Cri­an­ças bra­si­lei­ras têm me­ta­de do po­ten­ci­al de pro­du­ti­vi­da­de, diz es­tu­do

Valor Econômico - - BRASIL - Fá­bio Pu­po

O Ban­co Mun­di­al lan­çou um no­vo re­la­tó­rio pa­ra me­dir a quan­ti­da­de de ca­pi­tal hu­ma­no que uma cri­an­ça nas­ci­da ho­je po­de es­pe­rar atin­gir aos 18 anos, con­si­de­ran­do pa­râ­me­tros de saú­de e edu­ca­ção no país on­de vi­ve. A ins­ti­tui­ção afir­ma que o Bra­sil tem um ní­vel su­pe­ri­or à mé­dia de seus vi­zi­nhos da Amé­ri­ca La­ti­na, mas in­fe­ri­or ao de pa­res in­ter­na­ci­o­nais com mes­mo pa­ta­mar de ren­da.

De acor­do com a ins­ti­tui­ção, o Ín­di­ce de Ca­pi­tal Hu­ma­no (ICH) re­fle­te a pro­du­ti­vi­da­de de uma cri­an­ça nas­ci­da ho­je co­mo tra­ba­lha­dor do fu­tu­ro, com­pa­ra­da com o que se­ria se ela ti­ves­se saú­de to­tal e edu­ca­ção com­ple­ta e de al­ta qu­a­li­da­de. Em uma es­ca­la de 0 a 1, em que 1 se­ria a me­lhor pon­tu­a­ção pos­sí­vel. Um país que mar­car 0,5 pon­to, por exem­plo, te­rá seus in­di­ví­du­os na me­ta­de de seu po­ten­ci­al econô­mi­co fu­tu­ro.

No Bra­sil, o IDH fi­cou apro­xi­ma­da­men­te o mes­mo en­tre 2012 e 2017, em 0,56. A ins­ti­tui­ção afir­ma que não há nú­me­ros mais an­ti­gos pa­ra uma com­pa­ra­ção mais am­pla. O me­lhor in­di­ca­dor bra­si­lei­ro é o de so­bre­vi­vên­cia das cri­an­ças aos cin­co anos de ida­de — 99% de­las che­gam com vi­da a es­sa ida­de.

Além dis­so, o es­tu­do apon­ta que as cri­an­ças no Bra­sil fi­ca­ram 11,7 anos na es­co­la en­tre os 4 e os 18 anos de ida­de. No en­tan­to, quan­do es­se pe­río­do é ajus­ta­do pa­ra o pe­río­do em que elas re­al­men­te apren­de­ram, o tem­po é equi­va­len­te a 7,6 anos: um “bu­ra­co” de apren­di­za­gem de 4,1 anos. O re­la­tó­rio mos­tra ain­da que a ca­da cem cri­an­ças bra­si­lei­ras, seis são raquí­ti­cas e, as­sim, cor­rem ris­co de li­mi­ta­ções cog­ni­ti­vas e fí­si­cas.

Den­tro da Amé­ri­ca La­ti­na e Ca­ri­be, o Ban­co Mun­di­al diz que o Chi­le li­de­ra o ran­king da re­gião. Uma cri­an­ça nas­ci­da na­que­le país ho­je te­rá 67% da pro­du­ti­vi­da­de no tra­ba­lho que te­ria ca­so ti­ves­se aces­so à edu­ca­ção e à saú­de con­si­de­ra­das ide­ais. Em paí­ses co­mo Ar­gen­ti­na, Colôm­bia, Equa­dor, Mé­xi­co, Pe­ru ou Uru­guai, as cri­an­ças nas­ci­das ho­je te­rão cer­ca 60% da pro­du­ti­vi­da­de pos­sí­vel, con­si­de­ran­do os mes­mos pa­râ­me­tros.

De acor­do com o re­la­tó­rio, a re­gião tem bons in­di­ca­do­res de saú­de de cri­an­ças, al­tos ín­di­ces de so­bre­vi­vên­cia de adul­tos e ní­veis re­la­ti­va­men­te bai­xos de atro­fia men­tal. Ain­da as­sim, os es­tu­dan­tes pos­su­em no­tas me­no­res em to­dos os as­sun­tos men­su­ra­dos no Pro­gra­ma In­ter­na­ci­o­nal de Ava­li­a­ção de Es­tu­dan­tes (Pi­sa, na si­gla em in­glês) co­le­ta­dos pe­la Or­ga­ni­za­ção pa­ra a Co­o­pe­ra­ção e o De­sen­vol­vi­men­to Econô­mi­co (OCDE).

O vi­ce-pre­si­den­te do Ban­co Mun­di­al pa­ra a re­gião, Jor­ge Fa­mi­li­ar, afir­ma que a Amé­ri­ca La­ti­na pre­ci­sa me­lho­rar em itens co­mo a qu­a­li­da­de do en­si­no. “A re­gião avan­çou sig­ni­fi­ca­ti­va­men­te no de­sen­vol­vi­men­to hu­ma­no nos úl­ti­mos 25 anos, mas pre­ci­sa fa­zer mais es­for­ços pa­ra apri­mo­rar a qu­a­li­da­de da edu­ca­ção, for­ne­cer as ha­bi­li­da­des ne­ces­sá­ri­as pa­ra que a pró­xi­ma ge­ra­ção se­ja bem-su­ce­di­da e avan­çar na par­ti­ci­pa­ção fe­mi­ni­na no mer­ca­do de tra­ba­lho.”

Em to­do o mun­do, se­gun­do o ór­gão, 56% das cri­an­ças nas­ci­das ho­je vão per­der mais da me­ta­de dos seus ga­nhos po­ten­ci­ais na vi­da, por fal­ta de in­ves­ti­men­to go­ver­na­men­tal. Os me­lho­res paí­ses no ín­di­ce são Cin­ga­pu­ra, Co­reia do Sul e Japão. Os pi­o­res re­sul­ta­dos es­tão em Ni­gé­ria, Su­dão e Cha­de.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.