Ino­va­ção no Va­le do Si­lí­cio não che­ga ao RH

Valor Econômico - - PRIMEIRA PÁGINA - Le­tí­cia Ar­co­ver­de

Quan­do Patty McCord saiu da che­fia da área de re­cur­sos hu­ma­nos da Net­flix, em 2012, foi vi­si­tar ou­tras em­pre­sas de tec­no­lo­gia do Va­le do Si­lí­cio pa­ra sa­ber o que es­ta­vam fa­zen­do de di­fe­ren­te na área de ges­tão de pes­so­as. “Eu co­me­cei a me en­con­trar com star­tups e pro­fis­si­o­nais de RH e nin­guém es­ta­va fa­zen­do na­da. Es­tá­va­mos no meio de um se­gun­do bo­om de em­pre­sas de tec­no­lo­gia e a úni­ca di­fe­ren­ça é que as pes­so­as ago­ra ti­nham cer­ve­ja no es­cri­tó­rio”, diz.

Is­so de­mons­tra que a ob­ses­são por tor­nar os fun­ci­o­ná­ri­os fe­li­zes en­trou pa­ra as “me­lho­res prá­ti­cas” do RH — e Patty, que pas­sou 14 anos na Net­flix, é uma for­te opo­nen­te da ideia de “me­lho­res prá­ti­cas”. “Na mi­nha ex­pe­ri­ên­cia, is­so sem­pre sig­ni­fi­ca fa­zer o que to­do mun­do es­tá fa­zen­do. Por exem­plo, es­ta­mos há anos usan­do sis­te­mas de com­pen­sa­ção que re­sul­ta­ram em di­fe­ren­ças sa­la­ri­ais en­tre ho­mens e mu­lhe­res. Tal­vez is­so não se­ja exa­ta­men­te uma me­lhor prá­ti­ca”, diz.

Foi na Net­flix que Patty de­sen­vol­veu, jun­to com o CEO Re­ed Has­tings, um do­cu­men­to que de­fen­de a “trans­pa­rên­cia ra­di­cal” e lis­ta os com­por­ta­men­tos que a em­pre­sa diz va­lo­ri­zar e pro­mo­ver, co­mo “ser rá­pi­do pa­ra ad­mi­tir er­ros”, “não ser po­lí­ti­co ao dis­cor­dar dos ou­tros e ser re­co­nhe­ci­do por ser di­re­to” e en­ten­der que “ba­ba­cas bri­lhan­tes são to­le­ra­dos em al­gu­mas em­pre­sas, mas aqui não, por­que o cus­to pa­ra a equi­pe é gran­de de­mais”.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.