Te­les le­vam com­pe­ti­ção à vi­tri­ne di­gi­tal

Ope­ra­do­ras fa­zem acor­do com Ame­ri­ca­nas.com e Ma­ga­zi­ne Lui­za pa­ra ven­da de pla­nos on-li­ne

Valor Econômico - - | EMPRESAS SERVIÇOS&TECNOLOGIA - Ivo­ne San­ta­na

As ope­ra­do­ras de te­le­co­mu­ni­ca­ções es­tão le­van­do a dis­pu­ta pe­lo bol­so do con­su­mi­dor pa­ra uma no­va are­na: a vi­tri­ne di­gi­tal das re­des de va­re­jo. O co­mér­cio ele­trô­nio é ve­lho co­nhe­ci­do do con­su­mi­dor bra­si­lei­ro, que apren­deu a com­prar qua­se to­dos os ti­pos de pro­du­tos e ser­vi­ços nos si­tes das com­pa­nhi­as va­re­jis­tas. Em te­le­fo­nia, no en­tan­to, es­sas tran­sa­ções per­ma­ne­ce­ram res­tri­tas, du­ran­te mui­to tem­po, a apa­re­lhos e aces­só­ri­os. Ago­ra, as te­les es­tão se ali­an­do às gran­des re­des pa­ra pas­sar a ven­der ser­vi­ços mó­veis, al­go que só fa­zi­am em seus pró­pri­os si­tes.

Ame­ri­ca­nas.com, Ma­ga­zi­ne Lui­za, Re­de Co­lom­bo, Ri­car­do Ele­tro, Via Va­re­jo, Fast Shop e Ele­tro­som são as pri­mei­ras a ofe­re­cer es­sa op­ção aos cli­en­tes. Fast Shop e Via Va­re­jo res­pon­dem por to­do o pro­ces­so de ven­das. As de­mais ope­ram por meio de um acor­do com a ca­ri­o­ca Wo­o­za Te­le­com, 100% con­tro­la­da pe­la Al­li­ed, do fun­do de in­ves­ti­men­to Ad­vent In­ter­na­ti­o­nal.

Com 500 fun­ci­o­ná­ri­os e equi­pes de aten­di­men­to por ope­ra­do­ra, a Wo­o­za res­pon­de por to­das as tran­sa­ções di­gi­tais com os cli­en­tes, dis­se José Mau­ro Di­as Motta, di­re­tor de va­re­jo da com­pa­nhia. Fun­ci­o­na co­mo um por­tal. Quan­do o cli­en­te de­ci­de com­prar o ser­vi­ço de uma te­le no si­te de uma va­re­jis­ta, a Wo­o­za as­su­me as ta­re­fas do ci­clo de ven­das, in­cluin­do pa­ga­men­to, en­tre­ga e ati­va­ção do chip. A mar­ca, po­rém, não apa­re­ce. A em­pre­sa tam­bém não ven­de apa­re­lhos. Só ser­vi­ços. A re­mu­ne­ra­ção vem de uma co­mis­são por ven­da con­cluí­da.

Os pla­nos da Vi­vo, TIM, Cla­ro e Oi apa­re­cem la­do a la­do na vi­tri­ne on-li­ne da Ame­ri­ca­nas.com, do gru­po B2W. Ao com­prar um ce­lu­lar, o con­su­mi­dor é in­da­ga­do se quer le­var um pla­no, em­bo­ra pos­sa con­tra­tar o ser­vi­ço in­de­pen­den­te­men­te do apa­re­lho. É prá­ti­co com­pa­rar as ofer­tas, já que es­tão na mes­ma pá­gi­na, es­co­lher e cli­car pa­ra con­tra­tar o ser­vi­ço. Há a pos­si­bi­li­da­de de fa­zer a por­ta­bi­li­da­de do nú­me­ro de ce­lu­lar, bas­tan­do mar­car a op­ção. To­da a tran­sa­ção ocor­re num úni­co lu­gar.

