei­ro des­te ano ape­sar de ma­ni­fes­ta­ção con­trá­ria da ad­mi­nis­tra­ção, es­se li­mi­te su­biu pa­ra 50% — abrin­do ca­mi­nho pa­ra a GWI com­prar mais ações no mer­ca­do, sem ter que ar­car com cus­to de uma OPA.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.