Pe­tis­ta tem que am­pli­ar agen­da, diz Ca­sa­gran­de

Valor Econômico - - POLÍTICA - Ma­lu Del­ga­do Va­lor: Re­na­to Ca­sa­gran­de: Va­lor: Ca­sa­gran­de: Va­lor: Ca­sa­gran­de: Va­lor: Ca­sa­gran­de: Va­lor: Ca­sa­gran­de: Va­lor: Ca­sa­gran­de: Va­lor: Ca­sa­gran­de: Va­lor: Ca­sa­gran­de: Va­lor: Va­lor: Ca­sa­gran­de: Va­lor: Ca­sa­gran­de: Va­lor: Ca­sa­gran­de: Va­lor: Ca­sa­gran­de:

Se qui­ser ser elei­to, Fer­nan­do Had­dad (PT) pre­ci­sa as­su­mir o con­tro­le e a li­de­ran­ça da pró­pria can­di­da­tu­ra e en­ten­der que re­pre­sen­ta um pro­je­to, no mo­men­to, que vai mui­to além da agen­da pe­tis­ta, opi­na Re­na­to Ca­sa­gran­de, se­cre­tá­rio-ge­ral do PSB, elei­to go­ver­na­dor do Es­pí­ri­to San­to no pri­mei­ro tur­no, com 55,49% dos vo­tos vá­li­dos. Pa­ra agre­gar for­ças po­lí­ti­cas, o go­ver­na­dor ava­lia que Had­dad pre­ci­sa re­co­nhe­cer a im­por­tân­cia de se fa­zer uma re­for­ma da Pre­vi­dên­cia.

Ca­sa­gran­de, que apoi­ou Ci­ro Go­mes (PDT) no pri­mei­ro tur­no, não fa­rá cam­pa­nha pa­ra Had­dad ago­ra, a des­pei­to de o PSB ter de­cla­ra­do apoio ofi­ci­al ao pe­tis­ta.

Se­gun­do o go­ver­na­dor elei­to, a “re­a­li­da­de ca­pi­xa­ba” exi­ge de­le pon­de­ra­ção e neu­tra­li­da­de. Ca­sa­gran­de es­ti­ma que pe­lo me­nos 40% dos vo­tos que re­ce­beu vi­e­ram de elei­to­res de Bol­so­na­ro. Pon­tua que tem con­cei­tos so­bre se­gu­ran­ça pú­bli­ca di­ver­gen­tes dos ex­pres­sa­dos por Bol­so­na­ro e fi­ca “fe­liz” ao ver Had­dad tra­tar o te­ma com pri­o­ri­da­de no se­gun­do tur­no.

A se­guir, os prin­ci­pais tre­chos da en­tre­vis­ta:

Não. Fo­ram ques­tões lo­cais mes­mo. Eu fiz um go­ver­no mui­to bem ava­li­a­do e per­di a elei­ção em 2014, por­que as pes­so­as acha­ram que mes­mo eu sen­do bom, o Har­tung era mui­to me­lhor. Har­tung er­rou. Pa­ra­li­sou tu­do no Es­ta­do. Obras, pro­gra­mas so­ci­ais. Fi­cou mui­to fo­ca­do em ten­tar des­truir mi­nha li­de­ran­ça e per­deu o ti­ming do go­ver­no de­le. O go­ver­na­dor não ar­ru­mou ou­tro can­di­da­to. Ven­do a si­tu­a­ção, to­mou a de­ci­são de não dis­pu­tar e não con­ven­ceu nin­guém do gru­po de­le. Hou­ve en­tão uma pul­ve­ri­za­ção de can­di­da­tu­ras. Boa par­te dos vo­tos de­le vi­e­ram pa­ra mim. Man­ti­ve van­ta­gem na cam­pa­nha to­da, mes­mo com seis can­di­da­tu­ras e es­se am­bi­en­te de po­la­ri­za­ção da po­lí­ti­ca en­tre PT e PSL.