No ca­so da Nex­tel, Motta dis­se que a Wo­o­za es­tá in­te­gran­do o sis­te­ma da ope­ra­do­ra com o dos par­cei­ros de va­re­jo, co­me­çan­do pe­lo Ma­ga­zi­ne Lui­za. Ou­tras ali­an­ças es­tão pre­vis­tas.

As te­les es­tão dis­pos­tas a co­lo­car to­do o seu le­que de ser­vi­ços nas vi­tri­nes do va­re­jo. “Es­ta­mos apro­vei­tan­do que os cli­en­tes es­tão pro­cu­ran­do ca­da vez mais o va­re­jo on-li­ne pa­ra ofe­re­cer nos­so ser­vi­ço. Is­so faz par­te de um mo­vi­men­to na­tu­ral de mi­gra­ção do va­re­jo fí­si­co e da nos­sa di­gi­ta­li­za­ção”, dis­se Ro­ber­to Gu­enz­bur­ger, di­re­tor de pro­du­tos, mo­bi­li­da­de e conteúdo da Oi. Ele es­tá fi­na­li­zan­do os acor­dos com os no­vos ca­nais.

Ame­ri­ca­nas.com e Ma­ga­zi­ne Lui­za ca­mi­nham com cau­te­la, ofe­re­cen­do ini­ci­al­men­te os cha­ma­dos pla­nos con­tro­le — pós-pa­go com va­lor fi­xo e re­car­ga men­sal.

Na Ame­ri­ca­nas.com, as ofer­tas in­clu­em li­ga­ções ili­mi­ta­das e fran­quia de da­dos de 2,5 gi­gaby­tes (GB) a 8GB, de­pen­den­do da ope­ra­do­ra, por pla­nos de R$ 39,90 a R$ 89,99. Além dis­so, as te­les com­pe­tem nas op­ções de conteúdo que in­clu­em em seus pla­nos, co­mo SMS, WhatsApp, Wa­ze, ví­deo, mú­si­ca e ga­mes, en­tre ou­tros. No Ma­ga­zi­ne Lui­za, os pla­nos têm con­di­ções e pre­ços se­me­lhan­tes, mas co­me­çam em 1 GB. Os pre­ços não de­pen­dem só da mai­or ca­pa­ci­da­de de da­dos, mas le­vam em con­ta ou­tros cri­té­ri­os.

O Ma­ga­zi­ne Lui­za es­tu­da, des­de o ano pas­sa­do, for­mas de ini­ci­ar a ven­da de pla­nos con­tro­le no co­mér­cio ele­trô­ni­co. Os tes­tes co­me­ça­ram efe­ti­va­men­te há mais de um mês, in­for­mou Ida­rio Jú­ni­or, ge­ren­te de pro­du­tos da va­re­jis­ta, em en­tre­vis­ta por email. Se­gun­do ele, a de­man­da ini­ci­al es­tá aci­ma das ex­pec­ta­ti­vas da re­de.

“Por ou­tro la­do, me­di­mos uma ta­xa de apro­va­ção [de cli­en­tes] por par­te das ope­ra­do­ras mui­to in­fe­ri­or à me­di­da nas nos­sas lo­jas, on­de tam­bém ven­de­mos pre­sen­ci­al­men­te es­se ser­vi­ço, e é is­so que es­ta­mos es­tu­dan­do ago­ra”, dis­se Ida­rio Jú­ni­or. “Es­se é o nos­so mai­or de­sa­fio. Não qu­e­re­mos ter ape­nas um hot­si­te com a ofer­ta do pla­no, qu­e­re­mos que se­ja es­ca­lá­vel e re­le­van­te.”

