Chi­na já ga­nha for­ça nas ca­dei­as glo­bais de va­lor da área agrí­co­la

É o que apon­ta es­tu­do de or­ga­ni­za­ções internacionais a ser di­vul­ga­do nes­ta sex­ta-fei­ra

Valor Econômico - - AGRONEGÓCIOS - As­sis Mo­rei­ra Ex­por­ta­do­res agrí­co­las (AM)

A Chi­na emer­giu co­mo “key player” nas ca­dei­as glo­bais de va­lor na agri­cul­tu­ra, com um avan­ço nes­sa fren­te que de lon­ge su­pe­rou o do Bra­sil e de ou­tros gran­des paí­ses ex­por­ta­do­res, de acor­do com es­tu­do ao qu­al o Va­lor te­ve aces­so ela­bo­ra­do por cin­co im­por­tan­tes re­fe­rên­ci­as internacionais: Or­ga­ni­za­ção Mun­di­al do Co­mér­cio (OMC), Or­ga­ni­za­ção pa­ra Co­o­pe­ra­ção e De­sen­vol­vi­men­to Eco­no­mi­co (OCDE), a agên­cia da ONU pa­ra Co­mér­cio e De­sen­vol­vi­men­to (Unc­tad), Ban­co Mun­di­al e Cen­tro In­ter­na­ci­o­nal de Co­mér­cio (ITC).

Es­se do­cu­men­to se­rá exa­mi­na­do nes­ta sex­ta-fei­ra pe­los mi­nis­tros de Co­mér­cio das prin­ci­pais eco­no­mi­as de­sen­vol­vi­das e emer­gen­tes, em reu­nião do G20 a ser re­a­li­za­da em Mar del Pla­ta (Ar­gen­ti­na). Nas Ca­dei­as Glo­bais de Va­lor (CGV), a aná­li­se en­vol­ve a evo­lu­ção da pro­du­ção em es­tá­gi­os que agre­gam va­lor. Le­va em con­ta que em ca­da es­tá­gio, o pro­du­tor, pa­ra re­a­li­zar seu tra­ba­lho, com­pra in­su­mos e em­pre­ga fa­to­res de pro­du­ção (ca­pi­tal, ter­ra e tra­ba­lho).

As Ca­dei­as Glo­bais de Va­lor al­te­ra­ram a na­tu­re­za de pro­du­ção e es­pe­ci­a­li­za­ção ao re­dor do mun­do. O mo­vi­men­to é mais ób­vio nas ma­nu­fa­tu­ras, mas mu­dan­ças si­mi­la­res es­tão em cur­so nos se­to­res agrí­co­la e de ali­men­tos, cons­ta­ta o es­tu­do. E, por sua vez, mu­dan­ças no co­mér­cio in­ter­na­ci­o­nal agro­a­li­men­tar es­tão ten­do im­pac­to nes­ses se­to­res — na pro­du­ti­vi­da­de, no cres­ci­men­to da pro­du­ção e na me­lho­ra dos mei­os de sub­sis­tên­cia.

Con­for­me o tra­ba­lho, as CGVs no se­tor agro­a­li­men­tar es­tão ca­da vez mais con­cen­tra­das em “hubs” es­pe­cí­fi­cos, em tor­no da Chi­na, Es­ta­dos Uni­dos e Ale­ma­nha. Es­ses paí­ses têm as mai­o­res ofer­tas e de­man­das por va­lor agre­ga­do nas ca­dei­as glo­bais no se­tor agrí­co­la. A Chi­na, so­bre­tu­do, re­gis­trou o mai­or cres­ci­men­to no uso de pro­du­tos agrí­co­las com va­lor agre­ga­do pa­ra ex­por­ta­ção e tam­bém no su­pri­men­to de pro­du­tos pa­ra es­sas ca­dei­as.

A par­ti­ci­pa­ção da Chi­na no cres­ci­men­to do co­mér­cio agrí­co­la com va­lor agre­ga­do pa­ra uso nas CGVs es­ta­va pró­xi­mo a 27% na es­ti­ma­ti­va mais re­cen­te, su­pe­ran­do a so­ma dos três mai­o­res paí­ses que apa­re­cem em se­gui­da na lis­ta: Bra­sil (8%), Es­ta­dos Uni­dos (8%) e Ín­dia (6%). Di­ver­sos paí­ses eu­ro­peus fo­ram res­pon­sá­veis por ga­nhos im­por­tan­tes no cres­ci­men­to do co­mér­cio agrí­co­la com va­lor agre­ga­do en­tre os anos de 2004 e 2014.

Além do su­pri­men­to pa­ra ex­por­ta­ções, a con­cen­tra­ção tam­bém é ex­pres­si­va do la­do dos com­pra­do­res de pro­du­tos agrí­co­las com va­lor agre­ga­do in­cluí­dos na ca­deia glo­bal. Pa­ra es­sa for­ma de co­mér­cio de CGV, os Es­ta­dos Uni­dos são o com­pra­dor mais cen­tral, mas ou­tros paí­ses são pro­e­mi­nen­tes, co­mo é o ca­so de Chi­na, Ale­ma­nha, Ja­pão e vá­ri­os eu­ro­peus.

O es­tu­do das or­ga­ni­za­ções internacionais apon­ta di­fe­ren­ça con­si­de­rá­vel nos se­to­res agro­a­li­men­ta­res na ex­ten­são e na ma­nei­ra co­mo par­ti­ci­pam das Ca­dei­as Glo­bais de Va­lor. Al­guns pro­du­tos, es­pe­ci­al­men­te pe­re­cí­veis, têm pou­ca par­ti­ci­pa­ção di­re­ta, ca­sos do ar­roz com cas­ca, do lei­te, da ca­na-de-açúcar e da be­ter­ra­ba. A par­ti­ci­pa­ção des­ses seg­men­tos acon­te­ce por meio de co­ne­xões com ou­tros se­to­res de pro­ces­sa­men­to do­més­ti­cos.