Bol­so­na­ro re­pre­sen­ta o an­ti-PT. As pes­so­as ava­li­am pou­co a con­sis­tên­cia do can­di­da­to e as pro­pos­tas. Ele en­car­nou es­se an­ti­pe­tis­mo e is­so lhe dá uma for­ça sub­je­ti­va. Não tem ne­nhu­ma pro­pos­ta que pos­sa mo­bi­li­zar a so­ci­e­da­de, um pro­gra­ma. O que mo­bi­li­za a so­ci­e­da­de é es­se sen­ti­men­to de ne­ga­ção ao Par­ti­do dos Tra­ba­lha­do­res (PT), é is­so que dá a for­ça a ele em di­ver­sas re­giões.

Ve­jo com mui­ta na­tu­ra­li­da­de a de­ci­são. O PSB, co­mo par­ti­do, não ti­nha ou­tro ca­mi­nho a se­guir. A de­ci­são é co­e­ren­te com a his­tó­ria do PSB, por de­fen­der um cam­po de­mo­crá­ti­co-po­pu­lar. Co­mo go­ver­na­dor elei­to, me man­te­rei equi­li­bra­do e neu­tro. Ti­ve vo­tos de elei­to­res do Bol­so­na­ro e de Had­dad. Vou fi­car neu­tro, em res­pei­to a meus elei­to­res. É co­e­ren­te, mes­mo com to­das as crí­ti­cas que gen­te faz ao PT, que o PSB es­te­ja ali­nha­do ao Had­dad. E o PSB co­brou do Had­dad a ne­ces­si­da­de de ele ser um can­di­da­to pa­ra além do PT, uma can­di­da­tu­ra de um cam­po de­mo­crá­ti­co e po­pu­lar. Não uma can­di­da­tu­ra par­ti­dá­ria. E que ele as­su­ma de fa­to, e de vez, a li­de­ran­ça da sua can­di­da­tu­ra nes­te no­vo tem­po. Não, não fa­rei. Nem pa­ra um, nem pa­ra o ou­tro.

Meu par­ti­do fa­rá. Os mi­li­tan­tes es­tão li­be­ra­dos. Na ver­da­de, há a de­ci­são de fa­zer. O par­ti­do fa­rá cam­pa­nha pa­ra Had­dad. Eu não fa­rei.

Acho que pe­lo me­nos me­ta­de dos meus vo­tos, ou cer­ca de 40%, fo­ram de elei­to­res que tam­bém op­ta­ram pe­lo Bol­so­na­ro. Uma par­te veio do Ci­ro, na­tu­ral­men­te, e do Had­dad tam­bém, ape­sar de o PT ter ti­do can­di­da­to aqui.

O PDT vai se unir à can­di­da­tu­ra do Had­dad, o PSB vai se unir à can­di­da­tu­ra do Had­dad. Eu fi­ca­rei em po­si­ção de equi­lí­brio, por­que a re­a­li­da­de ca­pi­xa­ba exi­ge is­so.

Te­nho a co­bran­ça dos elei­to­res que vo­ta­ram no Bol­so­na­ro, tá cer­to? Que­rem que eu me po­si­ci­o­ne de for­ma equi­li­bra­da. Te­nho que res­pei­tar.

Te­nho uma vi­são di­fe­ren­te . Quan­do me ele­gi go­ver­na­dor, im­plan­tei um pro­gra­ma de se­gu­ran­ça pú­bli­ca que se cha­ma Es­ta­do Pre­sen­te, que vi­rou re­fe­rên­cia no Bra­sil to­do. Tra­ba­lha­mos mui­to pe­lo for­ta­le­ci­men­to das cor­po­ra­ções mi­li­ta­res, pu­xei pa­ra o meu ga­bi­ne­te o co­man­do da se­gu­ran­ça pú­bli­ca, com o con­cei­to de que se tra­ta de uma po­lí­ti­ca trans­ver­sal. De­ve sim ser ta­re­fa da po­lí­cia, mas uma ta­re­fa tam­bém das áre­as so­ci­ais. Cri­a­mos pro­gra­mas es­pe­cí­fi­cos nas áre­as de saú­de, edu­ca­ção, es­por­te, cul­tu­ra, in­ves­ti­men­to em infraestrutura ur­ba­na. A com­bi­na­ção de tu­do is­so é se­gu­ran­ça pú­bli­ca. Ve­jo uma com­ple­xi­da­de mai­or e a exi­gên­cia de in­te­gra­ção de ações po­lí­ti­ca, e tam­bém um ní­vel de res­pei­to e uma vi­são de ci­vi­li­za­ção que ha­ver no sis­te­ma pri­si­o­nal bra­si­lei­ro. Nós avan­ça­mos mui­to no en­fren­ta­men­to ao cri­me no Es­ta­do com es­ta vi­são mais am­pla. E vou im­ple­men­tar de no­vo a par­tir e 1o de ja­nei­ro.