A Cla­ro já atua há cer­ca de seis me­ses com ca­nais di­gi­tais no va­re­jo, se­gun­do Le­an­dro Bu­e­no, di­re­tor de ca­nais de ven­da da com­pa­nhia. A ope­ra­do­ra tem ex­clu­si­vi­da­de nes­se ca­nal com a Ri­car­do Ele­tro e a Lo­jas Co­lom­bo, no Sul do país — nes­sa úl­ti­ma, o sis­te­ma es­tá em tes­te. Há ain­da uma ali­an­ça com a Fast Shop. Em to­das as re­des, es­tão à ven­da os ser­vi­ços mó­veis pré-pa­go, con­tro­le e pós-pa­go, e em al­gu­mas tam­bém os re­si­den­ci­ais — TV pa­ga e ban­da lar­ga fixa. Bu­e­no es­pe­ra fe­char o ano com 10% das ven­das no mo­de­lo di­gi­tal.

“O va­re­jo fe­cha a ven­da [com o con­su­mi­dor], nós ati­va­mos o ser­vi­ço e da­mos o aten­di­men­to. A va­re­jis­ta en­tre­ga o chip ou apa­re­lho”, dis­se Fa­bri­cio Bin­di, di­re­tor de ca­nais da Vi­vo. “É uma jor­na­da di­gi­tal, ou­tro flu­xo de ven­das. A ex­pe­ri­ên­cia ain­da não es­tá uni­fi­ca­da.” Na opi­nião do exe­cu­ti­vo, o ca­nal po­de cres­cer mui­to e pas­sar a ser re­le­van­te. A Vi­vo faz ex­pe­ri­ên­cia tam­bém com ou­tros va­re­jis­tas pa­ra ex­pan­dir as ven­das di­gi­tais.

O pré-pa­go, por en­quan­to, não en­tra nes­se mo­de­lo de ne­gó­ci­os. “De­pois ava­li­a­re­mos se faz sen­ti­do”, dis­se Flá­vio Mo­rel­li, di­re­tor de trans­for­ma­ção di­gi­tal da TIM. Is­so por­que qual­quer pes­soa po­de com­prar um chip em ban­ca de jor­nal e ati­vá-lo so­zi­nha. Se a ven­da for pa­ra o si­te, a ope­ra­do­ra te­rá de en­viá-lo. Já no ca­so do pla­no con­tro­le, Mo­rel­li con­si­de­ra que o be­ne­fí­cio pa­ra a TIM é que a Ame­ri­ca­nas.com tem um trá­fe­go re­pre­sen­ta­ti­vo de usuá­ri­os, o que po­de­rá sig­ni­fi­car um ga­nho re­le­van­te de cli­en­tes pa­ra a te­le.

Já com o Ma­ga­zi­ne Lui­za, em tes­te-pi­lo­to com a TIM des­de ou­tu­bro de 2017, es­tá sen­do fei­to o ali­nha­men­to téc­ni­co. Os re­sul­ta­dos tal­vez pos­sam ser me­di­dos em três me­ses, dis­se o exe­cu­ti­vo. De mo­do ge­ral, 9% de to­das as ven­das de con­tro­le vêm pe­los ca­nais di­gi­tais.

“Fa­zer um hot­si­te e co­lo­cá-lo no ar é mui­to fá­cil — mas is­so não im­pli­ca mi­lha­res de ven­das, mes­mo num si­te com o nos­so vo­lu­me de trá­fe­go”, dis­se o ge­ren­te do Ma­ga­zi­ne Lui­za. “A di­gi­ta­li­za­ção do pro­ces­so traz de­sa­fi­os que vão des­de usa­bi­li­da­de a au­men­to de ris­co de frau­de e is­so po­de de­man­dar ajus­tes em to­dos os pon­tos da ca­deia. Co­me­ça­mos a ne­go­ci­ar es­ses ajus­tes com as ope­ra­do­ras ago­ra, es­ta­mos apos­tan­do.”

SILVIA COSTANTI/VA­LOR

José Mau­ro Motta, da Wo­o­za: por­tal no si­te das te­les e das va­re­jis­tas pa­ra ven­der por elas pla­nos de ce­lu­lar pós-pa­go, TV por as­si­na­tu­ra e ban­da lar­ga fixa

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.