Pen­te­cos­tais im­pul­si­o­nam vo­to em Bol­so­na­ro

Es­tu­di­o­so vê as­cen­são de “di­rei­ta cris­tã” nos mol­des dos EUA

Valor Econômico - - POLÍTICA -

O can­di­da­to a pre­si­den­te Jair Bol­so­na­ro (PSL) fi­cou a qua­tro pon­tos per­cen­tu­ais da vi­tó­ria no pri­mei­ro tur­no, no do­min­go, mas se de­pen­des­se ape­nas da vo­ta­ção nos 25% de mu­ni­cí­pi­os com mai­or ta­xa de evan­gé­li­cos pen­te­cos­tais o par­la­men­tar já es­ta­ria elei­to pa­ra tro­car a Câ­ma­ra dos De­pu­ta­dos pe­lo Pa­lá­cio do Pla­nal­to. Bol­so­na­ro te­ve 52,12% dos vo­tos con­tra 24,97% de Fer­nan­do Had­dad (PT) no gru­po de ci­da­des que re­gis­tram en­tre qua­se 15% até os 52,1% da pe­que­na Gu­a­raí­ta (GO), a mais ne­o­pen­te­cos­tal do país, se­gun­do o úl­ti­mo Cen­so do IBGE, de 2010.

O le­van­ta­men­to do Va­lor di­vi­diu os mu­ni­cí­pi­os bra­si­lei­ros em qua­tro gru­pos de ta­ma­nhos iguais, de acor­do com a pro­por­ção de fiéis li­ga­dos a es­sas de­no­mi­na­ções re­li­gi­o­sas. Con­for­me o elei­to­ra­do é mais pen­te­cos­tal, Bol­so­na­ro au­men­ta a sua van­ta­gem so­bre Had­dad. Com 17 pon­tos per­cen­tu­ais (46% a 29%) atrás da vo­ta­ção do de­pu­ta­do no do­min­go, o ex-pre­fei­to de São Pau­lo in­ver­te de po­si­ção e ga­nha de Bol­so­na­ro por uma di­fe­ren­ça de 19 pon­tos (48% a 29%) nos mu­ni­cí­pi­os com me­nor ta­xa de po­pu­la­ção evan­gé­li­ca pen­te­cos­tal (até qua­se 6%). As igre­jas pen­te­cos­tais são as mais po­li­ti­ca­men­te atu­an­tes, co­mo a Uni­ver­sal do Rei­no de Deus (Iurd) e a As­sem­bleia de Deus; e seus prin­ci­pais lí­de­res de­cla­ra­ram apoio ao can­di­da­to do PSL.

Nas fai­xas in­ter­me­diá­ri­as, a vo­ta­ção dos pre­si­den­ciá­veis foi me­nos pre­do­mi­nan­te. No se­gun­do gru­po de 25% de mu­ni­cí­pi­os me­nos ne­o­pen­te­cos­tais, o pe­tis­ta fi­cou à fren­te, mas pra­ti­ca­men­te nu­ma si­tu­a­ção de em­pa­te (38,98% a 38,16%). Os elei­to­res do es­tra­to se­guin­te — com ci­da­des que têm en­tre qua­se 10% até pou­co me­nos de 15% de evan­gé­li­cos — são os que mais se apro­xi­ma­ram do re­sul­ta­do ge­ral do elei­to­ra­do bra­si­lei­ro, com vi­tó­ria de Bol­so­na­ro por 49,06% a 23,3%.

Pa­ra o es­tu­di­o­so do seg­men­to evan­gé­li­co Ri­car­do Ma­ri­a­no, pro­fes­sor do de­par­ta­men­to de so­ci­o­lo­gia da Uni­ver­si­da­de de São Pau­lo (USP), os da­dos su­ge­rem que o can­di­da­to do PSL se apro­vei­ta e ao mes­mo tem­po é in­cen­ti­va­dor de um no­vo fenô­me­no no país: a as­cen­são de uma di­rei­ta cris­tã inspirada no mo­de­lo dos Es­ta­dos Uni­dos, on­de evan­gé­li­cos se po­si­ci­o­nam publicamente co­mo ul­tra­con­ser­va­do­res num mo­vi­men­to que se es­praia pe­los se­to­res se­cu­la­res da so­ci­e­da­de.

Ma­ri­a­no en­con­tra aí a ex­pli­ca­ção pa­ra a apa­ren­te con­tra­di­ção en­tre a dou­tri­na cris­tã e a pre­ga­ção por Bol­so­na­ro de um dis­cur­so be­li­ge­ran­te em que de­fen­de a tor­tu­ra e o com­ba­te da vi­o­lên­cia com mais vi­o­lên­cia. Du­ran­te a cam­pa­nha, o de­pu­ta­do cau­sou po­lê­mi­ca ao en­si­nar uma cri­an­ça a fa­zer o si­nal de uma ar­ma com os de­dos da mão. O ges­to foi imi­ta­do em fo­tos de elei­to­res evan­gé­li­cos de Bol­so­na­ro pos­ta­das em re­des so­ci­ais. “Es­sa é a mes­ma agen­da da di­rei­ta cris­tã nor­te-ame­ri­ca­na, se­gui­da pe­los evan­gé­li­cos de lá, dos quais três quar­tos são li­ga­dos ao Par­ti­do Re­pu­bli­ca­no”, afir­ma Ma­ri­a­no.

