No que es­bar­ra a fren­te de­mo­crá­ti­ca

Valor Econômico - - POLÍTICA - Ma­ria Cris­ti­na Fer­nan­des

Num ape­lo pes­so­al ao seu ami­go Fer­nan­do Hen­ri­que Car­do­so e em car­ta aber­ta di­ri­gi­da a “in­te­lec­tu­ais do mun­do”, Ma­nu­el Cas­tells diz que o Bra­sil es­tá em pe­ri­go pe­la pers­pec­ti­va de um “fas­cis­ta, de­fen­sor da di­ta­du­ra mi­li­tar, mi­só­gi­no, se­xis­ta, ra­cis­ta e xe­nó­fo­bo” ele­ger-se pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca.

Na car­ta aber­ta do iní­cio des­ta se­ma­na, o so­ció­lo­go es­pa­nhol, a quem o ex-pre­si­den­te con­si­de­ra, jun­to com o es­cri­tor ve­ne­zu­e­la­no, Moi­sés Naim, um dos mais ati­na­dos pen­sa­do­res da atu­a­li­da­de, pe­de que seus lei­to­res, por meio de re­des so­ci­ais, im­pren­sa e por con­ta­tos po­lí­ti­cos pres­si­o­nem os bra­si­lei­ros pa­ra que não ape­nas re­pu­di­em Jair Bol­so­na­ro co­mo vo­tem no aca­dê­mi­co “res­pei­ta­do e mo­de­ra­do” Fer­nan­do Had­dad.

Acei­ta que o PT per­deu pres­tí­gio com a cor­rup­ção, mas diz que ne­nhum in­te­lec­tu­al, de­mo­cra­ta ou pes­soa res­pon­sá­vel po­de fi­car in­di­fe­ren­te ao ris­co: “É um ca­so de de­fe­sa da hu­ma­ni­da­de por­que se o Bra­sil, país de­ci­si­vo na Amé­ri­ca La­ti­na, cair em mãos de um per­so­na­gem des­pre­zí­vel e pe­ri­go­so e dos po­de­res fa­ná­ti­cos que o apoi­am, co­mo os ir­mãos Ko­ch, en­tre ou­tros, nos pre­ci­pi­ta­rá à mais bai­xa de­sin­te­gra­ção da or­dem mo­ral e so­ci­al do pla­ne­ta”.

Fer­nan­do Hen­ri­que sen­si­bi­li­zou-se com a car­ta, mas não vê co­mo a di­vi­são que o ami­go faz do Bra­sil en­tre o bem e o mal dê con­ta das cir­cuns­tân­ci­as po­lí­ti­cas da po­la­ri­za­ção ou das vi­cis­si­tu­des de um sis­te­ma po­lí­ti­co em de­sin­te­gra­ção. De Bol­so­na­ro não vai, mas daí a anun­ci­ar apoio a Had­dad tem uma lon­ga dis­tân­cia. Cau­sa-lhe es­pé­cie a ca­mi­sa de for­ça pe­tis­ta so­bre o can­di­da­to. Não ape­nas a pro­pos­ta de uma cons­ti­tuin­te exclusiva e a au­sên­cia de uma po­si­ção mais crí­ti­ca à Ve­ne­zu­e­la co­mo tam­bém a ideia de bai­xar os ju­ros na mar­ra.

O can­di­da­to pe­tis­ta co­me­çou a ace­nar pa­ra uma fren­te de­mo­crá­ti­ca a par­tir do pri­mei­ro mi­nu­to do se­gun­do tur­no, na noi­te do do­min­go. De­pois vol­tou atrás no pro­gra­ma de go­ver­no do qu­al foi co­or­de­na­dor e se dis­tan­ci­ou da to­ma­da do po­der de Jo­sé Dir­ceu. Ao aca­tar pro­pos­tas co­mo a con­vo­ca­ção de uma cons­ti­tuin­te vi­a­bi­li­za­ra-se no PT e fir­ma­ra mi­li­tân­cia pa­ra che­gar so­zi­nho ao pri­mei­ro tur­no, mas de­las se tor­nou re­fém pa­ra a con­quis­ta do se­gun­do. As mes­mas pre­mis­sas que fi­ze­ram Had­dad pa­la­tá­vel aos pe­tis­tas ho­je se tor­na­ram obs­tá­cu­los a que li­de­ran­ças co­mo Fer­nan­do Hen­ri­que anun­ci­em apoio for­mal.

O ex-pre­si­den­te pa­re­ce aberto a con­ver­sar, ain­da que não te­nha si­do pro­cu­ra­do for­mal­men­te por Had­dad ou por emis­sá­ri­os di­re­tos. Gos­ta de lem­brar de epi­só­di­os em que ami­gos co­muns, seus e do ex-pre­si­den­te Luiz Iná­cio Lu­la da Sil­va, bus­ca­ram re­a­pro­xi­má-los e es­bar­ra­ram na re­sis­tên­cia do úl­ti­mo. Atri­bui par­te da res­pon­sa­bi­li­da­de pe­la en­cru­zi­lha­da da su­ces­são à in­sis­tên­cia de Lu­la com a Pre­si­dên­cia mas, ao con­trá­rio de ar­ti­cu­la­do­res da pro­pos­ta de o pe­tis­ta tro­car a can­di­da­tu­ra pe­la li­ber­da­de, não vê co­mo a al­ter­na­ti­va te­ria evi­ta­do a pri­são de seu su­ces­sor.