É uma boa me­di­da, uma boa ini­ci­a­ti­va: me­di­das co­mo es­tas, de in­te­gra­ção de for­ças po­li­ci­ais e im­plan­ta­ção de fa­to um sis­te­ma úni­co de se­gu­ran­ça pú­bli­ca. Es­ta­mos cer­tos de que uma bom­ba a ex­plo­dir é o sis­te­ma pri­si­o­nal ca­pi­xa­ba. Mui­tos pre­sos, com pou­co in­ves­ti­men­to. Te­mos que ter um par­ce­ria com o go­ver­no fe­de­ral, se­não os Es­ta­dos não su­por­tam es­sa cul­tu­ra do en­car­ce­ra­men­to. É pre­ci­so que o go­ver­no fe­de­ral aju­de na ação mais efe­ti­va e com­pe­ten­te do Po­der Ju­di­ciá­rio, pa­ra que a gen­te con­si­ga jul­gar com mais ra­pi­dez, pa­ra re­du­zir o nú­me­ro de pre­sos pro­vi­só­ri­os. É pre­ci­so re­du­zir es­ta cul­tu­ra do en­car­ce­ra­men­to no Bra­sil, e es­ta­be­le­cer me­di­das cau­te­la­res di­fe­ren­tes do en­car­ce­ra­men­to quan­do o cri­me não for de al­ta po­ten­ci­a­li­da­de. Pre­ci­sa­mos mui­to da aju­da do go­ver­no fe­de­ral e fi­co mui­to fe­liz que o Had­dad es­te­ja en­tran­do nes­te cam­po.

Es­sa é a pau­ta atu­al do Bra­sil. Só que is­so não fun­ci­o­nou até ago­ra. A po­pu­la­ção car­ce­rá­ria é cres­cen­te. Pre­ci­sa­mos de en­car­ce­ra­men­to pa­ra re­du­zir a im­pu­ni­da­de, ób­vio, mas te­mos mui­tas pes­so­as pre­sas que não pre­ci­sa­vam es­tar. Pre­ci­sa­mos de um tra­ba­lho de par­ce­ria com o Po­der Ju­di­ciá­rio, os go­ver­nos es­ta­du­ais e o go­ver­no fe­de­ral tem que fa­zer par­te dis­so, pa­ra me­lho­rar­mos o fun­ci­o­na­men­to e efe­ti­vi­da­de do sis­te­ma car­ce­rá­rio no Bra­sil. Evi­tar que a gen­te le­ve à pri­va­ção de li­ber­da­de pes­so­as que pos­sam fa­zer tra­ba­lhos à so­ci­e­da­de. Te­mos aí um tra­ba­lho gi­gan­te a fa­zer, e só os Es­ta­dos não con­se­guem fa­zer. En­tão es­ta vi­são de en­fren­ta­men­to ao cri­me não po­de ser sim­plis­ta. Ela é mui­to mais com­ple­xa do que sim­ples­men­te ar­mar as pes­so­as. E é mui­to mais com­ple­xo do que sim­ples­men­te pren­der as pes­so­as.

O Bol­so­na­ro par­te com van­ta­gem e is­so é ine­gá­vel. Mas se­gun­do tur­no é ou­tra elei­ção. Vai de­pen­der mui­to do com­por­ta­men­to e da pos­tu­ra do Had­dad. Ele te­rá que fa­zer um de­ba­te que am­plie a agen­da do PT pa­ra que ele pos­sa agre­gar as for­ças de­mo­crá­ti­cas do Bra­sil. É pos­sí­vel sim a dis­pu­ta, re­co­nhe­cen­do que o Bol­so­na­ro é mui­to for­te no se­gun­do tur­no e que vai de­pen­der mui­to da for­ma co­mo Had­dad se apre­sen­ta pa­ra a so­ci­e­da­de, co­mo lí­der de um pro­je­to e de um mo­vi­men­to. E sen­do o prin­ci­pal lí­der, não o se­gun­do lí­der.