O pes­qui­sa­dor, au­tor do li­vro “Ne­o­pen­te­cos­tais: so­ci­o­lo­gia do no­vo pen­te­cos­ta­lis­mo no Bra­sil”, lem­bra que, em­bo­ra ca­tó­li­co, Bol­so­na­ro, em seu sé­ti­mo man­da­to co­mo de­pu­ta­do fe­de­ral, se apro­xi­mou da ban­ca­da evan­gé­li­ca nas úl­ti­mas du­as le­gis­la­tu­ras. Além dis­so, sua mu­lher, Mi­chel­le, e seu fi­lho Edu­ar­do Bol­so­na­ro (PSL), re­e­lei­to com 1,8 mi­lhão de vo­tos, re­cor­de à Câ­ma­ra, per­ten­cem a de­no­mi­na­ções evan­gé­li­cas. No Par­la­men­to, o ca­pi­tão re­for­ma­do do Exér­ci­to fez a sín­te­se de uma pau­ta con­ser­va­do­ra nos cos­tu­mes, o an­ti­pe­tis­mo e o dis­cur­so an­ti­cor­rup­ção tra­zi­do pe­la Ope­ra­ção La­va-Ja­to.

Nos Es­ta­dos Uni­dos, apon­ta Ma­ri­a­no, a di­rei­ta cris­tã tam­bém em­pu­nha a ban­dei­ra pró-ar­ma, a agen­da pu­ni­ti­vis­ta em ma­té­ria de di­rei­to pe­nal — co­mo a re­du­ção da mai­o­ri­da­de —, ata­ca di­rei­tos de mi­no­ri­as, e acres­cen­ta ele­men­tos pró­pri­os co­mo a im­ple­men­ta­ção do cri­a­ci­o­nis­mo no cur­rí­cu­lo es­co­lar e o apoio ao si­o­nis­mo. No Bra­sil, diz, Bol­so­na­ro pro­pa­gou a de­fe­sa da di­ta­du­ra mi­li­tar, com apo­lo­gia à tor­tu­ra, e seu es­for­ço em mi­nar a le­gis­la­ção de di­rei­tos hu­ma­nos ga­nhou apoio en­tre ali­a­dos evan­gé­li­cos. “O de­pu­ta­do e pas­tor Mar­co Fe­li­ci­a­no (Po­de­mos-SP) che­gou a di­zer que não exis­tiu a di­ta­du­ra. É um re­vi­si­o­nis­mo, ou mes­mo ne­ga­ci­o­nis­mo, que en­con­trou ade­são den­tro e fo­ra do meio evan­gé­li­co”, afir­ma.

O pes­qui­sa­dor ci­ta o apoio do Mo­vi­men­to Bra­sil Li­vre (MBL) — um dos lí­de­res do im­pe­a­ch­ment da ex-pre­si­den­te Dil­ma Rous­seff — ao mo­vi­men­to Es­co­la Sem Par­ti­do, res­pal­da­do com en­tu­si­as­mo pe­lo se­tor evan­gé­li­co, es­pe­ci­al­men­te o pen­te­cos­tal. Ma­ri­a­no tem pre­fe­ri­do não dis­tin­guir o seg­men­to, já que nos úl­ti­mos anos se di­luí­ram as di­fe­ren­ças en­tre a mai­o­ria das igre­jas pen­te­cos­tais — sen­do a mai­or de­las a As­sem­bleia de Deus — e as ne­o­pen­te­cos­tais, co­mo a Uni­ver­sal do Rei­no de Deus. Lí­der da Iurd, tio do pre­fei­to do Rio, Mar­ce­lo Cri­vel­la (PRB), e do­no da TV Re­cord, o bis­po Edir Ma­ce­do de­cla­rou apoio a Bol­so­na­ro, as­sim co­mo o pas­tor Jo­sé Wel­ling­ton Be­zer­ra da Cos­ta, pre­si­den­te da mai­or ver­ten­te da As­sem­bleia de Deus. “Ele era ma­lu­fis­ta, de­pois apoi­ou os tu­ca­nos e ago­ra é Bol­so­na­ro”, diz.

Do mes­mo mo­do que a Uni­ver­sal con­tro­la o PRB, a As­sem­bleia de Deus tam­bém pre­ten­de ter o seu par­ti­do e já pe­diu o re­gis­tro do Par­ti­do Re­pu­bli­ca­no Cris­tão (PRC) à Jus­ti­ça elei­to­ral, lem­bra Ma­ri­a­no. Com um re­ba­nho que cres­ce ver­ti­gi­no­sa­men­te — os evan­gé­li­cos re­pre­sen­ta­vam 6,6% pe­lo Cen­so de 1980, che­ga­ram a 22,2% em 2010 e ago­ra se­ri­am 30%, de acor­do com os ins­ti­tu­tos de pes­qui­sa — sua im­por­tân­cia po­lí­ti­ca tam­bém é as­cen­den­te. Pa­ra o pro­fes­sor da USP, a des­pei­to da ge­leia par­ti­dá­ria do pre­si­den­ci­a­lis­mo de co­a­li­zão, “co­me­ça a ha­ver cla­ra­men­te um ali­nha­men­to po­lí­ti­co, ide­o­ló­gi­co, par­ti­dá­rio e elei­to­ral à di­rei­ta” e os pen­te­cos­tais pas­sam a as­su­mir es­sa iden­ti­da­de, “até re­a­ci­o­ná­ria”. Ma­ri­a­no pre­vê — com pre­o­cu­pa­ção — a mai­or in­ter­sec­ção dos evan­gé­li­cos com a ban­ca­da da ba­la. “Ele ba­te de fren­te com a lai­ci­da­de. Já dis­se que quer ins­ti­tuir um Es­ta­do cris­tão e que as mi­no­ri­as de­vem se cur­var à mai­o­ria. Is­so é uma te­o­cra­cia. É uma fa­la pre­o­cu­pan­te”, diz.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.