As po­lí­ti­cas de co­mér­cio e in­ves­ti­men­to têm in­fluên­cia fun­da­men­tal na par­ti­ci­pa­ção das CGVs — as ta­ri­fas de im­por­ta­ção e ta­xas co­bra­das nas ex­por­ta­ções re­du­zem a par­ti­ci­pa­ção de um se­tor nas ca­dei­as. Me­di­das não ta­ri­fá­ri­as (co­mo sa­ni­tá­ri­as e fi­tos­sa­ni­tá­ri­as (SPS) e bar­rei­ras téc­ni­cas ao co­mér­cio (TBT) tam­bém re­du­zem a par­ti­ci­pa­ção, por mo­ti­va­rem au­men­to de cus­tos.

Em con­tra­par­ti­da, in­fra­es­tru­tu­ra de transporte, edu­ca­ção e apor­tes em pes­qui­sa e de­sen­vol­vi­men­to agrí­co­la são po­si­ti­va­men­te re­la­ci­o­na­dos à cri­a­ção de va­lor agre­ga­do in­ter­no e têm re­fle­xos po­si­ti­vos na par­ti­ci­pa­ção das CGV. Ou­tros fa­to­res, co­mo a ca­pa­ci­da­de de aten­der aos pa­drões pri­va­dos (re­pre­sen­ta­dos pe­lo nú­me­ro de pro­du­to­res cre­den­ci­a­dos), tam­bém são im­por­tan­tes em di­ver­sos paí­ses.

Pa­ra que um país ma­xi­mi­ze a par­ti­ci­pa­ção nas CGVs, o es­tu­do su­ge­re que os go­ver­nos fa­çam um mix de ações po­lí­ti­cas do­més­ti­cas e glo­bais. Co­mo as CGVs no se­tor agro­a­li­men­tar se tor­nam mais com­ple­xas e re­que­rem mai­or ní­vel de in­ves­ti­men­to, uma das pro­pos­tas é a pro­mo­ção de “prin­cí­pi­os res­pon­sá­veis” de in­ves­ti­men­tos, por exem­plo.

Mas no G20 os pro­ble­mas co­me­çam quan­do uma das pro­pos­tas é cor­ri­gir dis­tor­ções no co­mér­cio, em par­ti­cu­lar nas ta­ri­fas e bar­rei­ras não ta­ri­fá­ri­as. EUA e vá­ri­os paí­ses eu­ro­peus nem que­rem ou­vir fa­lar de des­mon­tar seus sub­sí­di­os. Mas, com es­se no­vo es­tu­do, o G20 pe­lo me­nos te­rá co­lo­ca­do fo­co em uma no­va ten­dên­cia no co­mér­cio agrí­co­la in­ter­na­ci­o­nal.

Pro­du­tos pro­ces­sa­dos re­pre­sen­tam a mai­or fa­tia do co­mér­cio agrí­co­la glo­bal e o Bra­sil não se des­ta­ca nes­se ce­ná­rio, con­for­me es­ta­tís­ti­cas da Or­ga­ni­za­ção Mun­di­al do Co­mér­cio (OMC). Se­gun­do a en­ti­da­de, os Pro­du­tos Agrí­co­las Pro­ces­sa­dos (PAP), co­mo cho­co­la­te e ca­fé in­dus­tri­a­li­za­do, res­pon­dem por 44% das ex­por­ta­ções agrí­co­las mun­di­ais. As ven­das ex­ter­nas des­se seg­men­to cres­ce­ram 2,4% en­tre 2008 e 2016, mas no ca­so dos em­bar­ques do Bra­sil hou­ve que­da de 1,2% no pe­río­do.

O co­mér­cio de PAPs é con­cen­tra­do nas mãos de pou­cos ex­por­ta­do­res, co­mo União Eu­ro­peia e EUA. Em 2016, paí­ses de­sen­vol­vi­dos re­pre­sen­ta­ram qua­se 80% dos em­bar­ques des­ses pro­du­tos. Ale­ma­nha e Suí­ça, que não plan­tam nem um pé de ca­fé, es­tão en­tre os mai­o­res ex­por­ta­do­res mun­di­ais do ca­fé so­lú­vel. Em boa me­di­da, o Bra­sil não con­se­gue ter o mes­mo pe­so nes­sas áre­as por cau­sa da es­ca­la­da ta­ri­fá­ria. Quan­do um pro­du­to tem va­lor agre­ga­do, pa­ga ta­ri­fas mais ele­va­das de im­por­ta­ção em di­ver­sos mer­ca­dos de­sen­vol­vi­dos.

Pro­du­tos se­mi­pro­ces­sa­dos co­mo fa­re­lo de so­ja e óle­os ve­ge­tais re­pre­sen­ta­ram 27% das ex­por­ta­ções mun­di­ais em 2016, con­for­me a OMC. Hou­ve um au­men­to glo­bal de 1,6% en­tre 2008 e 2016 nes­sa fren­te, e as ex­por­ta­ções bra­si­lei­ras au­men­ta­ram mais — 3,4%. Já pro­du­tos pri­má­ri­os a gra­nel co­mo ca­fé ver­de e tri­go re­pre­sen­ta­ram 16% das ex­por­ta­ções agrí­co­las no in­ter­va­lo. Glo­bal­men­te, es­se seg­men­to cres­ceu 1,3%, e as ex­por­ta­ções bra­si­lei­ras su­bi­ram 5,6%.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.