Ve­ne­zu­e­la usa con­fe­rên­cia do cli­ma pa­ra ten­tar se re­a­pro­xi­mar do Bra­sil

Valor Econômico - - BRASIL - Da­ni­e­la Chi­a­ret­ti

A con­fe­rên­cia do cli­ma das Na­ções Uni­das que o Bra­sil quer re­a­li­zar em 2019 ser­viu co­mo pretexto pa­ra a Ve­ne­zu­e­la se re­a­pro­xi­mar do Bra­sil e ten­tar re­to­mar as re­la­ções di­plo­má­ti­cas sus­pen­sas des­de de­zem­bro. A re­a­li­za­ção da CoP 25 de­pen­de, con­tu­do, de quem se­rá o no­vo pre­si­den­te bra­si­lei­ro.

O even­to, com po­ten­ci­al pa­ra ser a mai­or reu­nião in­ter­na­ci­o­nal do pró­xi­mo go­ver­no, tem cus­to pre­vis­to em R$ 400 mi­lhões. Sal­va­dor se can­di­da­tou ofi­ci­al­men­te pa­ra abri­gar a con­fe­rên­cia da ONU que é in­for­mal­men­te dis­pu­ta­da por São Pau­lo e Rio de Ja­nei­ro e, no Pa­ra­ná, Cu­ri­ti­ba e Foz do Igua­çu.

Nas ne­go­ci­a­ções in­ter­na­ci­o­nais, a CoP 25 co­me­çou a se tor­nar mais con­cre­ta na tar­de de 28 de se­tem­bro. Du­ran­te os even­tos da As­sem­bleia Ge­ral da ONU em No­va York, Jor­ge Ar­re­a­za, mi­nis­tro das Re­la­ções Ex­te­ri­o­res da Ve­ne­zu­e­la, pe­diu um en­con­tro com seu par bra­si­lei­ro, o mi­nis­tro Aloy­sio Nu­nes.

As re­la­ções en­tre os dois paí­ses es­ta­vam con­ge­la­das des­de de­zem­bro, quan­do a Ve­ne­zu­e­la ex­pul­sou o em­bai­xa­dor bra­si­lei­ro Ruy Pe­rei­ra. A es­ca­la­da da cri­se co­me­çou du­ran­te o im­pe­a­ch­ment da en­tão pre­si­den­te Dil­ma Rous­seff. Ca­ra­cas clas­si­fi­cou o ato co­mo gol­pe e não re­co­nhe­ceu o go­ver­no Mi­chel Te­mer. A re­cí­pro­ca ocor­reu com o go­ver­no Ni­co­lás Ma­du­ro. A re­la­ção aze­dou com a sus­pen­são da Ve­ne­zu­e­la do Mer­co­sul em 2016.

Na úl­ti­ma con­fe­rên­cia do cli­ma, na Ale­ma­nha, no fi­nal de 2017, o Bra­sil se can­di­da­tou a se­di­ar a reu­nião de 2019. Pe­las re­gras da ONU, a pro­pos­ta ti­nha que ser apro­va­da por con­sen­so den­tro do gru­po de paí­ses la­ti­no-ame­ri­ca­nos e do Ca­ri­be, co­nhe­ci­do por Gru­lac. A Ve­ne­zu­e­la se opôs. Era uma re­ta­li­a­ção à re­la­ção dis­tan­te dos dois paí­ses e à de­ci­são do Gru­po de Li­ma (con­jun­to de 14 paí­ses da Amé­ri­ca La­ti­na e Ca­ri­be) de não apoi­ar ne­nhu­ma can­di­da­tu­ra ve­ne­zu­e­la­na a or­ga­nis­mos in­ter­na­ci­o­nais.

