BNDES ele­va cré­di­to pa­ra sa­ne­a­men­to

Ban­co pre­vê que, com mu­dan­ça, vo­lu­me de con­tra­ta­ções vai mais que do­brar nes­te ano

Valor Econômico - - BRASIL - Fa­bio Gra­ner

O BNDES vai au­men­tar o fi­nan­ci­a­men­to pa­ra o sa­ne­a­men­to bá­si­co. O li­mi­te de fi­nan­ci­a­men­to vai pas­sar de 80% pa­ra 95%, ní­vel que valia ape­nas pa­ra o pro­gra­ma Avan­çar Ci­da­des Sa­ne­a­men­to, do go­ver­no fe­de­ral. A di­re­to­ria do BNDES apro­vou a me­di­da em sua reu­nião mais re­cen­te, se­gun­do dis­se ao Va­lor o di­re­tor de infraestrutura e sa­ne­a­men­to do ban­co, Mar­cos Fer­ra­ri.

A de­ci­são de­ve mais que do­brar o vo­lu­me de con­tra­ta­ções pre­vis­tas pa­ra es­te ano.

A es­ti­ma­ti­va an­te­ri­or era de con­tra­ta­ções de R$ 1,7 bi­lhão em pro­je­tos de sa­ne­a­men­to, mas ago­ra de­vem ser agre­ga­dos mais R$ 2 bi­lhões em con­tra­ta­ções. Os de­sem­bol­sos des­ses re­cur­sos, con­tu­do, não são ime­di­a­tos. Ho­je, há 14 ope­ra­ções em tra­mi­ta­ção no ban­co.

A ini­ci­a­ti­va apro­va­da não tem pra­zo de va­li­da­de e de­ve in­cluir uma sé­rie de em­pre­sas que an­tes não con­se­guia, por cau­sa da exi­gên­cia de 20% de ca­pi­tal pró­prio, se ha­bi­li­tar no BNDES pa­ra ob­ter re­cur­sos pa­ra as obras . A me­di­da atin­ge in­clu­si­ve pro­je­tos ex­clu­si­va­men­te do se­tor pri­va­do.

“O ob­je­ti­vo é me­lho­rar a ofer­ta de sa­ne­a­men­to bá­si­co no país. Os pro­je­tos des­sa área são os que têm pra­zo mais lon­go, de até 34 anos, e são fun­da­men­tais no pro­ces­so de re­du­ção das de­si­gual­da­des”, dis­se Fer­ra­ri.

O di­re­tor do ban­co ex­pli­cou que a mu­dan­ça na re­gra de fi­nan­ci­a­men­to de­ve ga­ran­tir tam­bém pa­ra o ano que vem um vo­lu­me no mí­ni­mo igual aos R$ 3,7 bi­lhões ago­ra pre­vis­tos pa­ra 2018. As ope­ra­ções se­rão fei­tas uti­li­zan­do-se a Ta­xa de Lon­go Pra­zo (TLP), com spre­ad de 0,9% ao ano pa­ra obras na área de es­go­to e de 1,3% pa­ra obras de água.

Fer­ra­ri des­ta­cou que a me­di­da do BNDES se ali­nha com a me­di­da pro­vi­só­ria que re­vi­sou o mar­co re­gu­la­tó­rio do sa­ne­a­men­to (MP 844), edi­ta­da em ju­lho. En­tre as no­vi­da­des da MP, es­tão o ar­ti­go que obri­ga­rá os mu­ni­cí­pi­os a re­a­li­za­rem con­sul­ta pú­bli­ca na oca­sião da re­no­va­ção dos con­tra­tos com as em­pre­sas es­ta­du­ais de sa­ne­a­men­to e o pa­pel mais re­le­van­te da Agên­cia Na­ci­o­nal de Águas (ANA) no se­tor.

A atu­a­ção do BNDES tam­bém se in­se­re no con­tex­to em que uma ins­tru­ção nor­ma­ti­va edi­ta­da pe­lo Mi­nis­té­rio das Ci­da­des fa­ci­li­ta o pro­ces­so de tra­mi­ta­ção dos pro­je­tos de sa­ne­a­men­to, com a re­vi­são do flu­xo de li­be­ra­ção dos pro­je­tos, que já po­de­rão che­gar na pas­ta com a pré-apro­va­ção do fi­nan­ci­a­men­to ban­cá­rio. “As mu­dan­ças re­gu­la­tó­ri­as são fa­vo­rá­veis ao in­ves­ti­men­to em infraestrutura”, dis­se.

No ca­so do fi­nan­ci­a­men­to à TLP, os to­ma­do­res de cré­di­to po­de­rão se be­ne­fi­ci­ar do re­cen­te mo­vi­men­to do mer­ca­do, que re­du­ziu for­te­men­te os prê­mi­os das No­tas do Te­sou­ro Na­ci­o­nal (NTNB), vin­cu­la­das à in­fla­ção e que de­fi­nem a par­ce­la pré-fi­xa­da da TLP, que su­biu ao lon­go de to­do o ano e es­tá em seu ní­vel mais ele­va­do.

Se a re­du­ção das ta­xas de ju­ros do mer­ca­do fu­tu­ro se con­fir­mar nas pró­xi­mas se­ma­nas, a TLP pa­ra os úl­ti­mos dois me­ses do ano de­ve­rá cair bem. Is­so, com­bi­na­do com o fa­to de que o “al­fa”, item que com­põe a fór­mu­la da TLP, vai su­bir no ano que vem, fa­vo­re­ce a to­ma­da de cré­di­to nes­ses úl­ti­mos dois me­ses.

O BNDES não sou­be in­for­mar quais se­ri­am as re­giões mais be­ne­fi­ci­a­das pe­los pro­je­tos sob as no­vas con­di­ções do ban­co. De qu­al­quer for­ma, é co­nhe­ci­do que as re­giões Nor­te e Nor­des­te são as que têm mai­or ne­ces­si­da­de de apli­ca­ção de re­cur­sos nes­sa área.

O que os eco­no­mis­tas es­pe­ram

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.