PDT apoia Had­dad e lan­ça Ci­ro pa­ra 2022

Par­ti­do diz que se­rá opo­si­ção sob qu­al­quer hi­pó­te­se; Ká­tia Abreu pe­de que pe­tis­ta de­sis­ta de con­cor­rer

Valor Econômico - - POLÍTICA -

O PDT anun­ci­ou on­tem apoio ao can­di­da­to Fer­nan­do Had­dad no se­gun­do tur­no da elei­ção pre­si­den­ci­al, mas bus­cou se dis­tan­ci­ar do PT, adi­an­tou que irá pa­ra a opo­si­ção qu­al­quer que se­ja o ven­ce­dor e lan­çou a can­di­da­tu­ra de Ci­ro Go­mes à Pre­si­dên­cia em 2022.

A exe­cu­ti­va na­ci­o­nal do par­ti­do se reu­niu on­tem em Bra­sí­lia pa­ra de­ci­dir que pos­tu­ra ado­tar qu­an­to à dis­pu­ta. Os mem­bros apro­va­ram uma no­ta su­cin­ta de­cla­ran­do “apoio crí­ti­co” ao pe­tis­ta. No do­cu­men­to, o PDT jus­ti­fi­ca que o apoio a Had­dad é ne­ces­sá­rio “pa­ra evi­tar a vi­tó­ria das for­ças mais re­a­ci­o­ná­ri­as e atra­sa­das do Bra­sil e a der­ro­ca­da da de­mo­cra­cia”.

O cli­ma on­tem era de fri­e­za em re­la­ção ao PT, que du­ran­te a pré­cam­pa­nha atu­ou ar­du­a­men­te pa­ra de­si­dra­tar a can­di­da­tu­ra de Ci­ro. O par­ti­do abriu a seus mem­bros a pos­si­bi­li­da­de de se man­te­rem neu­tros na dis­pu­ta. O úni­co ve­to é a de­cla­ra­ção de vo­to em Bol­so­na­ro (PSL), vis­to pe­lo PDT co­mo uma ame­a­ça ao país.

“A can­di­da­tu­ra de Bol­so­na­ro re­pre­sen­ta ris­cos aos di­rei­tos hu­ma­nos, ris­cos às in­di­vi­du­a­li­da­des, ris­cos de re­tro­ces­so ao Bra­sil. Apro­va­mos ago­ra uma no­ta de apoio crí­ti­co ao Fer­nan­do Had­dad, ten­do em vis­ta es­ses ris­cos que o ou­tro la­do re­pre­sen­ta”, dis­se o pre­si­den­te da legenda, Car­los Lu­pi.

O di­ri­gen­te dis­se que, em­bo­ra o PDT te­nha crí­ti­cas ao com­por­ta­men­to do PT du­ran­te o pro­ces­so elei­to­ral, “ago­ra não é ho­ra de só olhar o la­do da nos­sa di­ver­gên­cia”.

“Te­mos que olhar pa­ra o Bra­sil. Na nos­sa opi­nião, es­tá em ris­co a de­mo­cra­cia bra­si­lei­ra”, dis­se Lu­pi, an­tes de cri­ti­car Bol­so­na­ro. “Ho­je, o ti­po de gol­pe é mais so­fis­ti­ca­do. É um gol­pe que po­de se le­gi­ti­mar pe­lo vo­to po­pu­lar.”

Fa­lan­do a jor­na­lis­tas, Lu­pi dis­se ain­da que o par­ti­do já pre­pa­ra a can­di­da­tu­ra de Ci­ro pa­ra 2022.

Lí­der do PDT na Câ­ma­ra, o de­pu­ta­do fe­de­ral An­dré Fi­guei­re­do (CE) afir­mou que o par­ti­do es­ta­rá na opo­si­ção, se­ja qu­al for o pre­si­den­te elei­to em 28 de ou­tu­bro.

“O PT não nos re­pre­sen­ta. Por is­so que nós te­mos um pro­je­to de ser opo­si­ção àque­le que for ven­ce­dor no se­gun­do tur­no”, afir­mou. “Nós que­re­mos cons­truir um no­vo ca­mi­nho pa­ra o Bra­sil. Cer­ta­men­te não vai ser com PT e mui­to me­nos com Bol­so­na­ro.”

Ci­ro saiu do en­con­tro sem fa­lar com a im­pren­sa. A ca­mi­nho de seu car­ro, dis­se ape­nas que “o pre­si­den­te do par­ti­do fa­lou por mim e pe­lo con­jun­to do par­ti­do”. “Abai­xo o fas­cis­mo! Pe­la de­mo­cra­cia! Abai­xo a di­ta­du­ra!”, ex­cla­mou.

Ape­sar de o PT ain­da não ter de­sis­ti­do da par­ti­ci­pa­ção de Ci­ro na cam­pa­nha de Had­dad, seu en­tor­no vê is­so co­mo al­go im­pos­sí­vel.

Ci­ro de­ve vi­a­jar ao ex­te­ri­or com a fa­mí­lia nos pró­xi­mos di­as. Se­gun­do a se­na­do­ra Ká­tia Abreu (PDT-TO), que foi vi­ce em sua cha­pa, ele de­ve re­tor­nar ao país per­to do dia 28, “só pa­ra vo­tar”.

Ao sair da reu­nião do PDT, Ká­tia con­cla­mou Had­dad a abrir mão de sua can­di­da­tu­ra em be­ne­fí­cio de Ci­ro, que, se­gun­do ela, tem mais chan­ces de der­ro­tar Bol­so­na­ro.

Ele fi­cou em ter­cei­ro lu­gar no pri­mei­ro tur­no e, de acor­do com a Cons­ti­tui­ção, po­de­ria con­cor­rer em ca­so de mor­te ou de­sis­tên­cia de um dos dois can­di­da­tos.

“Eu acha­ria mui­to dig­no se por acaso ele [Had­dad] de­sis­tis­se da can­di­da­tu­ra ven­do que po­de en­tre­gar o país a um fas­cis­mo re­li­gi­o­so”, dis­se a se­na­do­ra.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.