Di­a­man­te atrai con­su­mi­dor jo­vem

Valor Econômico - - | EMPRESAS SERVIÇOS&TECNOLOGIA - Lu­xo Henry San­der­son

Os “mil­len­ni­als” e seus pa­res da “Ge­ra­ção Z” se trans­for­ma­ram nos mai­o­res con­su­mi­do­res de di­a­man­tes do mun­do, se­gun­do a De Be­ers, a prin­ci­pal pro­du­to­ra mun­di­al.

Os dois gru­pos res­pon­de­ram por dois ter­ços da de­man­da re­cor­de de US$ 82 bi­lhões no ano pas­sa­do e do­mi­nam o con­su­mo nos Es­ta­dos Uni­dos e Chi­na, in­for­mou a De Be­ers em seu re­la­tó­rio anu­al so­bre o se­tor.

Os “mil­len­ni­als” são as pes­so­as com ida­des en­tre 21 e 37 anos, en­quan­to a “Ge­ra­ção Z” en­vol­ve aque­les que têm até 20 anos.

O fu­tu­ro do ne­gó­cio vai de­pen­der do grau de su­ces­so da co­mer­ci­a­li­za­ção dos di­a­man­tes pa­ra es­sas du­as ge­ra­ções, que pos­su­em há­bi­tos de con­su­mo e gas­tos di­fe­ren­tes dos con­su­mi­do­res mais ve­lhos, des­ta­cou a mi­ne­ra­do­ra con­tro­la­da pe­la An­glo Ame­ri­can no do­cu­men­to.

“A mu­dan­ça do po­der de con­su­mo pa­ra os ‘mil­len­ni­als’ e a ‘Ge­ra­ção Z’ apre­sen­ta opor­tu­ni­da­des con­si­de­rá­veis pa­ra a in­dús­tria dos di­a­man­tes, des­de que o se­tor se em­pe­nhe em en­ten­der es­sas ge­ra­ções e adap­te su­as es­tra­té­gi­as de mar­ke­ting pa­ra in­cor­po­rar as ne­ces­si­da­des e pri­o­ri­da­des dos jo­vens”, afir­mou ain­da a De Be­ers.

As mi­ne­ra­do­ras de di­a­man­tes pre­ci­sam “ali­nhar seus va­lo­res” aos das ge­ra­ções mais no­vas, que pre­zam o con­su­mo éti­co e re­jei­tam os es­te­reó­ti­pos de gê­ne­ro”, dis­se Bru­ce Cle­a­ver, CEO da De Be­ers, que ex­plo­ra mi­nas em Bot­su­a­na e no Ca­na­dá.

“É ca­da vez mais im­pe­ra­ti­vo que a res­pon­sa­bi­li­da­de cor­po­ra­ti­va e os im­pac­tos so­ci­ais po­si­ti­vos es­te­jam no cen­tro das es­tra­té­gi­as e da for­ça mo­triz por trás de to­das as de­ci­sões que to­ma­mos”, acres­cen­tou Cle­a­ver.

Os “mil­len­ni­als” e a “Ge­ra­ção Z” res­pon­de­ram por 63% da de­man­da de joi­as com di­a­man­tes nos Es­ta­dos Uni­dos em 2017 e qua­se 80% das ven­das na Chi­na, se­gun­do a De Be­ers.

O re­la­tó­rio é di­vul­ga­do no mo­men­to em que as mi­ne­ra­do­ras en­fren­tam uma com­pe­ti­ção cres­cen­te dos di­a­man­tes pro­du­zi­dos em la­bo­ra­tó­ri­os, ge­mas qui­mi­ca­men­te idên­ti­cas que são comercializadas co­mo uma al­ter­na­ti­va mais éti­ca. Al­gu­mas das mai­o­res jo­a­lhe­ri­as, co­mo a Swa­rovs­ki e a Borsheims de War­ren Buf­fett, es­tão ago­ra tra­ba­lhan­do com pe­dras cri­a­das em la­bo­ra­tó­ri­os.

Em maio a De Be­ers in­for­mou que co­me­ça­ria a ven­der em se­tem­bro co­la­res de di­a­man­tes e brin­cos pro­du­zi­dos em la­bo­ra­tó­rio, sob uma no­va mar­ca cha­ma­da Light­box.

As ge­mas cri­a­das em la­bo­ra­tó­rio res­pon­dem por cer­ca de 2% do mer­ca­do mun­di­al e ain­da pre­ci­sam se fir­mar.

A de­man­da mun­di­al por di­a­man­tes se re­cu­pe­rou no ano pas­sa­do, cres­cen­do 2% em com­pa­ra­ção ao ano an­te­ri­or, se­gun­do in­for­mou a De Be­ers. Is­so se­guiu-se a um cres­ci­men­to de 0,3% na de­man­da glo­bal em 2016 e uma que­da de 1,5% em 2015.

O mer­ca­do ame­ri­ca­no pu­xou o cres­ci­men­to, com uma ex­pan­são de 4,2% pa­ra US$ 43 bi­lhões. Em mo­e­da lo­cal, a de­man­da na Chi­na cres­ceu 3%, pa­ra 66 bi­lhões de yu­ans, mas caiu 2,5% na Ín­dia e 2,9% no Ja­pão.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.