EY re­ba­te ideia de cin­dir au­di­to­ri­as

Valor Econômico - - | EMPRESAS SERVIÇOS&TECNOLOGIA - Ce­ná­rio Ma­di­son Mar­ri­a­ge

O CEO glo­bal da EY, Mark Wein­ber­ger, re­a­giu aos pe­di­dos pa­ra que as “Big Four”, as qua­tro mai­o­res em­pre­sas de au­di­to­ria do mun­do, se­jam des­mem­bra­das em res­pos­ta às cres­cen­tes crí­ti­cas de fal­ta de con­cor­rên­cia no mer­ca­do de au­di­to­ri­as.

Wein­ber­ger dis­se que a EY, que on­tem anun­ci­ou re­cei­tas mun­di­ais re­cor­de de qua­se US$ 35 bi­lhões, pre­ci­sa re­cor­rer à ex­pe­ri­ên­cia de to­dos os seus ne­gó­ci­os pa­ra con­du­zir au­di­to­ri­as de qua­li­da­de pa­ra cli­en­tes mul­ti­na­ci­o­nais.

Seus co­men­tá­ri­os fo­ram uma res­pos­ta às pres­sões fei­tas na Eu­ro­pa e Aus­trá­lia pa­ra que ha­ja al­gu­ma for­ma de in­ter­ven­ção go­ver­na­men­tal no mer­ca­do, que é do­mi­na­do por qua­tro com­pa­nhi­as: EY, KPMG, PwC e De­loit­te. Nos Es­ta­dos Uni­dos, as “Big Four” au­di­tam 99% das em­pre­sas que fa­zem par­te do ín­di­ce de ações Stan­dard & Po­or’s 500 (S&P 500).

Wein­ber­ger, que co­man­da os ne­gó­ci­os glo­bais da EY há cin­co anos, ten­do tra­ba­lha­do an­te­ri­or­men­te na área tri­bu­tá­ria, dis­se en­ten­der a ra­zão de ha­ver tan­to es­cru­tí­nio so­bre as em­pre­sas de au­di­to­ria e que ele “ado­ra­ria ter mais con­cor­ren­tes e mais op­ções de es­co­lha no Rei­no Uni­do e mun­do”.

Mas ele acres­cen­tou: “Quan­do le­va­mos uma equi­pe de au­di­to­ria até um cli­en­te, ela é for­ma­da por es­pe­ci­a­lis­tas em tec­no­lo­gia, es­pe­ci­a­lis­tas tri­bu­tá­ri­os e es­pe­ci­a­lis­tas em ava­li­a­ção, que gas­tam tem­po nes­sa au­di­to­ria”.

“Au­di­ta­mos o Go­o­gle, Amazon, Fa­ce­bo­ok, Sa­les­for­ce e Ora­cle — não se­ria pos­sí­vel aten­der es­ses cli­en­tes sem um gru­po mul­ti­dis­ci­pli­nar de pes­so­as pa­ra ava­li­ar os ris­cos fu­tu­ros pa­ra es­sas em­pre­sas, e es­ses fun­ci­o­ná­ri­os não es­tão to­dos em nos­sa prá­ti­ca de au­di­to­ria. As pes­so­as não se dão con­ta dis­so. Acre­di­to que uma prá­ti­ca mul­ti­dis­ci­pli­nar for­ta­le­ce nos­sas au­di­to­ri­as.”

Os re­sul­ta­dos da EY mos­tra­ram que sua prá­ti­ca de au­di­to­ria con­ti­nu­ou sen­do sua di­vi­são mais im­por­tan­te no exer­cí­cio so­ci­al en­cer­ra­do em ju­nho, res­pon­den­do por 36% das re­cei­tas mun­di­ais.

No en­tan­to, a al­ta de 4% da prá­ti­ca de au­di­to­ria so­bre o exer­cí­cio an­te­ri­or foi a mais len­ta en­tre su­as qua­tro di­vi­sões, com su­as ope­ra­ções de con­sul­to­ria re­gis­tran­do um avan­ço de 10% nas re­cei­tas, pa­ra US$ 9,6 bi­lhões, e os ser­vi­ços de con­sul­to­ria a tran­sa­ções ele­vou as re­cei­tas em 14% pa­ra US$ 3,6 bi­lhões. A re­cei­ta da área tri­bu­tá­ria cres­ceu 6%, pa­ra US$ 8,9 bi­lhões.

O nú­me­ro de fun­ci­o­ná­ri­os da em­pre­sa cres­ceu 5,7%, pa­ra 261.559, com as mai­o­res adi­ções ocor­ren­do em su­as di­vi­sões de con­sul­to­ria e con­sul­to­ria a tran­sa­ções. O nú­me­ro de fun­ci­o­ná­ri­os de au­di­to­ria cres­ceu 2,6%, pa­ra 88.849, com­pa­ra­do a um au­men­to de 12% em con­sul­to­ria e con­sul­to­ria pa­ra tran­sa­ções.

Wein­ber­ger dis­se que a área de au­di­to­ria con­ti­nua sen­do cru­ci­al pa­ra a com­pa­nhia. “A cer­ti­fi­ca­ção é nos­sa mai­or prá­ti­ca, com mais de US$ 12 bi­lhões em re­cei­ta, e con­ti­nu­a­rá sen­do. Mas na me­di­da em que ela cres­ce, o cres­ci­men­to per­cen­tu­al se­rá me­nor”, dis­se ele. “Tam­bém es­ta­mos ven­do uma pres­são so­bre os pre­ços nes­se ne­gó­cio, que afe­ta as re­cei­tas e a ro­ta­ti­vi­da­de das au­di­to­ri­as na Eu­ro­pa, o que afe­ta o cres­ci­men­to.”

Wein­ber­ger dis­se que o va­lor que a pro­fis­são de au­di­to­ria pro­por­ci­o­na às em­pre­sas e à so­ci­e­da­de não es­tá sen­do su­fi­ci­en­te­men­te re­co­nhe­ci­do por seus crí­ti­cos. A EY gas­tou US$ 500 mi­lhões em trei­na­men­to de fun­ci­o­ná­ri­os em to­das as su­as áre­as de atu­a­ção no úl­ti­mo exer­cí­cio, mas es­se in­ves­ti­men­to em sua for­ça de tra­ba­lho não tem si­do re­co­nhe­ci­do co­mo de­ve­ria.

“As pes­so­as não re­co­nhe­cem o va­lor que cri­a­mos — a pro­fis­são [de au­di­tor] es­tá tra­ba­lhan­do du­ro. Es­ta­mos fa­zen­do gran­des in­ves­ti­men­tos em tec­no­lo­gia.”

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.