Pe­la pri­mei­ra vez, o ex-pre­si­den­te não es­tá oti­mis­ta com o Bra­sil. Não tem ideia de co­mo o sis­te­ma po­lí­ti­co, tão de­sin­te­gra­do, re­a­gi­rá a um even­tu­al go­ver­no Bol­so­na­ro. La­men­ta que os ge­ne­rais, que a mui­to cus­to ha­vi­am se en­qua­dra­do, pos­sam vol­tar a go­ver­nar o Bra­sil. As re­fle­xões so­bre um even­tu­al go­ver­no Bol­so­na­ro o re­me­tem, de ime­di­a­to, às lem­bran­ças do au­to­ri­ta­ris­mo que o man­dou pa­ra o exí­lio. Te­me que a far­da, com pla­nos pa­ra tu­do, da infraestrutura às re­la­ções ex­te­ri­o­res, to­mem gos­to no­va­men­te pe­lo po­der. Do ge­ne­ral Ha­mil­ton Mou­rão ao Au­gus­to He­le­no — que go­za ain­da de mais pres­tí­gio nas ar­mas —, não dei­xa­ram de se pre­pa­rar pa­ra is­so no tem­po em que estiveram afas­ta­dos dos po­de­res ci­vis.

Fer­nan­do Hen­ri­que des­co­nhe­ce, por exem­plo, os pla­nos das For­ças Ar­ma­das pa­ra o com­ba­te ao cri­me or­ga­ni­za­do, mas não des­car­ta os ris­cos de que os vín­cu­los po­lí­ti­cos do PSL ve­nham a re­for­çar os po­de­res das mi­lí­ci­as na guer­ra co­ti­di­a­na con­tra o trá­fi­co.

Um ma­ni­fes­to em de­fe­sa da de­mo­cra­cia não es­tá des­car­ta­do, ain­da que o ex-pre­si­den­te não acei­te a in­cum­bên­cia de li­de­rar um PSDB em de­sin­te­gra­ção ou quais­quer ou­tras ins­tân­ci­as da so­ci­e­da­de. Vê com ce­ti­cis­mo as chan­ces de mo­bi­li­za­ção de se­to­res in­dus­tri­ais. Mais do que um ape­lo pe­la de­mo­cra­cia, co­mo aque­le que, no fim da dé­ca­da de 1970, le­vou os em­pre­sá­ri­os a des­mon­tar o que res­ta­va da di­ta­du­ra, te­me que se­to­res in­dus­tri­ais se aglu­ti­nem em tor­no de Had­dad em bus­ca da re­no­va­ção de su­as pre­ben­das.

O ex-pre­si­den­te ain­da aguar­da a for­ma­li­za­ção dos no­vos com­pro­mis­sos do can­di­da­to do PT pa­ra de­ci­dir o ru­mo. Had­dad de­ve fa­zê-lo em al­guns di­as, ao anun­ci­ar a re­vi­são do pro­gra­ma de go­ver­no pa­ra for­ma­tar a ideia de uma fren­te de­mo­crá­ti­ca, a reu­nir, além dos tra­di­ci­o­nais ali­a­dos do PT, nos par­ti­dos e nos mo­vi­men­tos so­ci­ais, se­to­res em­pre­sa­ri­ais e li­de­ran­ças po­lí­ti­cas.

Fer­nan­do Hen­ri­que man­tém uma boa re­la­ção pes­so­al com o can­di­da­to pe­tis­ta, mas, não bas­tas­sem to­das as de­mais di­fi­cul­da­des, ain­da te­me que Had­dad, na in­ves­ti­da pe­la am­pli­a­ção de sua can­di­da­tu­ra, cus­te a se des­pir do ver­niz us­pi­a­no que o im­pe­de de fa­lar a lín­gua do po­vo com a mes­ma de­sen­vol­tu­ra de Bol­so­na­ro.

A mai­or di­fi­cul­da­de pa­ra vi­a­bi­li­zar es­ta fren­te, na ver­da­de, é a cons­ta­ta­ção de que um ape­lo pe­la de­mo­cra­cia di­fi­cil­men­te te­ria con­di­ções de im­pe­dir a vi­tó­ria do can­di­da­to do PSL. A ade­são ir­res­tri­ta ao can­di­da­to do PT ain­da di­fi­cul­ta­ria, no pós-elei­ção, a atu­a­ção dos ade­ren­tes na se­a­ra da pa­ci­fi­ca­ção.

Os de­mais can­di­da­tos re­ce­be­ram 26 mi­lhões de vo­tos. Man­ti­dos os per­cen­tu­ais de vo­tos em bran­co, nu­los e abs­ten­ção, o can­di­da­to do PSL pre­ci­sa­ria cap­tu­rar ape­nas 4 mi­lhões des­sa ces­ta de vo­tos. Se ar­re­ba­tar um ter­ço dos vo­tos de Geraldo Alck­min e me­ta­de da vo­ta­ção de João Amoê­do, Ca­bo Da­ci­o­lo, Hen­ri­que Mei­rel­les e Al­va­ro Di­as, po­de se dar ao lu­xo de dis­pen­sar to­do o elei­to­ra­do de Ci­ro Go­mes, Gui­lher­me Bou­los e Ma­ri­na Sil­va. Ven­ce­ria com fol­ga. Se o alhe­a­men­to elei­to­ral au­men­tar, fi­ca­ria mais fá­cil ain­da.

A pri­mei­ra pes­qui­sa pós-pri­mei­ro tur­no pre­ci­sa­ria mos­trar uma ve­lo­ci­da­de mai­or de Had­dad na con­quis­ta de elei­to­res. Não foi o que trou­xe o Da­ta­fo­lha, com os 24% dos vo­tos vá­li­dos dos de­mais can­di­da­tos re­par­ti­dos igual­men­te en­tre os dois fi­na­lis­tas.

Até aqui, FHC só de­fi­niu que de Bol­so­na­ro não vai

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.