Go­ver­na­dor do Pi­auí quer dis­cur­so mo­ral no PT

Valor Econômico - - POLÍTICA - Ca­sa­gran­de: Va­lor: Ca­sa­gran­de: Va­lor: Ma­ri­na Fal­cão

Do Lu­la e prin­ci­pal­men­te do PT. Es­sa é a vi­são do PSB. Eu não vou fa­zer cam­pa­nha nem pa­ra um nem pa­ra o ou­tro, mas fa­zen­do uma aná­li­se da si­tu­a­ção, es­ta é a mi­nha vi­são.

Não é só he­gemô­ni­co, não tem mais a ver com a he­ge­mo­nia do PT. Tem que ter uma agen­da. A agen­da tem que ser am­pla, tem que sen­si­bi­li­zar for­ças de­mo­crá­ti­cas bra­si­lei­ras que vão mui­to além do Par­ti­do dos Tra­ba­lha­do­res.

Ques­tões de mo­ra­li­da­de de­vem en­trar mais for­te­men­te na cam­pa­nha pre­si­den­ci­al do can­di­da­to Fer­nan­do Had­dad (PT) e um de­ba­te mais pró­xi­mos com li­de­ran­ças re­li­gi­o­sas pre­ci­sa ser fei­to de for­ma rá­pi­da. A ava­li­a­ção é do go­ver­na­dor do Pi­auí, Wel­ling­ton Di­as (PT), re­e­lei­to no do­min­go. “O de­sa­fio não é pe­que­no, mas va­mos tra­ba­lhar pe­sa­do”, dis­se Di­as, ao Va­lor.

Pa­ra o pe­tis­ta, Had­dad pre­ci­sa en­con­trar uma for­ma de mos­trar ao po­vo quem ele é: um ho­mem ca­sa­do há 30 anos, cu­jo avô era re­li­gi­o­so e que vi­ve de sa­lá­rio de pro­fes­sor. “O Lu­la já dis­se a ele: ago­ra é com vo­cê.”

Pa­ra Di­as, nem 20% dos vo­tos do can­di­da­to do PSL par­ti­ram de pes­so­as que de fa­to gos­tam de­le do jei­to que é e con­cor­dam com su­as idei­as. O res­tan­te vo­tou em uma ima­gem que não se sus­ten­ta, im­pul­si­o­na­dos pe­lo sen­ti­men­to de an­ti­pe­tis­mo, an­ti­po­lí­ti­co e an­ti­cor­rup­ção.

“Quan­tos ca­sa­men­tos ele [Bol­so­na­ro] já te­ve? Ele é al­guém que re­ce­be au­xí­lio-mo­ra­dia já pos­suin­do imó­vel pró­prio”, diz.

O pe­tis­ta res­sal­ta que é ur­gen­te o com­ba­te a pro­pa­ga­ção de no­tí­ci­as fal­sas co­mo a de que Had­dad cri­ou o “kit gay”. A ex­pres­são foi cu­nha­da por con­ser­va­do­res pa­ra se re­fe­rir a pro­gra­mas de edu­ca­ção pa­ra di­ver­si­da­de, pre­vis­tos em do­cu­men­tos in­ter­na­ci­o­nais e nos pa­râ­me­tros cur­ri­cu­la­res bra­si­lei­ros e que tem co­mo ob­je­ti­vo com­ba­ter o pre­con­cei­to e a vi­o­lên­cia de gê­ne­ro.

Se­gun­do o go­ver­na­dor, es­tá che­gan­do ao elei­tor evan­gé­li­co, além dis­so, que o PT pre­ten­de “aca­bar com as igre­jas”.

“O prin­ci­pal de­sa­fio é ven­cer a men­ti­ra. É uma cam­pa­nha mui­to cen­tra­da no me­do”, dis­se.

O go­ver­na­dor, que re­ce­beu 55,6% dos vo­tos, acre­di­ta que há mar­gem pa­ra Had­dad ga­nhar ain­da mais vo­tos no Nor­des­te, des­de que se des­fa­ça a boa ima­gem do Bol­so­na­ro em as­pec­tos com­por­ta­men­tais e éti­cos. No Pi­auí, Had­dad re­ce­beu 65% dos vo­tos vá­li­dos, e Di­as acre­di­ta que es­se pa­ta­mar po­de ul­tra­pas­sar 70% ago­ra na se­gun­da eta­pa.

Di­as es­te­ve reu­ni­do com os de­mais go­ver­na­do­res do Nor­des­te ali­a­dos do PT e elei­tos no do­min­go e Had­dad, em São Pau­lo, na ter­ça-fei­ra e on­tem. Se­gun­do o go­ver­na­dor, hou­ve pe­di­do pa­ra que o can­di­da­to pe­tis­ta as­su­ma um com­pro­mis­so com a se­gu­ran­ça pú­bli­ca, ques­tão sen­sí­vel no Nor­des­te.

Ou­tra co­bran­ça foi que Had­dad re­to­mas­se o pro­je­to “Mais Es­pe­ci­a­li­da­des”, uma pro­mes­sa da ex-pre­si­den­te Dil­ma Rous­seff que aca­bou não sen­do ple­na­men­te exe­cu­ta­do. O pro­je­to pre­vê um po­li­clí­ni­ca pa­ra ca­da 500 mil ha­bi­tan­tes.

Além dis­so, os go­ver­na­do­res pe­di­ram que se­ja re­gu­la­men­ta­da a se­cu­ri­ti­za­ção da dí­vi­da ati­va, pa­ra que os Es­ta­dos e a pró­pria União pos­sam an­te­ci­par re­cei­tas, fa­zer in­ves­ti­men­tos e es­ti­mu­lar a eco­no­mia.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.