O im­pas­se se­guiu até se­tem­bro, em No­va York. Os venezuelanos to­ma­ram a ini­ci­a­ti­va da reu­nião. A in­ter­pre­ta­ção de um ob­ser­va­dor foi de que o go­ver­no Ma­du­ro sen­te a pres­são cres­cen­te e no­tou que a po­si­ção do Bra­sil é mais mo­de­ra­da. O Bra­sil não apoi­ou car­ta en­vi­a­da por Ar­gen­ti­na, Colôm­bia, Chi­le, Pa­ra­guai, Pe­ru e Ca­na­dá à pro­cu­ra­do­ria do Tri­bu­nal Pe­nal In­ter­na­ci­o­nal (TPI), pe­din­do a in­ves­ti­ga­ção de su­pos­tos cri­mes con­tra a hu­ma­ni­da­de co­me­ti­dos por au­to­ri­da­des ve­ne­zu­e­la­nas. O Bra­sil en­ten­de que o te­ma já es­tá sen­do tra­ta­do no fó­rum e que não é pre­ci­so dar ou­tro pas­so nes­ta di­re­ção. “O que não dá é cha­mar ver­de de ama­re­lo. Eles têm 250 pre­sos po­lí­ti­cos, não tem in­de­pen­dên­cia de po­de­res, não res­pei­tam a Cons­ti­tui­ção”, diz o ana­lis­ta. “Mas o Bra­sil é aberto ao diá­lo­go.”

Nu­nes pre­pa­rou sua pau­ta: re­fu­gi­a­dos, co­o­pe­ra­ção em saú­de (cam­pa­nhas de va­ci­na­ção e tro­ca de in­for­ma­ções epi­de­mi­o­ló­gi­cas), co­o­pe­ra­ção na fron­tei­ra pa­ra im­pe­dir o trá­fi­co de dro­gas, ar­mas e pes­so­as, além dos US$ 30 mi­lhões que a Ele­tro­nor­te de­ve à Ve­ne­zu­e­la pe­lo abas­te­ci­men­to de ener­gia de Ro­rai­ma (que não con­se­gue ser pa­ga pe­las san­ções dos EUA à Ve­ne­zu­e­la) e da dí­vi­da ve­ne­zu­e­la­na com o Bra­sil, es­ti­ma­da em US$ 275 mi­lhões. A pro­pos­ta bra­si­lei­ra se­ria de um ajus­te de con­tas — a dí­vi­da da ener­gia sen­do de­du­zi­da do que a Ve­ne­zu­e­la de­ve ao Bra­sil.

A CoP no Bra­sil foi ou­tro pon­to le­van­ta­do por Aloy­sio Nu­nes. Os venezuelanos disseram que o Bra­sil po­de­ria con­tar com o seu apoio. Em 4 de ou­tu­bro, a pre­si­dên­cia do Gru­lac, ocupada por Bar­ba­dos, emi­tiu no­ta di­zen­do que a can­di­da­tu­ra bra­si­lei­ra ti­nha con­sen­so.

Se as ares­tas in­ter­na­ci­o­nais fo­ram apa­ra­das, o ce­ná­rio do­més­ti­co é ou­tro. A CoP en­trou no Lei de Di­re­tri­zes Or­ça­men­tá­ri­as (LDO), mas em um ar­ti­go em que ha­via des­de fun­dos pa­ra mu­ni­cí­pi­os até a cons­tru­ção de ae­ro­por­tos. Na ava­li­a­ção do Mi­nis­té­rio do Pla­ne­ja­men­to, o im­pac­to or­ça­men­tá­rio do ar­ti­go se­ria de mais de R$ 10 bi­lhões. O go­ver­no ne­go­cia ago­ra com o Con­gres­so que a CoP se­ja in­cluí­da na Lei Or­ça­men­tá­ria Anu­al (LOA), em ar­ti­go es­pe­cí­fi­co.

“Que­re­mos dei­xar tu­do cer­to pa­ra que o go­ver­no de tran­si­ção to­me a de­ci­são”, diz uma fon­te. O Mi­nis­té­rio do Meio Am­bi­en­te mon­ta pro­je­to pa­ra per­mi­tir a cap­ta­ção de pa­tro­cí­nio pri­va­do que, na Rio+20, foi de R$ 120 mi­lhões.

A ques­tão é que o can­di­da­to do PSL, Jair Bol­so­na­ro, diz que, se for pre­si­den­te, o Bra­sil sai­rá do Acor­do de Pa­ris. Nes­te con­tex­to, uma CoP no Bra­sil não tem sen­ti­do. A can­di­da­tu­ra bra­si­lei­ra tem que ser for­ma­li­za­da na CoP des­te ano, na Polô­nia. Se o Bra­sil se re­ti­rar e ne­nhum ou­tro país da re­gião as­su­mir a pro­pos­ta, a CoP 25 acon­te­ce­rá na se­de da Con­ven­ção do Cli­ma, em Bonn, na Ale­ma­nha.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.