O sis­te­ma de se­gu­ran­ça é uma agen­da. Tem que de­ba­ter. Tem que en­trar fir­me nes­te de­ba­te. A po­lí­ti­ca econô­mi­ca é ou­tra agen­da. As re­for­mas que o país pre­ci­sa fa­zer, ou­tra. Nós não po­de­mos dei­xar de dis­cu­tir as re­for­mas. Elas de­vem e pre­ci­sam pro­te­ger os mais po­bres, mas não po­de­mos dei­xar de co­lo­car no de­ba­te a ne­ces­si­da­de de fa­zer re­for­ma da Pre­vi­dên­cia. Sim­ples­men­te anu­lar a re­for­ma tra­ba­lhis­ta po­de não ser o ca­mi­nho ade­qua­do. Tal­vez pos­sa ha­ver mu­dan­ças que atu­a­li­zem a le­gis­la­ção tra­ba­lhis­ta. Há uma agen­da que pre­ci­sa ser am­pli­a­da pa­ra agre­gar for­ças po­lí­ti­cas em tor­no des­te mo­vi­men­to.

Não dis­cu­ti­mos. O PSB man­dou um do­cu­men­to a ele. Na mi­nha vi­são, a am­pli­a­ção do de­ba­te pre­ci­sa in­cluir te­mas pa­ra atrair ou­tras for­ças.

O par­ti­do es­tá vi­ven­do o ten­si­o­na­men­to da po­lí­ti­ca na­ci­o­nal. Des­de a mor­te de Edu­ar­do, na elei­ção de 2014, co­me­çou a ha­ver es­te ten­si­o­na­men­to for­te, pri­mei­ro com PT e PSDB. O par­ti­do não fi­ca imu­ne a is­so. Es­ta­mos so­fren­do com is­so, e não só nós. Ve­ja o PSDB, o MDB, o pró­prio PT. O ten­si­o­na­men­to é ge­o­grá­fi­co, com Sul e Su­des­te nu­ma po­si­ção, e o Nor­des­te na ou­tra. Is­so re­per­cu­te den­tro do par­ti­do e com as li­de­ran­ças. Não é fá­cil man­ter a uni­da­de. O PSB tem pro­cu­ra­do, a ca­da ato im­por­tan­te, to­mar uma de­ci­são. E a de­ci­são que to­ma­mos é a de­ci­são pos­sí­vel. Nem sem­pre é a me­lhor. Is­so tem man­ti­do o par­ti­do de pé e com co­e­rên­cia. A mai­o­ria que­ria o im­pe­a­ch­ment da pre­si­den­te Dil­ma e res­pei­ta­mos os que não qui­se­ram vo­tar. A ca­da mo­men­to o par­ti­do to­ma uma de­ci­são bus­can­do man­ter co­e­rên­cia com sua his­tó­ria, apon­tan­do o com­ba­te a cor­rup­ção e o for­ta­le­ci­men­to das for­ças de­mo­crá­ti­cas e po­pu­la­res.

Had­dad te­rá que fa­zer um de­ba­te que am­plie a agen­da do PT pa­ra que pos­sa agre­gar as for­ças de­mo­crá­ti­cas”

Não apoi­a­mos. Ape­nas de­mos li­ber­da­de pa­ra que Te­mer pu­des­se con­vi­dar al­guém do PSB [pa­ra mi­nis­té­ri­os]. Sem­pre man­ti­ve­mos in­de­pen­dên­cia e de­pois ca­mi­nha­mos pa­ra opo­si­ção. Nun­ca abra­ça­mos o go­ver­no Te­mer. Quem abra­çou foi o mi­nis­tro de Mi­nas e Ener­gia da épo­ca [Fer­nan­do Co­e­lho Fi­lho, que se des­fi­li­ou do PSB].

GIL­SON BOR­BA/FU­TU­RA PRESS/FO­LHA­PRESS — 7/10/2018

Ca­sa­gran­de: go­ver­na­dor elei­to pe­lo PSB vai fi­car neu­tro no 2 tur­no “por­que a re­a­li­da­de ca­pi­xa­ba exi­ge is­so”

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.