Kei­ko é pre­sa em meio à de­ca­dên­cia do fu­ji­mo­ris­mo no Pe­ru

Valor Econômico - - INTERNACIONAL - Mar­sí­lea Gom­ba­ta

A prin­ci­pal lí­der da opo­si­ção no Pe­ru, Kei­ko Fu­ji­mo­ri, foi pre­sa on­tem por sus­pei­ta de la­va­gem de di­nhei­ro du­ran­te a sua cam­pa­nha pre­si­den­ci­al em 2011. A pri­são coin­ci­de com o pi­or re­sul­ta­do do fu­ji­mo­ris­mo nas ur­nas. Nas elei­ções mu­ni­ci­pais de do­min­go, o par­ti­do Fu­er­za Po­pu­lar não ele­geu can­di­da­tos nas prin­ci­pais ci­da­des do país.

Kei­ko, que foi can­di­da­ta à Pre­si­dên­cia em 2011 e 2016, foi pre­sa de­pois de pres­tar de­poi­men­to à Pro­cu­ra­do­ria e fi­ca­rá dez di­as em pri­são pre­ven­ti­va, se­gun­do a ad­vo­ga­da Giu­li­a­na Lo­za.

Ela é mais uma au­to­ri­da­de atin­gi­da pe­la ver­são pe­ru­a­na da La­vaJa­to, que in­ves­ti­ga do­a­ções ilegais da em­prei­tei­ra Ode­bre­cht a po­lí­ti­cos pe­ru­a­nos. Kei­ko é acu­sa­da de ter re­ce­bi­do US$ 1,2 mi­lhão da em­pre­sa bra­si­lei­ra em 2011.

Em mar­ço, o ex-pre­si­den­te Pe­dro Pa­blo Kuczyns­ki (20162018) re­nun­ci­ou, após sus­pei­tas de ter re­ce­bi­do mais de US$ 4,7 mi­lhões da Ode­bre­cht quan­do era mi­nis­tro do ex-pre­si­den­te Ale­jan­dro To­le­do (2001-2006). To­le­do é acu­sa­do de ter re­ce­bi­do US$ 20 mi­lhões em pro­pi­na e es­tá re­fu­gi­a­do nos EUA. O es­cân­da­lo atin­ge ain­da o ex-pre­si­den­te Ol­lan­ta Hu­ma­la (2011-2016), que es­tá pre­so, e Alan Gar­cía (2006-2011), acu­sa­do de re­ce­ber su­bor­no. A Ode­bre­cht ad­mi­tiu ter pa­go US$ 29 mi­lhões em pro­pi­na en­tre 2005 e 2014 no Pe­ru.

“A pri­são de Kei­ko ocor­re em um mo­men­to de ex­tre­ma po­la­ri­za­ção po­lí­ti­ca e de pres­são da opi­nião pú­bli­ca so­bre o Po­der Ju­di­ciá­rio”, afir­ma o ana­lis­ta Fer­nan­do Ros­pi­gli­o­si, di­re­tor da FRC Con­sul­to­res, de Li­ma. Es­sa pres­são, afir­ma, cres­ce à me­di­da que são re­ve­la­dos no­vos ca­sos de cor­rup­ção.

As­sim co­mo ocor­re em ou­tros paí­ses, no Pe­ru os par­ti­dos po­lí­ti­cos tra­di­ci­o­nais vi­vem uma cri­se e es­tão sen­do con­tes­ta­dos nas ur­nas. Em al­guns ca­sos, es­sa cri­se tem le­va­do à elei­ção de no­vos no­mes, não ne­ces­sa­ri­a­men­te de viés po­pu­lis­ta. Pa­ra a pre­fei­tu­ra de Li­ma, por exem­plo, o di­rei­tis­ta Jor­ge Muñoz foi elei­to com 36,3% dos vo­tos e der­ro­tou o mi­li­tar de ul­tra­di­rei­ta Da­ni­el Ur­res­ti, que ob­te­ve 19,6%. O can­di­da­to de Kei­ko, Di­tel Co­lum­bus, fi­cou com ape­nas 2,6%.

“Em paí­ses on­de há mui­ta vi­o­lên­cia, os elei­to­res se vol­tam pa­ra um no­me que mos­tre que tem for­ça, é va­len­te e po­de so­lu­ci­o­nar os pro­ble­mas fa­cil­men­te”, diz o ana­lis­ta po­lí­ti­co Car­los Ta­pia Gar­cía .

Se­gun­doTa­pia, Ur­res­ti se­ria es­se no­me, mas aca­bou der­ro­ta­do por Muñoz, que cres­ceu nas pes­qui­sas de in­ten­ção de vo­to nas se­ma­nas an­te­ri­o­res à elei­ção por sua pla­ta­for­ma an­ti­cor­rup­ção.

Com a de­ca­dên­cia do fu­ji­mo­ris­mo e a pri­são de Kei­ko, o pre­si­den­te pe­ru­a­no, Mar­tín Viz­car­ra, po­de ter me­nos obs­tá­cu­los pa­ra le­var adi­an­te sua agen­da de re­for­mas, as­sim co­mo apro­va­ção até o fim do mês do or­ça­men­to pa­ra 2019.

Viz­car­ra con­vo­ca­rá um re­fe­ren­do em 9 de de­zem­bro pa­ra sub­me­ter à apro­va­ção po­pu­lar re­for­mas po­lí­ti­cas e ju­di­ci­ais. Es­sas in­clu­em a proi­bi­ção da re­e­lei­ção de par­la­men­ta­res, o re­tor­no a um sis­te­ma bi­ca­me­ral no Con­gres­so, re­gras mais rí­gi­das pa­ra o fi­nan­ci­a­men­to de cam­pa­nhas e um no­vo sis­te­ma de no­me­a­ção de juí­zes.

Em re­la­tó­rio, a con­sul­to­ria Eu­ra­sia diz que a apro­va­ção das re­for­mas em re­fe­ren­do é pro­vá­vel. “As ini­ci­a­ti­vas de Viz­car­ra são po­pu­la­res num mo­men­to de cres­cen­te pre­o­cu­pa­ção com a cor­rup­ção e de des­con­fi­an­ça em re­la­ção aos po­lí­ti­cos”, afir­ma. A Eu­ra­sia acres­cen­ta que o apoio às re­for­mas de Viz­car­ra ex­pli­ca em par­te a re­cu­pe­ra­ção em seus ín­di­ces de apro­va­ção pa­ra 45%, se­gun­do o ins­ti­tu­to Ip­sos. A apro­va­ção ao Con­gres­so é de 11% na mes­ma pes­qui­sa.

Mas, pa­ra Ma­ria Lui­sa Puig, da Eu­ra­sia, a pri­são de Kei­ko au­men­ta a pro­ba­bi­li­da­de de mai­or con­fron­to en­tre o Exe­cu­ti­vo e o Con­gres­so, on­de o Fu­er­za Po­pu­lar tem a mai­or ban­ca­da, 62 de 130 de­pu­ta­dos.

Sem apoio do par­ti­do de Kei­ko, lem­bra Ni­cho­las Wat­son, da Te­neo In­tel­li­gen­ce, Viz­car­ra fi­ca de mãos ata­das e im­pe­di­do de go­ver­nar.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.